Image
Dois mundos: como em um triste “antes e depois” do vazamento, a lama vermelha de detritos tóxicos deixou sua marca geométrica nas árvores do Oeste húngaro (Foto: Palíndromo Mészáros)

São tantas as catástrofes que ocorrem no mundo todo ano que – infelizmente – é normal ver a maioria cair no esquecimento.

Por outro lado, sempre existirão pessoas dispostas a refrescar a memória coletiva sobre os acontecimentos, por piores que sejam, e alertar os demais a respeito de suas consequências.

Image
Edifícios remanescentes do período de dominação comunista soviética não escaparam da maré química (Foto: Palíndromo Mészáros)

Palíndromo Mészáros, jovem fotógrafo espanhol que divide sua vida entre Madri e Budapeste, é uma destas pessoas. Sua contribuição, no caso, foi retratar a província de Veszprém, oeste da Hungria, seis meses após o desastre ecológico ocorrido em 4 de outubro de 2010.

Naquele dia, às 12:25 da manhã, um volume estimado em 700 mil metros cúbicos de lixo tóxico conhecido como “lama vermelha” (um bioproduto resultante da conversão de bauxita em alumínio) vazou de um reservatório da empresa de MAL Magyar Alumínium, na cidade de Ajka,  após o desabamento de uma parede.

Image
A torrente de detritos chegava a 2 metros de altura; o estado desta árvore comprova (Foto: Palíndromo Mészáros)

Uma verdadeira torrente de 2 metros de altura de detritos contaminantes se distribuiu pelas vilas vizinhas de Devecser e Kolontár e atingiu o rio Danúbio. Matou nove pessoas, feriu mais de uma centena e deixou prejuízos materiais incalculáveis nas áreas públicas, campos e em aproximadamente 400 moradias da região.

Image
Cerca de 400 moradias foram afetadas (Foto: Palíndromo Mészáros)

Visitando os povoados afetados pelo vazamento meio ano depois, quando já não ocupava nem sequer uma linha nos noticiários, Mészáros registrou as marcas físicas deixadas pela lama vermelha, priorizando os lugares, e não as pessoas. “Sempre quero saber o que sobra quando as notícias não são mais notícias”, diz.

Image
Poste tingido de vermelho tóxico: os jornalistas se vão, as marcas ficam (Foto: Palíndromo Mészáros)

O resultado do ensaio, batizado “The Line I: The Dive” (“A Linha 1: o Mergulho”), que ele publica em seu site oficial, é impressionante. Parece que as imagens foram tratadas em softwares digitais, de tão fortes e geometricamente perfeitas são as linhas vermelhas traçadas pelos resíduos. Mas são pura realidade.

Se a tragédia tende a ser esquecida, as fotos são uma forma gritante de lembrança.

Image
Tudo vermelho (Foto: Palíndromo Mészáros)

 

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + 14 =

6 Comentários

Quezia em 07 de agosto de 2012

Sem dúvida, o ser humano anda depreciando cada vez mais o meio ambiente, de modo de que possa chegar a depreciá-lo por completo. (o que espero que não chegue a acontecer, pois sempre há esperança de que paremos com essa matança ambiental a tempo.)

Willer em 19 de julho de 2012

São sem dúvida imagens fortes, depois deste alerta fui dar uma espiada no material disponível sobre o acidente. Entre os poluentes desta lama vermelha estão três dos piores: Mercúrio metálico, arsênico e cromo, estes três elementos foram encontrados em concentração dezenas de vezes maiores do que o máximo permitido por normas internacionais. Dois rios nas proximidades foram declarados como mortos, a área foi oficialmente abandonada e declarada pelo governo como "memorial". Creio que o pior ocorre neste momento, com o verão os sedimentos se transformam em poeira e os poluentes são espalhados por todo o lugar, já as chuvas comuns da estação diluem os sedimentos, os arrastam para outros cursos de água, com a redução do pH eles reagem com material orgânico formando complexos extremamente perigosos, o metil mercúrio por exemplo foi responsável pelo desastre de Minamata no Japão com gravíssimas consequências. http://goo.gl/Kthvt Acidentes desta natureza não acontecem simplesmente, são resultado de uma cadeia de eventos gerados por descaso e incompetência técnica ou administrativa, o Brasil tem a "tragédia de Vila Socó" como triste exemplo, um incêndio que eliminou oficialmente 93 vidas em uma favela de palafitas em Cubatão-SP, não oficialmente contam as mortes em mais de 500 pessoas, o macabro...os números foram aferidos pelas crianças que desapareceram das escolas vizinhas depois do incêndio. http://goo.gl/q4cfe As imagens são realmente impressionantes, mas quando você conhece as implicações do desastre, a simetria que é mais um truque do nosso cérebro na interpretação de uma informação visual do que algo significativo para avaliação do evento, isto perde completamente o apelo e você se foca somente no potencial de destruição que a paisagem invoca. Obrigado pela amarga mas necessária matéria.

Danielle Magalhães em 19 de julho de 2012

Fiquei impressionada com as imagens e realmente pensei que haviam sido tratadas! Mas de fato não foram! Realmente geometricamente perfeitas!

José de Araújo Madeiro em 19 de julho de 2012

Para Ricardo Setti, O SUS E MÉDICOS DE CUBA: Sem enfrentar, decisivamente, a severa crise da saúde pública, a Presidente Dilma Rousseff na sua linha e filosofia gramscista de fazer uma revolução cultural marxista, está programando a contratação de 1.500 médicos cubanos para, no proximo ano, virem a prestar serviços em diversas unidades de saúde, como do Sistema Único (SUS) e no Programa de Saúde da Família (PSF). Todos brasileiros tem plena consciência dos dramas da saúde pública brasileira, particularmente a classe médica que exerce inúmeras atividades e que convivem diuturnamente submetidos aos vexames de um sistema falimentar. Até mesmo em quase 100% das unidades que não apresentam as condições essenciais de oferecer serviços nos requisitos compatíveis com a dignidade humana. Não apenas jornais, mas o sistema televisivo brasileiro de comunicação são sobejamente fartos no tema, dos fatos deploráveis envolvendo o setor. As queixas são unânimes também da parte de outros profissionais da área, além dos pacientes que no sistema procuram solução para seus males. O setor, no que se referem as propostas e objetivos, podemos observar que preenchem os parâmetros indispensáveis para alcançar uma saúde de massa, extensiva para todas camadas da nação. O que está no papel, podemos confirmar de que se trata de um sistema perfeito, na escala de medicina para nação e como programa de governo. Todavia, quando se trata da sua execução, o SUS e o PSF são frutos do modelo brasileiro vigente, da sua conjuntura política, da gestão de recursos financeiros e humanos, identificadas na famosa Lei do Gerson, do sabichão que tenta levar vantagens em tudo pelos políticos e seus cabos eleitorais. E isto está inserido contexto do Modelo PTralha de Gestão Pública por todo Brasil, nos preceitos do Foro de São Paulo. De um país onde a carga tributária beira aos 40% do PIB, que os recursos públicos esvaem-se pelos ralos do Mensalão e corrupções diversas, quando o Governo Brasileiro de forma subreptícia investe em Cuba usando recursos do BNDS, buscando a manutenção da Ditadura Comunista dos Irmãos Castro, para silenciar o povo cubano e servir de Modelo por toda América Latina. A Presidente Dilma Rousseff, em continuidade ao Governo Lula da Silva, filiados do referido Foro, persiste alinhada à Ditadura Castrista de 53 anos e demais ditaduras congêneres, a exemplo daChavista da Venezuela que se formam agrupadas na União das Nações Sulamericanas, a UNASUL. Daí, a absorção de médicos formados em Cuba e sua difusão por toda América do Latina para ocupação de espaços, territórios, serviços e proliferação de libertinagens para expansão da doutrina do impossível, a Utopia Socialista. Onde o povo possa sofrer lavagem cerebral e possibilitar a implantação de governos caudilhescos e ditatoriais, do pai-do-povo,na revolução cultural, silenciosa e sem sangue, dita de Bolivariana, em curso na Venezuela e orientada pelos líderes cubanos. Isto é o que está por trás das bons propósitos da Presidente Dilma Rousseff. Para contratação de médicos cubanos pelo Governo Brasileiro, onde eles receberão baixos salários, atenderão uma demanda pobre, carente e sem esclarecimentos, mas presa fácil e vulnerável ás manobras de um governo anti-nacional e sem alternâncias, contrariando os pressupostos de uma verdadeira república brasileira, identificada com a pluralidade e a liberdade. E , se consumado esse mega projeto do Lula e seus PTralhas, poderemos concluir o quanto os jóvens médicos brasileiros serão relegados, esquecidos e abandonados à própria sorte pelo poder público, onde dentro do seu próprio país não encontrarão meios de desempenharem e desenvolverem suas habilidades e capacidades, não gozando do devidos respeito para viverem de forma decente, como profissionais e homens livres, amparados pela Constituição Brasileira e edificada no marco singular da cidadania. Abs, Madeiro.

Luiz em 18 de julho de 2012

Lembrei do desastre de Bhopal em 1984. Abaixo tem o link da reportagem feita pelo National Geographic Channel.É triste ver acontecimentos como esse. http://www.youtube.com/watch?v=GHO2Js6gubA

Julio em 18 de julho de 2012

Pra mim a imagem mais impressionante é esta aqui: http://1.usa.gov/du7MWg

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI