Image
O artilheiro David Villa recebido em delírio pelo Atlético de Madrid: mais uma transferência com enorme prejuízo (Foto: actualidades.es)

A dor nacional na Espanha pelo acidente de trem em Santiago de Compostela, a intensa cobertura da imprensa ao Campeonato Mundial de Natação, sendo realizado em Barcelona, e as atenções despertadas pela chegada do novo técnico do F. C. Barcelona, o melhor time do mundo, o argentino “Tata” Martino, deixaram em total segundo plano a divulgação da situação financeira do clube por seu vice-presidente econômico, Javier Faus.

Faus mostrou que o Barça alcançou um lucro de 32 milhões de euros (pouco mais de 90 milhões de reais) na temporada 2012-2013, sobre um faturamento de 491 (quase 1,5 bilhão de reais), mas nada disse sobre algo que é um tabu no clube e na fanática imprensa pró-Barça: sua extraordinária capacidade de perder dinheiro com compra e venda de jogadores.

O Barça, desde o segundo mandato do atual deputado ao Parlamento da Catalunha e ex-presidente Joan Laporta (2006-2010) até agora, sob a presidência de Sandro Rosell, ex-executivo da Nike, gastou altissonantes 450 milhões de euros (1,4 bilhão de reais) na compra de jogadores, e, na venda — quase todas envolvendo boa parte desses contratados –, arrecadou apenas 180 milhões.

Sim, amigos! Nada menos do que 270 milhões de euros (perto de 820 milhões de reais) foram para o ralo em negociações de jogadores ao longo de sete anos. 115 milhões por ano!

Image
Javier Faus: Barça faturou 491 milhões de euros, teve lucro de 32 e mantém dívida de 331 milhões (Foto: elperiodico.com)

O atacante David Villa — o maior artilheiro da história da seleção espanhola, com 56 gols em 90 partidas — é o mais recente, e talvez o maior, exemplo disso: comprado ao Valencia há três anos por 40 milhões de euros (pouco mais de 120 milhões de reais), acaba de ser repassado ao Atlético de Madrid por 5,1 milhões (pouco mais de 15 milhões de reais), e para serem pagos ao longo de três anos.

Não é de se estranhar, pois, que o Barça, o mais badalado time do mundo, com faturamento fabuloso que inclui 100 mil sócios pagantes, patrocínios multimilionários (só o governo do Catar paga 33 milhões por ano para estar na camisa dos jogadores) lojas próprias, franquias e incontáveis produtos licenciados pelo mundo afora, ostenta uma dívida — confirmada pelo vice-presidente Faus — de colossais 331 milhões de euros (perto de 1 bi de reais).

Image
Ibrahimovic com a camisa de seu atual clube, o Paris Saint Germain: em pouco mais de um ano, o Barça perdeu 42 milhões com ele (Foto: AFP)

David Villa saiu justamente magoado do Barça e disse que, no novo clube, terá “a alegria de que estava precisando”.

Villa teve um ano e pouco de atuação fulminante, sofreu uma contusão séria — fratura da tíbia esquerda — no Mundial de Clubes da FIFA, em dezembro de 2011, e depois da demorada recuperação de seis meses acabou não reencontrando seu lugar no Barça. Um de seus problemas foram desentendimentos com Messi, que sabidamente manda no time. Disputou 77 partidas e fez 48 gols — média superior a 0,6 por partida, contando o período ruim.

Admitamos, por hipótese, que essa situação seja suficiente para o Barça vender por 5,1 milhões um jogador que custou 40 — é um absurdo, mas vamos admitir.

Pois acho mais inexplicável o caso de Ibrahimovic, o gigante cigano sueco contratado à Inter de Milão em meados de 2009 por 66 milhões de euros — 45 milhões em dinheiro e o restante com a transferência de um dos ídolos da torcida e grande jogador, o camaronês Eto’o, indo de lambujem o bielorrusso Hleb.

A compra já foi uma barbaridade. Eto’o, encrencado com o então técnico Pep Guardiola, era no período um grande jogador, um artilheiro (98 gols em 135 partidas, durante quatro temporadas), um pesadelo para as defesas contrárias. Valia muito mais do que os 20 e poucos milhões pelos quais mudou-se para a Itália (hoje joga no Anzhi do remoto Daguestão, na Rússia). Hleb, que custou 17 milhões, foi de graça.

Image
O zagueiro Chigrinsky, que custou 25 milhões de euros e voltou ao Shaktar Donetsk por 10 milhões, em uma das apenas 14 partidas que disputou em 11 meses (Foto: sport.com)

A venda de Ibra seria ainda pior: os 66 milhões de euros em julho de 2009, com Eto’o e Hleb indo embora, se transformaram, apenas 13 meses depois, num empréstimo com opção de compra ao Milan de 6 milhões e terminaram se reduzindo a 24 milhões em julho de 2011. Lá se foram 42 milhões pelo ralo — isso se forem verídicas as afirmações, de várias fontes, de que na verdade o atacante custara 69,5 milhões.

História semelhante, com números diferentes, iria se repetir com a contratação do zagueiro Chigrinskyi ao Shaktar Donetsk da Ucrânia, exigência de Guardiola e obsessão de um time de baixinhos por zagueiros altos (1m92, no caso de Chigrinskyi). O grandalhão cabeludo veio por 25 milhões de euros, atuou em apenas 14 partidas e, 11 meses depois, voltou ao time de origem por 10 milhões de euros menos.

Houve ainda os casos do brasileiro Henrique, contratado por 10 milhões ao Palmeiras — onde está atualmente — e que acabou liberado sem ônus, e sem jogar, do zagueiro e lateral uruguaio Cáceres, pescado no Villareal por 16,5 milhões e repassado ao Sevilla por 3 milhões…

A lista é longa, e não preciso continuar (lembram-se de Keirrisson?). Esses compra-e-vendes custaram, repito, 270 milhões de euros ao Barça em apenas sete anos. Na Espanha, e especialmente na Catalunha, esses números simplesmente não são comentados.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

6 + 13 =

28 Comentários

carlos nascimento em 04 de agosto de 2013

Ricardo, PELÉ a lenda viva do futebol mundial, construiu uma história fantástica com a camisa do glorioso SANTOS, anos decorridos (50 anos), alguns IMBECIS - desculpe a raiva da expressão - expuseram o manto sagrado ao vexame, humilhação, vergonha, profunda tristeza....... Eis aí o retrato da irresponsabilidade de seus dirigentes, aliás, são frutos da atual ERA DE MEDIOCRIDADE que assola o nosso País. O time atual não tem condições de competitividade no campeonato brasileiro, mesmo assim foi levado para jogar na Europa, na casa do melhor time do planeta, somente IDIOTAS, IMBECIS, BURROS, IRRESPONSÁVEIS, seriam capazes de tamanha insanidade, o resultado foi trágico, 88888888888888888888 x ZERO ZERO ZERO ZERO ZERO. Dói, dói, dói muito, tamanho vexame. Espero que TODA, TODA, TODA ,TODA a diretoria peça DEMISSÃO, já, URGENTEMENTE, é o minimo que essa raça pode fazer para minimizar essa tragédia. Desculpe-me pelo desabafo. Carlos Nascimento.

Breno Libanio em 03 de agosto de 2013

Não é erro não amigo Jguedes, né não. Os mafiosos russos estão lá. O berlusconi tem time (ou tinha, sei lá). É gente da pesada que cuida do futebol na Europa (e aqui também). Um ou outro prejuízo passa, acontece. Mas é muito prejuízo junto para gente que conhece futebol a fundo. Não sejamos ingênuos. É só caixa dois e mais nada. Abraços amigo Setti.

Ricardo Rodrigues em 30 de julho de 2013

Que coisa,hein?Ué ,mas esses problemas não ocorrem só nos clubes aqui do Brasil? E na venda do neymar, citaram um valor depois ,um outro valor,tem dinheiro ''sobrando por aí''. O caso do Neymar já foi esclarecido. O preço da transferência foi mesmo de 57 milhões de euros. O que ocorreu é que essa quantia foi dividida entre pessoas e empresas com participação nos direitos federativos do jogador. O Santos ficou com apenas parte dos 57 milhões.

Fernando em 29 de julho de 2013

Setti,parece-me que esssa questão de compra e venda de jogadores é uma verdadeira caixa-preta no Barcelona ( qualquer semelhança com os clubes daqui é mera coincidência).Acrescento o caso do ex-cruzeirense Geovanni contratado junto ao Cruzeiro por 18 milhões de dólares em 2001, um valor totalmente fora da realidade para um jogador comum, cuja compra é alvo de denúncias até hoje na Catalunha. Mas,enfim,isso em nada desmerece o exemplo de gestão em que o Barcelona se transformou.

Julian Matos em 29 de julho de 2013

Oi, Setti, Discordo da sua análise. Um time como o Barça é natural que tenha prejuízos na compra e venda de jogadores. Sendo o time melhor do mundo, a tendência do Barça é comprar jogadores no melhor momento da sua carreira (mais caros) e vendê-los quando estão em fase de declínio (mais baratos). Claro que existem contratações equivocadas, como o exemplo do Ibra. Não é o caso do David Villa que uma contratação mais que "amortizada", apesar do sua lesão. Contratações equivocadas existem em qualquer time, veja o exemplo do Kaká no Real Madrid. Não acho que o Barça seja pior que os outros neste aspecto. Em compensação o Barça se destaca em outro aspecto: as divisões de base. Afinal a base do time melhor do mundo vem da Masia: Messi, Xavi, Iniesta y Puyol. Melhor investimento que este não existe. Um abraço, Julian Matos

JGuedes em 28 de julho de 2013

Ei li o post Setti. Tanto li que percebi o erro que a tantos passou despercebido. Continuo vendo erro na conta que compara apenas os dois preços, o da compra e o da venda do Villa. A conta omite muitas outras receitas, entre elas, o patrocínio do emirado do Catar do qual você fala mas não considera quando identifica um prejuízo inexistente na transação feita pelo Barça. Mas esquece. Esse assunto já deu.

Márcia Maria em 28 de julho de 2013

Seu Setti, para aumentar o tremelico do Carlos Nascimento, mais ainda hoje contra o Timão. Timão durante o ano, 41 jgs, 19 v, 16 e 6 D. Aproveitamento 59,34 %. Carlitos tá ferrado....

JGuedes em 28 de julho de 2013

Setti, ver caixa dois em tudo, como pretende o Libânio, é um erro. Da prática de caixa dois pode-se dizer que é um pouco mais do que se descobre e muito menos do que se desconfia. Mas em que pese a pouca gravidade do erro que não foi seu, você tentou esclarecer. No entanto, sobre o outro erro, mais grave erro e cometido por você no comentário sobre a venda do DVilla, nem uma palavra? Você acredita mesmo que a receita dos grandes clubes de futebol resulta exclusivamente da compra e venda de "estrelas" compradas no auge da carreira e vendidas no ocaso? Ingressos, venda de patrocínio, imagem e camisas entre outros itens não contam? Se não consegui convencê-lo de que errou, então me convença de que errado estou eu. Você parece que não leu o post. Eu menciono tudo isso que você me cobra. Falo inclusive do patrocínio do emirato do Catar.

Breno Libanio em 27 de julho de 2013

Gosto muito de ler seu blog. Tem hora que parece que o senhor, perdão, quer fazer piada. E os comentários então? Credo. Vem cá, o senhor e os demais nunca ouviram falar em caixa dois? Aqui e acolá? Nunca né? Ah tá. Não me chame de senhor, Breno. Jornalista é um bicho muito informal, não importa a idade. Quanto ao caixa dois, eu simplesmente apresentei os fatos. As conclusões os leitores tiram. Na Espanha as coisas são mais rigorosas do que no Brasil, embora longe do ideal. Não posso garantir nem provar nada em relação a um eventual caixa dois, mas procurei apresentar os fatos. O que me espanta é a imprensa daqui não investigar a fundo o tema. Obrigado por gostar do blog. Quanto aos comentários, bem, quem os escreve são os leitores. Se você se assusta com alguns, ou mais do que alguns, é porque não vê os que eu deleto, por absolutamente impublicáveis. Abraço

João Paulo em 27 de julho de 2013

Concordo com o Jayme Guedes. Não se pode reduzir a situação a uma mera comparação entre o valor de compra e o de venda. Problema de verdade é o que acontece na grande maioria dos clubes brasileiros. Esses sim fazem contratações milionárias sem ter cacife para bancar salários e tomam prejuízo em cima de prejuízo.

Jayme Guedes em 27 de julho de 2013

Conta errada Setti. O Barça não pode ser comparado a um comércio onde a mercadoria se compra por dois e se vende por quatro. O Barça está mais para um prestador de serviços. Permita um exemplo. Compro um carro por 50 mil, rodo com ele por dez anos como taxi e no final vendo o mesmo carro por 10 mil. Perdi 40 mil? Claro que não. A renda do carro não se limita ao que foi arrecadado com sua alienação no fim dos dez anos. Na receita devem ser incluída a renda liquida mensal do carro pelo tempo em que produziu receita. Suponha que tenha rendido 2 mil mensais líquidos. São 2 mil x 120 meses ou 240 mil aos quais devem ser acrescidos os 10 mil apurados na venda. Assim, o carro que custou 50 mil produziu uma receita de 250 mil. O mesmo raciocínio se aplica à compra e venda de estrelas no futebol. A receita liquida do barça no período em que o Villa esteve no clube, dividida pelo elenco, permite uma estimativa da contribuição do Villa. Esse valor mais mais os 5 milhões da venda é que devem ser comparados com o custo. O Barça não comprou o Neymar para vendê-lo mais caro ali adiante. O Barça comprou o Neymar para alavancar a receita (ingressos, venda da marca, venda de publicidade etc.). Assim quando o Neymar vier ser vendido no futuro o resultado dessa operação não resultará da comparação feita apenas entre os preços da compra e da venda. Só quem compra "promessas" é que tem a expectativa de vender mais caro do que comprou. Na compra de "estrelas" a expectativa de ganho está na alavancagem das receitas durante a permanência no clube.

Márcia Maria em 27 de julho de 2013

Seu Setti, o Sr. tem razão.

Eduardo perfect em 27 de julho de 2013

huhuuuh

Márcia Maria em 27 de julho de 2013

Seu Setti, tb cadê o grande Augusto Nunes, tb para explicar pq o Palmeiras tá jogando com 3 volantes na Segundona,E o Treinador se achar satisfeito. Seu A. Nunes, q é um homen de lógica, não seria uma incomprensão, pela tradição do Palmeiras, menos mau, q vão homenagear com o rosto na camisa,o q o sr, já fez aqui no blog, o grande Djalma Santos.

Márcia Maria em 27 de julho de 2013

Seu Setti, o Douglas do Coringão era melhor reforço para o Inter do q o veterano Alex de 34 anos. Deixe o Douglas onde está, no time que mais conquista títulos e que tem a maior torcida do Brasil, Márcia...

Márcia Maria em 27 de julho de 2013

Seu Setti, Cadê o Carlos Nascimento, vai deixar o dmego Juka Kfouri, como sempre faz, responsabilizar cartolas como o Juvenal Juvencio.Como o protagonista da hora. Seu carlos Nascimento, queremos saber?

Márcia Maria em 27 de julho de 2013

Seu Setti, a pergunta q se faz pq os técnicos brasileiros foram esquecidos. Eu acho q com razão são poucos de bom comportamento social, a maioria gosta da postura de rivalizar. Só pode ser essa explicação. Já q o Manchester City, contratou o chileno Manuel Pellegrini, ex Real. E o outro argentino Diego Simeone, do Atlético de Madrid,tem 3 títulos em menos de 3 anos na Espanha. Você vai achar que é exagero, Márcia, mas minha tese é de que o grande problema é a barreira do idioma. Os nossos técnicos, com pouquíssimas exceções (Parreira, por exemplo), são monoglotas. Veja você como é o profissionalismo aqui e como é no Brasil. Quando foi técnico do Real Madrid, o Luxemburgo falava um portunhol pavoroso que era motivo de riso na Espanha, inclusive da imprensa. Ora, ele ganhava uma fortuna, uma fábula. Como homem inteligente que é, teria que ter contratado uma professora de espanhol para fazer aulas e conversação duas horas por dia, todos os dias. Não, ficou caindo no ridículo a cada momento -- além da dificuldade de se fazer entender pelos jogadores, vários deles não espanhóis. Já o Pep Guardiola, que tinha em mente ir para o Bayern de Munique após deixar o Barça, em 2012, passou o ano todo em que ficou com a família em Nova York estudando alemão. Ao ser apresentado à torcida e à imprensa, quando chegou no clube, concedeu sua primeira entrevista coletiva... em alemão! Então, acho que o primeiro e grande problema para nossos técnicos é esse. E, na Ásia e nos países árabes, eles trabalham com intérpretes. Não acho que funcione. Abraço

valdir em 27 de julho de 2013

Como venho lembrando incansavelmente para os amigos do blog, as regras para publicação de comentários — que têm chamada permanente na home page para que possam ser consultadas — vedam a publicação de textos escritos somente em maiúsculas. Conto com sua cooperação da próxima vez. Obrigado desde já

Edison Penelli em 27 de julho de 2013

Excelente análise, caro Setti. E a questão emblemática é: tudo isso é devido a má administração, incompetência, "burrice" dos responsáveis pela "empresa Barça"? Não acredito. Isso tem um nome, nome que compoe a resposta à pergunta que se sempre se faz: Como,com suas economias em pandarecos, desemprego, instabilidade social e tudo o mais, esses clubes conseguem pagar rios de dinheiro até a pernas-de-pau de qualquer parte do mundo? A resposta é "lavagem de dinheiro". É do banditismo global que vem os recursos. Cem mil sócios pagantes e patrocínio nem de longe bastam. O dinheiro vem do banditismo. Porque o outro lado da mesma pergunta é: Onde os carteis criminosos, das drogas e das armas "investem" seus lucros? A resposta está na cara. Pensando nisso, não ha estômago para assistir partidas de futebol entre equipes de mercenários sustentados por dinheiro advindo da desgraça alheia.

Expedito em 27 de julho de 2013

Setti, O saldo negativo resultado do balanço Compra(valor alto vs. Venda(valor baixo) de jogadores do Barça vai aumentar em futuro não muito distante. Isso ocorrerá quando da venda do Neymar. É uma mera questão de tempo. Logo depois da euforia da chegada (ou lua de mel) do jogador cai-cai brasileiro.

Kitty em 27 de julho de 2013

Ótimo analise,caro Ricardo. Um problema bem complexo que fica difícil de entender para quem não está dentro do negócio que move milhões de diheiro. Como você explica, aliás, muito bem, com o seu profundo conhecimento sobre football,que os intrincados problemas que afligem ao melhor time do mundo são difíceis de contornar. O seu post na coluna sobre este assunto é excelente, uma festa para os entendidos deste esporte tão popular. O considero um 'corresponsal' estrangeiro, já que está no local e, isto lhe permite avaliar de perto as tribulações do Barça. Não me estendo muito sobre este assunto porque devo reconhecer que sou neófita no tema futebol. Só queria lhe parabenizar pela sua versatilidade em diferentes temas o que faz de você uma pessoa muito culta. No blog os temas são variados.Há temas para todos os gostos...Um abração-Kitty

Mário Reis em 27 de julho de 2013

"!"..Considerando que o Barça é o melhor time do mundo.. é lógico que tem que vender o Bagaço, mais barato..Afinal já deve ter sugado pelo menos 70% da capacidade do atleta....rss..!! Talvez seja como negociar um automóvel..rsss..!!!

carlos nascimento em 27 de julho de 2013

Ricardo, É hora de chamar o camburão......dá para vc expressar a realidade em espanhol explicito, o nome da fera é.. Sandro Russel, só se fala nisso em Miami.

atsunori arakaki em 26 de julho de 2013

o barca nao ganha dinheiro com venda de jogadores e sim ganha com os jogadores, se assim fosse como diz a reportagem o barca nao seria um dos primeiros do mundo. Acho que você não leu o post. E, se leu, caro Atsunori, não entendeu. Veja os números!

Douglas Correa em 26 de julho de 2013

Não esqueçamos que Rossel , teve sociedade e largo relacionamento com Ricardo Teixeira , alem do fato que parte grande dessa "contabilidade" é muito criativa . As possiveis perdas podem estar alimentando cofres "amigos" .

joanfuca em 26 de julho de 2013

O BARCELONA está para o futebol assim como o PT está para politica,os números nem sempre batem com a realidade.Com um agravante ao PT que montou um esquema para perpetuar no poder:mensalão,desviu de verbas das Estatais,cabite de empregos(cargos de confiança),39 ministérios(dividir a roubalheira para ter mais apoio e poder),manipulando os números da economia para dizer que está tudo bem e a infração está sobre controle,MAIS TUDO É MENTIRA E ARMAÇÃO para ver se engana seu povo.Mas o POVO NÃO SAIRÁ DAS RUAS ENQUANTO OS MALAS ESTIVEREM NO PODER.

Marco em 26 de julho de 2013

D. Setti, ótima reportagem,minha politica de futebol é completar em contratação, o q não se tem nas categorias de base. O Inter agora me contrata o Alex, q jogou no coringão, pouco tempo atrás, para q? 1 q ele é armador de pé esquerdo, então seria impossível jogar junto com o D'ale. O time ficaria torto para um lado com 2 armadores de pé esquerdo. E, tb não gosto de repatriação de craque, nunca é a mesma coisa q era. Agora eu não condeno grandes times por grandes contratações. É o preço atribuído para quem está entre os Top. E infelizmente esse equilíbrio é muito difícil, já q eles não consideram perdas ou ausência se não dá certo.Passam adiante mesmo... Abs.

ze do matogrosso em 26 de julho de 2013

...como disse certo politico nordestino: é putaria. Por aqui seria diferente?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI