Espanha diz que Chávez não tem laços com terroristas da ETA

Terroristas mascarados do grupo separatista basco espanhol ETA

Terroristas mascarados do grupo separatista basco espanhol ETA

Escrevi recentemente um post em que informava, a partir de investigações de juízes espanhóis, sobre possível treinamento na Venezuela de terroristas do grupo separatista basco espanhol ETA.

Agora, é de justiça que poste notícias enviadas pelo meu amigo Fernando Morais, jornalista e escritor, informando que o governo espanhol diz “não ver laços” entre Chávez e os terroristas da ETA, conhecidos como “etarras”.

“Governo da Espanha diz não ver laços entre Chávez e o grupo separatista ETA

Para ministro, treinamentos em território venezuelano não implicam que presidente esteja envolvido

05 de outubro de 2010 – Reuters e Efe

MADRI- O governo da Espanha afirmou nesta terça-feira, 5, que as afirmações de dois membros do grupo separatista basco ETA de que foram treinados na Venezuela em 2008 não denunciam uma relação entre o governo do presidente Hugo Chávez com os treinamentos.

O ministro do Interior espanhol, Alfredo Perez Rubalcaba, fez a ressalva após Chávez refutar e desmentir qualquer ligação com o grupo armado, além de ratificar seu rechaço a organização.

Segundo Rubalcaba, “não há nenhuma prova, nem nada que permita nem pelo menos imaginar” que o Executivo de Caracas esteja envolvido no assunto. “Não há nenhum dado, nenhuma afirmação dos dois supostos ‘etarras’ que permita inferir, coligir, nem pelo menos suspeitar que o governovenezuelano tem a ver com isso”, reiterou.
O funcionário, no entanto, pediu às autoridades de Caracas que investiguem a fundo se os fatos denunciados pelo juiz da Audiência Nacional espanhola Ismael Moreno estão corretos e se os treinamentos tiveram participação do ‘etarra’ Arturo Cubillas, deportado à Venezuela em 1989.

O ministro espanhol qualificou de séria a relação mantida pelo grupo terrorista com Cubillas, que em 2005 foi nomeado para um cargo público pelo Executivo de Chávez. “Durante algum tempo, a Venezuela representou para a ETA um respiro para a política de pressão”, disse Rubalcaba.
O ministro, contudo, ressaltou que a colaboração antiterrorista com a Venezuela “melhorou substancialmente” desde março deste ano, quando outro juiz da Audiência Nacional espanhola, Eloy Velasco, denunciou possíveis conexões entre o governo de Caracas, o ETA e a guerrilha das Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc).

A Espanha solicitou informações a Venezuela ontem logo após ter sido divulgado um auto judicial que citou declarações dos detidos Juan Carlos Besance e Xabier Atristain, que declaram terem sido treinados em território venezuelano após terem recebido cursos na França. Besance e Atristain estão em prisão preventiva por possessão de explosivos e armas e integração em organização terrorista.”

……………
“Espanha aceita resposta da Venezuela sobre ligações com a ETA

05 de outubro de 2010 – AE-AP – Agência Estado

MADRI – O governo da Espanha considerou nesta terça-feira, 5, válidas as explicações do presidente venezuelano, Hugo Chávez, negando qualquer vínculo com o grupo separatista Pátria Basca e Liberdade (ETA). Madri afirmou esperar cooperação plena por parte da Venezuela para esclarecer os supostos treinamentos de membros do ETA no país sul-americano.

Chávez qualificou na segunda-feira as acusações como uma campanha internacional para desprestigiar seu governo e desmentiu a confissão de dois membros do ETA, que afirmaram ter recebido treinamento sobre manejo de armas em 2008 na Venezuela. A acusação dos supostos membros do ETA foi divulgada em documento do juiz Ismael Moreno, da Audiência Nacional da Espanha.

“Não se pode dar credibilidade às declarações feitas ante um juiz por dois criminosos sanguinários desprovidos de qualidade humana e moral”, afirmou Chávez, por telefone, em entrevista à TV estatal venezuelana.

A vice-presidente de governo espanhola, María Teresa Fernández de la Vega, descartou qualquer medida de pressão diplomática e acrescentou que, após as denúncias, foram acionados os canais normais de cooperação policial e judicial entre Espanha e Venezuela.

O magistrado Moreno afirmou que Javier Atristain e Juan Carlos Besance, presos na quarta-feira passada no País Basco, disseram ter recebido um curso na Venezuela entre julho e agosto de 2008. O responsável pelo treinamento seria Arturo Cubillas, acusado de ser intermediário de uma suposta aliança entre o ETA e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (Farc), sob o suposto amparo de Chávez.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

doze + 3 =

3 Comentários

  • Logo depois desta nota, em si valendo apenas para que a coisa não escalasse, pois é evidente que Hugo Chávez tem nos grupos terroristas ,seja do ETA espanhol, quanto das FARC colombianas, uma aliado aos quais entrega armas próprias do exército venezuelano, como aconteceu há alguns meses atrás, houve duas outras que revelavam algo mais:

    Zapatero, pede em tom formal, “respostas” ao que reportaram os dois etarras espanhóis que haviam treinado na Venezuela; treinamento arranjado por alto funcionário do governo de Chavez, etarra exilado.

    Logo depois o gov. venezuelano se propõe a investigar Arturo Cubillas.

    Abs.

  • nerinei meneghetti

    O Brasil treina tropas americanas e israelenses no Amazonas, tropas que saem para o mundo matando em nome do capitalismo e de Deus. Porque isso não é divulgado? Isso acontece desde o princípio da república neste país…ah, me lembrei, e a operação condor?

  • Wagner F.

    Mesmo que vc verdade que o Brasil tivesse algoa ensinar a americanos e israelenses em amteria de guerra, ainda assim seriam soldados legais e não terroristas, que longe de serem soldados atacam inocentes achando que estão punindo os inimigos.