Image
Imagem inédita até recentemente mostra Kennedy observado por admiradores em plena campanha presidencial de 1960: ícone do século 20 (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)

Há exatos 50 anos, John Fitzgerald Kennedy recebia três tiros – um dos quais na cabeça – e morria no atendado durante visita a Dallas, nos Estados Unidos, que provocou um terremoto político e semeou dúvidas que perduram até hoje.

Seu mandato como o 35º presidente americano não durou nem três anos – precisamente entre 20 de janeiro de 1961 e 22 de novembro de 1963, data do assassinato -, mas antes mesmo seu carisma de popstar e a embalagem progressista de muitas de suas ideias, misturada à dureza de implacável protagonista da Guerra Fria, já lhe garantiam, antes da morte, um lugar especial entre as figuras mais icônicas do século XX.

Essa aura pode ser contemplada na compilação especial de fotos organizada pela revista americana Life, uma das que melhor cobriu a vida e a carreira política do presidente assassinado aos 46 anos. A seguir, algumas pérolas deste acervo, incluindo fotografias nunca antes publicadas pela própria Life.

Image
Em 1952, durante encontro com eleitoras em campanha pelo senado por Massachusetts – cargo que exerceria entre o ano seguinte e 1960 (Foto: Yale Joel – Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Em 1953, velejando com a então namorada Jacqueline Bouvier em Cape Cod, no nordeste dos EUA (Foto: Hy Peskin Collection)
Image
O casamento, em setembro de 1953; a partir de então ela seria conhecida como Jaqueline (ou “Jackie”) Kennedy (Foto: Lisa Larsen Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Com Robert, irmão mais novo, político como ele – e que igualmente seria assassinado, em 1968 – e o sobrinho Bobby Jr., casa em Hickory Hill, 1957 (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Foto clássica ao lado de Robert Kennedy, 1958 (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Em 1958, com a filha mais velha, Caroline Bouvier Kennedy, nascida em novembro do ano anterior (Foto: Ed Clark – Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
A família em casa em Georgetown, 1958 (Foto: Nina Leen: Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
A foto sua da qual mais gostava, feita em 1959 nas dunas de Hyannis, em Massachusetts (Foto: Mark Shaw -mptvimages.com)
Image
Cumplicidade com Robert em hotel de Los Angeles durante a Convenção do Partido Democrata de 1960 (Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Retorno triunfal da convenção, em situação curiosamente semelhante à de seu futuro assassinato: desfilando em carro aberto, na companhia de Jackie (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Alegria na companhia de Caroline após a nomeação como candidato presidencial, 1960 (Foto:Alfred Eisenstaedt – Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Imagem inédita de Kennedy discursando sobre uma cadeira de cozinha durante campanha  de 1960, no estado americano de West Virginia (Foto: Hank Walker – Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Na mesma ocasião, agora tendo um carro como “palanque”; também publicada pela primeira vez apenas agora (Foto: Hank Walker -Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Debate televisivo com o oponente Richard Nixon (Foto: Ed Clark – Time & Life Pictures/Getty Images)
Image
Imagem nunca antes publicada pela Life mostra o então candidato saltando de um carro durante a campanha de 1960 (Foto: Paul Schutzer – Time & Life Pictures/Getty Images
Image
Outra imagem inédita capta admiradoras de Kennedy contidas pela polícia no estado de Michigan, 1960 (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
A cantora Marian Anderson entoa a voz na posse de Kennedy como presidente, a 20 de janeiro de 1961 (Foto: George Silk – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Harry Truman, o 33º presidente, assina o programa do tradicional baile inaugural de Kennedy como presidente, 20 de janeiro de 1961 (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Outro registro do baile (Foto: Paul Schutzer – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
No Salão Oval da Casa Branca, 1961 (Foto: Cornell Capa – Magnum)
Image
Em Cam David com o antecessor Dwight D. Eisenhower, em reunião para tratar da a Invasão da Baía dos Porcos, em Cuba, por anti-castristas ligados aos EUA, 1961 (Foto: Ed Clark – Time&Life Pictures/Getty Images)
Image
Anunciando o embargo a Cuba pela TV em 1962 (Foto: Ralph Crane – Time&Life Pictures/Getty Images)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

5 − três =

13 Comentários

Norma de Fátima Bittencourt da Silva em 14 de janeiro de 2014

Jhon F. Kenned e sua familia atestam o quanto é dificil para a humanidade na sua diversidade, conviver com um estadista, humanista e líder carismático popular. Jhon possuia uma presença de tamanha força, que evidenciava no seu comportamento de se expor para a grande massa, em carro aberto. Algo que representou um risco que atraiu seu algoz matador.Terrivel isso,sua morte assistida por aqueles que só queriam aplaudir suas idéias humanistas.O mundo jamais o esquecerá, pelos projetos, ideais de lutar pela democracia, além de conclamar o povo americano para ser co-partícipe de sua gestão. Não existem ídolos sem controvésias, assim como com aprovação geral.J. Kenned incomodava muita gente,sofreu por isso, e entregou sua vida áquele(s) que não suportaram sua marcante presença e tão estupenda admiração popular.

Norma de Fátima Bittencourt da Silva em 14 de janeiro de 2014

Jhon F. Kenned e sua familia atestam o quanto é dificil para a humanidade na sua diversidade, conviver com um estadista, humanista e líder carósmático popular. Jhon possuia uma presença de tamanha força, que evidenciava no seu comportamento de se expor para a grande massa, em carro aberto. Algo que representou um risco que atraiu seu algoz matador.Terrivel isso,sua morte assistida por aqueles que só queriam aplaudir suas idéias humanistas.O mundo jamais o esquecerá, pelos projetos, ideais de lutar pela democracia, além de conclamar o povo americano para ser co-partícipe de sua gestão. Não existem ídolos sem controvésias, assim como com aprovação geral.J. Kenned incomodava muita gente,sofreu por isso, e entregou sua vida áquele(s) que não suportaram sua marcante presença e tão estupenda admiração popular.

VICENTE TROCCOLI em 25 de novembro de 2013

Vicente, seu comentário está todo escrito em maiúsculas, o que não é admitido pelas regras do blog para publicação da opinião dos leitores. Se quiser, leia as regras no link http://goo.gl/u3JHm

freed em 23 de novembro de 2013

Dá para comparar? Sinto vergonha!

petista arrependido em 22 de novembro de 2013

Nos EUA procuram um novo Kennedy. No Brasil procuram um novo Juscelino. Missão quase impossível!

elizabeth correa em 22 de novembro de 2013

OI Setti, Gostei imensamente da coletânea em especial as que aparecem os dois irmãos em que é possível sentir o clima de cumplicidade entre ambos. Eu cresci com meus pais falando sobre os Kennedys, minha mãe tem ate hoje as revistas da época em que ele faleceu e com isso foi quase impossível não me tornar uma fã.Um presidente para sempre.

Max Antonio em 22 de novembro de 2013

A figura do ex-presidente Kennedy ficará na história pelo seu glamour e também pelos seus ideais perante o povo norte-americano. Talvez, o seu grande pecado foi o de querer semear a paz e não a guerra. Foi uma perda irreparável, incomensurável e desmedida diante da magnitude da tragédia.

renato de palma salerno em 22 de novembro de 2013

um grande homem, estadista e pai de família. uma perda "irreparável", não somente para o povo americano, mas para toda a humanidade... que a sua mémoria permaneça em nossos corações e mentes...

Paulão em 22 de novembro de 2013

Prezado Setti, Fazendo leitura labial na foto do JFK com o ex-presidente Truman, dá para ver que ele dizia naquele exato instante: "Note: To drink, coke no-ice" (Anota aí: para beber, uma coca-cola sem gelo).

Marco em 22 de novembro de 2013

Don Setti, Gostei das fotos q parecia ter uma vida prática comum. Abs.

Ismael Pescarini em 22 de novembro de 2013

Que saudades das fotos de filme PB. As minhas escolhidas: as duas Kennedetyes repousando as cabeçinhas carinhosamente no braço do policial (mostrem essa a uma black-block) e a última, um democrata sendo inflexível com a tirania Cubana (essa mostrem para a Dilma, rs.)

Silvana Dias Veloso em 22 de novembro de 2013

Não seria de John Kennedy a célebre frase:Não pergunte o que seu país pode fazer por vc. mas sim o que vc.pode fazer por seu país ?

Mari L'Abbate - São Paulo em 22 de novembro de 2013

JFK morreu, tragicamente, porque escolheu viver, tragicamente = caminhos-obscuros-da-vida. Lembre-se, querido Setti, de que experimentamos várias existências, no Planeta Terra, para purificarmo-nos, e tornarmo-nos Mentores-Espirituais = Mestres-Divinos, sentados à esquerda do Pai-Eterno. A sua função é registrar os nossos erros e acertos. Em situação de erro, mostra-nos o Caminho-da-Verdade. Nos acertos, realiza os nossos desejos. Qual será o sonho tão acalentado do amado fratello? Grazie tante, Anjo de Guarda.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI