Image
Shamsia Hassani posa diante de uma de suas obras (Foto: Kabulatwork.tv)

No interior de um dos milhares edifícios de Cabul transformados em ruína desde o início da invasão americana do Afeganistão, em 2001, uma jovem de traços delicados utiliza uma lata de spray ao pintar uma parede, utilizando o véu muçulmano para proteger a boca e o nariz da toxicidade da tinta.

Trata-se de Shamsia Hassani, nascida em 1988 em uma família afegã refugiada no Irã. Radicada na devastada capital do Afeganistão desde 2005, após participar de uma oficina em 2010, ela se tornou a primeira – e até o momento única – grafiteira do país. Já no ano seguinte, foi convidada a participar do Festival de Artes alemão Wash e recentemente tornou-se professora de desenho na Universidade de Cabul.

Burcas e bolhas

Image
Entre duas de suas mulheres: Shamsia gosta de acentuar as curvas das afegãs quando as pinta, devolvendo-lhes a feminilidade sufocada pela opressão religiosa (Foto: arquivo pessoal)

Para Shamsia, grafitar em Cabul é um ato de imensa e inédita coragem. Por vários motivos: confronta a ideia obtusa de setores mais radicalmente religiosos da sociedade afegã, para os quais esta modalidade é condenável por ser “ocidental”; as obras têm auto teor crítico; e, sobretudo, a autora é uma mulher.

Embora depois da invasão americana tenha havido mudanças na legislação, na vida real a grande maioria das mulheres no Afeganistão está reduzida a uma condição próxima à de escravas: devem obediência total aos homens da família, não podem estudar (mesmo quando existem escolas, o que muitas vezes acontece), não se permite que saiam às ruas sem algum homem da família ou sem burcas — aquelas odiosas túnicas que cobrem as mulheres da cabeça aos pés e só lhes permite ver o mundo por meio de uma espécie de rede na altura dos olhos –, não podem exercer a maioria das profissões, trabalham em casa de sol a sol, não podem viajar para lugar algum sem autorização do pai, do irmão mais velho ou do marido… e por aí vai.

A maioria dos trabalhos enfoca a solidão e opressão feminina pós-Talibã, resumidas em figuras femininas cobertas por burcas e cercadas, ou por arame farpado ou bolhas.

Image
As mulheres de Shamsia: “como peixes mortos” (Foto: arquivo pessoal)

“As mulheres e as vítimas da guerra são como peixes mortos em um rio, flutuando sem rumo enquanto o resto da sociedade flui”, explica Shamsia, contábil formada que tentou estudar Belas Artes em Teerã, mas foi impedida porque os refugiados não têm esse direito no Irã dos aiatolás. “As bolhas simbolizam as palavras que elas querem dizer mas não o fazem, porque em Afeganistão não lhes dão voz”.

Com esta terrível constatação em mente, ela escreveu um poema no idioma persa ao lado de um de seus grafites, no qual retrata uma solitária afegã presa a uma burca:

Se um riacho deve se tornar rio novamente

Mas os peixes estão todos mortos

Não há mais retorno para os que já partiram

Image
Formato e conteúdo interagem no trabalho de Shamsia: a mulher com burca “senta” na escada do prédio em ruínas. Ao lado lê-se o poema escrito em persa pela autora (Foto: Mohammad Ismail – Reuters)

Shamsia trabalhando

Image
Um ônibus de Cabul, segundo Shamsia (Foto: arquivo pessoal)

“‘Grafite’ é uma palavra nova no Afeganistão”, diz Shamsia em vídeo, produzido pelo surpreendente site Kabulatwork, dedicado a mostrar “o outro lado de Cabul”, ou seja, o de uma grande cidade despedaçada por sucessivas guerras que tenta reerguer-se e das pessoas que lutam para isso. “Acho que a arte pode mudar a sociedade, e estamos fazendo o melhor que podemos”.

Image
Mãos – e latas – à obra (Foto: Kabulatwork.tv)

O minidocumentário, que inclui a cena retratada no primeiro parágrafo deste post, traz ainda uma série de passagens interessantes e que ajudam a entender o trabalho de Shamsia (embora haja apenas legendas em inglês): imagens aceleradas de murais sendo pintados pela artista, ela visitando um antigo centro cultural russo em Cabul – aflita pela possibilidade de existirem minas no local – e seus esboços criados no computador, com os quais pré-visualiza seus próximos grafites e em que lugares os fará. Assista abaixo:

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 17 =

6 Comentários

Osvaldo Aires Bade - Comentários Roubados na "Socialização" em 11 de julho de 2012

Setti, vou ter que rever meu prometido: - não tive ainda coragem de fazer a cirurgia. - E simplesmente não existe mão de obra para contratar. Abraço a todos Osvaldo Aires

Osvaldo Aires Bade em 24 de junho de 2012

Setti, te prometo que vou pagar uma pessoa para legendar pra nós. Me dá um tempo de 30 dias. Vou fazer uma pequena cirurgia de uma displasia para não virar câncer e depois tudo certo - vamos ter tudo de edição de vídeos. Abraço a Todos Osvaldo Aires Puxa, Osvaldo, desejo a você muito boa sorte na cirurgia. De coração. Abração

Tuco em 21 de junho de 2012

. O vídeo carece de, no mínimo, uma legendinha em Português. Estamos no Brasil, of course! . Você tem absoluta razão, Tuco. Mas onde estou não tenho condições técnicas de fazer legendas, infelizmente. Fica para o(s) próximo(s). Abraço

Willer em 21 de junho de 2012

A única solução é o tempo, sem que a loucura fundamentalista desapareça nada vai se alterar, a expressão facial desta menina mostra alguém precocemente madura. Ela é uma idealista, uma artista, nestes lugares isto basta para uma sentença de morte.

Ruy Garão de Queiroz em 21 de junho de 2012

Pegou pesado hein ! Eu denunciando os marajás do STF e STJ, e sem arrepios, senti-me lacrimejando quando observei as fotos de um povo que comparado ao brasileiro que não tem justiça digna, não tem a quem reclamar. Salve os EUA, Salve a ONU, Salve Salve Salve Os irmãos entendem !

Luiz Carlos em 21 de junho de 2012

Tomara que o Taliban nunca mais volte ao Poder; seria o fim da Menina!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI