Image
Gareth Bale em ação pelo Tottenham: agora, com a vitrine que é o Real Madrid, possibilidades de ganhos gigantescos (Foto: John Walton / Empics Sport)

Ele não é desses craques de futebol reconhecidos mundialmente, sobretudo fora da Europa.

Mas Gareth Bale, 24 anos, nascido no País de Gales, ex-meia-atacante do Tottenham Hotspur de Londres, além de ter superado o português Cristiano Ronaldo e protagonizar a mais cara transferência do futebol em todos os tempos ao ser contratado pelo Real Madrid por 91 milhões de euros (algo como 282 milhões de reais), pode tornar-se também o jogador número 1 do planeta em ganhos de publicidade e outros negócios.

Hoje este título não está com Messi ou Neymar, ambos do F. C. Barcelona, nem com Cristiano Ronaldo.

Sim, o número um em faturamento nesse campo — 47 milhões de dólares, este ano, até agora –, atesta a revista de economia e negócios Forbes, é o velho e bom astro inglês multimídia David Beckham, 38 anos, 21 de carreira, recém-aposentado do futebol após cinco meses e seu décimo título de campeão nacional, desta vez pelo Paris Saint-Germain.

Image
Gareth Bale e Florentino Perez, presidente do Real Madrid (Foto: Paul Hanna / Reuters)

Mas Bale vem com tudo.

Atualmente, embolsa uma fortuna não revelada para ser o garoto-propaganda da gigante de videogames norte-americana EA Sports. No Reino Unido, tem contrato de 2,1 milhões de libras esterlinas anuais (pouco mais de 7,5 milhões de reais) com a Adidas.

Com a operadora de comunicações British Telecom, que detém os direitos de transmissão das partidas da Premier League — a riquíssima primeira divisão inglesa –, mantém outro acerto, milionário, para as três próximas temporadas.

Agora, no Real, ele precisará desfazer este último trato, da mesma forma como sucede com outro contrato de muitos zeros (os dados também não foram divulgados) com a rede de TV americana NBC para ser a imagem da Premier nos Estados Unidos.

Image
Bale com a namorada desde a adolescência, Emma Rhys-Jones, e a filha, Alba Violet: imagem de bom moço (Foto: ine.es)

A vitrine do Real, porém, é espetacular. Bale faz parte dos planos do “maior time do século XX” para se lançar com mais vigor nos mercados asiático e latino-americanos, onde perdeu terreno com o sumiço do futebol de Kaká, popular até na China.

O novo contratado, seis anos mais novo, segue o modelo Kaká de bom moço: bonitão, alto (1m86), olhos verdes, vive com a namorada de adolescência, a galesa de ascendência italiana Emma Rhys-Jones, e a filhinha Alba Violet, não gosta de baladas, não bebe nem fuma e é muito apegado aos pais, à irmã, ao cunhado, aos sobrinhos e ao avô.

Tão família que, na cerimônia de apresentação no estádio Santiago Bernabéu, trouxe do Reino Unido até a sogra.

Image
Camisa do uniforme número 1 (branca) do número 2 do Real Madrid com o “11” de Bale em loja do clube: enorme potencial de vendas, inclusive no exterior (Foto: AP)

A diretoria do clube calcula que o craque britânico possa vender nesta temporada 2013-2014 entre 40 e 50 mil camisetas temporada apenas no exterior (sem contar o ritmo avassalador em que vêm sendo compradas por torcedores e turistas na Espanha, onde se estima que no momento superam em velocidade de venda às de Messi e de Neymar).

O preço da camisa 11 original com o nome “Bale” é de 95 euros (perto de 300 reais). É só fazer as contas…

Image
O penteado típico do craque (Foto: hechosdehoy.com)

Com o poder de divulgação do time de Madri, é praticamente certo que a imagem de Bale ganhe o mundo, e até que seu peculiar penteado — curto nas laterais, risca retíssima à esquerda, cabelo todo para a direita, espetado para fora — se torne moda entre a garotada, tal como ocorreu com Neymar, cujo corte “moicano”, de há muito abandonado, além de fãs, alcançou até jogadores da Rússia, do Vietnã e do Egito, e cujas melenas não saem do noticiário.

Tal como outras estrelas do futebol, Bale também tem planos para incursionar por outros terrenos, como empresário.

Recentemente, protagonizou a capa da edição britânica da revista de estilo masculina Esquire em uma reportagem sobre moda, um de seus interesses comerciais. E já inscreveu no Intelectual Property Office do Reino Unido (o departamento oficial de marcas e patentes) o logotipo que utilizará, baseado no coração que faz com as mãos quando marca gols e tendo, dentro, o número 11.

Image
O logotipo registrado por Bale para sua empresa

Se tudo andar bem, e se a feiúra do logotipo for deixada em segundo plano pelos fãs, calcula-se que só com sua marca em roupas, mas também em joias masculinas, outros apetrechos — como cintos, gravatas, lenços — e perfumes, possa começar faturando 4 milhões de euros anuais (12.5 milhões de reais).

Ah, sim, seu salário no Real. É sigiloso, mas fala-se em 1 milhão de euros (3,1 milhões de reais) líquidos por mês.

Nada mal, para quem ainda nem estreou no novo clube.

LEIAM TAMBÉM:

Bale e Cristiano, a dupla dos R$ 600 milhões, faz 1º treino

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco − quatro =

13 Comentários

carlos nascimento em 15 de setembro de 2013

Ricardo, Voltando ao tema, futebol é a minha segunda paixão, a primeira....claro, é a minha família. Exercitemos: - desde criança, o futebol sempre me fascinou, as peladas na escola, nos campinhos de várzea, os torneios escolares, os torneios amadores dos bairros, os campeonatos intercolegiais, os campeonatos amadores dos Clube da 1a. e da 2a. divisão, acompanhava tudo, era fã imitador do grande radialista - Valdir Amaral - debaixo do chuveiro repetia suas inúmeras frases, criação que estão aqui - na cachola - armazenadas, os clássicos cariocas - Fla x Flu - e - Vasco x Botafogo - o "deixa comigo", "zico, o camisa 10 da Gavéa", "tem peixe na rede", "Mário Viana...gol legal", enfim, tempos de magia e de esperanças. Muito bem, preâmbulo feito, vamos ao cerne da questão, o futebol tinha em sua base a formação do "espírito" que movia sonhos de vários jovens de atingirem o estrelato, as diversas competições paralelas, como exemplo: as disputas dos intercolegiais, dos campeonatos de bairros, os dos Clubes e Federações de Futebol patrocinavam os campeonatos de Aspirantes, Juvenis, fazendo as preliminares dos grandes clássicos, quantas vezes os jogos eram tão interessantes quanto os jogos principais, o modelo era sucesso garantido, gerando e revelando novos ídolos, que tornavam-se GÊNIOS, vou citar alguns exemplos - Rivelino e Zico - eram dessa geração, surgiram desse modelo. O que temos hoje, comparativamente com o modelo do passado, muito pouco, é hora de alguma forma reativar essa sinergia, os Clubes, as Escolas, devem e tem obrigações de serem os vetores desse processo, aí teremos uma indústria de revelações de novos craques. Não vou alongar, basta olhar para esse modelo,aliando à prática esportiva + estudo, tem recursos sobrando, os Clubes e as escolas teriam recursos para adequar suas instalações e criação dos departamentos de base, isso feito, novos gênios irão surgir,nesse processo criações como Gareth Bale terão grau de 3a. divisão, o celeiro produzirá novos Neymar, daí pra cima. abração.

Caio Frascino Cassaro em 11 de setembro de 2013

Prezado Setti: É verdade, os espanhóis destruiram a Liga deles com essa história de ter apenas dois times de verdade. Eu também tive o privilégio de ver todos esses caras. O Cristiano Ronaldo, para mim, não passa de um Kaká melhorado. O Messi, por ser mais altleta que Maradona, acaba por levar vantagem no conjunto da obra. Mas o Negão... esse, não tem pra ninguém. Bota todos esses caras no chinelo. Deus fez um só e jogou fora a forma. Abraços

Caio Frascino Cassaro em 11 de setembro de 2013

Prezado Setti: Esse Bale não vale nem a chuteira do pé esquerdo do Neymar. Esses espanhóis enlouqueceram? Se o Pelé jogasse hoje, quanto pagariam por ele? 1 bilhão de dólares? Abs A arrogância futebolística de boa parte da torcida e dos jornalistas espanhóis não tem limites. Começa que todos se referem à sua Liga como "la mejor liga del mundo". Uma liga que só tem dois times pra valer, que se revezam como campeões -- F. C. Barcelona e Real Madrid. Depois, o Pelé nem mais é lembrado na maioria das discussões. Os pró-Barça, então... Discute-se se o Messi já é ou não o melhor de todos os tempos, superando o Maradona, e esquecendo quem foi dez vezes melhor do que o Maradona. Outro dia, em uma mesa-redonda com maioria de jornalistas de Madrid, um idiota chamado Siro López disse que o Cristiano Ronaldo é o melhor jogador de todos os tempos, "tendo superado até o Di Stefano". Ou seja, para esse débil mental, o Pelé não existiu, nem conta. Sem contar monstros como o Cruyff (que ele certamente odeia, por ter sido jogador e técnico do Barça). Em minha modesta opinião, de quem felizmente viu todos jogar, o Zico foi muito superior ao Maradona. Mas, não tendo sido campeão mundial, não é considerado. Pelé, como ele próprio disse uma vez em uma Amarelas da VEJA, é coisa de Deus. Não existiu outro, e acho que nem vai existir. Abraço

Paulo em 11 de setembro de 2013

Consta que o referido atleta não jogou uma partida inteira pelo antigo time. Logo é uma aposta, e uma BELA aposta, praticamente no escuro! Mas fazer o que né? Como o adversário se reforçou de uma aposta como o Neymar e causou um frisson danado. O Real foi obrigado a trazer alguém para "competir" com a contratação do rival. Mas achei um absurdo, pois foi um tiro totalmente no escuro. Estamos falando como se diz na giria bancária, de um produto "Sem Garantia" .

Marco em 11 de setembro de 2013

Don Setti, Uma reclamação, acabo de assistir a Domitila Becker, no É Gol, de camisa azul.Ainda falando de eficiência santista. Essa menina virou agora, oposição! ( Risos)... Abs.

Leonardo Saade em 11 de setembro de 2013

Pelo valor extraordinário da transação, o jovem jogador pode esperar uma cobrança igualmente extraordinária.

Jorge em 11 de setembro de 2013

Jogador mediano. Nada mais. Maradona = 1.000.000.000 Zico = 2.000.000.000 Pelé = 10.000.000.000

Médico em 11 de setembro de 2013

Espanha em crise ... queria ter a crise deles aqui no Brasil com tudo pronto ... Estive em marco deste ano em Madri ..... A crise passa longe deles ... fui a um jogo Real e Betis ... 70.000 pessoas .... arrecadacao ... 15 milhoes de euros ... estadio lotado ...

carlos nascimento em 11 de setembro de 2013

Marco, Nunca deixei de estar presente, não fujo das trovoadas, sou Santista, porém, anti corintiano, como vc bem sabe o nosso amigo RS, é torcedor fanático do Corinthians, não posso deixar de contrapor, o Tricolor sofreu uma forte "mandinga", hoje deram um banho de "sal grosso" lá no Morumbi, exorcizaram a praga, Muricy retornou a sua Casa, deveria ter retornado bem antes, tão logo saiu do Santos, o orgulho babaca do Juju impediu isso, agora teve de se render. É a profecia :o tempo é o Senhor de todas as soluções (Confúcio). Agora a casa será arrumada, vai acertar o esquema tático, vai fazer o PH Ganso retornar à Seleção brasileira, pode apostar. abração.

carlos nascimento em 11 de setembro de 2013

NOTA " inclusive porque sua influência, interesses e contratos ultrapassam as fronteiras da Espanha." Ricardo, Tá explicado.....rt fazia parte dessa montanha russa, lembra ou não ?

Clenise em 10 de setembro de 2013

Que logo estranha, num vi o 11 dentro do coração nao, o que algo q lembra um rim. Kkkk

Marco em 10 de setembro de 2013

Don Setti, te confesso q não conheço, se tu viu jogar, é um valor responsável pagar tudo isso. Tem algum exagero?? Abs. PS_ Carlos Nascimento,õ o carlos nascimento voltou, Ôooo Carlos Nascimento e Muricy voltaram... Vi jogar pouco, e não vi nada do colosso que estão pintando. Bom jogador, rápido, forte, inteligente, lutador. Mas vai ter que provar muito em campo. Muito peso para um garoto de 24 anos. Abração

carlos nascimento em 10 de setembro de 2013

Perderam o senso, uma transação vultosa dessas só acontece na Espanha, logo na Espanha que passa por dificuldades econômicas e financeiras, quase sempre no Real ou Barcelona, é incrível como eles conseguem movimentar montanhas de dinheiro. Rs conta o segredo para essas movimentações galácticas, no Barcelona tem o Russel, no Real Pérez, e ai qual será a mágica ? Apesar da crise pela qual passa o país, os grandes clubes arrecadam muito dinheiro -- inclusive porque sua influência, interesses e contratos ultrapassam as fronteiras da Espanha.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI