Image
Lima Duarte, em 1973, e José Wilker, em 2011: o mesmo Zeca Diabo em duas versões bem diferentes

O pessoal de elenco da TV Globo que me perdoe, mas o José Wilker é chique demais para fazer o personagem Zeca Diabo na minissérie O Bem-Amado.

Ainda mais quando Wilker tem sobre si a sombra do papel extraordinariamente executado na novela de 1973 por Lima Duarte. Ele constriu um matador profissional implacável mas dotado de um especialíssimo, ainda que tosco, sendo de humor, além de ter tiradas sobre a vida oriundas de uma filosofia muito peculiar. Era cruel, mas volta e meia se enternecia por pequenas coisas banais.

Irrepetível.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

seis + sete =

19 Comentários

lucas felipe basso em 03 de abril de 2011

acredito que possam ter errado no elenco do filme pois marco nanini não poderia ser odorico e sim o lima duarte e o zeca diabo carlos vereza ao meu ver. no teatro serei zeca e não imitarei nenhum ator.

Antonio Skoldharougs em 25 de janeiro de 2011

Odorico Paraguassú de Paulo Gracindo era mais caricato de ACM que o Odorico de Marco Nannini

Antonio Skoldharougs em 25 de janeiro de 2011

Posso afirmar, Dias Gomes se inspirou em ACM para escrever esse folhetim. Odorico era a encarnação de ACM, até a 'verborrágia' era idêntica a do caudilho (hoje morto) da boa terra.

nena em 25 de janeiro de 2011

A novela "O Bem-Amado" marcou uma época pela inovação, pela riqueza dos seus personagens e pela interpretação magnífica dos atores, além da música de abertura que já causava um frisson quando inciada. Paulo Gracindo, Lima Duarte, Emiliano Queiroz, Ida Gomes, Dirce Midiaglio foram marcantes demais para serem superados. Então, a reprise fica parecendo aquela comida requentada depois do dia da festa, quando a ressaca ainda dói. O mesmo acontece com "A Grande Família" que sem o Vianinha, Armando Queiroz(um Tuco genial), Jorge Dória e Heloísa Helena (não a senadora!)virou uma presepada de envolvimentos sexuais e comédia barata, com finais previsíveis. Nos 2 casos, cadê o conteúdo, a sutil malícia das coisas sugeridas que deixam o telespectador em suspense? Por isso não gosto de assistir o requentado, assim como não gosto de filmes feitos em cima de livros consagrados: são lineares e superficiais e, em todos os casos, como querem incrementar algo novo colocam remendos de mau gosto, vira paródia como bem disse a maria mello, das 18:56. Guardo com muito carinho o meu bau de recordações e versões novas deturpam e destroem a imagem original que me é querida: Odorico Paraguassu terá sempre a cara do Paulo Gracindo!

Renata em 25 de janeiro de 2011

Não acho, não... Lima Duarte era meio caricato. Aliás, o elenco da minissérie de modo geral, por excelente que seja, está todo muito caricato, o que não me agrada. Com exceção, justamente... do José Wilker! Prefiro esse Zeca Diabo soturno, sinistrão. O Wilker é um grande ator e encontrou um jeito de não reprisar o Zeca Diabo do Lima Duarte. E sua opinião, respeitabilíssima e bem fundamentada (em poucas palavras), aqui está. Respeito-a, claro. Abração

maria mello em 23 de janeiro de 2011

Achei uma parodia do outro Sucupira. o Zé Wilker ta parecendo o Raul Gil. Alias quase todo mundo ta ruim, salvando-se somente o Dirceu borboleta.(mateus N>

Sonia em 22 de janeiro de 2011

Para mim esse filme foi um grande equívoco, um desperdício de atores consagrados em papéis já vividos de forma irretocável por outros insuperáveis. Esse Zeca Diabo "sério" foi muito chato.De mais a mais, a novela foi uma excelente crítica pelo tom de comédia, que o diretor não quis dar. A única coisa que acho, como o Paulo César disse abaixo , é a semelhança de Odorico com Lula.

Paulo Cesar Ferreira em 21 de janeiro de 2011

Lima Duarte e Paulo Gracindo, são insuperáveis. Agora faço a seguinte observação: O político que mais se aproxima de Odorico, sem dúvida nenhuma é o LULA! Ahahahaha, caro Paulo César. Pensando bem...

Joe em 21 de janeiro de 2011

Boa tarde Setti, assisti O Bem Amado quando guri e, de fato, o filme/minissérie ficou devendo muito. Acho o Marco Nanini um ator muito bom e sou fã incondicional do José Wilker, mas, P. Gracindo e Lima Duarte estavam muitos pontos acima quando da exibição original.

Elvio em 21 de janeiro de 2011

Ricardo, Fora do assunto mas com conexão ruim, tem pegar pelo rabo. Sua sugestão sobre o Fernando Portela, aprovadíssima, o cara é bom mesmo. Elvio

SergioD em 21 de janeiro de 2011

Ricardo, o Zeca Diabo do Wilker é meio cool, como dizem por ai. Teria sido considerado bom se não conhecêssemos o trabalho de Lima Duarte na primeira versão da novela, da década de 70. Também concordo com o leitor Ox. Odorico Paraguassu, só com o Paulo Gracindo. Um abraço

robertoppedroso em 21 de janeiro de 2011

Caro Ricardo, Por favor, invista um tempo e assista o video abaixo: Só não vale chorar! Forte Abraço, Roberto Caro Roberto, muito obrigado pelo sen-sa-cio-nal vídeo. Vou postá-lo no blog, já, já. Por isso mesmo estou omitindo aqui o link que você me passou. Maravilhoso! Um abração

robertoppedroso em 21 de janeiro de 2011

Caro Ricardo, por favor - você que é uma pessoa inteligente poderia me explicar como é que se pode ter despesas confidênciais ligadas à segurança publica nos cartões corporativos dos nobre politicos de Brasilia? Ao menos podemos ter acesso ao nome das pessoas que possuem esses cartões? Fico intrigado como tem gente envolvida com a segurança nacional. Caro Ricardo, estou fazendo esta pergunta para você, devido ao grande bom senso das coisas que você escreve. É legal esconder da população onde o dinheiro publico é gasto?! Caro Roberto, confesso a você que não estou totalmente inteirado das regras de uso dos cartões corporativos. Infelizmente (ou felizmente...), o blog sou só eu, e minha fiel braço direito, a jovem Domitila Becker. Não disponho de uma equipe inteira para ir atrás dos muitos assuntos que me chegam. E, naturalmente, não tenho resposta para tudo. Sugiro a você -- é superinteressante -- dar uma olhada no Portal da Transparência do governo (http://www.portaltransparencia.gov.br/) ou no site da ótima ONG Contas Abertas (http://contasabertas.uol.com.br/WebSite/). Desculpe deixá-lo na mão. Mas prefiro ser honesto com os leitores do blog. Um abração

Rosa Maria Pacini em 21 de janeiro de 2011

Setti, para mim, o próprio Nanini, que eu considero um ator respeitável, fica aquém do excelente Paulo Gracindo. Na verdade, creio que o problema maior seja a linha adotada pelo Guel Arraes que, apesar de excelente diretor, não conseguiu reproduzir a força da versão original(1973, a qual daria origem a uma série nos anos 80. Sinceramente, não sei porque a Globo em vez de adaptar o filme de Guel Arraes, não remasterizou a versão original desta obra que sempre será um marco na tele-dramaturgia brasileira. As novas gerações teriam a oportunidade de assistir a um trabalho de real qualidade na TV brasileira.

Natal Santana em 21 de janeiro de 2011

Eu não gosto de ver "refilmagens" de novelas, filmes ou miniséries, a menos que não tenha assistido ao original. Porque as comparações são inevitáveis, e, salva honrosas excessões, com prejuizo para o segundo. Quem assistiu ao "Bem Amado" com Paulo Gracindo, Lima Duarte, Emiliano Queiróz, Dirce Migliasso, Carlos E. Dollabela, Fátima Freire... e todo aquele grande elenco, não tem como gostar de qualquer outra versão. Com todo respeito ao fantástico Marco Nanini, Zé Wilker... Por isso, nem me esforecei pra assistir. Além do mais, teria de esperar terminar esse abominável BBB!!!

Aguiar em 21 de janeiro de 2011

Bom dia Setti, estou lembrando dos tempos em que o Jornal da Tarde publicava receitas por causa da censura! Hoje em nenhum site de noticias, Globo, Terra, praticamente nenhuma linha sobre o número de mortos na região serrana do Rio! É a censura? O PNDH 3 já está em vigor? Sério que estou preocupado, para rimar, já foram todos cooptados! Ou ressucitaram os mortos e reconstruiram a serra? Abraço

Diana em 21 de janeiro de 2011

Vi o filme, de onde foi "picotada" a minissérie. Tive que me esforçar p assistir até o final, de tão ruim e chato que é. Caricato demais, e os artistas parecem que estão em um palco de teatro, se revezando com as luzes. Chatérrimo.As cajazeiras que me perdoem, mas é um desperdício de atrizes. O que é aquela peruca ridícula da Andrea Beltrão? Apesar de um excelente elenco global, ficou com cara de "Vale a pena ver de novo", sem nenhum "sangue fresco". De boas intenções, o inferno está cheio.

fpenin em 21 de janeiro de 2011

Setti, Personagens de TV tornam-se reais,no Brasil. Agora mesmo surgiu um novo Odorico, sob chuva de denúncias e com a santa proteção do ministro da saúde. A imprensa , tão intrometida, já está dissecando os despojos. Para o ministro, esse São Odorico é inocente, até que se prove o contrário. Vai, Folha! Faz a tua parte!

ox em 21 de janeiro de 2011

zeca diabo só com lima duarte e odorico com paulo gracindo vi o filme e não gostei e naõa ví a série

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI