Image
A capa da “Vanity Fair” original de dezembro de 1927: glamour e hedonismo típicos dos anos 1920 e presentes em “O Grande Gatsby” (Imagens: Condé Nast Store/Vanity Fair)

Como em Romeu e Julieta (1996), Moulin Rouge (2001) e outras produções de seu diretor, o australiano Baz Luhrmann, O Grande Gatsby, filme que estreia no Brasil em 14 de junho, surpreende os mais ortodoxos.

Nunca é unânime a opção do cineasta por tratar textos de época com técnicas cinematográficas e trilha sonora pop atuais, mas seu estilo também não costuma passar desapercebido.

No caso de Gatsby, a quinta versão para as telas de um dos maiores clássicos da literatura americana, publicado em 1925 por F. Scott Fitzgerald (1896-1940), escutamos Jay-Z, Amy Winehouse e Lana Del Rey em festanças dos anos 1920 organizadas pelo protagonista (Leonardo Di Caprio).

Glamour hedonista da aristocracia

Image
Cartaz do novo “O Grande Gatsby” (Imagem: reprodução)

No entanto, se o tracklist parece viajar no tempo, o espetacular figurino e a impecável ambientação se mantêm amarados ao glamour hedonista daquele período pré-Grande Depressão.

Em tributo à chegada às salas de O Grande Gatsby e o sucesso que vem experimentando, a revista americana Vanity Fair, cuja primeira encarnação – existente entre 1913 e 1936 – captou aquela cultuada época na linha de frente, compilou e republicou em seu site algumas de suas capas mais “gatsbynianas”.

Todas são ilustradas com personagens muito parecidos aos aristocratas descritos por Fitzgerald em seu livro, e que DiCaprio, Tobey Maguire e a lindíssima Carey Mulligan dão vida na releitura de Luhrmann. Imagens perfeitas para entrar no clima antes de conferir O Grande Gatsby nos cinemas. Confiram:

Image
Capa da edição de setembro de 1924
Image
Outubro de 1927
Image
Novembro de 1924
Image
Março de 1920
Image
Março de 1922
Image
Março de 1928
Image
Julho de 1929
Image
Janeiro de 1927
Image
Agosto de 1927
Image
Abril de 1923

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 2 =

4 Comentários

Jeremias-no-deserto em 29 de maio de 2013

Na minha opinião, as tentativas cinematográficas de mostrar requinte e glamour gatsbyniano redundaram em fracasso.Já essa atmosfera é esplendorosamente exibida na música de Cole Porter e Gerswhin, e principalmente nessas obras primas do Vanity Fair,cujos originais deveriam estar expostos em qualquer dos bons museus do mundo inteiro.Espero que a versão de Baz Luhrmann me desminta, mas a escolha de DiCaprio para protagonista do filme já levanta dúvidas.

Tcheves em 26 de maio de 2013

O grande Gatsby é meu livro americano preferido junto com o "Por quem os sinos dobram" do Hemingway. A geração perdida de Paris era fera.

João Augusto em 25 de maio de 2013

As capas da "Vanity Fair" são maravilhosas.As de outubro/22,março/28,abril/23 são obras de arte. Terei que viajar 400 kms para ir ao cinema decente(moro bem no interior) apesar da crítica não ser unânime. Mas pelo que voce disse, fugindo a tendência do diretor, acho que caberia as músicas do Porter, Gershwin ou Berlin. Deixa, o filme é de Luhrmann. Irei conferir.Em tempo: Fitzgerald não aceitaria a descrever o jet set local "pós mensalão",não? Falta glamour.Mas o diretor seria o mesmo do Exorcista,não?

Zaratrusta em 25 de maio de 2013

Tudo leva a crer que já criaram um EIKE-gatsby "sob medida" para acelerar o país das bananías tupiniquins a se estrepar mais rápido....

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI