Importante: como foi que o Senado aprovou a Comissão da Verdade

Senadores-comissão-verdade-aprovada

Senadores aplaudem a aprovação da lei que criou a Comissão da Verdade (Foto: Agência Senado)

Amigos do blog, pela importância do assunto reproduzo aqui o texto completo da matéria publicada pela Agência Senado no dia 26 passado, quando o Senado aprovou o projeto de lei que cria a Comissão Nacional da Verdade, que previamente obtivera o OK da Câmara dos Deputados.

Abaixo, poderão ler detalhes do projeto e seus objetivos — que não incluem a punição dos culpados por violações de direitos humanos, mas o esclarecimento dos fatos –, declarações do relator, senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), e manifestações de todos os senadores que comentaram o fato naquela sessão.

O projeto já foi sancionado pela presidente Dilma e, portanto,  já é lei.

Voltarei ao assunto, inclusive para insistir em meu ponto de vista de que a Comissão deveria deveria, se pretende produzir um trabalho completo que registre a verdade, ou o mais próximo dela, sobre violações de direitos humanos ocorridas no Brasil, obrigatoriamente incluir entre seus objetivos apurar também as violações graves de direitos humanos, inclusive atentados a bomba e assassinatos, por aqueles que pegaram em armas contra os governos no período compreendido pela lei — de 1946 a 1988 –, com ênfase para o período da ditadura militar (1964-1985).

Da Agência Senado

 

 

Comissão da Verdade investigará crimes da ditadura militar

Em votação simbólica nesta quarta-feira (26), por unanimidade, o Plenário do Senado aprovou o Projeto de Lei da Câmara 88/2011, que cria a Comissão Nacional da Verdade. De acordo com a proposta, a comissão deverá examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos praticadas no período de 1946 até a data da promulgação da Constituição de 1988, com o objetivo de “garantir o direito à memória e à verdade histórica e promover a reconciliação nacional”. A matéria vai à sanção presidencial.

O relator na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), proferiu em Plenário parecer também em nome da Comissão de Direitos Humanos e Legislação Participativa (CDH) e da Comissão de Relações Exteriores e Defesa Nacional (CRE). A votação nessas duas comissões foi prejudicada pela aprovação, no dia anterior, de requerimento de urgência para votação da matéria diretamente em Plenário. A proposição foi aprovada na CCJ, também por unanimidade, no último dia 19.

Crimes de “energúmenos violentos”

Apesar do prazo elástico, o relator afirmou, na tribuna, que “a Comissão só vai se legitimar se mantiver seu foco nos crimes contra os direitos humanos cometidos durante período da ditadura de 1964”, quando “a ação experimental de um grupo de energúmenos violentos acabou assumindo uma escalada, até se transformar em uma política de Estado de extermínio de adversários”.

O foco temporal, acrescentou, deverá ser o da vigência do Ato Institucional nº 5, entre 1968 e 1979, quando este foi revogado pela Lei da Anistia.

_ A comissão não vai produzir a verdade oficial. Há de trabalhar formulando as boas questões, exercendo o senso crítico, cotejando fontes, numa investigação isenta, objetiva, e não na interpretação, que é sempre sujeita ao anacronismo de quem olha o passado a luz de suas convicções presentes – afirmou.

Observado pela ministra dos Direitos Humanos, Maria do Rosário, o senador Aloysio Nunes Ferreira (PSDB-SP), relator na Comissão de Constituição, cumprimenta o relator da proposta na Câmara, deputado Edinho Araújo (PMDB-SP) (Foto: Agência Senado)

De acordo com o relator, além de mostrar a autoria de torturas, assassinatos, desaparecimentos forçados e ocultação de cadáveres, ainda que tenham sido cometidos no exterior, a comissão terá “uma tarefa mais ampla: identificar e tornar público o funcionamento da estrutura repressiva montada no tempo da ditadura”. Mas avisou que a comissão irá explorar “uma ferida que não vai se fechar nunca, qualquer que seja o resultado”:

_ Ela não dará a última palavra sobre os fatos, porque muitos deles continuarão encobertos, não nos iludamos.

Para o senador, o projeto “é ousado, corajoso”, pois “cria um instrumento hábil para atingir sua finalidade, de examinar e esclarecer as graves violações de direitos humanos cometidas de 1946 para cá”.

Detalhes da comissão

A Comissão Nacional da Verdade terá prazo de dois anos, contados da data de sua instalação, para a conclusão dos trabalhos. Terá uma equipe e dotação orçamentárias próprias. Poderá pedir informações, dados e documentos de quaisquer órgãos e entidades do poder público, mesmo se classificados com o mais alto grau de sigilo. Poderá também determinar a realização de perícias e diligências para coleta ou recuperação de informações, documentos e dados.

Será composta por sete membros, designados pela Presidência da República, dentre brasileiros de reconhecida idoneidade e conduta ética, identificados com a defesa da democracia e com o respeito aos direitos humanos. Esses membros não poderão ter cargos executivos em agremiações partidárias ou cargo em comissão ou função de confiança em quaisquer esferas do poder público. Receberão remuneração mensal de  11.179,36 reais.

A sessão do Senado foi presenciada pela ministra da Secretaria Nacional de Direitos Humanos, Maria do Rosário; e pelo relator da proposta na Câmara dos Deputados, deputado federal Edinho Araújo (PMDB-SP).

Corpo esquartejado

O senador recebeu uma série de apartes em seu pronunciamento. O senador Jarbas Vasconcelos (PMDB-PE) disse que a melhor coisa para a proposição foi a designação de Aloysio Nunes para relatoria. Ele citou a morte do político Davi Capistrano, que teve o corpo esquartejado após morrer em uma sessão de tortura. Para Jarbas Vasconcelos, “a narrativa das atrocidades, por si só, vai contribuir muito para disseminar anticorpos no tecido social do Brasil”.

O senador Armando Monteiro (PTB-PE) disse que a aprovação do projeto é “um momento memorável desta legislatura”. O senador Waldemir Moka (PMDB-MS) disse que voltava no passado, revivendo a luta pela redemocratização do país. O senador Randolfe Rodrigues (PSOL-AP) disse que o Senado teve nesta quarta-feira uma sessão histórica. Ele deixou de apresentar emendas preparadas por seu partido, visando uma rápida aprovação a matéria.

“Existe paz sem justiça?”

A senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM) lembrou os momentos de dificuldade que Aloysio Nunes, que militou no movimento estudantil, viveu durante a ditadura e homenageou a todos que lutaram contra o regime militar. O senador Pedro Taques (PDT-MT) questionou se “existe paz sem justiça” e afirmou seu convencimento da necessidade de aprovação do projeto agora e sem emendas.

Os senadores Lúcia Vânia (PSDB-GO) e Wilson Santiago (PMDB-PB) elogiaram a forma como as discussões foram conduzidas pelo relator. Para os senadores petistas Jorge Viana (AC) e Eduardo Suplicy (SP), a construção conjunta do projeto – apresentado no governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, relatado por um senador oposicionista e que deverá ser sancionado pela presidente Dilma Rousseff – mostra que o interesse na matéria é suprapartidário.

Suprapartidarismo e democracia

– A Comissão da Verdade é, de fato, uma comissão do país. Ela é suprapartidária, vai do PSDB ao PT, de quem é governo a quem é oposição. O Senado é a casa que acolhe esse arranjo legítimo, que só acontece quando estamos vivendo a plenitude da democracia – afirmou Jorge Viana.

O senador Sérgio Souza (PMDB-PR) afirmou que a matéria poderia ter sido aprimorada se tivesse sido apreciada pelas outras duas comissões da Casa, cuja análise foi prejudicada pelo pedido de urgência para sua votação em Plenário.

O senador Pedro Simon (PMDB-RS) considerou que a forma de trabalho que deverá ser adotada pela comissão se assemelha ao que fez Nelson Mandela na África do Sul, sem outra motivação que não a busca da verdade.

O senador Wellington Dias (PT-PI) disse não ter dúvidas de que a presidente Dilma Rousseff terá “carinho e responsabilidade” na escolha dos integrantes da comissão. O senador Romero Jucá (PMDB-RR) disse que a criação da Comissão da Verdade é “um ato que ajuda a virar a página da História”.

“Virar essa página sem ódio ou rancor”

A senadora Ana Amélia (PP-RS) elogiou o relatório de Aloysio Nunes, que, para ela, foi feito com serenidade e racionalidade. O senador Mozarildo Cavalcanti (PTB-RR) disse considerar que, com a aprovação do projeto, a democracia brasileira se consolidará ainda mais. O senador Delcídio do Amaral (PT-MS) disse que o Brasil tem avançado em todas as dificuldades que tem enfrentado, principalmente na busca da cidadania para os brasileiros.

O senador Demóstenes Torres (DEM-GO) disse esperar que “o Brasil possa conhecer essa página, ler essa página e virar essa página sem ódio e sem rancor”. A senadora Lídice da Mata (PSB-BA), o Congresso está criando “um pilar que fortalece o Estado de Direito e a democracia no Brasil”. Os senadores Walter Pinheiro (PT-BA) e Anibal Diniz (PT-AC) destacaram ainda a competência demonstrada por Aloysio Nunes na confecção do parecer.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

31 Comentários

  • Silas S. Carvalho

    Aguardarei ansiosamente o dia em que será instaurada uma “comissão da verdade” destinada a desvendar as mentiras dos governos Lula/Dilma.

  • Tuco

    .

    Essa porcaria não passaria de
    uma palhaçada de mal gosto –
    não fosse com a torra do dinheiro
    público, ou melhor, nosso, dos
    brasileiros pagadores de impostos.
    Absurda bobagem, de resultado pífio,
    se é que algum resultado nos trará.
    Tremenda falta do que fazer, num
    momento em que o (des)governo perde
    suas pétalas (que romântico!) a cada
    45 dias.
    Falta, de fato, vergonha na cara dos
    políticos brasileiros. E mais vergonha
    falta é na cara desse povinho-bunda.


    .

  • Varlice

    O seu ponto de vista é o meu.
    Não espere, porém, como eu já desisti de esperar, que o governo presidido por este partido use do mesmo peso para ambos os lados; o senador Aloysio Nunes me decepciona.

  • Zeca

    Mais um brinquedo para que os esquerdopatas mintam, torrem nossos dinheiro e paciência.

  • Paulo Cesar Ferreira

    Comissão da Palhaçada. Mais uma bobagem para torrar o dinheiro do contribuinte.

  • *Mari Labbate* EMAS44

    Quem acende fogueira, para queimar oponentes, será cremado junto! A Comissão Unilateral da “Verdade” dividirá o Brasil, mais do que já está dividido. Como o País NÃO vive em uma legítima Democracia, os efeitos serão surpreendentes! A Dona Dilulla, antes de esperar Verdades dos outros, deveria contar as SUAS! Pela Crise da USP observa-se qual é o objetivo da Lullada: fechar o regime, instalando um mofado comunismo. Os líderes estudantis, comandados pela Grande Máfia Petista, até falaram em revolução e estão com pressa! FORA, bonecos de ventríloquo! Aqui em SÃO PAULO, NÃO!

  • Ismael

    Será que o PT confrontado com o possível envolvimento de “luminares” da sua atual base de apoio na política de repressão durante a ditadura irá tomar alguma atitude? Não tivemos o exemplo do filho do Romeu Tuma, ministro durante tanto tempo? Sabemos que papai Tuma tomou conta direitinho de Lula, quando este esteve detido durante 30 dias no DOPS. Sabemos, pelas declarações do próprio Lula, que até dentista foi chamado. Mas e de outros presos menos ilustres? será que Tuma não mandou descer porrada? E Sarney, como era o clima político no Maranhão na década de 80?
    Em todo lugar do mundo onde existe ditadura e repressão alguém, ou algum grupo, se beneficia. Nos países comunistas, é o povo o grande benficiado como sabemos e nas ditaduras de direita a elite ( acho que esse é o espírito da coisa, rs) e pelo que me consta gente como o velho Camargão (da Camargo Correa), entre outros, são suspeitos de terem financiado a OBAN. Veremos se essa comissão da verdade irá colocar o dedo na ferida. Gostaria muito de ouvir da boca de gente envolvida na repressão os nomes dos financiadores da repressão. Será mais interessante ainda o silêncio calhorda que se seguirá.

  • Ismael

    Continuando a pegar no pé do PT e sua comissão da verdade: sabedores do atual compromisso do PT com forças retrógradas, tasi como Sarney, Collor, Maluf etc. O PT muda a história da OBAN a acusa , vejam só, nada menos que a Folha de São Paulo e FHC de comprometimento com a operção bandeirantes. o lik está aqui: http://osamigosdopresidentelula.blogspot.com/2009/04/operacao-bandeirantes-neocon.html
    Ao invés de Sebastião Camargo, grupo camargo correa, Paulo Maluf ( que veementemente refuta as acusações) do grupo ULTRA, do grupo Objetivo, isso memso o Di Gênio, agora amigo do Zé Dirceu, entre outros, o PT reconta a história ao seu modo. Vejam que os citados acima são apenas acusados sem provas, já que realmente esse capítulo triste foi abafado pela anistia. Cabe agora revelar a verdade verdadeira.

  • Maurício.

    Dilma será investigada?

  • marco

    “a ação experimental de um grupo de energúmenos violentos acabou assumindo uma escalada…”;

    Até agora tinha dúvidas se tal Comissão investigaria crimes da esquerda. Com essa frase, fica claro que terroristas e guerrilheiros também serão investigados. Ou não?

  • *Mari Labbate* EMAS44

    Presidente Dilulla: “O passado passou”, na Crise do Ministério do Trabalho. E no “BAÚ-DE-OSSOS” da Comissão da Verdade, não? Essa dissimulada senhora é a personificação da INCOERÊNCIA!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Quem tem medo da Democracia e da Verdade?
    Todos aqueles que sempre se colocaram contra a Democracia com ódio de eleições,da pluaralidade,da vida,do amor,do riso e arquitetaram Golpes e aqueles que vitoriosos com o Golpe implantaram o terror,a perseguição,a tortura,a morte,o estupro e os desaparecimentos – os que implantaram para se manter e os pessoalmente que participaram.
    Tremem,se apavoram,falam com ódio mas no anonimato como sempre viveram,estão sendo torturadas dia a dia a cada dia que se fala em COMISSÃO da VERDADE.
    VERDADE não adianta tentar barrar – é uma enorme ONDA que quando surge VARRE TUDO.
    Olhem ali para o HORIZONTE uma enorme LUZ para iluminar todos os HORRORES da REPRESSÃO no BRASIL – não solidarizo com seus terrores – chegou a hora de sabermos seus nomes e o que fizeram.

  • Marcelo Dornelas

    “Comissão deveria deveria, se pretende produzir um trabalho completo que registre a verdade, ou o mais próximo dela, sobre violações de direitos humanos ocorridas no Brasil, obrigatoriamente incluir entre seus objetivos apurar também as violações graves de direitos humanos, inclusive atentados a bomba e assassinatos, por aqueles que pegaram em armas contra os governos no período compreendido pela lei — de 1946 a 1988 –, com ênfase para o período da ditadura militar (1964-1985).”-Claro,porque se não for assim não haverá verdade nenhuma mas apenas o ponto de vista de um lado.

  • Lucia s

    Meu caro Setti
    Teremos a Comissão da Verdade Unilateral, onde quem está atualmente no poder foram os heróicos e os outros os malvados. Não vai chegar a lugar algum, a não ser criar alguns empregos para os amigos necessitados.
    Serão processos escolhidos a dedo, sempre comtemplando “o outro lado” de forma bem maniqueísta e retirando suas próprias responsabilidades, tais quais, pelas armas, o endurecimento da ditadura. A culpa sempre será dos outros, os maus, e eles os heróicos bons.
    Nada como estar no poder para fazer uma vingancinha animada.
    Espero que sem maiores consequencias.

  • Lucia s

    Sim, Pedro Luis, concordo plenamente, mas dos 2 lados. Pra uma guerra, são necessários 2 ou mais.
    Quero saber deles todos, já que vivi e conheci pessoas dos dois pois vivi esta época. E não joguei bombas, não torturei, não assaltei bancos, não condenei amigos à morte por suspeita, não envolvi inocentes e não prendi ninguém.
    Estudei, me formei, participei de idéias, combati outras e continuo aqui, esperando saber SOBRE OS DOIS LADOS.
    E você?

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Lucia s:
    Entra no site do Tortura Nunca Mais,peça ao Comissão de Anistia o livro Geração 68 é dado de graça.São por volta 600 páginas de depoimentos de centenas de participantes resistente na luta armada ou não – dão nome e sobrenome em seus depoimentos e suas histórias.Não se escondem atras do anonimato.
    Daria uma parte de minha vida para ter assistido a cena:No governo Sarney,fazendo uma visita ao Uruguay e na comitiva a Deputada Beti Mendes linda atriz quando jovem e linda atriz como senhora – principalmente uma grande lutadora na DITADURA presa e torturada no DOICODI de São Paulo,sem contar uma deputada das mais atuantes na luta pela Anistia na Constituição de 1988.
    Estava a comitiva na Emb. do Brasil no Uruguay quando surgiu o Adido Militar Brasileiro no Uruguay, ao ver o Adido, um coronel do exército, cara a cara com a Dep Beti Mendes – “VOCÊ o DR.TIBIRIÇÁ QUE ME TORTUROU! E O VI MATAR MEU COMPNHEIRO(ESQUECI O NOME)!”
    O Dr. Tibiriça era o Cel Brilhante Ulstra, comandante do DOICODI em SAMPA, em seu período de comando foi onde se desapareceu o maior numero de pessoas.
    ” VOCE É DR.TIBIRIÇA´” evitou que um torturador chegasse a ser GENERAL, pois escondeu sua história no apelido Dr.Tibiriçá, uma história de dor e terror infligido a pessoas presas e sem defesa.
    O Cel Brilhante Ulstra foi condenado numa instancia da justiça como TORTURADOR, o mesmo Dr.Tibiriçá/Cel Brilhante Ulstra entrou no STF dizendo que não pode ser condenado,
    a lei Anistia da Ditadura de 1979, o favorecia e confirmado pela STF infelizmente.Ao pedir ao STF se reconhece como atentar contra a humanidade por intermédio da tortura e desaparecimento.
    Sabe Lucia s voce que não deseja conhecer o lado dos que resistiram – TODOS SE APRESENTAM COM NOME E SUAS HISTÓRIAS e não Dr.Tibiriçá.
    No Tortura Nunca Mais todos os dirijentes têm seus nomes nas paginas, assistiu a novela da Record sobre a Ditadura? no final mais de uma dezena de participantes tanta da luta armada ou não deram seus depoimentos com nome e sobrenome e não como Dr.Tibiriçá – vá ao youtube os depoimentos estão lá.
    Quanto do lado da Ditadura é que existe o SEGREDO e o TERROR dos Monstros tanto os responsaveis pela política da tortura, tanto dos agentes responsaveis pelos crimes contra a humanidade – e esses MONSTROS ainda no anonimato – é o Brasil quer saber sua HISTÓRIA e esses MONSTROS em esconde-la.
    O lado dos PERSEGUIDOS pela Ditadura CIVIL MILITAR voce desconhece porque quer – a literatura é farta – consulta – vá ao Google é tão fácil.

  • Corinthians

    Pedro Luiz Moreira Lima
    Venho discordar novamente. Muitos se apresentam com nome e sobrenome, reconhecem que mataram civis… mas nada ocorreu também, a não ser uma polpuda indenização do estado.
    Outra coisa é, por que ao buscar alguns documentos que deveriam ser públicos – como a ficha de Dillma – a mesma é censurada ? Não é estranho ?
    Essa comissão da verdade dó será verdade se olhar para os dois lados – o grupo militar da ditadura e os grupos terroristas que detinham o poder (que aliás em sua busca pela ditadura comunista chegaram a matar seus próprios companheiros em algumas situações).
    Sabemos que isso não vai acontecer – da mesma maneira que enquanto o PT estiver no poder, o terrorismo não será tipificado no código penal.
    Eu sinceramente acho que isso tudo aí vai ser um fiasco, e dos grandes. No final não vai investigar nada, vai dar tudo como certo e vai ficar tudo por isso mesmo…

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Corinthians:
    Amigo pensamos tão diferentes – para mim o Direito de rebeldia é um direito reconhecido até pela Igreja – São Tomás de Aquino.
    Não foi grupo militar, foi uma Ditadura Civil Militar foi um Estado Terrorista – se ao menos reconhecesse isso teríamos ao menos um ponto em comum de concordancia.
    Tudo bem,estamos dentro de uma espaço democratico para expor opiniões e ouvir um ao outro – mesmo discordando em tudo.
    Grande abraço
    Pedro Luiz

  • Se Lamarca fosse vivo hoje, ele seria ministro dos esportes como Orlando Silva ou seria um José Dirceu?

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Helio Machado:
    Se a democracia não tivesse sido golpeada em 1964 -Lamarca e muito estariam vivos.

  • Corinthians

    Realmente Pedro, pensamos diferente.
    Foi uma Ditadura Militar sim, praticou atos terroristas sim.
    Isso não dá o direito de rebeldes matarem inocentes que não faziam parte da ditadura, que não eram militares. Simples assim.
    Outra coisa é colocar os pingos nos “is”… nenhum grupo armado queria a democracia, queriam é ditadura comunista e/ou socialista – o que no fim só alimentou mais violência por parte da ditadura…

  • Italino Borssatto

    Para termos democracia de verdade, precismos fazer um plebiscito. Saber a opinião do Povo sobre as gordas indenizações aos supostos defensores da democracia, mas que na verdade, em 1964 eram amigos do Brizola par implantar a ditadura comunista no Brasil.

  • Minin

    Essa súcia de esquerdistas cobram os desaparecimentos de terroristas que pegaram em armas contra um governo instalado , que naquele momento era constitucional, só que eles se esquecem de focar a quantidade de assassinatos, sequestros e mortes de inocentes, durante a escalada de violencia patrocinada por eles. Se considerarmos o desaparecimento total de 437 pessoas de ambos os lados em 20 anos de governo militar, chegamos a conclusão que no Brasil não ocorreu uma ditadura e sim uma ditabranda, e se levarmos em conta que desse número(437), 168 foram assassinados pela esquerda que hoje governa o País, concluimos que essa súcia foram extremamente violentos e mortais e mais eficientes na arte de matar do que o governo militar que era incomparàvelmente mais poderoso que eles em contigente e armas. Esta é a marca da esquerda anacrônica, que está sempre em busca de um cadaver para sua causa, que naquela época se resumia em implantar uma ditadura nos moldes da U. Soviética, seguindo a cartilha do assassino contumaz J. Stalin(20 milhões de assassinatos).

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Setti:
    Tudo bem com voce?doido para voce ler o livro que te mandei.
    Voltando ao assunto do post – o grupo guararapes fica agitado quando vc entra no assunto.O TERROR bate a casa deles com força.Lamento por eles, minha primeira reação seria a solidariedade, dessa vez fico feliz – O TERROR e o MEDO que sentem da VERDADE é o nítido sinal da total FALTA DE FORÇA deles CALAREM E ESCONDEREM A VERDADE NOVAMENTE.
    A SOCIEDADE BRASILEIRA EXULTA DO TERROR DELES DA VERDADE.
    Abração Setti e saude plena.
    Pedro Luiz
    PS – seu livro o lançamento será no Brasil?

    Caro Pedro,
    Também estou ansioso por ler o livro. Mas continuo em BCN, distante do Brasil, e ainda fico aqui um tempo.
    Obrigado pelos votos de boa saúde. Já estou 100%.
    Quanto a meu livro — ué, como você ficou sabendo? –, sim, será lançado ou já está sendo lançado no Brasil. Não tenho o mínimo cacife para lançar fora do Brasil, hahahaha..
    Um lançamento sem noite de autógrafos nem nada, porque estou ausente.
    Fico até meio aliviado. Não sou muito dessas coisas…
    Espero que você, se comprar, goste, porque, mesmo eventualmente não concordando com ideias do entrevistado, ele é de uma inteligência brutal e conta histórias interessantíssimas, sobretudo sobre a feitura de seus livros, mas também sobre as personalidades com quem conviveu.
    Abração

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Grande amigo Setti:
    Voce me enviou o email avisando do lançamento do livro – aqui algumas observações:
    1 – Protesto um livro lançado por voce e sem VOCE –
    só não parto para luta pois é impossível brigar com voce.
    2 – Um livro lançado por voce e não comprar – que diabo de amigo sou eu?
    3 – Posso discordar da idéias mas NUNCA DA INTELIGENCIA de voce e do Lhosa – e INTELIGENCIA,CULTURA não tem preço e nem amizade – compro de olhos fechados e leio com os olhos e cabeça bem abertos!
    Faça uma força e venha para uma noite de autografo aqui no Brasil – te garanto me mando do Rio para Sampa!
    Pedro Luiz

    Bah, meus neurônios falharam! Claro que incluí você na lista de amigos a quem avisei.
    Obrigado por suas boas palavras.
    Obrigado por sua disposição de ir a Sampa.
    O problema, vou confessar, é que morro de medo de noites de autógrafos, hahahaha… Não sei explicar por quê. Sou capaz de falar para um auditório de mil pessoas, mas uma noite de autógrafos…
    Talvez porque seja uma coisa muito chata para os amigos quando vai muita gente: fila interminável, horário sempre ruim por causa do trânsito etc.
    Mas com certeza você terá sua dedicatória.
    Um grande abraço

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Corintians:
    Ao menos concordamos num ponto foi uma Ditadura Civil Militar e um Estado Terrorista – isso nos aproxima ao amor pela Democracia.
    Grande abraço
    Pedro Luiz

  • Wagner do Arquivo X

    R$11.000,00 X 7 X 24 = R$1.848.000,00 só com salários. Fora todas as mordomias, hospedagens, alimentação, celular, transporte e claro, desvios. Essa brincadeira comunista vai custar no mínimo uns R$50.000.000,00. Como disse a “guerrilheira” nº1: O passado, passou….

  • Lucia s

    Caríssimo Sr. Pedro Luis
    Não sou defensora de torturadores nem de assassinos. Não preciso ir ao Google, conheci pessoas que foram torturadas, sofreram horrores e algumas apenas , por periféricamente, serem amigas dos que estavam militando.Por favor, não seja paternalista comigo e não me trate como imbecil, pois não sou.
    Vivi também nesta época e tive minha mãe , ameaçada por uma metralhadora , na minha frente, uma senhora de cabelos brancos e mãe de família, se me permite usar de termo tão antiquado,por um dos bravos militantes da guerrilha da época.
    Frequentei a faculdade de história, podendo o senhor presumir que estava situada em meio ao caos da época.
    Quanto a verdade, sempre tem dois lados e é muito bom conhecer ambos.
    Já percebi que o senhor é íntimo do colunista e faz questão de mostrar. Eu não sou, mas tenho por êle respeito e consideração.
    Sou humanista, liberal e democrata.
    Espero que o senhor o seja também.
    Sem mais, felicidades.

  • Rosângela

    Setti, vejo por esse lado: os dois lados que hora se apresentam é uma realidade que precisa ser confrontada. Por que? porque só assim trazendo os acontecimentos a baila, as futuras gerações estarão cientes que em 30 ou 50 anos o que hoje acontece será divulgado.
    Portando a lisura vence e todo cuidado será pouco. Abraço.
    Ps: violação de direitos humanos é covardia.

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Querida Lucias.
    Sua querida Mãe estar sob a mira de uma metralhadora é uma situação horrorosa e lamento o que ela passou.
    O impiedoso militante – hoje morto em confronto, coisa rara a maioria eram mortos fuzilados ou na TORTURA,Desaparecido,Condenado,Torturado e cumprido a pena?
    Posso garantir não escapou de nenhuma dessas hipóteses – sendo assim a terrivel experiencia de sua mãe foi vingada.
    Na experiencia violenta em que passou o Impiedodo Militante, não queremos VINGANÇA e sim saber o que aconteceu com ele e não o SILENCIO DE UM ESTADO TERRORISTA e JUSTIÇA, não VINGANÇA.
    Não sou íntimo do Ricardo Setti e seria um prazer em conhece-lo pessoalmente – o que nos une (Setti e eu) é o amor a Democracia e a Verdade – basta isso para uma boa amizade.
    Sou Humanista e na área de economia não sou Liberal.
    Jamais a chamaria de Imbecil – não faz meu estilo de escrever e muito menos de tratar pessoas.
    A VERDADE esta completamente aberta e contada para os que resistiram de armas /desarmados ao Estado Terrorista de 64 – do outro lado é o SILENCIO e o MEDO + TERROR que a VERDADE seja contada.
    Minha sugestão da pesquisa – dicas dos fatos,visões dos que resistiram e em livros,sites etc
    Lamento e desculpas se em algum momento possa ter passado qualquer tentativa de agressão.
    Abraçs Humanistas e Democratas.
    Pedro Luiz

  • Lucia s

    Caro Pedro Luís,
    encerro por aqui nosso diálogo.Passe bem, seja feliz, adeus.