Image
Fila de candidatos a emprego na Virgínia, EUA: os empregos que a economia vem criando são insuficientes

A coisa está feia na economia americana. Sim, os 103 mil empregos criados em setembro, conforme divulgou o governo, significam o dobro do que previam os sábios de Wall Street, e também o dobro do total do mês anterior, agosto.

Até aí tudo bem.

O problema é que o crescimento do emprego é insuficiente para baixar um dado horroroso, e péssimo para as pretensões de reeleição do presidente Barack Obama: a taxa de desemprego continua altíssima, nos 9,1% da força de trabalho do país mais rico do mundo.

São algo como 14 milhões de americanos sem emprego.

Há ainda 2,5 milhões de trabalhadores que desistiram de buscar emprego fixo e se viram em bicos. Mais cerca de 9,2 milhões que, por acertos com as empresas ou imposição destas aos sindicatos, precisaram reduzir o número de horas de trabalho e, portanto, estão ganhando menos.

Então voltemos ao começo: 103 mil empregos em setembro é um bom dado, mas não basta.

Para que o mercado de trabalho possa absorver o crescimento natural da população ativa, o Departamento do Trabalho estima que seria necessário que a economia criasse 150 mil empregos mensais, no mínimo, e sem oscilar para baixo ao longo do tempo.

Para baixar a taxa de desocupação e o país sair do buraco em matéria de falta de trabalho, portanto, a criação de empregos precisa, a cada mês, superar por larga margem esses 150 mil mensais.

A economia dos Estados Unidos, ao que tudo indica, ainda está longe disso.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

nove − dois =

Nenhum comentário

Pedro Luiz Moreira Lima em 15 de outubro de 2011

Reynaldo BH Pô amigo,vamos debater com seriedade!

SergioD em 14 de outubro de 2011

Ricardo, concordo com o Jeff. Ninguém comenta que até os EUA tem o seu Bolsa Família, quem diria. A informação que Re/Massachusets deu é de estarrecer. 46 milhões de pessoas nos EUA não conseguirem colocar comida em casa dá o que pensar. Algo de muito errado está acontecendo naquele país que não é divulgado para o mundo, ou que a mídia nacional prefere nos ocultar. Vou dedicar mais tempo a ler os sites de jornais e revistas americanos. Um abraço

Jefff em 13 de outubro de 2011

O food stamp é uma especie de bolsa alimentação lá nos estados unidos. Mas é claro que ninguem comenta isso né.

Re/Massachusetts em 13 de outubro de 2011

9,1%, segundo o governo americano. Pois, so estao levando em conta os desempregados que estao no Unemployment Benefit(Seguro-desemprego). Na realidade a taxa de desemprego e bem maior. Segundo o Gallup, sao 22 milhoes de desempregados. A coisa aqui esta critica. O numero de pessoas no Food Stamp e grande. Sao 46 milhoes que nao podem colocar comida em casa sem a ajuda do governo. E essa ajuda nao e suficiente. Ha pessoas buscando comida nas igrejas e no Food Pantry(Banco de Alimentos). E tudo indica que a situacao so vai piorar. Adoro o seu blog. Descobri a pouco tempo e estou adorando. Um abraco forte. Muito obrigado por sua visita, por seu comentário esclarecedor e por dizer que gosta do blog, Re. Fico muito feliz. Volte sempre! Abração

Reynaldo-BH em 13 de outubro de 2011

Solução para o problema de modo imediato! Por favor, levem o Carlos Luppi para assumir tão nobre tarefa! Não será criado um mísero emprego novo! Mas, em compensação, os números divulgados serão BEM melhores!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI