Image
A cachoeira de Goðafoss, centro-norte da Islândia: visuais “irreais” (Fotos: Frodi Brinks)

Normalmente descrito como “um dos países menos populosos do mundo”, a fria e longínqua Islândia, no extremo norte da Europa, é seguramente também um dos lugares mais fotogênicos do planeta. Montanhas nevadas, falésias vertiginosas, vulcões espetaculares e impressionantes geisers compõem o eclético repertório de paisagens inesquecíveis da nação povoada por pouco mais de 300 mil pessoas.

Ciente disso, o fotógrafo Frodi Banks, nascido na capital islandesa, Reykjavík, se especializou em registrar com suas lentes as belezas naturais que o rodeiam. Seus trabalhos, que podem ser apreciados aqui, incluem uma série focada nas exuberantes auroras boreais e outra onde predominam imagens da Islândia durante seu rigoroso inverno.

Image
O fotógrafo Frodi Banks (Foto: arquivo pessoal)

O ponto alto do portfolio de Banks, porém, é a sequência de fotografias em preto e branco centrada em cascatas e montes islandeses. A combinação entre a ausência de outras cores e o aspecto naturalmente pinturesco dos lugares clicados rende resultados com formas e texturas tão belas que chegam a parecer irreais. Apreciem:

Image
Outro ângulo de Goðafoss
Image
Termas naturais em local não identificado
Image
A cachoeira de Skógafoss, sul do país
Image
O fiorde Hornafjörður, sudeste da Islândia
Image
Casinha perdida “no meio do nada”
Image
Pássaros dão vida à paisagem
Image
Outra cascata islandesa célebre: Seljalandsfoss, ao sul do país
Image
Região vulcânica não identificada

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 × um =

6 Comentários

Islândia em 28 de junho de 2014

Adorei as fotos, sonho em conhecer este país.

Marco Aurélio Antunes em 18 de julho de 2013

Belas fotos. Este site tem fotos da Islândia, onde mora a fotógrafa Marketa Kalvachova: http://www.marketakalvachova.com . Obrigado pela dica, caro Marco Aurélio. Este site é feito em boa parte pelos amigos leitores, como você. Abraço

moacir 1 em 14 de julho de 2013

Setti, Concordo com o Renato,essas suas fotos em preto e branco são bonitas demais. Bruno,adorei o link e entendi tudo direitinho Reynaldo,nós estamos indo à forra.E quanto aos mascotes bolivarianos do blog...são hilários! Rir deles é preciso! Let's have fun ,you guys! É DOMINGO!

Bruno em 13 de julho de 2013

Pessoalmente gosto muito deste país. A natureza é fantástica. Único problema é o inverno, um pouco gelado ! . Coloco um link de um video que ajuda a explicar como um país com menos de 300 mil habitantes é TÃO INTERESSANTE. (sem photoshop) . http://www.youtube.com/watch?v=W7jj1-54aws

Reynaldo-BH em 13 de julho de 2013

Para um fim de semana mais - digamos - cultural! Abraços. ========== Setti, meu amigo. Creio que a coluna merece elogiar a todos. Quando merecem. E todos sabemos de que se trata de um espaço democrático, plural e de profundo respeito a todos que aqui aparecem. Até mesmo a mim, que gosto de ser gauche e iconoclasta. Talvez seja somente uma defesa, vá lá se saber. Mas creio que sou devedor a muitos por cá. Por exemplo: os marxistas. Principalmente àqueles que nunca leram Marx. (sei, ele é chato mesmo!). Mas que mesmo assim, são profundos conhecedores da doutrina que julgam de esquerda. Ou que julgam ser de esquerda. Ler Trótski é ainda pior. Mesmo na fase mexicana. Gramsci não dizia que todo homem é um intelectual? Pois é... Até Lula. E elles. Como fazer então que argumentos sejam debatidos com quem – usando teses que sequer conhecem – tentam pontificar acerca de justiça social, liberdade e democracia como se fossem donos e criadores dos conceitos? Sinto que são iluminados que leram – com pressa – as orelhas dos livros na livraria quando tomavam um café. E a partir daí, passam a serem mestres do que desconhecem. É como um carro que só anda em primeira marcha. Jamais avança. Acaba com superaquecimento. Assim, misturam conceitos como “direita” com “nazismo” como se ambos fossem a mesma coisa. Nada mais antagônico. Ou Direito com voz das ruas. Na verdade o Direito é até uma contraposição a estas vozes, em nome da civilização. Quando caminham juntas, é excelente. Quando são opositoras, o Direito tem que prevalecer. Tentam ligar a economia a um simplismo vulgar. Quem é “capitalista” quer ganhar furiosamente, ignorando o mercado (pessoas) e valores (sem os quais as empresas vão à falência). Esquecem que o estatismo de estado é mais corrupto – sempre foi, em qualquer regime POLÍTICO – ineficiente, injusto (só protege aos seus) e tecnocrático (vive de números nunca confiáveis). Tudo junto e misturado. São centenas de exemplos possíveis. Seria cansativo enumerá-los. E sem nenhum resultado, discuti-los com os que “não leram, mas entenderam tudo!”. E citam exemplos “históricos” que não resistem a sequer uma pesquisa no Google. Contentam-se com a bravata de revolucionários de barzinhos. E com os empregos públicos e aposentadorias idem. Porém, como disse, sinto que estou em falta com todos estes por não dar espaço para uma discussão. Na tentativa de tentar entender o que levam os marxistas de plantão por cá a externarem os absurdos que citam, creio que descobri a razão. Uma pequena confusão. Uma troca de prenome. Assim, para que TODOS entendam de onde os marxistas da websfera buscam os conceitos que utilizam diariamente, comecemos com um vídeo da Escolinha do Professor Marx. A coisa começa a ficar mais clara. http://www.youtube.com/watch?v=e7cry-4pyy8

Renato Carvalho em 13 de julho de 2013

As fotos PB em geral, mas essas em particular, me evocaram um surto poético (eu que me sinto capenga na expressão dessa sensibilidade) onde enxerguei e senti a harmonia entre a solidão e a beleza. Setti, por favor, gostaria de saber se vc guarda esse material em seus arquivos e se é possível acessá-los em caso de necessidade. Explico: fui arquivando muitas das fotos que você publica. Como você publica fotos que além de muito bonitas são também inusitadas, se eu for guardar tudo o computador vai ficar muito pesado. Caso não seja possível, vou ter que comprar um novo HD externo mas não posso perder as fotos. Grato e um abraço. Caro Renato, existem HDs externos, a bom preço, de 1 terabyte, ou mil gigas. Dá para arquivar centenas de milhares de fotos. De todo modo, tudo o que publico fica nos servidores da Editora Abril. E você pode acessar os posts em que as fotos foram publicadas e procurar por palavras-chave no mecanismo de busca, bastante simples e fácil de usar, que existe na home page do blog, à direita de "Coluna do Ricardo Setti", na janela onde se lê "Busca no blog". Um abraço

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI