Image
A igreja presbiteriana Woodward, do arquiteto Sidney Rose Badgley, erguida em 1908 em Detroit: caindo aos pedaços (Fotos: Philip Jairman)

A estarrecedora falência de Detroit, sobre a qual falei neste recente post, rendeu um belo, triste  – e simbólico – trabalho de fotojornalismo.

Fotógrafo dedicado a arte, moda e publicidade, o canadense Philip Jairmain realizou desde 2010 ensaios nos quais registrou a decadência de edifícios que um dia foram importantes para o patrimônio arquitetônico da ex-metrópole que já foi um dia a quinta maior cidade dos Estados Unidos e hoje é a décimo-oitava.

A maioria das construções retratadas na série resultante, batizada “American Beauty” (“Beleza Americana”), foram erguidas nas primeiras duas décadas do século XX, período anterior à Grande Depressão de 1929 e durante o qual Detroit experimentava anos de prosperidade.

“O que tento fazer é documentar cuidadosamente estes prédios”, diz Jairmain, neto de um arquiteto que vivia na cidade. “Estes edifícios são parte de uma história repleta de ingenuidade, inovação e empreendedorismo”.

As fotografias estarão expostas na galeria Meridian, em San Francisco, entre 7 de setembro e 20 de outubro. Vejam algumas abaixo:

Image
O Belle Isle Aquarium, projetado por Albert Kahn , de 1904
Image
O Book Cadillac Hotel, de Louis Kamper,1924
Image
O ginásio de esportes da escola Mackenzie, de Wirt C Roland, do Smith Group, 1927
Image
A delegacia de polícia do distrito de Highland, dos arquitetos Van Leyen, Schilling e Keough, construída em 1917 e demolida em 2011
Image
O famoso Whitney Building, da firma Graham Burnham & Co, 1915
Image
Sede da extinta indústria automobilística Fisher Body, desenho de Albert Kahn, 1919
Image
A galeria comercial Farwell Building, de um conglomerado de diversas firmas de arquitetura, 1915
Image
O teatro East Town, de V.J. Waiver, 1930

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − seis =

15 Comentários

Santana*100 em 01 de agosto de 2013

Ramom - 31/07/2013 às 8:55 "Detroit já representa bem onde chegará o Império americano…q escravizou o mundo!" - Muito mais do que o Império Americano, que escravizou o mundo foi o Império da URSS - União das Repúblicas Socialista Soviética. Você esqueceu? Santana*100

Santana*100 em 31 de julho de 2013

A inversão da ordem está acabando com Detroit! Isto se deu no Haiti e também na Rodésia, atual Zimbabwe.

Ramom em 31 de julho de 2013

Detroit já representa bem onde chegará o Império americano...q escravizou o mundo! Sinto dizer, Ramom, mas você vai precisar esperar sentado...

Gilmar - Campo Bom - RS em 31 de julho de 2013

Não precisamos ir tão longe para ver escombros, obras ruindo ou abandono, basta a Veja publicar fotos das obras do PAC, das rodovias abandonadas apesar dos infinitos impostos, dos portos do tempo das descobertas espanholas e dos aeroportos que mais parecem campo de aviação para aeroplano de controle remoto.

Irineu em 30 de julho de 2013

Cadê o Robocop??!

Ezequiel-SP em 30 de julho de 2013

Funciona assim: Não se auto sustenta ? Fecha. Caso contrário viraria um brasilzão. Um monte de cidades que mereceriam ser fechadas ou simplesmente "juntadas", vide último IDH

Monarquista em 30 de julho de 2013

Ainda assim está muito melhor que muitas cidades brasileiras, veja aquele asfalto em frente à delegacia abandonada, não fica nada a dever à média brasileira...

ig em 30 de julho de 2013

Isso ai é resultado das sucessivas exigências dos sindicatos.

Paulo em 30 de julho de 2013

O que aconteceu com nossas ferrovias - estações, pátios, vias, oficinas, subestações elétricas - é muito pior que isso. É aqui debaixo do nosso nariz e ninguém nunca falou nada, só uns ferreo-fãs abnegados. A Estação da Luz com o Museu da Língua Portuguesa e a Júlio Prestes, com a sala São Paulo, são dois contra-exemplos. Quem quiser ver, vá para qualquer cidade do interior onde havia (ou ainda há algo parecido com) uma ferrovia. No Rio, a Estação Barão de Mauá está lá para provar isso também.

Martinho em 30 de julho de 2013

Os EUA inventaram a cultura do descartável e agora até cidades inteiras viraram artigo descartável. O centro de São Paulo está indo pelo mesmo caminho.

LesPaul em 30 de julho de 2013

Prezado Setti, escusas pelo extenso... but, diante da refalada decadência de Detroit e estando em Chicago há um ano, resolvi dar um 'pulo' para ver de perto a história da tal quebadreira que desaguou no pedido formal de falência, e para levantar um pouco da história do Eastown Theatre (última foto), cinema dos anos 20 (1926 – 1930) que recebeu uma tonelada de grandes nomes do rock'roll a partir do final dos 60. A idéia era colocar em Detroit El Tigre, mi perro falopero, um cão-danado-gente-boa que vive como motorista de celebridades em LA, desde tempos imemoriais. E de lá, contar alguma das histórias que 'narramos' no blog chamado maisbarulho. Desde os 60 o cenário já era devastador. A chegada de 1967 marca o início do fim do belíssimo teatro, até então uma mistura de estilos clássicos em que no seu interior predominava o estilo barroco, com uma abóbada dourada, uma belíssima escada de mármore importado provavelmente da Itália levando ao mezanino. A indústria automobilística ainda não havia apontado o bico de sua trajetória para baixo, os 'japoneses' ainda não haviam conquistado os corações (bolsos) americanos, mas a região do teatro já era barra pesadíssima, aliás, na cidade já rolava de tudo. De LSD a heroína fake. Vários casos de overdoses são encontrados nos últimos 35 destes quase 100 anos. E assim, a casa de 2500 lugares que abrigou cinema, teatro e até uma igreja, ambiente outrora refinado por lustres exóticos, bustos e tapeçaria emoldurados por um grande arco do proscênio, tudo admirado por artistas e espectadores, veio atravessando os anos até a débâcle prenunciada. Desde os Anos 20 Detroit era coroada por grandes cinemas - no lado oeste tinha o Grand Riviera; no sudoeste a Hollywood; o norte a Uptown. Porém, no lado leste, o Eastown que aparece decrepito na fotografia, abrigou ícones do calibre do The Who, Yes, Fleetwood Mac, Faces, Jefferson Airplane, Cream, Steppenwolf, King Crimson, James Gang, Rush, J. Geils Band and Joe Walsh Vale, Alice Cooper, dentre outros. Com a devida licença, sugiro se tiver tempo e interesse, uma lida neste link pinçado no Detroit.Org: http://historicdetroit.org/building/eastown-theatre/ ABRAÇO, Paulão

Vinicius em 30 de julho de 2013

a decadas na mão do democratas, esquerdalha americana... “O socialismo dura até terminar o dinheiro dos outros” Margareth Thatcher

O Declinio De Detroit É Um Fracasso Tipico Do Capitalismo

Setti
anselmo em 30 de julho de 2013

Que situação triste. Põe uma mulherada aí Setti, vamos animar o "pedaço"... Abraço.

marcus em 30 de julho de 2013

Qualquer cidade brasileira tem prédios em pior estado do que estes, qualquer uma, sem exceção.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI