Image
Rajoy, chefe do governo espanhol, e o líder da oposição socialista, Alfredo Pérez Rubalcaba: não é fácil administrar crise como a atual

Está cheio de curiosidades o último boletim de pesquisa de opinião pública divulgado pelo respeitado Centro de Investigações Sociológicas (CIS) da Espanha, depois de feitas 6.082 entrevistas com cidadãos.

O primeiro deles: numa escala de 1 a 10, nenhum político — nenhum, de nenhum partido — chegou sequer à nota 5.

E, na avaliação sobre os principais líderes políticos do país, o presidente do governo (primeiro-ministro) Mariano Rajoy, do Partido Popular – que esmagou os adversários socialistas nas eleições de novembro passado, obtendo maioria absoluta no Parlamento e arrastando quase todos os governos regionais –, curiosamente está atrás do candidato que derrotou nas urnas, Alfredo Pérez Rubalcaba, secretário-geral do Partido Socialista Operário Espanhol (PSOE) … exatamente no item liderança.

A diferença não é muita, é verdade – Rubalcaba recebeu nota 5,03 no item “capacidade de liderança”, e Rajoy alcançou 4,87.

Mas não deixa de ser significativo, para um recém-eleito – sobretudo tendo-se em conta a distância a que Rajoy ficou da nota máxima. Não sai barato administrar uma crise econômica brutal como a que vive a Espanha. (Leia no site de VEJA).

De todo modo, Rajoy ganha por alguns décimos de Rubalcaba em itens como “competente”, “honrado” e “se preocupa com gente como você”.

No capítulo de instituições, as ONGs receberam a média mais alta – 5,33, e a mídia, em segundo lugar, alcançou 4,52. O Parlamento, que no Brasil vai sempre para os últimos postos, na Espanha teve 4,49 pontos e ficou à frente do Judiciário, dos partidos politicos e dos bancos.

Leia Também:

“Eleições na Espanha: socialistas conseguem deter a maré conservadora na Andaluzia, a comunidade mais populosa”

Parece um país que conhecemos: Espanha gasta com juros da dívida o triplo do que investe em obras públicas

Vitória esmagadora dos conservadores na Espanha elege um líder previsível — e confiável para a União Europeia

O fim das ações dos terroristas da ETA, a paz no País Basco e uma grande mentira

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 3 =

Nenhum comentário

Fernando Costa em 12 de abril de 2012

A União Européia é inviável.

Marcos Aarao Reis em 12 de abril de 2012

Nada extraordiário considerando que o esmagamento dos adversários foi graças ao apoio de tão somente por 20% do eleitorado. Você sabia? Não sei de onde você tirou esses números, caro Marcos. Embora o PP não tenha obtido a maioria absoluta de votos -- ficou um pouco aquém disso --, teve, segundo as regras da Constituição, maioria absoluta de deputados, e também de senadores. Acompanhei muito de perto o processo, pois estava no país à época. Um abração e... você andava sumido, hein?

SergioD em 10 de abril de 2012

Ricardo, se nas últimas eleições o PSOE fosse oposição venceria ad eleições de lavada e estariam com a popularidade na lama. A situação é tão difícil que acho que a popularidade de Rajoy até que não é tão má. Abraços Você tem razão.

Vera Scheidemann em 10 de abril de 2012

Eu não queria estar na pele do Rajoy... Vera Nem eu, prezada Vera...

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI