Image
A cidade de Grimma, na região central da Alemanha, sob as águas do rio Mulde, inundado (Foto: Jens Wolf – European Pressphoto Agency)

Enquanto o verão se aproxima no Hemisfério Norte, milhões de pessoas na Europa Central enfrentam nos últimos dias algumas das maiores enchentes já ocorridas na região. Especialistas preveem que os índices atuais deverão superar os das graves enchentes de 2002

Os países mais afetados são Alemanha, Áustria, Hungria e República Checa, nos quais milhares de cidadãos trabalham como voluntários para ajudar vítimas e tentar atuar para tentar conter a ação das águas. Até a última segunda-feira o número de mortos era de 19.

O site da revista National Geographic publicou seleção de fotos, feitas na semana passada em diferentes pontos alagados e que ajudam a ter uma dimensão dos estragos. Confiram algumas:

Image
O barco foi uma das soluções de locomoção nesta área do estado federado da Saxônia, centro-leste da Alemanha, inundada pelo rio Elba (Foto: Thomas Peter – Reuters)
Image
Cerca de 300 voluntários trabalharam às margens do Elba em Dresden, capital da Saxônia, em uma tentativa de bloquear com sacos de areias a inavsão das águas (Fotos: Thomas Peter – Reuters)
Image
Milhares de pessoas foram obrigadas a deixar suas casas na semana passada em Passau, na Baviera, sudeste alemão, próximo à fronteira com a Áustria; a cidade, ponto de encontro de três rios (Danúbio, Inn e Ilz), vive sua pior enchente em 500 anos (Foto: Wolfgang Rattay – Reuters)
Image
Moradores de Dresden pedalam em plena inundação (Foto: Michael Kappeler – European Pressphoto Agency )
Image
O trabalho voluntário também ocorre em Dresden: nesta imagem, alguns dos participantes param para descansar sobre os sacos de areia (Foto: Thomas Peter – Reuters)
Image
Trecho de estrada danificada na Áustria (Foto: Kerstin Joensson -AP)
Image
Pinguim do zoológico de Praga observa os danos causados pela subida do rio Vltava, estimados em mais de US$ 8 milhões só ali (Katerina Sulova – CTK/Zuma Press)
Image
Em Deggendorf, Baviera, integrantes de grupo de salvamento trabalham em ruas inundadas pelo Danúbio (Foto: Karl-Josef Hildenbrand – AFP/Getty Image)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

3 + 15 =

4 Comentários

Mickaele em 02 de fevereiro de 2014

Antonio, a causa disso não é o LIXO, isso foi o RIO que transbordou por causa das chuvas. Se o Brasil fosse bom, teria uma boa educação, as pessoas não morreriam no corredor dos postos ou hospitais, teria um bom transporte e as cidades seriam mais LIMPAS! A Alemanha sim, é um pais muito bom de se viver.

Roberto Barbosa em 02 de fevereiro de 2014

Eu já vivi em Passau e em Deggendorf, estou chocado com estas imagens, eu lamento pelo ocorrido, ter chuvas muito forte num típico verão alemão é normal, mas isto é uma tragédia... Estas cidades priorizam a limpeza urbana, é mais do que óbvio que numa catastrofe dessas aparece uma grande quantidade de lixo. Muitos brasileiros não cuidam da sua cidade. Claro que em todos os cantos existem pessoas que desrespeitam o meio ambiente, mas quero dizer que muitas pessoas desses lugares cuidam muito bem porque eu sei. O Brasil não chega nem perto do cuidado que elas tem. É lamentável...

André em 25 de dezembro de 2013

E a causa?

Antonio em 12 de junho de 2013

Impressionante a quantidade de garrafas PET, sacos de lixo, restos de móveis e porcarias que se vê nessas fotos. Acho que esse povo não tem educação e nem preocupação com o meio ambiente. Bom mesmo é o Brasil.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI