Image
Vista da Temple Street, a partir da Cass Avenue: parece um cenário de guerra, mas é apenas Detroit à noite (Fotos: Camilo José Vergara)

Neste post, publicado em julho do ano passado, repassamos a decadência da falida Detroit, nos Estados Unidos, por meio de fotografias de uma exposição do canadense Philip Jairmain, ocorrida em galeria de San Francisco. A mostra privilegiava os edifícios que um dia foram importantes na cidade.

Agora voltamos ao assunto, novamente com a ajuda de um fotógrafo, para visitar uma ainda mais desoladora e sombria faceta, a noturna e periférica, da ex-Motor City, a metrópole que se tornou sinônimo de indústria automobilística na primeira metade do século XX:

Nascido em 1944 no Chile, mas residente nos EUA há décadas, o escritor, fotógrafo e documentarista Camilo José Vergara se dedica a, entre outras coisas, registrar a precariedade dos bairros mais pobres do país desde o início dos anos 1970.

Tal enfoque rendeu livros como American Ruins (Tradução: “Ruínas Americanas”). Em muitos casos, estas áreas também são conhecidas por reunirem as várias minorias étnicas que compõem a sociedade americana.

A relação fotográfica de Vergara com Detroit começou há 25 anos.

E em 2013 gerou By Night in Motor City, o ensaio tema deste post, originalmente publicado pelo site da revista americana Time, formado por fotografias feitas na cidade à noite, em locais parcial ou totalmente abandonados.

“O mais notável é o horripilante vazio da cidade”, diz o autor. “Eu vi uma sombra escura e imaginei ser um enorme animal. Mas era um indigente, com sua barriga exposta”. Ainda segundo Vergara, as poucas pessoas que encontrou pela rua pareciam vagar sem rumo. “Ei cara, por que você está tirando fotos?”, lhe perguntou uma delas.

Confiram:

Van Dyke Ave at Dubey St., Detroit, 2013 White House, Larchwood at Bauman, Highland Park, MI, 2013 Looking inside, Livernois Ave. at Ellsworth, Detroit, 2013 The commercial street and the residential street, 6407 Gratiot Ave. Former Woodward Avenue Presbyterian Church Abbyssinia built in 1911 Like one of Goya's Caprichos in Mack Ave. at Lenox, Detroit Former Michigan Central Rail Road Station, Detroit, 2013 Former Detroit Savings Bank, 5705 West Fort St., Detroit, 2013 Former Continental Plant, Algonquin at East Jefferson, Detroit, 2013 Fellowship for Christ, Hamilton at Tuxedo, Detroit, 2013 10355 Hamilton, Detroit, 2013 Excellent Praise Word Center with a blue circle where the clock used to be 8101 Mack Ave

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezenove + 13 =

11 Comentários

Tattiana em 14 de julho de 2014

Os sindicatos em todos EUA não tem força nenhuma desde de Reagan, como podem os sindicatos americanos que não mandam em merda nenhuma serem responsáveis pela decadência de Detroit? Acordem... A cidade quebrou porque a indústria pesada americana quebrou e a automobilística se segura como pode desde os anos 80 (Alguém se lembra de Lee Iacocca? ). OS EUA vivem uma espiral de alto consumo, alto endividamento dos indivíduos e desindustrialização desde essa época. Houve um processo de corrosão, não foi do nada. Eu seria o último dos pretensiosos a dizer que os sindicatos americanos "não têm (com acento) força nenhuma"... A AFL-CIO? Os Teamsters??????? Pelo amor de Deus...

Bottanelles em 04 de maio de 2014

Caro, . Isso é conseqüência de seguidas administrações da ESQUERDA!

aparecido f. em 04 de maio de 2014

Pessoas, cidades, familias e empresas é tudo igual... o que fazemos hoje vai determinar o que seremos no futuro....A riqueza da cidade na primeira metade do século XX foi tão grande que impediu eles de pensarem que isso um dia ia acabar...administrações populistas, forte sindicalismo que matava as empresas por estrangulamento e as mudanças tecnológicas dos automóveis, que os americanos tinham muito mais capacidade de engenharia que os japoneses em fazer, não o fizeram... carros ficaram menores, melhores e mais economicos, e a concorrencia japonesa, coreana, alemã e agora chinesa colocaram a cidade de joelhos, outrora lider em tecnologia automotiva...De agora em diante, lentamente uma nova tecnologia vai chegar , em pelo menos trinta anos, todo veiculo deverá ser hibrido, misto de motor elétrico e a explosão, aproveitando a energia das descidas para recarregar as baterias...Detroit está fora disso.....Mas americanos não se entregam e tem forte capacidade de renovação... No setor de máquinas pesadas, os USA são os maiores do mundo, liderados pela Caterpilar, a maior produtora de tratores do mundo. Para se ter uma ideia da capacidade dos americanos em produzir as melhores máquinas pesadas... Em uma obra ma Asia, quarenta tratores Caterpilar e quarenta tratores de uma marca japonesa.. dois anos depois, 39 tratores Caterpilar estavam trabalhando e dois tratores japoneses estavam trabalhando...liderança é isso...os petralhas podem tirar o cavalinho da chuva.. os americanos um dia vão cair, como assim com todos os impérios antes deles...mas não será tão agora quantos esses aparvalhados vermelhos pensam....

Bruno Sampaio em 04 de maio de 2014

Locaçao de filme de zumbi. Sinistro e triste. Como se reverte um treco destes?

Paulo em 03 de maio de 2014

O nosso centro velho também não está "tudo isso". Prédios abandonados, pichados, tomados, receio das pessoas andarem nas ruas após o anoitecer... e não consta que São Paulo já faliu. Ou para certos lugares, pelo menos ninguém ainda a requereu.

Alexandre Duguinho em 03 de maio de 2014

Engraçado. Roma e Paris estão vivas até hoje. Por que? Fácil. São cidades que expressam uma densidade CULTURAL e CIVILIZACIONAL gigantesca. Ao passo que Detroit acabou, por que expressa apenas uma mentalidade: ambição e grana! Bem feito! O resto do país vai atrás! Podem acreditar!

Tulio em 03 de maio de 2014

É isso o que anos seguidos de governos populistas e a interferência de sindicatos deram de presente à hoje chamada Destroyit. Qualquer semelhança com o que veremos no futuro por aqui não será mera coincidência.

Chico Lima em 03 de maio de 2014

Setti. Que matéria bacana! Olhando as fotos eu senti um pouco de nostalgia, mesmo nunca tendo estado em Detroit. Excelente! Abraços!

Paulão em 03 de maio de 2014

Prezado Setti, O que me impressiona em trabalhos fotográficos profissionais, é que cidades - e ângulos de cidades - bonitas e jeitosas, fotografadas à noite têm sua beleza ressaltada. De forma inversa, o belo trabalho sobre Detroit fotografada à noite transmite um sentimento ainda maior de abandono e de ruínas da cidade. Cruz credo!

Vera Scheidemann em 03 de maio de 2014

De dar pena ! Muita pena ! Apesar de tudo (da degradação total), as fotos são muito bonitas. Vera

O. David Neto em 03 de maio de 2014

Ricardo Setti. Gostei das fotos desse e do post anterior (sobre Detroit) e queria colocar as fotos no meu blog. Ainda não decidi se uso apenas as fotos, ou se uso também seu texto (com os devidos créditos). 1. Posso copiar seu texto? 2. Posso copiar as fotos? Tenho que pedir autorização para o autor das fotos? Aguardo sua resposta aqui na seção de comentários, ou no meu e-mail. Obrigado Pode, sim. Sem problemas. Se usar o texto, diga que é meu, e pronto. Abraço

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI