BELAS FOTOS: A cidade de São Paulo adere ao movimento “Outubro Rosa” e ilumina monumentos

A ponte Octávio Frias de Oliveira, mais conhecida como ponte Estaiada, no Morumbi (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

A ponte Octávio Frias de Oliveira, mais conhecida como ponte Estaiada, no Morumbi, iluminada para o “Outubro Rosa” (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

Todo mês de outubro é realizada uma campanha para a prevenção do câncer de mama, o tipo mais comum em mulheres. A cor rosa simboliza a luta contra a doença.

Neste outubro, a cidade de São Paulo aderiu à campanha. O Departamento de Iluminação Pública (Ilume) fez com que vários marcos da capital paulista fossem coloridos durante a noite para o “Outubro Rosa”. Os símbolos paulistanos escolhidos foram o Viaduto do Chá, o Monumento às Bandeiras, a Biblioteca Mário de Andrade e as pontes das Bandeiras, Octávio Frias de Oliveira (a Ponte Estaiada) e Padre Adelino (a Ponte Estaiada do Tatuapé).

Vejam como ficarão até o fim do mês alguns dos mais conhecidos locais da cidade:

O Monumento às Bandeiras, no Parque do Ibirapuera (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

O Monumento às Bandeiras, no Parque do Ibirapuera (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

A Ponte das Bandeiras, que cruza a Marginal Tietê (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

A Ponte das Bandeiras, que cruza a Marginal Tietê (Foto: Cesar Ogata/SECOM)

O Viaduto do Chá, próximo à Prefeitura e ao Vale do Anhangabaú (Foto: Fernando Pereira/SECOM)

O Viaduto do Chá, próximo à Prefeitura e sobre o Vale do Anhangabaú (Foto: Fernando Pereira/SECOM)

A Ponte Padre Adelino, a "Estaiada do Tatuapé" (Foto: Fernando Pereira/SECOM)

A Ponte Padre Adelino, a “Estaiada do Tatuapé” (Foto: Fernando Pereira/SECOM)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

18 − dezesseis =

2 Comentários

  • JT

    Caro Setti, a cidade de São Paulo tem lindas estruturas e personagens interessantíssimos que muitas vezes passam desapercebidos.
    Tive a satisfação de conhecer um senhor que nasceu na Letônia, passou a adolescência desviando de bombardeios na Europa e chegou no Brasil sem saber onde dormir. Em São Paulo, ele se especializou em projetar e construir estruturas de madeiras para grandes vãos, de até 40 metros.
    Tomo a liberdade de deixar o link do artigo que escrevi sobre ele, pois sei que você e seus leitores apreciam uma boa história:
    http://www.jeantosetto.com/2014/10/sneiders.html

    Muito obrigado, caro Jean.
    Um abração

  • Tuco

    .

    Obrigado, Grande RSetti.
    Muito obrigado!
    Talvez eu goste de São Paulo por nunca ter
    tido outra. Gostamos de cidades de maneira
    inata. Não há motivo explícito. Talvez pelo
    acolhimento – o Lar está contido. Talvez pelo
    sentido de proteção que ela nos dá – e São
    Paulo lá protege alguém? Enfim…

    .