Image
Calma pachorrenta do ministro do STF Ricardo Lewandowski empurra julgamento do mensalão para 2013 (Foto:Fellipe Sampaio/STF)

Amigos, é espantosa, para não dizer inacreditável, a calma pachorrenta com a qual o ministro do Supremo Tribunal Ricardo Lewandowski, designado ministro revisor do processo do mensalão, anuncia que deverá empurrar o julgamento para… 2013!!!

A denúncia do procurador-geral da República contra os atuais 38 réus do caso deu entrada no Supremo em abril de 2006.

Repito: ABRIL DE 2006!

De lá para cá, as incontáveis manobras dos advogadões contratados pela maioria dos 38 réus, os mais de mil — sim, amigos, é isso mesmo, mil — recursos interpostos, somados às dimensões colossais do processo, que tem 200 volumes, mais de 40 mil páginas e fez com que fossem ouvidas cerca de 700 testemunhas, exigiram esforço e, claro, tempo, do relator, ministro Joaquim Barbosa.

Image
Relator, ministro Joaquim Barbosa fez todo o trabalho pesado (Foto:Fellipe Sampaio/STF)

O procurador-geral da República, Roberto Gurgel, já fez suas alegações finais e pediu cadeia para 36 dos 38 réus.

O grosso do trabalho, duríssimo e exaustivo, está feito. Lewandowski, em seu papel de ministro revisor, não precisa retomar nada da estaca zero. Algumas semanas seriam suficientes para se inteirar do trabalho todo, a menos que não confie nos critérios e na competência de seu colega Joaquim Barbosa.

Empurrar com a barriga esse caso de 2012 para 2013 denota uma falta absoluta de sensibilidade social e política do ministro, e a um integrante do Supremo essa falta é grave. É de se indignar que trate algo central à vida pública brasileira desde há anos como se fosse um processo a mais, e só.

É como comentou meu amigo e irmão Augusto Nunes: ao anunciar que só terminará sua tarefa em 2013 — oito longuíssimos anos depois de descoberto o escândalo –, Lewandowski deu uma ótima notícia aos bandidos.

Leia o comentário e veja o vídeo em que Augusto aborda o caso neste link.

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + catorze =

51 Comentários

Leonel Julio Farah em 15 de março de 2012

E assim vamos lewandowski.

Rita de Cassia em 01 de janeiro de 2012

Não gosto da atitude deste Lewandowski, pois não consigo compreender o por que de uma pessoa ser bem remunerada para fazer seu trabalho e continuar no mesmo posto fazendo o contrário. Ele defende os que ele deveria condenar. Moro em Manacapuru, interior do Amazonas, e ele a poucos dias tomou uma decisão que transformou meu município em um campo de guerra, reconduzindo ao cargo o ex Prefeito Edson Bessa que quando esteve a frente do Executivo, deixou nossa cidade entregue ao lixo e completamente inadimplente. O Ministro nem se quer considerou que o ex prefeito estava com todos os bens bloqueados pelo Ministério público Federal. Estou indignada com tanta irrresponsabilidade.

Paula Gomes em 25 de dezembro de 2011

Acho totalmente desrespeitosa a maneira com q se referiram ao Sr. ministro e leviana e tendenciosa a matéria q li acima .O S.Ricardo Setti trata autoridade como deveríamos tratá-lo ou seja COM IGNORANCIA pois fica claro uma enorme INVEJA de uma pessoa tão gabaritada como o SR. Lewandowski.Seja mais prudente , Sr. Setti pois o sr. sim pode estar pondo em risco a sua reputacão Não acho que esteja colocando em risco minha reputação por expressar minha OPINIÃO. Se você acha que as pessoas estão acima de qualquer suspeita apenas por serem autoridades, o problema é seu. Quanto ao "inveja", não sei de onde você tirou isso.

Corinthians em 20 de dezembro de 2011

Não é a primeira vez que este ministro, com atuação patética, diz algo desse tipo. Já logo após ser indicado realizou comentários sobre o mensalão, deixando claro que ele fará de tudo paa que persista a impunidade. Vergonha.

gilvan em 19 de dezembro de 2011

Tem algo de podre no ar. Como pode? Os bandidos do mensalão estão aí rindo da nossa cara. Que vergonha sr. Ministro.

Luís da Velosa em 19 de dezembro de 2011

Tenho muita admiração e respeito pelos dois ministros: Joaquim Barbosa e Ricardo Lewandowski. Dessa forma, acho que ambos estão empenhados na solução mais justa para o chamado Mensalão. Esperemos o curso processual finalizar-se na última instância, obedecido o devido processo legal, para expendermos com firmeza e certeza aquilo que pensamos ou não imaginamos.

Geneuronios em 19 de dezembro de 2011

Como é que alguém consegue trabalhar de terno e gravata e com estas asas de morcego por cima??? Não dá para ser eficiente. Dou tôda a razão. Sugiro denúncia ao Ministério do Trabalho ou a alguma ONG que defenda estes trabalhadores do judiciário.

Luiz em 19 de dezembro de 2011

Lewandowski foi o escolhido para preparar a opinião pública ou, para a prescrição do Processo, ou para a absolvição dos mensaleiros. Podem escolher umas das duas alternativas!

Ademir Mattos em 19 de dezembro de 2011

Sou obrigado a " concordar 2 com o que disse a Ministra Calmon . Alguém aí lembra o que ela disse ?

Neide em 18 de dezembro de 2011

Gente...Ja escrevi antes que moro nos USA. Nao estou aguentando mais o descaramento dos governantes brasileiros. Sera mesmo que o povo nao tem sabgue nas veias e aceitam todo esse deboche de bracos cruzados? Meu Deus ate onde essa corja vai roubar e rir de nos? TEnho uma sugestao e vou repetir ate pegar. Nos brasileiros devemos nos recusar de pagar impostos. Se conseguirmos 100 milhoes de pessoas que ja nao aguentam mais tanta bandalheira, o que e que eles poderao fazer. Colocar 100milhoes na cadeia?

eduardo em 18 de dezembro de 2011

. esses srs envergonham toda a sociedade brasileira consciente que lehes pagam os salários surreais em se tratando de um paizeco onde se prende meninas com homens em cadeias publicas !!

Adoniran Antunes de Oliveira em 18 de dezembro de 2011

Caro Adoniran, não posso publicar um comentário tão ofensivo a pessoas. Críticas duras, sim, ofensas xingamentos, não. Desculpe, fica para uma outra vaez, tá? Um abraço

Cil em 18 de dezembro de 2011

É por essas e outras que a governanta mandou avisar que não vai dar aumento para ninguém... inclusive para o judiciário. Sinceramente, nunca ficar sem receber aumento me deixou tão feliz.

João em 17 de dezembro de 2011

HOMENAGEM AOS PIVATEIROS . "Agora já não é normal, o que dá de malandro regular profissional, malandro com o aparato de malandro oficial, malandro candidato a malandro federal, malandro com retrato na coluna social; malandro com contrato, com gravata e capital, que nunca se dá mal."

João Máximo em 17 de dezembro de 2011

Pior do que a absolvição no julgamento no STF será o não julgamento por "falta de tempo" do ministro. Temos que exigir que este julgamento ocorra em 2012, caso contrário será uma afronta aos brasileiros que ainda acreditam na justiça.

duduvieira10 em 17 de dezembro de 2011

No geral prezado Setti; Espantosa é confusão mental da nossa Corte Suprema, alhos com bugalhos!!

Marilene em 17 de dezembro de 2011

Então há que haver quem levante a suspeita do voto deste Juíz! Ou todos agora não podem fazer nada? Ele já se manifestou. É suspeito! Vamos iniciar uma campanha para retirar o poder do seu voto por suspeita de falta de isenção, afinal ele tem contas á pagar com os indiciados. Chega de impunidade!

zemane em 17 de dezembro de 2011

LEVIANOdovwski: figuras do teu naipe é que fazem o Brasil ser o que é! O que esperar de um cara que foi indicado pela Marisa Letícia, amiga da mãe do cidadão em questão? Esses caras se acham acima do bem e do mal, pro suposto "notório saber jurídico". Esquecem que são servidores do Estado, pagps como nossos impostos e que devem satisfação ao povo brasileiro, não a facções criminosas embaladas com siglas petistas.E essa tal de Rosa sei lá o que, "aprovada" pelos Senado??...É O FIM!!!

Mari Labbate *44 Milhões* em 17 de dezembro de 2011

Ministro Ricardo Lewandowski: TENHA DÓ! O seu comportamento é hilariante, na Idade da Maturidade! Escolher o Rei Lulla e suas duas desequilibradas Rainhas, para apadrinhar, em vez de respeitar 200 Milhões de brasileiros, é demais para qualquer cidadão consciente compreender e acatar! Se não consegue respeitar os seus CABELOS BRANCOS, respeite os nossos, pois já estamos exauridos, após empreendermos tantas LUTAS, defendendo a Nação de ataques insanos...

Reynaldo-BH em 17 de dezembro de 2011

Ao MM. Ministro Ricardo Lewandowsky Supremo Tribunal Federal – Brasília. DD. JUIZ, Não creio que V.Sa. irá ler o que se segue. Sei que um juiz só fala nos autos, o que me exime de esperar uma resposta. Embora V.Sa. tenha, com alguma constância, o hábito de expor opiniões fora do processo, o que quase se configura em um pré-julgamento. Não me sinto confortável em alegar razões jurídicas a um Ministro do STF. Poucos no Brasil podem fazê-lo e certamente não me encontro neste seleto grupo. Dirijo-me a V.Sa. qualificado somente como cidadão. Creio ser o suficiente para o que gostaria de dizer. O Judiciário sempre será a última instância da cidadania. Quando nada mais houver, que haja, ainda o Poder dos Magistrados. Na falta deste, temos a barbárie mesmo que travestida em figurinos que lhe deem aparência de Justiça. Nunca são. São arremedos de julgamentos quase sempre viciados. A nação não entendeu vossas declarações feitas a um jornal diário de SP. Mais do que espanto, causou-nos medo e revolta. E uma profunda descrença no Poder maior que defende a Constituição e a cada um de nós. V.Sa. avisou ao Brasil que indiciados ficarão impunes, mesmo que condenados. A tese da prescrição anunciada equivale a uma absolvição, pela falta da efetiva punibilidade. Os argumentos alegados por V.Sa. chegam a soar como escárnio e zombaria a todos nós, brasileiros que defendemos o Estado de Direito e nos valemos deste para exercer nossos direitos fundamentais. Então falta tempo para que a punibilidade seja eficaz? Está anunciado a não punição, mesmo havendo – de seus pares – votos para a condenação dos envolvidos no escândalo conhecido como “mensalão”? Tempo, prezado Ministro, também se faz. Prioridades são decisões diárias que cada um de nós toma quando avaliamos a urgência e importância de nossas ações. Pode um bombeiro deixar de socorrer uma vítima de um desmoronamento por que avaliou que “não dará tempo” para uma ação eficaz? Um policial deixa de atuar, pois o tempo que lhe resta para agir - na avaliação do próprio policial - é insuficiente? Um médico deixa de tentar a reanimação visto que o infartado está em parada cardíaca? Ou tenta criar tempo ao tempo? Pode um Ministro do STF alertar a nação que – por ação própria e de exclusiva responsabilidade pessoal – a Justiça será inócua? Mesmo com uma condenação? Mesmo com votos em contrário de seus pares, que estarão votando no vazio? O dito “mensalão” já é uma prova da falência de dois poderes republicanos. O Executivo que se valeu de subornos para ter um Congresso dócil e cordato. E o Legislativo, que tal qual produto de fim de feira, se vendeu da forma mais vergonhosa que se tem notícia na história do Brasil. Não se trata de pré-julgamento. O devido processo legal está em curso. Não pré-julgo. Cabe-me, como cidadão, avaliar o que sei pela imprensa e pelos depoimentos dados pelos delinquentes ao Senado em CPI transmitida ao vivo pelas emissoras de televisão do país. E esperar a manifestação eficaz da Justiça. A esta cabe a última e definitiva palavra. Quem pré-julga é V.Sa. quando – antecipadamente - deixa claro que a prescrição se dará por “falta de tempo” para analisar o que um par de vossa Corte irá proferir no voto de relatoria. Foram anos de trabalho intenso por parte do Ministro-Relator. É prática usual o ministro revisor refazer todo o trabalho executado pelo ministro-relator? Acontece com frequência? Por que este caso em tela é diferente? Por que já se anuncia a absolvição de fato dos réus do processo? Qual ação criminosa mereceria de V.Sa., pela importância social e histórica, a prioridade de análise que evitasse o evento da prescrição? Onde V.Sa. faria um esforço e teria tempo para analisar o voto do MM. Relator Joaquim Barbosa? Não é este o enfoque da revisão? Todos acompanhamos, estupefatos, as tentativas feitas às claras pelos réus de influenciar não só o julgamento como principalmente o trâmite processual deste caso. São as tais chicanas jurídicas usadas à exaustão. São encontros em Paris de réus com ex-ministros da Justiça para tratar especificamente do assunto. São desconfianças de escolhas do mais alto posto da vida jurídica brasileira, derivadas de critérios que não somente o do saber jurídico e ilibada reputação. São recursos interpostos todos os dias baseados em nada, na essência. Agora temos V.Sa. alegando “falta de tempo” para o mesmo processo. Perde-se a oportunidade para evitar que o Poder Judiciário continue a crescer em descrédito e desconfianças. Ao contrário, reforça a visão da inoperância judicial e dependência política. Quando se quer, já dizia a sabedoria popular, se arranja tempo. É aceitável que um caso tão exaustivamente acompanhado pela população brasileira vos seja inteiramente desconhecido? Idem quanto a acessar o processo, como fazem os advogados e procuradores, visto o mesmo estar disponível na Internet? V.Sa. jamais aventou a hipótese, em sabendo-se revisor, acessar os autos disponível no site do STF? Um dos réus ousou dizer que um dia este caso seria somente uma piada. Este réu pode ser um corrupto ou corruptor (parece ser ambos), mas não se lhe negue o direito de ser um futurologista de primeira grandeza. Qual a diferença entre a absolvição e a falta de punibilidade, aos olhos da cidadania? Após a anistia que – certamente – será aprovada no Legislativo, teremos réus condenados, mas livres e soltos para voltar (ou continuar) a delinquir? A isso não dou o nome de Justiça. Não posso. Não aceito. Não faz jus ao que esperamos como última cidadela da cidadania. Eximo-me de dar o nome que se adequa a este comportamento. Ainda tenho respeito pelos magistrados e pela Justiça do Brasil. É o mesmo respeito que espero como brasileiro, merecer de um dos onze outros brasileiros que guardam a Constituição, o Estado de Direito, a prestação jurisdicional e a Democracia. Que haja tempo para isto. Não é pedir muito. A isto, creio poder dar o nome de Justiça. Atenciosamente, Reynaldo – Um Brasileiro.

Sergio Puccetti em 17 de dezembro de 2011

Não há qualquer dúvida de que tem o rabo preso, é conivente e deve estar faturando muito dinheiro neste caso. É mais ladrão do que os réus. Fazer o que' This is Brazil...zil...zil...

Wilson Salvador em 17 de dezembro de 2011

RICARDO,essa pose enfadonha é retrato da agilidade que ele trata a "justiça",mas convenhamos ele foi indicado por quem? pela marisa leticia, á pedido da progenitora "MAMI" que eram vizinhos em são bernardo,pode uma sacanagem dessa?

brasileiro preocupado em 17 de dezembro de 2011

O STF ESTÁ APARELHADO, ABS

nena em 17 de dezembro de 2011

Como se ainda houvesse juízes em Brasília! Quero voltar à Prússia de Frederico II e ser contemporânea do moleiro que acreditava tanto na Justiça que desafiou o próprio rei. Quero ir para a França que condena um ex-presidente! Não! Quero mesmo é um Brasil mais decente. Pode-se eleger moluscos e postes, nomear ministros corruptos que já o são antes de serem nomeados, colocar no poder apadrinhados sem qualificação, mas que a JUSTIÇA se mantivesse altiva, acima das picuínhas ideológicas e conchavos mesquinhos. Haveria esperança, o benefício da dúvida de que a luta pelo Bem teria possibilidades de vitória. A CONTINUAR COMO ESTÁ NÃO RESTA MAIS NADA. Esperar alguma coisa honesta em relação ao mensalão? Já não dá mais... enquanto acreditávamos, o trabalho dos juízes era de apenas fazer cumprir a Lei e a Constituição, agora terão de provar que a própria lisura que está em dúvida. Senhores ministros do STF, surpreendam-nos.

Think tank em 17 de dezembro de 2011

Este é o terceiro “pilar” do poder responsável por todas aberrações que hoje vivenciamos, é a casa que dá garantia de impunidade a todos os lularápios do executivo, legislativo, e também do próprio judiciário. A mansidão, leniência, imobilidade, inoperância, e a farsa deste tribunal em relação ao MENSALÃO-2005 foi como um comunicado formal que o STF deu a todos os saqueadores do erário que ainda tinham duvidas sobre o grau de impunidade aos corruptos. Otários somos todos nós que não temos mecanismo de como escapar e somos obrigados a sustentar estas gangues que chegaram ao poder do país farsesco com MEGA tributos. Estes é o tribunal que “trabalha” para os saqueadores do bem estar social de todos os brasileiros honestos.

Diocleciano em 17 de dezembro de 2011

Eu, embora eleitor de partidos à esquerda, torço para que o caso seja julgado. Mas...a falta de sencibilidade que a grande mídia, que deveria ser imparcial, está tendo para com o livro " A privataria Tucana", é de espantar. As acusações são graves: não se trata de discutir se as privatizações foram benéficas ao país ou não; mas sim de enriquecimento ilícito dos comandantes do processo privatista à custa de MUITA PROPINA. Certas relações empresariais entre filhos dos acusados e parentes de Daniel Dantas são mal explicadas. Quando indagados sobre o assunto os acusados simplemente dizem que não vão responder. Ou dão explicações toscas. A exemplo de José Serra, que ao invés de se defender se saiu com essa: "Lixo". Se é lixo por que ele foi procurar a editora para não publicar o livro ??? Já FHC saiu dizendo que o autor do livro está sendo processado pela PF por quebra de sigilo. Ou seja, não comentou as acusações em sí mas tentou se safar tentando mostrar que o jornalista Amauirir Ribeiro Júnior é investigado. Aquele soldado lá de Brasília que está acusando o governador Agnole Queiroz também responde na justiça por CORRUPÇÃO. O ex-deputado Roberto Jeferson, que fez aquela encenação toda sobre o mensalão, também está sendo processado pela justiça por corrupção. NO entanto todas essas figuras receberam TODA A CREDIBILIDADE da grande imprensa, que lhes deu páginas e páginas para fazerem as acusaões contra o PT. A tese de FHC, de que quem responde na justiça não merece credibilidade, nesses casos, para incriminar o PT, não valeu. Enquanto a indignação com a corrupção for feita de forma SELETIVA o país permanecerá o mesmo.

alberto santo andre em 16 de dezembro de 2011

AFINAL, DE UM INCAPACITADO PARA A FUNCAO, ALCADA A ESTA SIMPLESMENTE PELO APADRINHAMENTO DO PINOCHIO LULA, O QUE SE PODERIA ESPERAR DESTE JUIZ DO STF ,DIFERENTE DE UM RUI BARBOSA OU DE UM AFONSO ARINOS, ESTES JUIZES DO SUPREMO TRIBUNAL FEDERAL, ESTAO SE LIXANDO PARA A POPULACAO ,OU PARA A TOTAL DESMORALIZACAO, DO ORGAO SUPREMO DE UM ESTADO DE DIREITO.

Roberto souza em 16 de dezembro de 2011

Será mesmo só falta de sensibilidade? Não lhe parece que, com a experiência e capacidade do Ministro, essa explicação seja pouco plausível?

Hellyétt F. em 16 de dezembro de 2011

Só tenho uma palavra para este ministro--DESPUDORADO.Que nojo, que raiva,que....

Hellyétt F. em 16 de dezembro de 2011

Nada como viver num país de faz- de- conta...os Ministros fingem que legislam e o povo finge que acredita..Ai, meus sais!

Lapeno R em 16 de dezembro de 2011

O poder Judiciario e sem duvida a instituicao mais incompetente, confusa, arcaica e inoperante neste pais. Esses penguins ai da foto sao uns ''reizinhos'', muito distantes da realidade do pais. E uma classe que se protege, es esconde numa cortina de procedimentos, um vocabulario barroco e confuso, e num pais como o Brasil (extremamente burocratico e confuso), e a fome com a vontade de comer para esses caras. Eles nao precisam responder por produtividade, gozam em 2 meses de ferias ao ano ou mais, zilhoes de beneficios e por ai vai. Eles nao valem o ar que respiram na minha opiniao.

J.R.Monteiro em 16 de dezembro de 2011

As vezes a esperteza é tão grande, que engole o esperto Querendo ajudar os padrinhos, esse juiz jogou essa batata quente para as vésperas das próximas eleições presidenciais. Sendo mnimamente competentes, as oposições vão ter bastante munição para bombardear um governo, às voltas com os atrasos nas obras da Copa e da pilantragem generalizada. Quem sabe, nos livramos do PT o da Dilma.

Rere em 16 de dezembro de 2011

Esse Supremo Tribunal Federal do Brasil é totalmente jurássico. Lembra os tribunais da época do Imperador d. Pedro II. e' só, olhar a postura de suas Excelencias, sentados paxorrentamente em suas poltronas e fantasiados de grandes magistrados.

Teresinha em 16 de dezembro de 2011

O caso mais importante para o STF e estão fugindo da raia sem o menor pudor. Desculpas jurídicas saberão dar aos montes, mas o tempo corrido, as provas técnicas, e o crédito de uma nação não tem preço. Aliás tem o preço moral - será a vergonha do descaso jurídico.

Vera Scheidemann em 16 de dezembro de 2011

É nisso que dá ter um cargo vitalício. Os ministros do Supremo deveriam ter mandatos. Some-se a isso, é claro, a falta de vergonha. Como eu já disse antes, a atitude dele é muito mais que vergonhosa - é criminosa ! Vera

Douglas Correa em 16 de dezembro de 2011

É a hora de dar o retorno . Mamãe indicou-o para Marisa Leticia e esta a Lula. Este guindou-o ao posto que hoje exerce . Em 2007 foi voto contrario ao indiamento do Zé Diceu (noticiado à epoca). Em telefonema ao irmão disse que os ministros votaram sob pressão da imprensa e "faca na garganta" . Agora é a hora final , tem que fazer tudo para retribuir.

Dexter em 16 de dezembro de 2011

Caro Ricardo Não é falta de sensibilidade, não. É excesso de pilantragem e vigarice.

Augusto Guia em 16 de dezembro de 2011

Caro Ricardo, Falta um ministro da envergadura de Adaucto Lúcio Cardoso, que despiu a toga, após o STF julgar constitucional a lei da censura prévia, em plena ditadura militar, mesmo tendo ele sido nomeado pela própria quartelada.O Supremo hoje compõe-se de ministros invertebrados. Forte abraço

Mari Labbate *44 Milhões* em 16 de dezembro de 2011

Como a Justiça brasileira FALHOU totalmente, acobertando os atos errados dos políticos infratores, entrou, no Universo, como a Primeira Instituição a ser julgada, visto que uma Nação não sobrevive sem a Justiça dos Homens. Porém a JUSTIÇA DIVINA continua operando... Lamentável esses ministros terem optado por registrarem os seus nomes, na História do Brasil e da Humanidade, de forma tão DEGRADANTE! Será que conseguem dormir, expondo-se, terrivelmente, a quase 200 milhões de cidadãos? Com certeza não acreditam em um Ser Superior, que está julgando-os e condenando-os a expiarem as suas culpas, a qualquer momento.

G. Carvalho em 16 de dezembro de 2011

O recente aparelhamento do estado se evidencia em todas as esferas e jurisdições governamentais, nada escapando a esse tipo de câncer social. Juntamente com o mínimo divisor comum, tem constituído critério decisivo para a seleção de quadros. A Nomenklatura da esquerda nominal tentou, como se sabe, uma solução orwelliana para o mensalão, ao negar que houvesse existido. Como poderia ter ocorrido o crime, a uns poucos metros do gabinete do presidente da república, sem que ele tivesse percebido coisíssima alguma? Se não percebeu o ocorrido é porque nada ocorreu. Coisa de louco, mas em seu famoso 1984, G. Orwell retrata justamente isso, o reinventar da história, malandragem em que os comunistas russos se revelaram mestres, talvez doutores. A outra tentativa de expurgar, ou expungir, da história do Brasil o megaescândalo do mensalão residiu nos ensaios desavergonhados para amordaçar a imprensa. A lei da mordaça favoreceria, em verdade, todas as quadrilhas que se têm especializado em arrombamento de cofres públicos. Para tais especialistas, assim como para os Midas Reversos e o Dr. Sumiço, não basta o fruto gordo de sua gatunagem sistêmica e impune. O que querem mesmo é assegurar a instalação de uma fulgurante cleptocracia, definida pela Professora Filomela Klorotes como o governo aparelhado por ladrões em benefício exclusivo deles mesmos, de seus familiares, capangas, comparsas, asseclas e sequazes. Convenhamos, é muita gente a ser sustentada pelo contribuinte asfixiado, inerme e inerte, que paga tributos de padrão europeu, mas recebe, em contrapartida, serviços públicos de qualidade moçambicana.

lillis em 16 de dezembro de 2011

Está mais do que na hora da Justiça operar com PRAZOS! Não interessa o tamanho da " encrenca" ...Virem-se, mexam-se ...como viram-se médicos diante de um intestino aberto, como viram-se químicos diante de situações calamitosas, como policiais, bombeiros, mães que cuidam dos seus filhos. Justiça que tarda não é justiça, é estímulo ao crime. Basta de juízes " escolhidos" por presidentes para ocupar cargos vitalícios e principalmente remunerações idem. Na vida, instável como ela só , ninguém tem "direito adquirido".

freetibet em 16 de dezembro de 2011

Meretitissíssímo Sr. Dr. Prof. Vailevando... Ao trabalho, vamos!!! Existem crianças e velhinhos morrendo nas filas do SUS! - O que tem isso com o julgamento do mensalão??? - Tem, e muito! Corrupção mata crianças e velhinhos! Não ENVERGONHE a nós pobres brasileiros...!

carlos mattos em 16 de dezembro de 2011

O cara tem um nome que justifica levianodowski, entao ta tudo falado ele nao e so suspeito nao, ele da tiurma

selminha em 16 de dezembro de 2011

Setti, imagina quanto estes ministros estão recebendo para empurrar o processo do mensalão com a barriga. Eles não têm a menor vergonha na cara, e merecem todo o nosso desprezo. Grandes patriotas, você não acha?

Tititi e trololó em 16 de dezembro de 2011

O Ministro gosta de um tititi e de um trololó

Therese em 16 de dezembro de 2011

E leva a população honesta que trabalha e dá duro para pagar os impostos que depois vão pagar estes caras todos a pensar que é tudo farinha do mesmo saco. E que não estão preocupados com a opinião pública e nem com a seriedade da Nação.

Reynaldo-BH em 16 de dezembro de 2011

O que e onde o Ricardo está Lewandowski? Faltam Ministros. Sobram ministros. Enfim, para que esperar tanto? Já sabemos o que nos aguarda. Ou o show precisa continuar? O script desta farsa burlesca precisa ser cumprido até o fim? E chega de intermediários: José Dirceu para presidente! E Sarney para a presidência (vitalícia) do STF.

Ancelmo em 16 de dezembro de 2011

Mesma coisa com Gilmar Dantas e seus 2 habeas mais rápidos do universo!! Claro, tudo embasado juridicamente, pois o estado de direito (pra uns)tem que esta acima! Vergonha o supremo e principalmente Gilmar Dantas

Moraes em 16 de dezembro de 2011

E ainda tem alguém que acredita neste julgamento?

Tuco em 16 de dezembro de 2011

. Grande RSetti, teus eufemismos são formidáveis! "Falta de absoluta sensibilidade social", no popular, quero crer, significa: vendido, comprado, alugado, de rabo preso, corrompido, lasso, frouxo, covarde e mais um sem-número de adjetivos, não é mesmo? Abri mão de descer mais no popular ainda, em respeito a este Valoroso e Digno Espaço. Quem pensa que Sua Excelência está cuspindo e andando, erra. Ele tem todo o interesse do mundo! .

sandovalsader em 16 de dezembro de 2011

Caro Jornalista, Estes ministros(com letra minuscula)com sua pachorra, formalismo, empáfia e încompetência, além de parecer estarem no mundo da lua, não nos surpreendem mais.A cada declaração deles a gente assusta. Mas o que pensar de um Lewandowsky e outros nomeados pelo Pai da Patria, o sapo barbudo, após a previa aprovação do Tomaz Bastos. Não se apoquente, não se amofine, não se iluda : STF como antigamente não tem mais . E esta nova ministra amiga do ex da Dilma? Fica frio meu caro. Este é o Brasil do Seculo XXI. Abraços

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI