Image
Hillary e Bill Clinton fazem pausa durante partida de vôlei – ou futebol, dependendo da fonte – em 1975: preciosidades visuais para a posterioridade

Preparem-se para ver algumas das personalidades que mais marcaram os últimos tempos em flagras irrepetíveis.

Em alguns dos casos, os retratos – cujos créditos, infelizmente, não estão disponíveis na maioria das vezes – funcionam como um registro histórico preciosíssimo de fatos que mudaram a história.

Em outros, registram figuras míticas de nossa era em uma quase improvável juventude, ou simplesmente gravam para a posterioridade momentos surpreendentes e até insólitos protagonizados por elas.

A indicação veio do querido amigo Fernando Portela, via o seu blog.

Image
O gênio Albert Einstein, quem diria, “pegando uma corzinha” em Lond Island (EUA), 1939
Image
Leon Tolstoi, autor de “Guerra e Paz” e outras obras-primas, um dos maiores nomes da literatura russa e mundial, conta histórias para os netos em 1909

 

Image
Um incrivelmente jovem Bill Gates (o primeiro à esquerda na fila de baixo) posa com uma das primeiras equipes da Microsoft em 1978; Gates fundara a empresa com Paul Allen (o primeiro à direita na mesma fila) três anos antes
Image
Os irmãos americanos Walt e Roy O. Disney, no dia da fundação da Walt Disney Company, em outubro de 1923

 

Image
O genocida soviético Josef Stálin em raríssimo momento de descontração
Image
E por falar em assassinos em massa… impressionante a expressão de Adolf Hitler já aos 11 aos, em 1900
Image
Elvis Presley durante o período em que serviu ao Exército dos EUA na então Alemanha Ocidental (1958-1960)
Image
Sir Winston Churchill alivia as tensões em praia de Deauville, França, em 1922
Image
Sim, Fidel Castro visitou os EUA no ano da Revolução Cubana; ele já era o “primeiro-ministro” do país quando conheceu monumentos como o Abraham Lincoln Memorial, em Washington, em 20 de abril de 1959
Image
Liverpool, 1957: George Harrison (14 anos), John Lennon (16 anos) e Paul McCartney (15 anos)
Image
Arnold Schwarzenegger, que é austríaco, no dia em que recebeu sua cidadania americana, em 1983

 

John-McCain-Vietnã

 O senador e ex-candidato à presidência dos EUA John McCain em outubro de 1967 nas águas de um lago próximo a Hanói, então capital do Vietnã do Norte: o caça Skyhawk que ele pilotava foi atingido e, após salto em para-quedas, foi resgatado  por militares norte-vietnamitas. Depois disso, passou seis anos preso e foi muito torturado (Foto: AP)

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

catorze − dois =

5 Comentários

cobrança indevida em 26 de junho de 2017

gostaria de saber o que e a quem eu procure se eu tiver algum problema relacionado a este ramo aqui na cidade do rio de janeiro? ah saber também se é pago as pessoas que fazem ou melhor ajudam com isso ah amei o tema abordado e a psotagem por favor continuem sempre assim ,conteúdo de ótima qualidade por isso sempre entre aqui no site Caro amigo, obrigado por sua visita e por seu comentário gentil. Em relação a sua pergunta, não fornecemos esse tipo de informação, por não fazer parte dos objetivos do site e não ser especialidade do jornalista responsável. Obrigado por sua compreensão.

Mario sergio pacheco de sousa em 03 de junho de 2013

Setti,obrigado por escrever que o vice presidente Americano foi preso e torturado,diferente daqui eles não exploram esses eventos.

João Augusto em 02 de junho de 2013

Setti, boa noite. Obrigado por voce nos brindar sempre com fotos que nos comovem.Por exemplo, Tostoi, contando estórias.É muito terno.Espero que não tenha sido "a morte de Ivan Ilitch",considerado por alguns (Pasolini e outros ) como o mais cruel conto da literatura. As capas da "Vanity Fair", o chinesinho segurando tanques.É história. Obrigado Em tempo: endosso com veemêmcia as palavras de Milton Simon Pires.Moro em um paraíso, seria se houvesse interesse político em darem uma assistência médica digna, com condições de trabalho a esses profissionais. Se ficarmos doente aqui, seria uma escolha de Sofia, ir ao Rio ou a São Paulo.Uma pessoa conhecida aplicou um teste na área de saúde mental da localidade. Foi exonerada por ter reprovada uma candidata que dissertou a respeito de "Fu-ca-u-t" (ler conforme está escrito). Repetiria a história do "Vigiar e punir" A candidata era parente do prefeito.

moacir em 02 de junho de 2013

Setti, Adoro essas suas fotos em preto e branco.Destaques de hoje:as sandalinhas fashion do Einstein,a arrogância do menino Hitler,o traje de banho de Churchill em Deauville,os Beatles adolescentes,e para mim a mais incrível - Lincoln e Fidel - o primeiro lá em cima! abraço

Milton Simon Pires em 02 de junho de 2013

Olha aí, Ricardo, uma versão um pouco mais light da MEDICINA HUMILHADA, que eu já havia enviado anteriormente, abraço Milton Pires A MEDICINA HUMILHADA. Durante toda a última semana a mídia inteira tem se preocupado com o tema dos médicos cubanos. É um desses raros momentos em que se percebe aquela que, em texto anterior, defini como uma das maiores características do brasileiro – a arte de falar sobre o que não sabe. Senão; vejamos: apresentadoras loiras de programas de TV, comentaristas de futebol, prefeitos..Não importa quem você seja mas basta invocar o “sofrimento do povo” para ter o direito de enfurecer-se com a situação de saúde no Brasil. Houve um tempo em que os medíocres sabiam (mesmo na sua mediocridade) permanecer em silêncio. Reconhecia-se a história das pessoas, seu esforço, e seu trabalho. Não ensinava-se uma sociedade inteira a pensar que pobreza e miséria eram reflexo de uma luta de classes e nós vivíamos muito mais próximos da ideia de que colhemos o que plantamos. Alguns dias atrás escrevi sobre a responsabilidade de certos colegas na ideia de trazer os cubanos para o Brasil. Mostrei quem eram estas pessoas dentro das faculdades de medicina. Estabeleci o “perfil”, como gostam de dizer os psicólogos, deste tipo de gente e desmascarei a hipocrisia da “new left brasileira”. Hoje o recado é mais curto: abrindo um jornal local me deparei com o “comentário perfeito” sobre a vinda dos cubanos ao país – um sujeito aqui de Porto Alegre que é apresentado como “formador de opinião” foi o seu autor. Disse esse cidadão aquilo que considero uma “pérola” do lugar comum em termos de manifestação sobre o tema – … Mas tem de haver médicos em todos os locais, até nos indesejados pelos médicos brasileiros. Entonces, que vengan los cubanos! Porque o que importa é a Saúde. Querem saber por que uma frase assim é capaz de fazer tanto sucesso? Explico: é por que quem a pronuncia afirma, aos brados e cheio de razão, que qualquer atendimento é melhor do que nenhum!Vocês, que gastaram seu tempo me lendo até aqui, têm dúvida de que isso é verdade? Faço uma proposta para resolver a questão: imaginem que estão às 2h da manhã de um dia de semana, esperando quase 12 horas para serem atendidos num desses pronto-atendimentos e com um filho doente nos braços. Pergunto a cada um – vocês acham que seu filho, pai ou mãe (só para não citar vocês mesmos) ficariam conformados com “qualquer atendimento” ou buscariam aquilo que há de melhor na medicina local? Aí está a resposta – “qualquer atendimento” é melhor do que nada para os “outros”; jamais para nós e nossas famílias, né? Até onde eu sei, para nós mesmos e para aqueles que amamos, queremos sempre o melhor possível. Negar o mesmo às outras pessoas vai muito mais longe do que ser contra os médicos – é negar a própria natureza cristã da sociedade em que vivemos. Sobram médicos no Brasil ! Todos sabemos que eles estão mal distribuídos por questões de condição de trabalho, falta de plano de carreira e garantia de estabilidade no emprego ! Jamais esqueçam disso quando lerem parte da imprensa brasileira defendendo, ao lado dos seus patrões federais, a vinda dos médicos de Cuba. Não tenham também a tentação de cair na armadilha daqueles que afirmam – mas meu amigo, nem toda população pode ter o que há de melhor na Medicina a seu dispor. Esse tipo de gente não tem o compromisso legal de dizer onde está o “melhor” e quando esse “melhor” vai fazer a diferença entre a vida e a morte. Aqueles que defendem a importação de médicos não tem o mínimo interesse na vida das pessoas doentes. É aos próprios pacientes e aos médicos brasileiros que essa questão diz respeito. Imploro como médico formado há quase 20 anos: não fiquem contra nós! Vocês não precisam do “papai Lula” e da “mamãe Dilma” para cuidar do vocês quando ficarem “dodói”. Tudo isso é mentira e desespero político de gente que viu que, no seu delírio comunista, acabou com a estrutura hospitalar do país, que não pode mais esconder que as pessoas estão morrendo, e que nós médicos temos MEDO de trabalhar fora das grandes cidades. Foi provavelmente um médico brasileiro quem primeiro olhou para vocês quando nasceram e quem, se Deus quiser, vai estar com vocês na hora da morte. Não aceitem a mentira do Governo e dos prefeitos mesmo que estejam esperando atendimento há anos. Trazendo os cubanos vocês NÃO VÃO ter seus problemas atendidos e a nossa medicina vai ser humilhada perante todo o resto do mundo.. Porto Alegre, 2 de junho de 2013

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI