O companheiro Evo Morales não quis ficar atrás do amigão Lula, e lá se foi ele comprar um avião novinho em folha para fazer suas viagens. O Aeroevo do presidente boliviano, um Dassault Falcon 900Ex Easey, custou a bagatela de 38,7 milhões de dólares — nada menos do que 0,25% do Produto Interno Bruto (PIB) da Bolívia.

E é de procedência chique: foi encomendado pelo timaço de futebol inglês do Manchester United que, porém, desistiu da compra quando já tinha até iniciado o pagamento. Como os ingleses não são bobos nem nada, os executivos do clube resolveram que, melhor do que gastar esse dinheirão num avião próprio — fora o custo de manutenção e atualização tecnológica –, era fazer um acordo de patrocínio com uma grande empresa aérea.

Assim, a Turkish Airlines, linha nacional da Turquia, se tornou a transportadora oficial do clube para qualquer lugar do mundo, e além do mais paga para isso.

NO AVIÃO ANTIGO, COM ESCADA DE PINTOR

O Aeroevo e substituirá um cansado jatinho Jet Sabreliner Na 265-60, que serviu à Presidência boliviana por 35 anos. Em 2008, Evo virou piada por descer da velha aeronave por uma escada de pintor.

O Dassault Falcon do companheiro Evo é equipado com câmeras de segurança que detectam pessoas não autorizadas quando está em terra, um sistema antirraios e modernos sensores que permitem que ele aterrisse em locais encobertos por neblina.

Mas, comparado com o Aerolula — um Airbus Corporate Jetliner, versão adaptada e mais luxuosa do Airbus A-319 utilizado no Brasil pela TAM –, tem pouca capacidade: é quase um jatinho executivo, em que, com a área destinada ao descanso e ao trabalho de Evo, mal carrega uma dúzia de pessoas. O Aerolula, a despeito das confortáveis instalações privadas e de trabalho do presidente, ainda é capaz de levar 30 passageiros e 12 tripulantes.

O NOME DO AEROLULA É “SANTOS DUMONT”

O Aerolula foi comprado em janeiro de 2005 por US$ 56,7 milhões pelo governo Lula. Integra a frota da Força Aérea Brasileira (FAB) e veio substituir o modelo anterior de avião presidencial, o Boeing 707, apelidado de “Sucatão”, fabricado em 1958 e utilizado como transporte do chefe do governo a partir de 1985 até sua aposentadoria, no governo FHC, quando o presidente passou a viajar em empresas privadas, contratadas sob licitação.

O Aerolula é dotado de um sistema de comunicação à prova de interceptações, centro médico e suíte presidencial completa, com chuveiro. Batizado originalmente de “Santos Dumont”, nome que ninguém usa, pesa 75 toneladas e tem 80 metros quadrados de área útil interna. Sua autonomia de vôo, sem abastecimento, é de 8.500 quilômetros.

A cabine de passageiros fica na parte de trás e tem capacidade para 20 pessoas. Os passageiros dispõem de assentos modelo classe executiva, com sistema de TV e DVD.

A cabine presidencial, isolada das demais partes do avião, entre as cabines de tripulantes e de passageiros, tem capacidade para dez pessoas – o presidente, a primeira-dama e oito integrantes do governo e/ou assessores. Contém uma sala para reuniões, a suíte presidencial e uma área para autoridades.

Diferentemente do “Sucatão”, o avião presidencial não leva escrito na fuselagem “Força Aérea Brasileira”, mas “República Federativa do Brasil”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × dois =

Nenhum comentário

Cantidio Lopes em 13 de abril de 2013

Chefe de Estado vc quer que ande de carroça, pode ser Ditador do País mais pobre da Africa que vai andar de jatinho e comer Caviar, vai pra Politica meu...

Silvera em 03 de janeiro de 2011

Socialismo só para os pobres eles só mega jato simbolo maior do capitalismo !

jorge andrade da silva em 10 de novembro de 2010

tudo bem ele deixa um elegado bom veja bem nos samos um pais que foi cortado por trilhos. dom pedro sengundo e barrão de maua eles tinha o trem outros transporte o navio de pasageiros com a demenção que e o brasil. na que la epoca era o trem e navio e por que não hoje. o juselino ele so andavar de caminhão por isso que ele fez mais estradas que agora nos que temos carro que andar a 200km por hora o rei roberto carlos comprou um carro que dar 350km por hora vai andar a onde na av.brasil ele so não tem um perigo e ser roubado com seu carro mais serar multado pelo os bandidos ? que controlar av brasil tem muinta favelas.mais vamos torser para voltar o trem de viagem mesmo precarios mais nos pobres tem pelomenos um trem ate a compos de junto a br 101 alo revista e uma boa reportagem o emgarafamento no final de anos da av. brasil ponte rio niteroi e na av ate manilha e na br 101. veja aque le trilho ali dulado da br 101 .revistas escreva ate para meio abiente menas poluição. jorge andrade

Flavinha Free em 09 de novembro de 2010

A diferença se explica, prezadíssimo Setti, mais pelo perfil dos primeiros passageiros do que pelos atributos das aeronaves: - Com coca se viaja...muito melhor do que com cachaça!

Alice Bampi em 09 de novembro de 2010

E como era o avião de Fernando Henrique? Poderiam colocar as fotos para o povo lembrar? Cara Alice, o avião que o presidente Fernando Henrique usava teve a foto publicada aqui por vários dias. É o famoso "Sucatão", um velho Boeing 707 fabricado, imagine você, em 1958, e que a partir de uma certa altura passou a não mais poder aterrissar em aedroportos de países desenvolvidos, devido ao ruído e à poluição que produz. Quando isso ocorreu, em vez de comprar um avião para uso da Presidência, como poderia, FHC promoveu uma licitação entre as empresas aéreas brasileiras de então, e as melhores condições foram apresentadas pela TAM, que, a partir daí, se encarregou das viagens presidenciais. Ou seja, o presidente não tinha avião da FAB à sua disposição. Mas o presidente Lula fez bem em comprar o Airbus que hoje o serve e pertence à Força Aérea Brasileira. Abraço

Ivan Nascimento em 08 de novembro de 2010

Nesse blog tem mais coisas sobre aviões presidenciais : http://presidentialaircrafts.blogspot.com/ Obrigado, Ivan! Completíssimo, muito interessante. Você colabora com ele, ou é responsável? Muito interessante mesmo. Vale a visita. Abração

Markito-Pi em 07 de novembro de 2010

37,5 paus americanos? Baratíssimo. Com uma cargazinha mensal do produto que o Presidente cocalero cultiva, em dois meses se paga. Já o Aerolula começa a dar preju em janeiro. O Palhacio sainte adorava viajar. Logo que assumiu, com 30 dias de desgoverno, já balbuciava: "É bão ser presidente. A gente anda de avião.". Não se sabe se a anta entrante tem estes mesmos fetiches. Provavelmente não. Como se vê, da comparação, a Bolívia civiliza-se .E o Tirirical regride.

luiz em 06 de novembro de 2010

Evo Cocales Morales. Realmente estava precisando de novo aviaõzito. Viajar pelas americas, europa, asia e africa. Negociar as folhitas verdes devidamente modificadas. Com quantos quilos se conseguiu pra este avião. Até

Paulo Reis em 06 de novembro de 2010

Alegam que não compraram o avião EMBRAER 190, porque tinha poucos assentos e pouca autonomia. Se pesquisarem no GOOGLE, verão que ele tem 100 assentos, e se sua autonomia é pequena, procurem saber qual a autonomia dos Super Constelation, que em 1950, levavam o presidente dos EUA a todos os cantos do mundo. À propósito: alguem sabe o valor total dos gastos pelo Lula, nas viagens pelo mundo(inclusive para ir ao Irã "salvar a Terra") ? Como contribuintes honrrados, precisamos saber.

Paulo Reis em 06 de novembro de 2010

O avião que o milionário ator John Travolta viaja pelo mundo, é o mesmo modelo chamado de "sucatão". Mas como o lula é um político acostumado a uma vida de riqueza e conforto, desde menino, achou que o Boeing 707 era desconfortável e barulhento, descartando um avião da nossa EMBRAER,zero km, muito mais barato, optando por um Airbus de segunda mão. Como o Evo Morales joga no mesmo time, se esqueceu que seu povo vive na miséria, e tambem optou por um avião novo. Coisas de republiquetas cleptocráticas da America Lat(r)ina. Caro Paulo, o argumento, inclusive da FAB, na época da compra do avião era que os modelos da Embraer não tinham suficiente autonomia de vôo para viagens presidenciais mais longas. E o Airbus adquirido era novinho em folha, feito sob encomenda, e não de segunda mão. Abraço

mario em 05 de novembro de 2010

Mui amigo. Por que o Lula não pediu que comprasse um avião da Embraer? Excelente idéia. Mas, como já vimos em outras ocasiões, Morales é "muy amigo" do Brasil...

Natal Santana em 04 de novembro de 2010

A gente sabe que a Bolívia vive um momento ímpar de sua economia jorrando dólares pra tudo que é lado, por isso, porque não comprar um brinquedinho pro presidente? É claro que estou sendo irônico pra não perder a educação! Qual governante totalitário e/ou populista não faz isso? Os norte coreanos morrem de fome, mas o país é uma potência militar. Por aí se vê qual a prioridade desses "governos"!

SergioD em 03 de novembro de 2010

Ricardo, gostaria de lembrar duas coisas. No período de transição do governo FHC para o governo Lula, os estudos para a compra do novo avião do GTE da FAB que serviria ao Presidente já estavam adiantados. O Próprio FHC sugeriu a Lula comprar o avião antes da sua posse, o que foi uma atitude pra lá de elegante. Lula assumiu a responsabilidade e o "crédito" sozinho. A compra se justificava pois pelo período de vida útil novo do avião seus custos O&M seriam bem inferiores ao aluguel aeronaves de companhias comerciais. Outra dúvida que ainda sinto que as pessoas tem é por que não comprar um avião da EMBRAER? Bem até hoje a EMBRAER não tem um avião com a capacidade do avião da presidência nem o seu alcance. O que a EMBRAER hoje tem de mais próximo é o LINEAGE 1000 (baseado no ERJ 190), com capacidade de 8 passageiros, e conseguindo ir a no máximo CASABLANCA, no Marrocos, saindo de São Paulo. Basta clicar no link da EMBRAER abaixo: http://www.embraerexecutivejets.com/portugues/content/aircraft/lineage1000_range.asp Quanto ao avião boliviano, bem, deixemos o povo boliviano fazer a crítica que lhe convier. Agora, descer de um avião em escada de pintor é de lascar, não? Um abraço Obrigado pelo comentário ilustrado, como sempre, caro SergioD. Nunca fui contra a compra do novo avião presidencial. O que no passado critiquei foram as ironias e críticas do PT à "vaidade" de FHC quando resolveu, por licitação, realizar as viagens presidenciais em empresa privada -- ganhou a TAM -- devido ao fato de o veterano Sucatão, fabricado em 1958, estar obsoleto, apresentando certos riscos (houve um incidente com o vice-presidente Marco Maciel), além de não mais poder pousar em aeroportos da Europa e dos EUA por causa de seu excessivo ruído e poluição acima do permitido. Também nunca critiquei a compra de uma aeronave Airbus, porque, sim, sabia que a Embraer na época -- e talvez ainda hoje -- não fabricava aparelhos com a autonomia de vôo necessária para atender a um presidente da República. Quanto aos bolivianos, bem, a história da escada de pintor realmente é de lascar... Abraços

Alberto Porém Jr. em 03 de novembro de 2010

Por este post Ricardo Setti já pode incorporar como sobrenome tanto Azevedo como Nunes. O meio faz o homem.

jefferson em 03 de novembro de 2010

Que triste um jornalista que sabe muito bem que o avião presidencial é da presidencia e não do presidente continuar com esse discuros demagogico. O post informa direitinho que o avião pertence à Força Aérea Brasileira. Não sei onde você enxergou "discurso demagógico" nas referências ao avião presidencial brasileiro. Quem sabe se você se desarmasse um pouquinho ao ler este blog, as coisas ficariam mais claras para você. Abraços

Ricardo em 03 de novembro de 2010

Esse avião da Bolivia é diretamente proporcional ao primeiro porta-aviões comprado pelo Brasil.Lá não tem piloto para o avião,aqui não tinha avião para o navio."Os países se equivalem em burrice,mas os governantes sabem torrar a grana dos imbecis".

Mariazinha em 03 de novembro de 2010

Aeroevo é ótimo, ri muito!

Camada von Ozonio em 03 de novembro de 2010

CARO SETTI, SABERIA INFORMAR SE AVIÕES PRESIDENCIÁIS SÃO PASSÍVEIS DE INSPEÇÕES EM ALFÂNDEGAS? Vou ser sincero com você, como sempre sou com os leitores: não sei. Preciso me informar.

Benedito em 03 de novembro de 2010

Setti, que tal uma enquete para batizarmos a aeronave da presidente doravante? sugestão:AEROANTA.

Joe em 03 de novembro de 2010

Olá Setti, boa noite. Acho que o Evo deveria seguir o exemplo do Manchester e fazer um acordo com a Master Top Airlines - MTA, aquela da Erenice, para divulgar a Bolívia. Teria um desenho de folhas de coca, produto típico da região, com a frase: "Visite a Bolívia e aspire um ar puro como vc nunca sentiu". Além de divulgar o turismo, ainda incentivaria a exportação de commodities. Hahahahaha, caro Joe, nada como o bom humor. Obrigado pela visita e o comentário. Abração

wilson em 02 de novembro de 2010

Setti vai que o companheiro zeloso do PIB boliviano não faça um frete de chás típicos refinados?

Gigi em 02 de novembro de 2010

Qual dos aviões transporta o corrupto maior?

Maria B. em 02 de novembro de 2010

Querido Setti Este avião boliviano é proporcional ao ego do cocaleiro, por enquanto menor do que o do babalorixá tupiniquim, por sua vez, proporcional aos número de trouxas que acreditam em sua humildade.

Marcio em 02 de novembro de 2010

Só eu que acho essa história de Aerolula um tanto quanto ridícula, um traço de populismo barato? Lembro que na época até vieram com a história de que se Lula abrisse mão do avião, o salário mínimo poderia ser aumentado até um valor x. Ora, como pode um chefe de estado de um país do tamanho e da importância do Brasil viajar num avião tão antigo que fora apelidado de "Sucatão"? Ou ter de licitar suas cada vez mais frequentes viagens? Acho que Lula não esteve errado ao comprar o avião, que é um bem sempre útil para os mandatários da atualidade, que não param de viajar pra cima e pra baixo. Pra completar, você mesmo noticiou o bom uso que o ministro Miguel Jorge faz do "Sucatão", que vem servindo para transportar empresários em missões comerciais no exterior. O mesmo vale para Evo. Se a compra foi feita dentro dos conformes e o avião é usado para os devidos fins, não vejo problema algum em sua compra. Muito pelo contrário. Abraço, Márcio

Reynaldo-BH em 02 de novembro de 2010

Setti, não se se você acompanhou à época, mas ainda houve outro episódio pitoresco nesta compra. Com o Falcon estava pronto para ser entregue ao Manchester, a entrega doi imediata sem a espera normal de meses. O probela é que o avião ficou parado por meses! Não havia ninguém - nenhum piloto - habilitado a comandar o avião. Não sei se hoje já há alguém treinado, mas tiveram que recorrer ao mercado dos USA para contratar 4 profissionais! Êita Bolívia.... Caro Reynaldo, obrigado por seu comentário. E é verdade a história da falta de pilotos. Decidi não incluir no texto porque ficaria muito longe. A escada de pintor já foi suficiente... Abraços

Ilson de Pádua em 02 de novembro de 2010

Prezado Ricardo Um país pobre e miserável como a Bolívia não se justifica comprar um avião. No caso do Brasil seria muito melhor a licitação anterior com os aviões da TAM que renderia propaganda e dinheiro para o desgoverno do pt. Abs, Ilson de Pádua

Fernando em 02 de novembro de 2010

Porque ele não comprou um Embraer financiado pelo BNDES. Uma taxa especial para companheiros

maisvalia em 02 de novembro de 2010

No futuro será que precisaremos trocar o nome para Aeroposte? hehehe

Amadeus em 02 de novembro de 2010

Coitado do Evo. Se achando o máximo com o seu Falcon 900, uma versão pobre do Falcon 2000. Só para registro, por aqui o Falcon 2000 fez sucesso na última campanha. A Marina do PV tinha um e o Paglia do JN da Globo tinha outro.

Chico Lima em 02 de novembro de 2010

Quase morri de rir ao descobrir sobre o vexame que Evo Morales passou ao ter que descer de seu avião através de uma escada de pintor. Isso, realmente, é o cúmulo da pobreza. De qualquer forma, desde que haja licitação pública e transparência, não vejo problema em se comprar um novo avião para o presidente e sua comitiva. A questão da segurança também é importante porque, em todas essas viagens, são transportadas personalidades estratégicas para a gestão pública e privada do país. Em relação à Bolívia, tenho apenas um comentário: os quase US$ 39 milhões gastos por eles na compra de um avião poderia ser utilizado para a construção de alguma fábrica que os ajudasse a prospectar parte da riqueza potencial que eles possuem sob o solo. De nada adianta roubar fábricas dos outros para este fim, pois, um dia elas ficarão obsoletas. Não adianta também se dizerem um país rico, se eles não dispõem de recursos próprios para prospectar essa riqueza potencial.

Reynaldo-BH em 02 de novembro de 2010

Setti: correção! Pelas fotos aquelas poltronas dos passageiros não são de classe econômica, e sim executiva. Quem dera que a econômica tivesse poltronas assim! Você tem absoluta razão, caro Reynaldo. Muito obrigado por ser um leitor tão atento. Já corrigi. Um abração e desculpe a enorme demora em responder a seu comentário.

Marcus(MG) em 02 de novembro de 2010

Caro Ricardo você podia fazer uma analogia sobre a suécia onde lá as autoridades usam aviões comerciais ou fretados,este é só um exemplo mas se não me engano a Holanda e outros países ricos usam bem o dinheiro público.É aquele velho ditado,quem nunca comeu melado quando come,come demais e se lambuza,acaba morrendo de desinteria.

Alexandre Da Direita Golpista em 02 de novembro de 2010

Credo! Que pobreza. Ainda bem que o nosso (sic) presidente é da zelite golpista.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI