Image
Suzana Vieira, a Pilar de “Amor à Vida”: ricaça paulistana com sotaque do Leblon  (Foto:Rede Globo)

A Rede Globo se consagrou no país e internacionalmente como produtora de conteúdo de dramaturgia de  qualidade, que chega a ser de primeiríssima qualidade em projetos exibidos fora do horário de pico de audiência — minisséries especiais que vão do primoroso Os Maias (2001) a Hoje é Dia de Maria (2005), de Agosto (1993) ao Auto da Compadecida (1999), JK (2006) ou Doce de Mãe, reapresentada desde ontem em capítulos. A lista é longa. Foram várias centenas de bons trabalhos.

Quanto às telenovelas mais populares, é preciso ter muita má-vontade para desqualificar seu bom nível: embora obviamente passíveis de críticas, elas são muito melhores do que a maioria esmagadora do que se faz em TVs abertas mundo afora.

A Globo tem atenção aos detalhes, rigor na reconstituição de época, capricho na escolha de trajes e locações, alto grau de exigência na parte técnica, em geral esmero na seleção de diretores e elencos.

Mas, volta e meia, deixa passar algo que não ocorreria no mundo da melhor dramaturgia: a questão do sotaque regional dos personagens. A novela das 9 que se encerra hoje, Amor à Vida, é um exemplo quase clássico disso: supostamente passada em São Paulo, tem 80% dos personagens falando com sotaque da Zona Sul carioca. Esta tem sido a regra em outras novelas que escolhem São Paulo como centro das ações.

Image
Russell Crowe, Kate Winslet, Meryl Streep, Cate Blanchett  (Fotos: AP :: Reuters :: Kevork Djansezian / Getty Images :: David Gubert)

A fala é, naturalmente, parte fundamental e indissociável da representação de um ator. E tanto quanto a capacidade de entonação para transmitir emoção, a clareza da pronúncia ou a boa dicção, é fundamental adaptar o personagem ao falar da parte do mundo ou do Brasil em que está situado.

Boa parte do elenco de Amor à Vida, porém, não está nem aí para isso, a começar pela sempre carismática Suzana Vieira, boa e experiente atriz que, neste quesito, pisa feio na bola. Não mudou um milímetro o sotaque que lhe é natural e que utiliza nas novelas passadas no Rio.

Na recente minissérie Amores Roubados, que se passa no sertão da Bahia, houve um visível esforço de aprimoramento da prosódia dos atores e atrizes envolvidos, com o niteroiense Murilo Benício, o carioca Cauã Reymond e a mineira Ísis Valverde caprichando no sotaque da região. A grande Patrícia Pillar — que nunca falha neste quesito –, foi como sempre impecável, ela, que já fez papel até de boia-fria do interior paulista sem permitir que o próprio sotaque carioca (embora tenha nascido em Brasília) interferisse no do personagem.

A competência do bom ator está também nisso. Basta ver o número de atores de língua inglesa que se adapta sem problemas a papéis de personagens de distintos países, independentemente de seus sotaques originais.

O neozelandês Russell Crowe faz filmes americanos em série, falando como se tivesse nascido nos Estados Unidos. A britânica Kate Winslet torna-se uma norte-americana de nascença nos filmes que se passam nos Estados Unidos, tal como a britânica do País de Gales Catherine Zeta-Jones ou a australiana Cate Blanchett, que esquece o às vezes impenetrável acento do inglês de seu país para ora representar personagens ingleses, ora norte-americanos. A americana Meryl Streep já esteve na pele de uma italiana vivendo nos Estados Unidos e de uma australiana que vê o filho pequeno desaparecer num camping no deserto.

OK, telenovelas, gravadas contra o relógio e sem tempo para que os atores aprofundem seu trabalho não são filmes de grandes produtoras. Mas um esforçozinho para sair de Ipanema ou do Leblon, estando supostamente em São Paulo, ajudaria a conferir mais credibilidade às novelas “paulistas” da Globo.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

10 − nove =

44 Comentários

marcello rego em 21 de agosto de 2014

e a dublagem de hoje de hoje que é na maioria paulista . é um tal de apartameinto prá ca no momeinto prá lá . ai pode né ? é errado eu concordo mas se vale para uma situação então tem ser para todas.

Lívia em 12 de fevereiro de 2014

Muito pior agora na novela "Em família" chega a doer ouvir as pessoas que interpretam personagens que vivem NO INTERIOR DO GOIÁS falando com sotaque do Rio... eu eixxxtou grávida, Laerte... nossa faz o favor vai? O diretor deveria ter dado um jeito nisso... os atores adolescentes então... pareciam que eixxtavam no poixxxto nove!

Maria em 11 de fevereiro de 2014

SEMPRE ouço críticas contra o sotaque carioca em novelas que se passam em São Paulo. Curioso, mas NUNCA vejo críticas sobre sotaque paulista/não-carioca em novelas que se passam no Rio... A própria protagonista de "Em Família", Julia Lemmertz, tem sotaque sulista e não faz o MÍNIMO esforço para CHIAR. (Bem como boa parte parte das Helenas antigas, como Regina Duarte, apesar de essas personagens serem moradoras do carioquíssima Leblon.) Disso ninguém reclama. Como o povo implica com o Rio. Francamente...

J.Pereira em 08 de fevereiro de 2014

Em Família,também,já começa a mostrar gafes.No capítulo de ontem(07/02),ocorreu um exemplo disto na briga entre os personagens Laerte e Virgílio:o 1° é violentamente atirado contra mesas cheia de copos e garrafas de vidro,seguidas vezes.É cacaria a mais não poder!Embora tenha suas costas pressionadas contra grande quantidade de objetos cortantes e perfurantes,não sofre um arranhão sequer!Nem mesmo sua camisa sofre um único pequeno rasgão! Por falar na nova novela,está fraquíssima.Nunca fui fã do Maneco,mas(dado sua anunciada aposentadoria),esperava coisa melhor.Manoel Carlos,conseguiu piorar a qualidade do seu trabalho com o passar dos anos.Desde a última década, só produz dramalhões melosos,desaconselhavéis para diabéticos,por mais que tente apimentar alguns personagens e situações.Tbm,mandaram mal na escolha desse elenco da primeira fase da novela.Os jovens atores estão pouco convincentes,ainda cheirando a ranço de Malhação,de onde alguns estreiaram na TV.

Ex-Assinante em 04 de fevereiro de 2014

Não reproduzo nada dessa publicação vendida, mentirosa e sórdida.

ELOISA em 03 de fevereiro de 2014

Mr. Setti, li o texto e pude notar o sentido pejorativo, eu e muitos outros, eh so checar os comentarios.Se os atores nao fazem ou nao se empenham no seu trabalho, a culpa eh de quem os dirigem...eu penso.

ELOISA em 02 de fevereiro de 2014

As novelas da Record estao cheias de atores cariocas, por que sera???

Thomas Gonçalves em 02 de fevereiro de 2014

SEtti você está totalmente certo. O sotaque carioca é uma beleza, mas não se pode fingir que a novela se passa na Bahia ou em São Paulo com os atores preguiçosos não se esforçando nem um pouco em adequar suas falas à região que se passa a história.

Thereza Cristina Pradelli em 02 de fevereiro de 2014

Acho que o Ricardo tem razão mas tem leitora que está apelando para a ignorância. Ele não menosprezou sotaque de ninguém basta ler o comentário!

ELOISA em 02 de fevereiro de 2014

Ignorancia e ridiculo eh menosprezar o sotaque de cada regiao. Sou carioca, e amo meu sotaque. O que fazer? assim eh, em todas as partes do mundo...cada um com seu sotaque. Eloisa, minha cara, por gentileza leia de novo o post. Eu não menosprezei o sotaque carioca, como não menosprezo sotaque algum. Falei de um problema TÉCNICO de atores que, pretendendo estar em um lugar, de acordo com o roteiro da novela, não se preocupam minimamente com a essencial questão do sotaque adequado desse lugar ou região -- coisa que grandes profissionais de cinema, TV e teatro do mundo afora fazem, porque sabem ser obrigação.

ELOISA em 02 de fevereiro de 2014

A Tv Globo fica no Rio por isso o sotaque carioca, se a tv fosse na Bahia, o sotaque seria baiano. A Paloma (novela) eh paulista, e posso diferenciar perfeitamente o sotaque paulista q ela tem. Nao podemos perder o BOM SENSO.

Tatiana em 02 de fevereiro de 2014

Acho ridículo esse sotaque carioca numa novela passada em São Paulo. Quando a novela se passa no nordeste, todos os atores se esforçam para ter sotaque nordestino. Com isso, é claro que os paulistas se sentem provocados e beira ao ridículo. Ao contrário de outras pessoas que criticam a Globo e nem assistem nada dela, eu sou noveleira e assisto ao telejornais diariamente. No jornalismo o sotaque já é irritante, parecendo até forçado. Mas nas novelas ambientadas em São Paulo poderia ser tratado com o mesmo cuidado que as ambientadas no nordeste. E na novela Além do Horizonte? Numa vila do meio da Amazonas o sotaque é carioca.

Cau Marques em 02 de fevereiro de 2014

Ainda bem. Já pensaram? "Ôrra, meu" "Magiiiiina" "Nun tô intennndennndu"

Cézar em 02 de fevereiro de 2014

Mas Setti, o sotaque paulistano da metrópole, não o paulista do interiorrr, que é diferente; é muito sutil, um português muito cristalino, de modo que tentar reproduzi-lo seria cair no caricato. Os atores poderiam pelo menos tentar falar um português "neutro". Basta fazer como fizeram veteranos experientes como o próprio Antônio Fagundes ou o Francisco Cuoco, que fez uma ponta na novela e se saiu muito bem. Entre outros. É OBRIGAÇÃO do ator a questão do sotaque. E é PREGUIÇA e DESCASO descuidar disso.

Pablo em 02 de fevereiro de 2014

A novela foi ótima quanto ao conteúdo, repleta de lições e quebras de pensamentos que nos levam a refletir e abrir nossas mentes. Achei meio inútil uma pessoa pegar uma obra dessa (falem o que quiser, mas foi uma ótima novela) e falar do sotaque... Deixe cada um falar da forma que quiser e bem entender, o que importa mesmo é o conteúdo, a moral, a lição e a arte em si.

Dulce Regina em 02 de fevereiro de 2014

Querida Dulce, a seu pedido não publico seu comentário. Muito obrigado pelas boas palavras e bom domingo pra você também. Abraços!

Dulce Regina em 01 de fevereiro de 2014

Caro Setti, com todo respeito. Para mim eles podem falar até com sotaque japonês, porque não assisto este canal de TV, em momento algum. Leio chamadas de Veja, à respeito das novelas e programa reality, e me incomoda muito o rumo dos temas e assuntos abordados por esta emissora. Não critico quem gosta, faço o meu papel - me incomoda ? Controle remoto na mão.... Quanto ao sotaque carioca, vc sabe ? Qdo viajo ( mesmo aqui no Brasil ) , tem pessoas que identificam logo e elogiam, dizendo que acham bonito o jeito de falarmos. Não tenho nada contra nenhum sotaque, querida Dulce Regina. Mas acho ridículo fingir que uma novela se passa em São Paulo sem que a maioria dos atores nem se dê ao trabalho de tentar NÃO dizer suas falas com sotaque da Zona Sul do Rio.

Joe em 01 de fevereiro de 2014

Prezado Setti, Bastante oportuno o seu post, que vem ao encontro do que venho observando há muito tempo: a desfiguração dos sotaques brasileiros por conta da influência da televisão, especialmente com o poderio da Globo, que se esforça em fazer predominar o sotaque carioca em todos os seus programas. Costumo dizer que o meu sotaque é a minha alma, embora seja patente que eu próprio esteja a perder o meu, resultado da interação com as demais pessoas e influências televisivas. Soa-me bastante estranho que a Globo tenha feito um enorme esforço para tirar o sotaque fortíssimo do interior paranaense da Grazi Massafera, porém ao invés de deixá-la sem um sotaque específico, porquanto é uma estrela no Brasil todo, cuidou para que assumisse o sotaque carioca, com todos os seus chiados. Quando o artista vem do Rio Grande do Sul, como a Fernanda Lima, existe uma pressão para redução da força de seu sotaque, pressão essa que é mais reduzida se o artista for nordestino. Se for de outras regiões, o sotaque carioca é praticamente imposto, matando a alma regional. Já houve novelas em que a Globo evitou o sotaque "italianado" dos paulistas e mesmo expressões italianas tão comuns em São Paulo, porque o resto do Brasil não entenderia, porém as expressões regionais do RJ, sem qualquer significado em outras localidades, são amplamente adotadas. E isso sem falar no praticamente "veto" às expressões do sul. Até mesmo em fantásticas produções de época que retratavam o Rio Grande, não houve um sotaque gaúcho e foram raríssimas as expressões regionais. Enfim, a despeito da inegável qualidade, que coloca a Globo entre as melhores produtoras de conteúdo do mundo, o peso do bairrismo carioca está desfigurando o regionalismo brasileiro. Um grande abraço do Joe.

JoaoR em 01 de fevereiro de 2014

Concordo que não podemos negar o bom nível técnico das novelas da Globo. Por outro lado, os enredos, textos, diálogos, etc. são feitos para, no mínimo, descerebrados.

Jorge Medeiros em 01 de fevereiro de 2014

Não percebi, pois não assisti. Consegui me livrar desse vício há muito tempo. Tenho é lido muito.

Juliana em 01 de fevereiro de 2014

Com tantas questões importantes abordadas na novela e você se liga justamente no sotaque, amigo - que eu, particularmente, nem notei.

alcir em 01 de fevereiro de 2014

Tentativa de insuflar racismos aqui, nem pensar, Alcir. Pode desistir.

Elaine em 01 de fevereiro de 2014

Acho que vc perdeu uma bela oportunidade de ficar calado. Eu como carioca, não percebi esse sotaque, pelo contrário, achava chato o Bruno, a Paloma e alguns outros sotaques paulistas, carioca não fala desse jeito. Quanto a Suzana Vieira eu concordo que estava carioca demais, e os paulistas caricatos e chatos de ouvir como, Gina, Denizar e outros, aff não dá né gente. Se aturar um núcleo de paulistano carregado no sotaque já era chato, imagine toda a novela, não ia ter audiência mesmo. Na verdade, o sotaque carioca é tão esculachado pelos não cariocas, mas no fundo é recalque, pois é o padrão mais aceito por todos. (Sem os exageros de uma minoria). Até os jornais locais de São Paulo, ou nacionais mas que tbm estão nesta capital, como o Jornal Hoje, tem um sotaque perto do carioca. Então acho que é muita ingenuidade pensar que uma novela geral com tal sotaque iria dar certo. ACORDA PRA REALIDADE E ACEITA QUE DOI MENOS. Parece que doeu foi em outra pessoa... Não ia ter audiência? É merrrrrrrmo, o Estado de São Paulo só tem 42 milhões de habitantes.

wilson em 01 de fevereiro de 2014

Carioques castiço: EScola é CUUlejo, Tomate é TUUmatchi, mesmo é mermo. Engraçado foi uma série sobre o RS que o gauderio diz que vai para Aligretchiii.

Monica Gardenal baldo em 31 de janeiro de 2014

Acho que para grande parte do Brasil o sotaque carioca lembra o falar dos criminosos que traficam drogas nos morros da Cidade Maravilhosa!

Bruno Sampaio em 31 de janeiro de 2014

Calma, Setti. Passamos muito tempo ouvindo "apartaméinto", "engarrafaméinto" e os famosos Hãn, hãn, antes de cada frase em novelas passadas no Rio. Deixa a gente chiar um pouquinho os "ss", vai!

jair sergio de moraes em 31 de janeiro de 2014

Eu percebi isso há uns trinta anos atrás, sempre achei ridículo, com outras regiões não acontecia, quando era do sul, o sotaque era da regiao, no Nordeste, mesma coisa, mas quando era em São Paulo todos tinham sotaque carioca, e o pessoal ainda elogiava os atores, pô se o cara tá interpretando um personagem de São Paulo com sotaque carioca ele não está desempenhando bem o seu papel, é simples!

Klaus Kambes em 31 de janeiro de 2014

A questão não é se esse ou aquele sotaque é bonito ou feio. A questão é a falta de profissionalismo de alguns atores que não fazem esforço nenhum assumir o local, o sotaque do lugar. Só pra informar que a cidade de São Paulo tem três ou mais sotaques. Na Moóca o sotaque é muito diferente da periferia etc.

Bianca em 31 de janeiro de 2014

Entendi. Os posts que debocham do sotaque dos cariocas não têm resposta nem retórica... E o meu regionalismo que é ridículo??? Ah, tá...

Fernando em 31 de janeiro de 2014

Inclusive os trejeitos e cultura e comportamento geral dos atores e reporteres são demasiadamente acariocados. A forma de encarar a vida e de se expressar é bastante ligada ao Rio. Realmente não me identifico com inúmeros programas principalmente globais que centram o Rio como o centro do país, 15 milhões de habitantes enquanto o país tem outros 185 milhões. Até o sotaque dito univeral na verdade é totalemente carioca porém com troca do plural do X com o S para tentar se passar como universal.

Bianca em 31 de janeiro de 2014

Ah, outra coisa: as empresas de telemarketing estão trocando seus funcionários paulistanos por nordestinos e cariocas. Motivo? Ninguém aguenta conversar, reclamar, discutir com uma voz cheia de sons anasalados. Imagina uma novela inteira?

Bianca em 31 de janeiro de 2014

Se o sotaque fosse "paulistês", aquele típico da Marisa Orth ou do Faustão, tipo "não estou entêndênnnndo", só paulistanos assistiriam a novela já que são os únicos que conseguem achar bonito alguém gritar "Curintia"... Já perceberam que até o cenário da novela passada no Rio é muito mais bonito? Ou alguém tb vai criticar isso? Dordecotovelo.com.br, a gente vê por aqui!!! Se sotaque paulistano desse audiência, o SBT era campeão! São Paulo, a cidade, tem vários falares diferentes. O "Curintia" que você aponta é um deles, e abrange alguns milhões de brasileiros. Só que nenhuma dessas formas de falar costuma frequentar as falas da maioria dos atores. E dor de cotovelo por quê? Se há alguém que não tem queixa da vida, sou eu. O post aponta fatos, não discute regionalismos ridículos.

Ezequiel-SP em 31 de janeiro de 2014

Isxcuta aqui sr Ricarrrrdo. Eu boicoto a globo juisxtamente por causa dessa mania de acharrrr que elesx falam bunito

Marco Antônio - Curitiba (PR) em 31 de janeiro de 2014

O curioso é que os jornalistas estaduais da emissora têm que rebolar pra pelo menos reduzir seus sotaques regionais. Então vem a Leilane Neaubarth com sua pronúncia quase caricata: "doishhhh anoshhhhh de desafioshhhhhh"

maria goreti figueiredo em 31 de janeiro de 2014

Realmente a globo nunca toma o menor cuidado em tirar o sotaque carioca ,bem carregado muitas vezes, de seus atores. Ja teve novela em que usou o termo bombeiro ao em vez de encanador, coisa tipicamente carioca.

Paulo Bomfim em 31 de janeiro de 2014

Ei, Setti, acho que há aí não só desleixo, mas um problema com o próprio sotaque "paulistanês": ele só aparece em novelas para identificar o chato e sério da história. Mesmo em novelas que se passam no interior de São Paulo (esse sotaque é respeitado), não aparece o paulistanês - salvo no advogado, no juiz, no médico, personagens esporádicos (veja os personagens de Sinhá Moça). . As novelas do SBT, sempre em paulistanês, são criticadas por isso. Chamam de bairrismo. Que coisa, não? . Abração, Setti.

abel em 31 de janeiro de 2014

mas é bom lembrar que São Paulo está cheia de cariocas no teatro e tv. Lembremos Paulo Autran, Irene Ravache, Antônio Fagundes e demais.

Ricardo em 31 de janeiro de 2014

Quando comentei sobre a Suzana Vieira não quis ser ofensivo, mas o colunista foi sensato e coerente em não publicar o que falei, mas imagino que o profissional tem que, independente do tempo em que esta na televisão atuar como se a primeira vez fosse e São Paulo por mais cosmopolita que seja não tem esse sotaque carioca todo que esta na novela.

tiao em 31 de janeiro de 2014

Na Globo é assim,indianos,turcos,todo mundo com sotaque carioca,que cá entre nós é chato pra caramba.

Ricardo em 31 de janeiro de 2014

Penso que vai do profissionalismo do ator que ta ali representando, se o cenario é São Paulo que se faça o minimo esforço pra que aquilo se pareça verdadeiro, **** **** **** **** **** **** ***** **** **** ***** **** o Rio de Janeiro apesar de lindo não á capital do Brasil como muito global pensa.

David Denis Lobão em 31 de janeiro de 2014

"Amor de Mãe, reapresentada desde ontem em capítulos." - O correto é Doce de Mãe e foi um filme exibido a um ano e um mês atrás que só agora virou uma série (e não minissérie). Obrigado, David

Ronan em 31 de janeiro de 2014

>As regras para publicação de comentários no blog, conforme alertei os amigos leitores incontáveis vezes, não aceitam textos escritos somente em maiúsculas, em respeito à boa educação, aos leitores e seguindo uma norma internacionalmente praticada na web. Como presumo que você saiba, palavras em maiúsculas significam palavras gritadas, não é mesmo? Confira as regras no link http://goo.gl/u3JHm Obrigado</strong

Nadia em 31 de janeiro de 2014

As regras para publicação de comentários no blog, conforme alertei os amigos leitores incontáveis vezes, não aceitam textos escritos somente em maiúsculas, em respeito à boa educação, aos leitores e seguindo uma norma internacionalmente praticada na web. Como presumo que você saiba, palavras em maiúsculas significam palavras gritadas, não é mesmo? Confira as regras no link http://goo.gl/u3JHm Obrigado

Julianna em 31 de janeiro de 2014

A novela, além de ser uma droga, ainda causa dependência. ( Georges Najjar Jr - livro Desaforismos )

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI