O rio Okavango, diferente da maioria dos canais hídricos, desemboca em um deserto – e o faz de um modo especial: a cada temporada de chuva, despeja 11 quilômetros cubicos de água no gigantesco deserto de Kalahari, de quase 1 milhão de quilômetros quadrados, que abrange partes de Angola, da Namíbia e, principalmente, de Botwana, no sul da África, transformando uma área árida em um delta verde e luxuriante, capaz de atrair milhões de animais.

Confira na sequência de fotos.

Uma área deserta como a de abaixo, onde mal e mal arbustos resistem às duríssimas condições da seca …

okavango4

okavango5

… se transforma nisto:

okavango6

okavango7
A grande inundaçãp do Delta do Okavango, em Botswana, é um desses belos eventos naturais que o planeta ainda nos propicia. Antecipando-se a uma temporada de chuvas, milhares de animais começam uma das migrações mais massivas da África.

Com as chuvas, uma enorme área do deserto termina inundada, formando um labirinto de canais, lagunas e pântanos que se tornam um paraíso para a vida de milhares de animais de dezenas de espécies.

okavango15

 

O Delta de Okavango recebe as águas do rio vindas de Angola para dispersá-las até que se evaporem. Então, o ciclo desértico começa novamente e os animais buscam novos modos de sobrevivência.

okavango1

okavango2

Image
O Delta do Okavango visto do espaço

okavango39

okavango40

A área inundada abarca uns 22.000 km2 no norte de Botswana. A grande inundação da área do Okavango tem seu pico entre os meses de maio a junho. É o melhor momento para observar manadas de elefantes, búfalos, hipopótamos, girafas, zebras, leopardos, crocodilos e rinocerontes, somados a dezenas de espécies de aves que chegam ao local.

A zona do Delta é habitada por cinco grupos étnicos que sobrevivem da caça e da pesca há milhares de anos.

okavango3

okavango20

okavango16

okavango17

okavango18

okavango19

okavango22

okavango23

okavango24

okavango25

okavango26

okavango27

okavango28

okavango29

okavango30

okavango31

okavango32

okavango33

okavango34

okavango35

 

okavango36

okavango37

okavango21

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × 4 =

15 Comentários

Carlos Almeida em 16 de setembro de 2019

Belíssimo.Saudades...

Djalma Ferreira em 03 de agosto de 2014

Lindo, deslumbrante. Espero que todo o ser humano tenha conciência para preservar tudo isso.

luchus em 28 de setembro de 2013

africa é sem duvida o paraíso perdido,que ainda tem muitas surpresas pra nos oferecer,eu vivo neste continente lindo e o meu país é o berço deste espetaculo angola terra abençoada de exemplares único.obrigado ricardo,por compartilhar isto com mundo.

Luis Miguel em 23 de setembro de 2013

As fronteiras da Bacia O Rio Cubango/Okavango tem como nascente os Rios Rios Cuito e Cubango no Planalto Central Angolano. A extensão topográfica da Bacia do Cubango/Okavango abrange apróximadamente 700,000 km2, mas advém o seu principal caudal de 120,000 km2 de terras de pastagem sub-húmidas e semi-áridas na Província do Cuando-Cunbango em Angola A bacia é drenada pelo Rio Cubango (referido como o Rio Kavango na Namíbia e como o Rio Okavango no Botsuana), o Cutato, Cuchi, Cuelei, Cuebe, Cueio, Cuatir, Luassinga, Longa, Cuiriri e Cuito, bem como o Delta do Okavango. Fluindo a partir dos Planaltos Angolanos, os rios Cuito e Cubango juntam-se para formar o Cubango/Okavango ao longo da fronteira entre a Namíbia e Angola antes de fluir aravés do “panhandle” e desaguando no Delta do Okavango. O fluxo de água do delta forma um conjunto de Salinas de evaporaçao no Deserto do Kalahari, principalmente as Salinas Makgadikgadi alimentadas pelo Rio Boteti. A área contribuinte da bacia responsável pelo caudal perene de água de superfície é bastante mais pequena que a extensão topográfica da própria bacia. Na Namíbia e no Botsuana somente parte da população da bacia encontra-se directamente dependente dos recuros hídricos à superfície, enquanto outras partes dependem dos recursos hídricos subterrâneos. Para os propósitos da Análise Diagnóstica Transfronteiriça, o âmbito geográfico da ADT foi concordado em ser toda a Bacia do Cubango/Okavango, enquanto notando que a ADT tinha algumas limitações com algumas questões chave tais como a interligação das águas subterrâneas. Como tal não existe rio Okavango em Angola.

Ronan J. Vieira em 22 de setembro de 2013

Carregarei comigo várias destas fotos. Não necessitarei nenhum aparelho para visualiza-las, pois a beleza delas gravada em minha memória.

Pedrinho. em 22 de setembro de 2013

O mais incrível disso tudo é saber que existe um rio dessas proporções que não tem sua foz em um oceano e sim num deserto; confesso que fiquei extremamente surpreso com isso!

ronei de almeida novo em 08 de agosto de 2013

É realmente incrível como a natureza é capaz de se reinventar, de preservar e de proporcionar espetáculos únicos que, somente ela poderia ter capacidade. daí a importância de se preservar a natureza e principalmente o meio em que vivemos, se possível, mante-la, não digo intacta, mas, que pelo menos, se procure não descaracterizá-la ou transformar sua identidade em detrimento de falsos desenvolvimentos, seja ele de que natureza for, pois,a realidade vital que este Recurso hídrico proporciona à várias espécies de aves,animais e imensa quantidade de vegetação, que renascem a cada seu surgimento,já é motivo suficiente para que, as autoridades já mais, ou por qualquer motivo possam querer modificá-lo.

leonor l.f.Rosa em 10 de julho de 2013

Adorei ver todas a fotos. Como não posso viajar até lá, viajo virtualmente. thanks for it

Carolina Murad em 17 de abril de 2012

Prezado Ricardo, Obrigada por compartilhar fotos maravilhosas! Ótima semana. Sou eu quem agradece. E boa semana pra você também.

Carlão em 17 de abril de 2012

Ricardo, meu caro O Okavango é uma espécie de Pantanal matogrossense em plena África, com a diferença óbvia que na planície inundável brasileira a drenagem continua até o mar, via rio Paraguai. Para quem gostou deste post, recomendo o documentário (creio ser o primeiro ou segundo) da série Planet Earth, da BBC. De quebra, a narração de sir David Atenborough. Bela dica. Outra abração pra você, caro Carlão. Abração do Carlão

Fabio em 16 de abril de 2012

Belo comentário, @Vera.

Ricardo em 16 de abril de 2012

sensacional.Arte da natureza

Max Rodríguez em 16 de abril de 2012

Belisima fotoreportagem em momentos que o Rei da Espanha é criticado por ir lá, nao prá compartir com todos nos está beleza e conserva-la para as futuras geracoes, mas para eliminar, acabar para sempre con talvez os últimos elefantes que fazem esta durisina travesía. Ricardo Setti sutilmente eleva a voz de todos nos para protestar contra ese abuso que debe parar de vez!!

SidneyCWB em 16 de abril de 2012

O que mais me impressiona é que este rio tem um delta que deságua não no mar e sim no meio de um deserto!!! Certa feita vi um documentário no canal Discovery sobre esta enchente com imagens de satélite mostrando a água chegando. É muito bonito, espetacular!!!

Vera Scheidemann em 16 de abril de 2012

Que maravilha ! A natureza sempre a nos oferecer presentes incríveis como esse. Vera

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI