GAYS: Declaração inédita do papa ocorre quando o casamento entre homossexuais ganha apoios e está prestes a ser aprovado pelo governo conservador britânico

Casamento gay: já existe em dez países europeus e em cinco de outros continentes. O governo conservador britânico já tem lei nesse sentido perto de aprovação (Foto: examiner.com)

A inédita, surpreendente declaração do papa Francisco no avião que o levou de volta a Roma depois da viagem ao Brasil — “Se uma pessoa é gay e procura Deus, quem sou eu para julgá-la?” — poderá indicar mudanças na rígida condenação católica à união de pessoas do mesmo sexo.

E ocorre num momento em que deverá ser legitimada num dos grandes países do mundo, e onde pouco se esperava: o Reino Unido, e por iniciativa do governo do primeiro-ministro David Cameron, líder do Partido Conservador.

Desde que foi aprovado pelo Parlamento da liberal Holanda, em 2001, o casamento entre pessoas do mesmo sexo vem se espalhando lenta mas seguramente por países do Primeiro Mundo, alcançou nações como a Argentina, o Uruguai, a África do Sul e a Nova Zelândia — e está a um passo de incluir o Reino Unido.

Indo além dos tradicionalmente mais tolerantes trabalhistas, que durante seu mais recente período no poder — de 1997 a 2010 — legalizaram as “uniões civis” entre homossexuais, Cameron transformou o casamento pleno entre pessoas do mesmo sexo em um dos baluartes do que chama “conservadorismo com compaixão”, postura que soma atitudes visando obter apoio eleitoral em segmentos que dificilmente votam em seu partido com a filosofia tradicionalmente pró-mercado em matéria econômica e de restrição a benefícios sociais dos tories, os conservadores britânicos.

O projeto concedendo plenos direitos a homens ou mulheres que se unam a pessoas do mesmo sexo foi apresentado ao Parlamento no início do ano, já passou por duas votações na sisuda Câmara dos Lordes e uma na Câmara dos Comuns (deputados), e está agora sendo examinado por comissões antes de voltar ao plenário para a votação final — e seguir para a assinatura da rainha Elizabeth.

Cameron no plenário da Câmara dos Comuns: legalizar o casamento gay é parte de seu “conservadorismo com compaixão” (Foto: guardian.co.uk)

A “união civil” instituída pelos trabalhistas previa, fundamentalmente, os mesmos direitos do casamento a gays e lésbicas que se unissem perante a lei — em temas como manutenção dos filhos, pensão, seguros, herança e direitos no terreno da imigração. O problema estava, como ainda está, no reconhecimento dessa situação para pares britânicos no exterior, mesmo dentro da União Europeia.

A iniciativa de Cameron equipara as uniões homossexuais ao casamento entre homem e mulher, com a esperteza política de que a Igreja Anglicana, oficial no país, estará expressamente proibida de realizar o matrimônio gay. Sacerdotes de outras religiões não poderão ser obrigados a celebrar cerimônias desse tipo. Cameron quis evitar a cristalização da desunião ideológica existente entre os anglicanos, já que um considerável setor da igreja — em parte coincidente com a facção que defende o direito de as mulheres serem bispas — é a favor do casamento gay.

Com a adesão da Grã-Bretanha, serão dez os países europeus a tornarem legal o casamento gay (os demais são Holanda, Bélgica, Espanha — o primeiro país de maioria católica no mundo a fazê-lo, em 2005 –, Portugal, Suécia, Noruega, Islândia, Dinamarca e França), algo que ocorre também em outras quatro nações (Canadá, Argentina, Uruguai e África do Sul), além de ser admitido por decisão judicial no Brasil e vigorar em 13 Estados americanos (a Suprema Corte decidiu que cabe aos Estados legalizar ou não a união homossexual) e três Estados do México.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − catorze =

54 Comentários

  • Augusto César Ribeiro Vieira

    Não se condenam pessoas. Isso já foi milhões de vezes repetido. Condenam-se condutas – o homossexualismo jamais deixará de ser pecado. Mas a Igreja não quer ninguém no inferno – por isso, não julga. Quem julga é Deus. Se a Igreja julgasse pessoas, faria de Deus um “inútil”.

  • Nilsonfm

    Quem diria, heim! Até vc foi enganado. Mas o que ele disse é óbvio e ululante. Se um gay busca a Deus, deixa de ser gay. Ninguém tem a capacidade de impedir alguém de buscar a Deus. Eta povinho ignorante!!!!!!!

    Pois é, Nilsonfm, eu sou mesmo uma besta quadrada. Até o Papa me engana.

  • Breno Machado

    A Igreja sempre disse isso, pegue o Catecismo de 20 anos atrás que diz “”Um número não negligenciável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente enraizadas. Esta inclinação objetivamente desordenada constitui, para a maioria, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á para com eles todo sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar a vontade de Deus em sua vida e , se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar por causa de sua condição.” e mais “”A pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes do autodomínio, educadoras da liberdade interior, às vezes pelo apoio de uma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem se aproximar, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.”

    O próprio Santo Padre citou o CIC, não sei porque o espanto, acho que os nossos bravos jornalistas criticam o que não sabem

  • Schumy

    Não é surpreendente para quem conhece a Igreja.Não condenar o pecador,mas o pecado,é um princípio do cristianismo que existe há dois mil anos.É muito engraçado tratar isso como novidade.

  • Clovis Filho

    Afirmar que homossexualismo é doença, carece de prova científica. Dizer que é pecado, depende muito do ponto de vista. Para aqueles que não possuem religião, e outros que nem mesmo acreditam em divindades, o homossexualismo pode ser apenas uma opção que a ignorância de alguns insiste em julgar.

  • Reynaldo-BH

    A história da Igreja se confunde com a da civilização ocidental. Este fato é inquestionável. Até mesmo as diversas religiões cristãs hoje existentes são derivadas de cisões ou cismas com a Igreja Católica.
    É a instituição mais longeva na construção humana.
    É sob este prisma que gostaria de tentar analisar a visita do Papa Francisco ao Brasil. Não pelo ângulo da presença política ou social da visita, mas – de novo, tentar – a partir de um entendimento das primeiras declarações e orientações de um papa frente a uma Igreja que sempre se renova. Mesmo com atraso.
    Francisco pôde dizer ao que veio. E se mostrou – teologicamente – muito mais próximo de Roncalli (nosso inesquecível João XXIII) do que de Ratzinger (o papa ainda vivo, Bento XVI). Não se aprofundou em temas reológicos de complexidade, em que Ratzinger é um dos maiores e admirados teólogos, mas com uma postura de pastor que não se via desde João XXIII.
    O ponto alto foi – a meu ver – a reunião com os bispos e cardeais da CELAM horas antes de partir. E as posições claras adotadas. Completou-as com a entrevista no voo de volta a Roma.
    Foram declarações fortes. E por isso, claras. Sem renúncia à Igreja e sem espaços aos que desejam uma igreja incoerente com a doutrina católica. Após anos de intensa divisão, houve um aproveitamento do que de bom tinha a Teologia da Libertação, de Gustavo Gutiérrez, Leonardo e Clodovis Boff.
    De pouca teologia, mas de muita inspiração sociológica. Ou política. Como Francisco deixou clara ser uma das tentações da Igreja. Mas negar um houve um avanço evidente a partir da inserção de temas sociais na visão católica, é fazer uma hermenêutica equivocada.
    Isto Francisco aproveita. E despreza os aspectos políticos de atuação de uma Igreja que tem que ser além dos valores humanos do presente. Equipara o liberalismo econômico à doutrina marxista, deixando claro que qualquer tentativa de uso da fé pela “sociologia política” é maléfica.
    Afirma que a Igreja é HOJE. Não de promessas nem de passado, quando este não é somente indicativo de futuro.
    O catolicismo iluminado (que como sabemos, tende a criar um “catolicismo” para cada um, obedecendo a conceitos que não são os da Igreja), o clericismo que afasta a Igreja dos fiéis e o “complexo de príncipe” que acomete o carreirismo de alguns padres que se materializa quando são bispos.
    A interpretação dogmática não afasta uma outra, de inserção na vida de quem faz a Igreja: o povo de Deus.
    O peligianismo ainda existente – egocêntrico e reducionista – em todas as correntes ditas “sociais” (políticas ou de atuação) foi combatido. Desde Santo Agostinho (combatente feroz de Pelágio) esta comparação não tinha sido claramente explicitada. A fé cristã (para os que a tem, naturalmente) não isola o homem de um Criador. Antes, integra os mesmos. A dita salavação passa por esta interação. Negar a divindade de Cristo ataca os valores essências da fé cristã. E ser “pelágio” em nome de valores políticos e/ou sociais– até defensáveis – menores frente a quem crê.
    A Conferência da CELAM (Aparecida, 2007) parece ser decisiva na trajetória de Bergoglio. Ele foi um dos condutores do documento que não mereceu atenção no passado e hoje é referência. Resgatado por Francisco, explica até o pedido de visita ao Santuário.
    É um documento forte. De autocrítica e – nota-se claramente – de uma adequação hermenêutica da teologia da libertação, em seus aspectos pastorais.
    No retorno a Roma, Francisco não se escondeu de posições incômodas. Desde o homossexualismo – que ele se recusa a julgar – ao pré-anúncio de mudanças na liturgia em relação a divorciados.
    Foi além. Em entrevistas afirmou que o roubo merece cadeia. Até de um monsenhor. Que – palavras do papa – desonra a Igreja. A reforma da Cúria foi reforçada, anunciada e garantida.
    Não se muda o rumo de um transatlântico com guinadas. Mas quando este muda de rumo, é impossível pará-lo.
    A Igreja está em mudanças. Talvez – espero! – a mais intensa desde o Concílio Vaticano II.
    Todos nos surpreendemos com Francisco. Pela renúncia de Bento. Pela escolha de um papa “do fim do mundo”. Pela pouca visibilidade que tinha como bispo de uma cidade da América Latina.
    A partir de agora, não se pode alegar surpresa. Francisco é revolucionário.
    Vai desagradar a muitos. Conservadores e até progressistas. Ele parece saber exatamente o tamanho da encrenca.
    E ficou claro que em um mundo conectado, de novos desafios, paradigmas e aspirações, Francisco é um papa que entende o recado que muitos quiseram ignorar ou reinterpretar de acordo com as próprias posições.
    Que Francisco complete o que começou. E é sempre emocionante ver a história em movimento. Sendo escrita sob nossos olhos.
    Benvindo, de novo, Papa Francisco!

  • Emerson

    Nessa mesma entevista ele (Papa) demonstra fidelidade ao catecismo e a tradição da Igreja. O que significa isso??? A Igreja nunca vai admitir o casamento gay; mas isso não quer dizer que possamos sair por ai julgando as pessoas, condenamos suas condutas!!

  • AlexRio

    A declaração do papa, é bom deixar claro, não que dizer que ele aprove a homossexualidade ou casamentos gays.
    No resto da entrevista, do qual essa frase foi extraida, sua posição quanto á isso é clarissima e por sinal, sendo ele um papa, não poderia ser outra.

  • O ANTIPETRALHA

    Concordo com os comentários dos leitores Emerson e Augusto, Setti. O homossexualismo é pecado e Paulo deixa isto bem claro no Novo Testamento. Porém, quem julga as pessoas é Deus, mas o cristão deve praticar a obra de Deus para se aproximar d’Ele. Como o Cristianismo funda-se na Bíblia Sagrada, a prática homossexual vai continuar sendo pecado e não deve ser vista como moralmente louvável por cristão algum, porque compromete o salvamento anunciado por Jesus Cristo e contraria as verdade bíblicas, as quais são bem razoáveis a meu ver.

    O ANTIPETRALHA

  • Luiz C.

    Mesmo que o casamento gay seja aprovado pelos homens, jamais o será por Deus…

  • paolo

    que me perdoem ,mas para mim o homossexualismo é uma aberração da natureza.

  • Thales

    Em todos os países onde o casamento gay foi aprovado ele o foi pelo povo, seja de forma direta ou pelos seus representantes. No Brasil, porém, ele foi aprovado por uma “medida administrativa” – para não dizer golpe tecnocrático – do Sr. Joaquim Barbosa. Por mais que eu seja simpático à causa não posso deixar de lamentar a maneira como isso ocorreu.

  • alexandre

    Por que a declaração é surpreendente? Ele diz o que todos os papas recentes disseram, os homossexuais não devem ser julgados por nós, mas isso não quer dizer que homossexualismo não seja pecado. Aliás, ele foi contra a aprovação do casamento gay na Argentina. É difícil de entender que a Igreja não existe para concordar com a sua visão “moderninha” de mundo?

    Que diabo sabe você de minha visão do mundo? Por acaso expressei alguma opinião no post, onde relatei FATOS?

  • Nico

    Setti, acho que as manchetes foram sensacionalistas, como não poderiam deixar de ser, ao tirar uma frase do contexto. O Santo Padre não falou nada de novo, inclusive atrelou sua declaração ao catecismo da Igreja. abs

  • Martha Alaíde

    Agora ele foi político. Ficou em cima do muro. Capitulou do seu dever de recomendar a obediência às Escrituras Sagradas.

    Obviamente, quem julga é Deus. Todavia, enquanto Papa, devia lembrar a essa “facção”, alguns versículos bíblicos bem pertinentes:
    Levítico 20:13, Levítico 18:22. Como a Igreja Católica parece não recomendar a leitura da Bíblia (Velho Testamento), no Novo Testamento o Ap. Paulo é enfático nas cartas que escreve à Igreja de Corintios e aos Romanos: “Não erreis: nem os devassos, nem os idólatras, nem os adúlteros, nem os EFEMINADOS (passivos), nem os SODOMITAS (ativos), nem os ladrões (…) herdarão o Reino de Deus (1Co 6:9, 10). (grifos meus);

    “porque até as mulheres mudaram o modo natural de suas relações íntimas, por POR OUTRO CONTRÁRIO À NATUREZA; semelhantemente, os homens também, DEIXANDO O CONTATO NATURAL DA MULHER, se inflamaram mutuamente em sua sensualidade, COMETENDO TORPEZA, HOMENS COM HOMENS, e recebendo em si mesmos a merecida punição do seu erro (Rm 1:26, 27).

  • Israel

    Nessa manchete a Veja lembrou os jornais sensacionalistas de outrora. Lembra disso? “Cachorro faz mal à moça”, mas a matéria dizia respeito a uma adolescente que comeu um cachorro quente e passou mal. Estou verificando que existem ao menos 21 países que adotam pena de morte, dentre os quais gigantes da economia como EUA e China. Nesse sentido, se o fato de 15 países adotarem casamento gay merecer manchete, mais justificável seria fazer a mesma manchete para a pena de morte. É ou não é? Será que vai ser publicado?

  • Ciro Lauschner

    Me parece claro que o papa não estava se manifestando a favor do casamento gay, mas sim a tolerância que o cristão deve ter com seu semelhante, que pode ser gay.Na minha visão, até o termo casamento, que tem milhares de anos de história, não deveria se aplicar a uma união gay e sim ser chamado de contrato de união.Queiramos ou não, o homossexualismo faz parte da humanidade e conforme a Biblia já relatou ele existe antes dos tempos de Paulo e ser intolerante não nos faz mais heteros.

  • Angelo Losguardi

    Setti, desculpe, mas você está equivocado. Não se deixe enganar pelo oba-oba que está nas manchetes da imprensa hoje. Alguns veículos, por exemplo,trazem a declaração do Papa com um espalhafato de tal sorte a querer dar-lhe uma interpretação benevolente ao homossexualismo. O que o Papa disse não difere de NADA do que diz o tempo todo todas as correntes tradicionais da igreja Católica. Não se julga o pecador, mas se condena o pecado. O que que o Papa disse que pode ser interpretado de que agora a igreja vai abençoar o gayzismo?

  • Angelo Losguardi

    Nesse sentido, vem a ser extremamente salutar o que o Papa diz. Não é para o homossexual ser escorraçado das igrejas. Mas sim poder estar ali, presente, e poder ser orientado a corrigir suas falhas, tal qual qualquer pecador.

  • Cerradoem Chamas

    Caro Ricardo, acho que você entendeu errado. O Papa deixou claro que a família cristã, pilar da Igreja e da Humanidade é a formada pelo Pai, Mãe e Filhos e que a Igreja condena os atos sexuais praticados pelos gays. Ele acolhe o pecador mas condena o pecado. Ou seja, se um gay ama platonicamente alguém do mesmo sexo, ok. Se o gay resolver consumar este amor através dos sexo homossexual é pecaminoso. O casamento e a família diferente da unidade = homem + mulher + filhos abrirá espaço para legalizar outros comportamentos hoje condenados como a pedofilia, o casamento grupal, e outras perversões da versão original imaginada pela natureza. Afinal o casamento existe para proliferação da espécie com segurança.

  • Nilsonfm

    Nilsonfm – 29/07/2013 às 13:28
    Quem diria, heim! Até vc foi enganado. Mas o que ele disse é óbvio e ululante. Se um gay busca a Deus, deixa de ser gay. Ninguém tem a capacidade de impedir alguém de buscar a Deus. Eta povinho ignorante!!!!!!!
    Pois é, Nilsonfm, eu sou mesmo uma besta quadrada. Até o Papa me engana.
    —–
    Não quis dizer que foi o seu papa que te enganou mas sim a mídia gayzista que deixa insinuado que o seu papa é a favor do homossexualismo. Entendeu errado.

  • patricia m.

    “A inédita, surpreendente declaração do papa Francisco no avião que o levou de volta a Roma depois da viagem ao Brasil — “Se uma pessoa é gay e procura Deus, quem sou eu para julgá-la?” – poderá indicar mudanças na rígida condenação católica à união de pessoas do mesmo sexo.”
    .
    Mas voce viajou na maionese, heim? Nao tem como mudar coisa nenhuma, as relacoes homossexuais sao condenaveis desde o tempo de Sodoma e Gomorra, meu caro. A Igreja acolhe todos os pecadores de bracos abertos, mas como bem disse Jesus, a funcao dela mesma eh repetir as palavras: VA E NAO PEQUES MAIS.
    .
    Ou seja, NUNQUINHA que voce vai ver casamento gay dentro da Igreja. E muito menos APROVACAO ao modo de vida gay.

  • Waleska Mendoza

    “E, como aconteceu nos dias de Noé, assim será também nos dias do Filho do homem.
    Comiam, bebiam, casavam, e davam-se em casamento, até ao dia em que Noé entrou na arca, e veio o dilúvio, e os consumiu a todos.
    Como também da mesma maneira aconteceu nos dias de Ló: Comiam, bebiam, compravam, vendiam, plantavam e edificavam;
    Mas no dia em que Ló saiu de Sodoma choveu do céu fogo e enxofre, e os consumiu a todos.
    Assim será no dia em que o Filho do homem se há de manifestar” Lucas 17:26-30
    “Quando também um homem se deitar com outro homem, como com mulher, ambos fizeram abominação; certamente morrerão; o seu sangue será sobre eles.” Levítico 20:13

  • Paulo Vitor Piñeiro da Fonseca

    Meu querido ! Preste atenção ! O PAPA JAMAIS APROVOU E APROVARÁ CASAMENTO E UNIÃO ENTRE PESSOAS DO MESMO SEXO ! ELE NEM PODERIA JAMAIS FAZER ISSO PORQUE ISSO É UM DOGMA DE FÉ DA IGREJA ! O que ele quis dizer é que as pessoas não devem ser julgadas por isso ! isso a igreja sempre pregou

  • Alex

    Cabe apenas observar que a questão no Reino Unido nada tem a ver com as últimas declarações do pontífice romano. Há dezenas de países fora da órbita papal, povos que não dão a mínima para o que pensa ou prega o líder católico-romano, como Suécia, Dinamarca, Japão e Reino Unido, dentre outros.

  • patricia m.

    A propria VEJA reportou o seguinte: “Respondendo a uma pergunta sobre lobby gay no Vaticano, Francisco disse: “Se uma pessoa é gay e procura Deus e tem boa vontade, quem sou eu, por caridade, para julgá-la? O catecismo da Igreja católica explica isso muito bem. Diz que eles não devem ser discriminados, mas integrados à sociedade”.”
    .
    Estava se referindo ao lobby gay, mais especificamente `a chantagem que estao fazendo com um monsenhor que manteve praticas homossexuais no passado e pelo visto se arrependeu. Ai dizer que isso “pode indicar mudancas na ridida condenacao catolica” `as praticas gays eh uma boa dose de achismo – e de opiniao sua, ja que nao eh a opiniao do Papa.

    Ué, Patrícia, mas você ainda não percebeu que este é um blog em que expresso minhas opiniões? Este é um blog de opinião, não de reportagem.

  • LUIZ MMEDEIROS

    Tenho 21 anos e sou gay desde criança. É uma coisa inesplicável,eu nunca quis ser assim,ja pedi ajuda em várias religioes e busco Deus e se isso nao é dele pq ele nao me muda? Sou conservador e procuro saídas,ja tentei suicidio e todos que nao vivem em minha ”pele” nao pode falar e nem dizer que gay é uma aberraçao pois nao sabem o que passo,o que vivo,as minhas tentativas! Voces que dizem Cristão em vez de me ajudar,me atacam,me julga e ninguem mostra uma saida,nem Deus pois o busco de todo o coraçao! A voces antes de falarem algo lembre-se:alguém como eu que luta contra mim mesmo esta ouvindo!

  • Ronaldo

    Declaração inédita? Só pra quem nunca leu o Novo Testamento. Jesus já dizia: eu não te condeno, vai e NÃO PEQUES MAIS. Os profetas antes dele já chamavam todos, sem exceção, a uma vida moralmente superior. A doutrina cristã e católica sempre foi a de acolhimento a todos os pecadores, de todos os seres humanos, independente de sua vida pregressa. Chama a todos ao arrependimento e por conseguinte a uma nova vida, diferente e longe do pecado e dos vícios. Isso é, a doutrina condena os atos pecaminosos e acolhe o pecador arrependido. Achar que isso é inédito ou novidade no cristianismo é atestado de ignorância quanto à moral e doutrina judaico-cristã. Recomendo mais leitura da Bíblia. Lê-la não faz mal a ninguém.

  • Valéria

    O papa não aprova a união entre homossexuais, até porque ele não pode fazer algo contrário ao que está escrito na Bíblia. Ele simplesmente falou que não julga ninguém

  • Patrícia

    Como sempre citam Levítico. Sim, é um bom livro, como todos da Bíblia. No entanto, o estado democrático de Direito deve ser regido por um texto laico, chamado Constituição. Além do mais, se levarmos ao pé da letra cada ordem bíblica, a vida seria inviável. Já pensaram? Viver como os hebreus de milênios atrás?

  • Cp

    O papa não aprova a união entre homossexuais, até porque ele não pode fazer algo contrário ao que está escrito na Bíblia. Ele simplesmente falou que não julga ninguém. E falou que não aprova o lobby gay…e o titulo da materia deveris ser esse ELE NÃO APROVA O LOBBY GAY.

  • Veridiano

    Ricardo, a proposta do casamento gay na Inglaterra já teve todas as tramitações entre deputados e lordes e a rainha já sancionou a lei desde 17 de julho.Ou seja, a lei já está em vigor. Abs.

  • Cézar

    Esse debate precisa ser superado urgentemente.Um país como o Brasil não pode ficar atolado nesse jogo ideológico imposto por ultra-conservadores que manobram o pensamento da nossa população que tem pouco estudo e por isso raciocínio limitado.Um país que não sabe votar, que não tem memória histórica, que não tem produção tecnológica, que sofre de afasia, e acha que homossexuais com direitos vão causar a sua ruína?

  • Anatereza

    Concordo e respeito os Livros Sagrados, citadas as Leis de Conduta Universal.

    É inviolável e eternas.
    “As práticas antinaturais, são para mim abomináveis, e Eu , O Senhor, farei a terra vomitar por cima de quem me impacientar!”
    (Palavra do Senhor).
    ( Efesios, Romanos, Exodo).

  • Cézar

    Ridículo, em pleno século XXI, um país que precisa da aprovação de um papa para refrescar seu pensamento ético-moral.Não temos independência legislativa? Não temos arrojo intelectual próprio? Somos uma colônia do Estado do Vaticano?

  • Raimundo Nonato Veras de Moraes

    Esses jornalistas são engraçados, escrevem apenas o que lhes interessa. O chefe da igreja católica disse que “se uma pessoa é gay e procura Deus quem é ele para julgá-la ?” A ideia passada pela reportagem é como se o papa estivesse estimulando o casamento gay. Por que não escrever também as suas palavras que constam no final da entrevista dada no avião, que a respeito de aborto e casamento gay sua posição continua inalterada ? Ou seja, ele é contra.

    Pois eu acho mais engraçado ainda certos leitores, como você, que lêem o que o jornalista NÃO escreveu.
    Acho que você não leu o post, meu amigo.
    Simplesmente mostrei que a declaração do papa coincide com um momento em que um dos mais importantes países do mundo, o Reino Unido — por proposta de um governo do Partido Conservador — está em vias de aprovar o casamento gay, já existente em diversos países respeitáveis.
    Abraço

  • Victor

    Gente citando leis tribais de milênios atrás, falando de Noé e do inferno com a maior gravidade do mundo… Realmente, eu fico besta! Nunca vou entender como se dá uma coisa dessas.

  • neuzapaz

    Entendi que o papa falou em relaçao aos que sao gays e procuram o sacerdócio gente,pra se ordenarem [quem sou eu prá impedir].Voces sao burros?Em seguida citou o Catecismo e etc,vao ver a reportagem, ler e tal.

  • Edelberto O.

    Francisco não aludiu a qualquer comportamento, que o escriba usou para vender o seu peixe. Ele estava repisando uma obviedade que todo mundo deveria aprender. Quem procura Cristo acha. Ali falava o pastor e não o político.

  • João Lavador.

    Me impressiona essa atitude de estados supostamente láicos decidirem praticamente anular princípios das sagradas escrituras. Devia existir a reciprocidade devida: As escrituras não “se intrometem” com assuntos seculares nem estados laicos se intrometam com as sagradas escrituras. Alguém está rasgando o “tratado”.E não são as escrituras! União civil é da alçada, sim, do estado laico, mas ..CASAMENTO!? Tenham paciência!Até etimologicamente “casamento” implica na união de um Casal de cuja cópula pode resultar a concepção, nas entranhas da fêmea, de uma cria!S.e., S.m.j. e…aonde pretendem chegar com esse tremendo equívoco!?

  • fernando

    O que acho estranho nos comentarios dos todos poderosos e corretamente políticos ( pelo menos se acham ) HETEROSSEXUAIS é que falam em pecados apenas para os GAYS , E OS SENHORES HETEROSSEXUAIS NÃO PECAM? FAZEM E COLOCAM EM PRATICA EXATAMENTE O QUE A BÍBLIA DIZ???? ORAS , qta hipocrisia nao?

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    ReynaldoBH:
    Espero que sua esperança no Papa Francisco de retomar o caminho da Igreja de João XXIII, destruída por João Paulo II e seus sucessor Bento XVI realize.
    Quanto a mim estou numa esperança ainda muito e muito frágil.

    Verdade que Leonardo Boff, Frei Beto você e outros acreditam na grande guinada – ALELUIA se tal ocorrer.
    Pedro Luiz

  • Elisa

    Não há declaração inédita. Esta tudo lá no Catecismo Católico:
    CASTIDADE E HOMOSSEXUALIDADE

    2357 A homossexualidade designa as relações entre homens ou mulheres, que experimentam uma atracção sexual exclusiva ou predominante para pessoas do mesmo sexo. Tem-se revestido de formas muito variadas, através dos séculos e das culturas. A sua génese psíquica continua em grande parte por explicar. Apoiando-se na Sagrada Escritura, que os apresenta como depravações graves (103) a Tradição sempre declarou que «os actos de homossexualidade são intrinsecamente desordenados» (104). São contrários à lei natural, fecham o acto sexual ao dom da vida, não procedem duma verdadeira complementaridade afectiva sexual, não podem, em caso algum, ser aprovados.

    2358. Um número considerável de homens e de mulheres apresenta tendências homossexuais profundamente radicadas. Esta propensão, objectivamente desordenada, constitui, para a maior parte deles, uma provação. Devem ser acolhidos com respeito, compaixão e delicadeza. Evitar-se-á, em relação a eles, qualquer sinal de discriminação injusta. Estas pessoas são chamadas a realizar na sua vida a vontade de Deus e, se forem cristãs, a unir ao sacrifício da cruz do Senhor as dificuldades que podem encontrar devido à sua condição.

    2359. As pessoas homossexuais são chamadas à castidade. Pelas virtudes do autodomínio, educadoras da liberdade interior, e, às vezes, pelo apoio duma amizade desinteressada, pela oração e pela graça sacramental, podem e devem aproximar-se, gradual e resolutamente, da perfeição cristã.

    http://www.vatican.va/archive/cathechism_po/index_new/p3s2cap2_2196-2557_po.html

  • Dulce Regina

    Querido Setti, eis um tema muito difícil para um comentário mas…aqui vai, o que penso. O maior dom que Deus nos deu, foi a LIBERDADE. Todos nós, somos portadores deste dom. Cada ser humano, faz uso dela da forma que mais lhe provem, sabendo as consequências oriundas dessas ações. Ex: se um sujeito, rouba ou mata, sabe que será condenado e preso. E, por aí vai… A Igreja Católica tem uma doutrina, segue-A as pessoas, que aceitam e concordam, ELA não condena, nem julga. Acolhe com Amor, todos os irmãos. Casamento na Igreja Católica, quer dizer SACRAMENTO MATRIMONIAL e, isto SÓ acontece , com casal homem x mulher. Isto NÃO mudará NUNCA ! Aprovo a UNIÃO CIVIL, para efeitos de legitimidade, respeito as pessoas que fazem essa opção, com dignidade, discrição, sem oba-oba… Hoje em dia, existem manifestações públicas desses “casais” que, só o fazem para afrontar quem está por perto. Enfim…século XXI ???

  • Valdir A. C.

    Nada de novo, meu caro! O Papa só repetiu o que a Igreja sempre repetiu, e não poderia ser diferente. Condenar o pecado e acolher o pecador… só isso, basta consultar o Catecismo. Basta ler a entrevista completa para não ser iludido por frases fora do contexto! Não caia nessa!

  • Valdir A. C.

    Leonardo Boff, Frei Beto… Vade retro Satana!!

  • Valdir A. C.

    Victor

    29/07/2013 às 21:01. Fio… a Verdade não muda, não importa o que vc pensa sobre ela!!

  • Santana*100

    Foi uma declaração natural do Papa. Pelo simples fato dele não julgar quaisquer pessoas em sua busca por Deus, não quer diz que ele seja a favor do casamento entre homossexuais.
    Busca por Deus é uma coisa, casamento entre homossexuais é outra bem diferente.

  • Ezequiel-SP

    Bom sr Valdir então vamos às práticas do velho testamento “ipsis litteris”

    O que acha, já que é tudo verdade…

  • brasileiro atento

    Com tantos problemas assolando as nacoes.e em especial o Brasil:fome,seca,violencia,guerras,consumo de drogas e mendigos peranbulando as cidades sem espectativa nenhuma de vida(dentre o qual eles,os gays, tambem estao inseridos),e segue a lista…A reporter da GLOBO tinha que perguntar justamente sobre os gays?e que a meu entender recebeu uma lapada na cara-“se uma pessoa eh gay e procura Deus,quem sou eu para julga-la?”-…

  • Carlos Lima

    Não vamos confudir as coisas, o Papa falou que nem ele nem à igreja julgam as pessoas por serem gays. O que à Igreja condena é o ato, é o predicado,é o feito o que não quer dizer que aprova a união ou como queiram dizer o casamento, até ai vai uma distância muitooooooooooooooooooo grande… casamento é entre um homem e uma mulher.

  • euripedes

    Casamento é entre homem e mulher,ASSIM COMO MACHO E FEMEA,negativo e positivo,faze e neutro,baixo relevo alto relevo,etc etc etc. união do mesmo sexo é parceiro ou parceria,INOVAÇÃO HUMANA.

  • euripedes

    O perfil do anticristo está revelado em Daniel 11:36-45:

    E não terá respeito aos deuses de seus pais( nem ao amado das mulheres) nem a qualquer outro deus; pois sobre tudo se engrandecerá.

  • Fernando

    A igreja catolica deveria aceitar o casamento sim quantos casais heterossexuais casam na igreja faz um juramento perante a Deus promete ser fiel,horrar respeitar, na saude na doença ate qie a morte nos separe maioria da parte nao cumpre que se falo perante o altar de joelhos e o amor sinto muito nao tem sexo pode ser homem por mulher homem por homem mulher por mulher aonde tem amor tem Deus, se vc fala ah eu respeito so nao gosto da atitude homossexual isso dai ja e um preconceito.