Image
A multidão na Puerta del Sol, em Madri: movimento “Democracia Real Já” deixa campanha eleitoral em segundo plano “(Foto: Pedro Armestre/AFP)

Amigos, se em Maio de 1968 na França era “proibido proibir”, na Espanha de 2011 o fenômeno, que se alastra como incêndio em época de seca, tornou na prática proibido ser a favor de “tudo que aí está”, atropelando e deixando em segundo plano as eleições regionais e municipais deste domingo, 22, e as respectivas campanhas eleitorais (de que tratei em post anterior) falando sozinhas.

Centenas de milhares de jovens, convocados e se comunicando pelas redes sociais – as principais convocatórias partem do portal Tomalaplaza (“Tome a praça”), têm ido pacificamente às ruas, permanecido acampados em praças e se manifestado por faixas e cartazes em mais de 50 cidades do país, a começar pela capital, Madri, e seu coração – a Puerta del Sol, a magnífica praça que, significativamente, é o marco zero de todas as grandes rodovias espanholas –, num movimento espontaneamente batizado de Democracia Real Já. Espanhóis no exterior também começaram a se concentrar e protestar diante das embaixadas em 17 cidades estrangeiras.

Contra tudo, inclusive “uma vida cinzenta”

Eles são contra o governo, os bancos, os partidos políticos, os políticos desonestos, os políticos tradicionais, as medidas de austeridade exigidas pela União Europeia e pelas instituições internacionais de crédito, o FMI, a roubalheira, o desemprego, o alto custo das hipotecas… O estudante de cinema Álvaro Alsina, um dos ativistas acampados na Plaza Catalunya, centro de Barcelona, deu um certo toque de maio de 1968 às manifestações em artigo publicado no jornal barcelonês El Periódico em que protesta “contra a idiotização da juventude” e repele a perspectiva de “uma vida cinzenta” para os jovens.

Estudantes, jovens desempregados, aposentados, velhos militantes comunistas e socialistas até então desiludidos, pessoas que perderam suas casas por não conseguirem pagar as hipotecas devido à crise financeira iniciada em 2008 – há de tudo nas massas que protestam. E não se trata, não, dos conhecidos protestos anti-globalização.

São um fenêmeno novo, surgido como se fosse do nada, sem líderes, que tampouco é aparentado com o movimento em países árabes por democracia, porque não reivindicam uma democracia que já existe, mas pretendem, de forma atabalhoada e desorganizada, em maio a reivindicações que nem sempre apontam na mesma direção, aprimorá-la e torná-la mais próxima e das pessoas comuns, e mais efetiva para os cidadãos.

“A pergunta relevante não é porque essa explosão de indignação chega agora, mas por que não chegou antes”, escreveu o antropólogo catalão Carles Feixa, que forjou para o fenômeno a designação de “revolta glocal”, porque junta motivações e métodos globais com outros essencialmente espanhóis.

Image
Em dezenas de cidades, os manifestantes — e não apenas os jovens — acampam em praças públicas (Foto: Pedro Armestre/AFP)

Os slogans dizem mais do que os teóricos

Mais do que a análise dos teóricos, o que revela o conteúdo do movimento dos “indignados”, dos “revoltados” ou dos “acampados”, como já está sendo chamado, ou dos “protestos 2.0”,em alusão à importância das redes sociais no que vem ocorrendo, são os slogans que aparecem nas faixas exibidas e nos gritos dos manifestantes.

Vejam alguns:

“Não, não, vocês [políticos de todos os partidos] não nos representam”

“Os bancos, vocês salvam, os pobres, vocês roubam”

“Não vote neles”

“Limpemos essa m….”

“Democracia, luta diária”

“Tudo está corrompido e vendido”

“Pela escola pública, casa para todos”

“Abaixo a guerra”

“Abaixo a corrupção”

“Chega de altos salários para os políticos”

“Abaixo o bipartidarismo” [A Espanha tem duas dezenas de partidos, mas apenas dois de caráter nacional e peso suficiente para governar, sozinhos ou em aliança: o Partido Socialista Operário Espanhol, de centro-esquerda, e o Partido Popular, de direita]

“Tudo está podre”

“Casas minúsculas, hipotecas gigantes”

“Digam-nos a verdade”

Algumas mensagens dos jovens pelo Twitter

Para evitar problemas legais pelo fato de o país estar às vésperas de eleições, os “indignados” vêm tomando o cuidado de não citarem, nos cartazes e faixas, nomes de partidos ou de políticos específicos, mas estão atropelando as proibições de realizar manifestações nesse período.

Vejam algumas das mensagens do Twitter selecionadas pelo jornal El Periódico, representativas do que pensa boa parte dos manifestantes

@carmanns

“Não sou culpado pela crise, sou vítima. Não especulei nem desperdicei. Os culpados que paguem.”

@lunademediatard

“Os mesmos que apoiaram Egito, Tunísia e Líbia censuram # acampadasol [refere-se à Puerta del Sol] Vocês não têm vergonha, nós #nãotemosmedo”

@PaulMontalva

“Vivo num país onde se pode acampar para ver Justin Bieber mas não para defender nossos direitos”

Partidos fazem comícios à prova de vaias

Diante de tudo o que ocorre nas ruas e praças, a campanha eleitoral para o pleito de domingo ficou de uma hora para outra em absoluto segundo plano. Tornou-se “ridícula”, segundo ouvi esta madrugada de jornalistas graúdos participantes de uma mesa-redonda na televisão pública TVE que foi até as 4 horas da madrugada.

Eles têm razão. Multidões estão nas ruas, e os políticos, com seus sorrisos profissionais, fazem comícios à prova de vaia em locais fechados, como teatros e centros de convenções, para seus próprios militantes, que agitam bandeiras ao que tudo indica já irrelevantes para centenas de milhares de espanhóis.

O primeiro-ministro socialista José Luís Rodríguez Zapatero, cuja popularidade bate recordes negativos e não se recandidatará na eleição geral do ano que vem, canhestramente tentou pegar carona no movimento: “Peço o voto do progressista crítico [referindo-se obviamente aos manifestantes], porque votanto na esquerda sempre se pode democraticamente fazer exigências [aos eleitos]“. Já os conservadores do PP, de forma inacreditavelmente míope, pretender ver numa revolta dirigida a inúmeras questões apenas um protesto contra o governo socialista capaz de beneficiá-los.

Mais rápida do que os políticos, uma das maiores redes de livrarias da Espanha, a Casa del Libro, está enviando email para centenas de milhares de clientes oferecendo “40 livros para indignados”.

Não sei, não, mas algo me diz que o movimento, inicialmente previsto para terminar no domingo, não apenas vai continuar, como poderá se alastrar Europa afora.

Ah, um último detalhe: não vi até agora uma única faixa, cartaz ou grito – como ocorria antigamente – contra o “imperialismo ianque”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 3 =

35 Comentários

Ailton em 21 de maio de 2011

Em momentos de crises, sempre há um forte ÊXODO, ou mesmo DIÁSPORA de ibéricos rumo as América, aqui no Brasil(Bahia-Salvador), eles formaram a maior colonia hispânica depois dos Estados Unidos, com um contingente de 380 mil cidadão espanhóis, pelo visto, em breva essa colonia vai aumentar.

Paulo Bento Bandarra em 21 de maio de 2011

Caro AVNC. Todo totalitarismo sempre é proposto para o bem, seja o cristianismo ou o comunismo, o nazi-fascismo (no outro lado o islamismo). Os ideias iluministas justamente pregam a liberdade que este bem cada qual procura, porque o inferno está cheio dos que impuseram o bem ao outros. . Caro Setti, como nunca vi a elite (seja o que isto seja) ou os empresários e banqueiros lutando para diminuir a carga horária e ser contra o aumento da produtividade, me parece que culpá-los, é indevido.

Ailton em 21 de maio de 2011

ricardo SEtti Sairam dois toques errados e digitei 'VES' no lugar de 'VEZ', o outro foi enviar antes de terminar a correção. desculpe!!!

Ailton em 21 de maio de 2011

Saliu um toque errado e escreví

Ailton em 21 de maio de 2011

A crise da peníssula ibérica só tem um culpado, o fato do continente ter uma única moeda, isso faz com que a produção de países como Alemanha, França e Itália sejam mais competitivas diante da indústria espanhola e portuguesa. Caso idêntico vivemos aqui na America do Sul, não temos uma moeda única no continente, más a industria brasileira é mais eficiente e competitiva em relação a dos demais paises, principalmente com a indústria argentina. A tendencia é que os pa´sies mais fracos do bloco Europeu se quebrem em um efeito dominó, A Grecia foi a primeira, agora é ves dos iberos.

Ailton em 21 de maio de 2011

O mundo se assustou com o poder economico dos BRICS, os BRICs é um fator novo no cenário economico mundial e leva muita preoculpação a países da velha oligarquia monopolista da economia mundial. Hoje, próximo a 40% dos negócios dos BRICS são realizados entre eles mesmos. O Brasil, por exemplo, até a decada de noventa realizava seus negócios quase que unicamente com os Estados Unidos, hoje, os Estados Unidos são apenas o quarto parceiro economico. Brasil hoje é bem diferente do México, México que tem nos EUA o seu maior parceiro comercial, México conta com os EUA para movimentar 90% de sua economia, éramos assim no passado não distante. A Europa se fechou com o seu Mercado Comum, compram apenas o que a comunidade não produz, isso levou outros países se unirem em torno de um mercado comum entre sí, BRIC foi um deles, deu certo.

Atento em 21 de maio de 2011

Na Espanha, a pergunta relevante é "por que a explosão de indignação não chegou antes”. A pergunta que fazemos aqui é um pouco diferente: "...por que a explosão de indignação não chega nunca?".

AVNC em 20 de maio de 2011

É só mais um movimento "moderninho" de esquerda. Acham que vão revolucionar a democracia, mas suas propostas mais se aproximam de um totalitarismo "do bem". Mas eu me surpreendi quando li que não há manifestações contra o imperialismo ianque. Talvez seja só uma questão de tempo... Vamos esperar par ver.

wilson em 20 de maio de 2011

Pedro sua sociologia pseudo economica muito lindinha mas alguèm tem que pagar a conta, p.e. sou aposentado e trabalho e pago IR para regalar os lindinhos deste seu socioecomico existencial, papo de coitadinhos na Espanha? Brasileiros são escorraçados, nossas conterrâneas tratadas como lixo,agora a festa acabou falta $$$ emprego, não dou muito tempo para voltar as levas de imigrantes espanhóis. Socialismo só funciona se tem um pato para bancar as "conquistas" pois vira nivelamento para baixo, ou como diz os maledicentes - Sacialismos é assim começa querem salvar a humanidade e acaba em racionamento.

alberto santo andre em 20 de maio de 2011

LA ADURAS PENAS ELES ACORDARAM E VIRAM QUE NAO SAO OS ESTADOS UNIDOS OS CULPADOS PELOS SEUS MALES ,MAS SSIM SEUS POLITICOS COM SALARIOS EXORBITANTES ,POREM NEM TANTO QUANTO NO BRASI, SEUS BANCOS COM JUROS EXORBITANTES POREM MUITO MENORES QUE NO BRASIL ,SEU ENSINO QUE E CONSIDERADO HOJE UM DOS PIORES DA EUROPA ,JUNTO COM GRECIA E PORTUGAL,POREM NAO TAO RUIM QUANTO O BRASILEIRO,COM TODAS ESTAS COINCIDENCIAS SERA QUE O POVO BRASILEIRO QUE SEGUNDO DADOS EUM DOS POVOS QUE MAIS USA A INTERNET CHEGARA ALGUM DIA A TER UMA POSICAO,OU UMA ACAO PELO MENOS PARECIDADA COM AS DA ESPANHA ,OU SERA QUE MESMO NO BRASIL A INTERNET E DIFERENTE DOS PAISES COM UM GRAU DE POLITIZACAO MAIOR ,OU A SIRIA MESMO COM TODA A REPRESSAO

Tonho em 20 de maio de 2011

Ironia sim,caro Setti,mas ao confessar deixo-a anêmica.Assim os textos ficam monótonos,burocráticos,o humor exige mais liberdade.Sem sinalizações senão o inesperado morre. A melhor piada é aquela que consegue mudar o clima radicalmente;da raiva pro riso.Uma coisa é o censor dicidir que não vai achar graça e outra é ele não permitir que ninguém o faça.

Tonho em 20 de maio de 2011

O povo está indignado?Que então procure suas melhoras.O que é certo mesmo é que as elites sempre foram donas de tudo, e não estão fazendo nada de diferente do que sempre fizeram.O mundo é grande porque o povo não se muda?E mais, os ingleses estão querendo muito mudar pra Espanha, e sem espanhois o atrativo seria bem maior.Já pensaram as elites espanholas governando a Espanha só com estrangeiros categorizados? Você só pode estar brincando, não é, Tonho? Ironia por escrito, que nem sempre funciona. Confirme, por favor, porque caso contrário vou eliminar seu comentário.

Paulo Bento Bandarra em 20 de maio de 2011

"deu um puxão de orelhas generalizado nas elites, no empresariado e na sociedade espanhola ao falar de produtividde, sintetizado numa frase: “Precisamos trabajar más — y mejor”." . Como você é preconceituoso! Com as elites e o empresariado? São estes que querem as tais conquistas sociais, turno de seis horas, semana inglesa, benefícios públicos adoidados? Não sou preconceituoso, não, meu caro. Me referi também à "sociedade espanhola", caso você não tenha percebido. O puxão de orelha foi pra todo mundo.

Liana em 20 de maio de 2011

Agora a OTAN e os americanos invadem a Espanha... rsrsrsrs

Pedro Luiz Moreira Lima em 20 de maio de 2011

Markito - PI. Obrigado perdi o livro e não acho mais - pior não conseguia lembrar o autor - e olha que não tão véio assim. Um grande abraço e obrigado.

Quindim em 20 de maio de 2011

E os alemães, que pagam as contas dos perdulários, estão pensando o que, hein? A chanceler Angela Merkel disse anteontem que os espanhóis precisam trabalhar mais e ter menos férias e feriados. Ela não mencionou as horas de "siesta" em que até multinacionais fecham as portas, mas antes dela o líder que a meu ver é ainda o de maior peso no país, embora retirado da política, disse tudo quando, no ano passado, deu um puxão de orelhas generalizado nas elites, no empresariado e na sociedade espanhola ao falar de produtividde, sintetizado numa frase: "Precisamos trabajar más -- y mejor". Abraço

Markito-Pi em 20 de maio de 2011

Ao colega Pedro Luiz: O nome do cara é Jean François Revel, e embora bem pensante, é jornalista.

Pedro Luiz Moreira Lima em 20 de maio de 2011

Wilson: A questão é pior ainda com o "fim dos direitos adquiridos."Direitos conquistados as duras penas,com prisões,torturas,mortes e repressão, com opoio dos governos. Qual a razão do fim dos direitos?o retorno dêles para quem os impediram de serem conquistados por prisões,torturas, mortes e repressão e como apoio dos governos. Quem são?ora,ora o mesmo Mercado Financeiro cada dia mais famélico,mais famélico e mais famélico. Os Mercados Finaceiros com sua fome voraz pensam realmente que o "Fim da História" é uma REALIDADE,a sua fome destruidora os impedem o RACIOCÍNIO.Coitados daqueles que os BAJULAM,achando que MIGALHAS sobrarão...

wilson em 20 de maio de 2011

Nas "oropoa" foi aquela festa muito direito muito estado muito emigrante(no começo era solução para aquelas ocupações que os nativos desdenhavam) pouca atividade crescimento ruim agora Portugal, Espanha, Italia, Grecia,Reino Unido estão perdidos dindin não cai do céu e dalhe imposto para tapar os diretos adquiridos.

Ailton em 20 de maio de 2011

É triste dizer, más, a peníssula Ibérica quebrou!!! Viviam do turismo no passado, Chegaram a receber 60 milhões de visitates (anualmente), agora, todos sumiram, deixara os iberos a ver navios. Com pouquissimas indústrias e em sua maioria familiar, fica dificil contornar essa crise, Espanha e Portugal são campo aberto para o FMI. Caro Ailton, a Espanha não tem pouquíssimas indústrias, não. A região de Madri, o País Basco e a Catalunha, para citar três comunidades autônomas, são fortemente industrializadas. E não se produz apenas vinho e azeite, não. Automóveis, caminhões, maquinaria pesada, instrumentos de precisão, produtos ligados à tecnologia de informação, componentes de indústria aeronáutica, uma enorme indústria de cosméticos e produtos de higiene, uma enorme indústria de alimentação, idem de material de construção, produtos de design -- e por aí vai. Os turistas também não sumiram, não. Gastam menos, mas continuam chegando aos milhões. A Espanha é ainda um dos maiores destinos turísticos do planeta.

Pedro Luiz Moreira Lima em 20 de maio de 2011

Setti: Não me lembro o autor do livro,um pensador francês - "Nem Marx e nem Jesus"dizia o autor afirmava que a grande Revolução Mundial viria dos EUA.Um choque entre o SISTEMA e a POPULAÇÃO AMERICANA decda vez mais de culturas diversas.Seria uma Revolução não de sangue mas de mudança que o SISTEMA não poderia evitar. Espanha,Portugal,brevemente a França,Inglaterra,Grecia estão toamndo a frente. Os EUA a crise é total - uma população cansada de guerra,uma população cansada de falta de emprego,de perdas de casa e a cada vez maior. concentração de renda.Tudo lá tem uma onda explosiva muito maior que qq lugar no mundo,o pior foram preparados(a grande massa da população dos EUA) para sempre cairem nas extremas posições conservadoras. Voce acha possível uma ruptura pela violencia dos EUA ou como disse o francês - "Uma Revolução onde o SISTEMA terá que mudar por uma nova onda da miscegenação da pop.americana..." É um quadro aterrador,acha possível? Nos EUA, não acredito em nenhuma ruptura com violência, não. Acho que eles vão se reerguer da crise, apesar da profundidade dela. A mais longo prazo, as mudanças serão profundas com o crescimento de descendentes dos novos imigrantes, principalmente da América Latina, que já são 50 milhões de americanos.

Vera Scheidemann em 20 de maio de 2011

Tenho acompanhado esses movimentos pelos noticiários da TV e sempre me impressiona que os manifestantes são (aparentemente) pessoas de um bom nível econômico e intelectual (repito APARENTEMENTE). Isso, imagino, só se consegue porque tiveram acesso à educação e podem, portanto, ter discernimento sobre o que convem ou não ao povo. Seria tão bom que os brasileiros pudessem num futuro não tão distante chegar a esse nível de esclarecimento, não seria ? Tanta coisa nefasta seria evitada. Um grupo de "indignados tupiniquins" seria ótimo. Vera

eros em 20 de maio de 2011

soy brasileño con nacionalidade española e una vida normal de clase media, tranquila para os tempos atuas que correm.mais vos digo;é hora do povo sair as ruas e exigir o que é seu..exigir uma democracia que represente o povo de verdade e nao os interesses dos politicos "comprados" pelos grandes bancos e empresas multinacionais..é hora de sair a rua e fazer a revoluçao democratica...pois se nao vc será possivelmente o neoescravo da epoca conteporanea..no passado os escravos levavam correntes e apanhavam..os escravos de hoje , levam hipotecas impossiveis de ser pagas(altos juros),morren na fila de hospital sucateado,os filhos fingen que aprenden em escolas mau aparelhadas,jovens sao induzidos a entrar nas maos do trafico(a secretaria do gov, federal antidrogas acha que o crak nao é uma epidemia ainda.rsss),gente morrendo en acidentes nas estradas esburacadas pelo brasil afora..esses sao os nossos escravos brasileiros e a vida de cada um deles...é hora de sair a rua e EXIGIR uma politica eficiente e trasnparente pois se nao vc poderá vira um neoescravo de banco e do sistema politico corrupto..acorda brasil!!!!o futuro ja chegou, mais depende de tua atitude hoje.fora corruptos ,sugadores do sangue do trabalhador brasileiro. politica limpa e eficiente é o que o povo do brasil quer!!!fora ptzada fedida pela a corrupçao..fora tucana suja tb com escandalos de corrupçao..fora todos os que lesam o nosso povo!!!!revoluçao democratica já!!!!!um mundo melhor é possivel!!!

PSamuel em 20 de maio de 2011

Pessoal, VAmos fazer como na Espanha, Egito, e outros paises. UMA MULTIDAO NAS RUAS PROTESTANDO CONTRA CORRUPCAO.Todos os paises estao iniciando movimentos populares na internet e estao resolvendo os probemas maiores que temos nos seus paises. POR QUE NAO NO BRASIL? Vamo lancar a campanha FORA A CORRUPCAO!!!! ABAIXO OS CORRUPTOS. FAcamos uma lista deles e ponhamos na iternet. Mas antes de tudo vmamos movbilizar o Brasil para consertar a corrupcao.

PSamuel em 20 de maio de 2011

PESSOAL VAMOS FAZER COMO NA ESPANHA UMA MULTIDAO NAS RUAS PROTESTANDO CONTRA CORRUPCAO.Todos os paises estao iniciando movimentos populares na internet e estao resolvendo os probemas maiores que temos nos seus paises. POR QUE NAO NO BRASIL? Vamo lancar a campanha FORA A CORRUPCAO!!!! ABAIXO OS CORRUPTOS. FAcamos uma lista deles e ponhamos na iternet. Mas antes de tudo vmamos movbilizar o Brasil para consertar a corrupcao.

Markito-Pi em 20 de maio de 2011

Ô galegaiada, meus antepassados, primos qualquer grau, e parentaiada que desconheço. Peguem leve neste papo de ser " contra tudo isso que está aí". Nossa experiencia brazuca, de acreditar nisso, resultou numa das piores experiencias já vistas pela humanidade.Um monte de fascistas, ladrões, fanáticos, malamadas dos mais variados matizes, e um fuehrer redivivo agriuparam-se numa bazófia auto´proclamada como "dos Trabalhadores",e o que resultou é a lenda de AliBaba materializada.

Rose em 20 de maio de 2011

Concordo com o Paulo Bandarra. Eu vivo em Portugal há 4 anos e aqui, como na maioria dos países europeus, o sonho de todos é sempre tabalhar pouco e ganhar muito, ter todos os direitos e quase nenhum dever. Só que para sustentar todos os subsídios a que os europeus imaginam que tem direito, alguém tem que pagar, e esse alguém somos nós mesmos já que "governo" não produz renda e dinheiro não dá em árvore. Por aqui o governo socialista do José Sócrates gastou e gastou promovendo o Estado Social e agora está de joelhos diante da UE de chapéu na mão. E sabe o que as pesquisas de opinião mostram para as eleições do próximo dia 5 de junho? O PS do mesmo José Sócrates liderando e ele como futuro Primeiro Ministro. E depois o povo vais às ruas dizer que o culpado é o governo!

carlos nascimento em 20 de maio de 2011

Caro Ricardo, Já que vc encontra-se na fonte (in-loco), faço-lhe um APELO, "deguste" esse maravilhoso movimento de liberdade e anseios, nos ajude, municiando-nos com todos os detalhes, essa corrente já era esperada na Europa, o modelo economico e social por ai está FALIDO, provocou enormes disparidades, ainda restam luzes de esperança, pois a Sociedade européia tem um bom nível educacional, tenho absoluta certeza de que esse vento vai gerar novos conceitos. Agora, gostaria de contar com a sua bússola, confio em sua capacidade de nos ajudar, hoje o advento da web, através das redes sociais, é capaz de deflagrar com velocidade espantosa, grandes mudanças, o jornalismo e os jornalistas SÉRIOS, vc é um dos "top line" dessa quase extinta classe de profissionais, pode com toda certeza ajudar-nos e muito, basta pautar e dizer os rumos da VERDADE, como sempre vem fazendo. Aqui em nosso País, estamos nadando na lama, diariamente, lemos, assistimos, ouvimos, nos indignamos com os seguidos ilicitos, para piorar, nada é PUNIDO, já estamos caminhando para o total descrédito das nossas Instituições, é o começo do caos. Discute-se por aqui a legalidade da imoralidade, o principal Ministro do atual Governo enriqueceu, ficou milíonário, isso tudo em apenas 4 anos, chamam isso de "consultoria", o meu modesto neurônio, teimar em chamar de TRÁFICO, não de drogas, claro, sim de INFLUÊNCIA, qual deles seria mais pernicioso, o de drogas aliena mentes, o de influência MATA, porquê SURRUPIA as verbas da educação, saúde, segurança, etc. Andei postando alguns comentários raivosos em outro post, talvez vc tenha ficado amargurado, me PERDOE, nada com vc, apenas sinto-me EXAURIDO, certas "ressureições" me dão NOJO. Um grande abraço, do amigo que lhe admira profissionalmente. Carlos Nascimento. Em tempo:- Precisamos fazer esse movimento por aqui. U R G E N T E M E N T E. Caro Carlos, não há nada o que perdoar, está tudo bem. Vou acompanhar os fatos aqui. Um grande abraço

Paulo Bento Bandarra em 20 de maio de 2011

Fica fácil gritar que não é responsável, mas difícil de se considerar isto quando quem elegeu os socialistas para governar e fazer esta gastança foram eles mesmo. Por eles, por sinal, a gastança sem cobertura da geração de rendas e bens seria bem maior. Advindos de uma época da vida que receberam tudo de mão beijada, não assimilaram que alguma pagou tudo aquilo que receberam. Ou no caso, ficaram devendo. Pedir que o governo pague tudo é fácil. O difícil é ter que gerar renda e desenvolvimento para sustentar.

Esther Vaz em 20 de maio de 2011

Que sirva de exemplo para nós brasileiros, que não fomos acostumados a "Exigir, cobrar" nossos direitos, vivemos de braços cruzados há anos assistindo as corrupções, roubalheira, enquanto todo esse dinheiro que é nosso deveria estar sendo empregado efetivamente em saúde, educação, moradia etc

Rose em 20 de maio de 2011

Segundo informações que circulam pela imprensa daqui da Europa, este movimento na Espanha se inspirou no Movimento Geração à Rasca, que levou mais de 500 mil portugueses às ruas em 12 de Março. Sim, dizem isso e outras coisas também. Há os que citam as rebeliões do Norte da África. O fato é que não se conseguiu identificar com precisão quem exatamente começou a coisa na Espanha. Que é muito interessante. Abraços

doctor lusitano dom ilário I em 20 de maio de 2011

Vejam só, a China revolucionando o "Universo" (palavra usada por MONTESQUIEU a nos explicar após a descoberta da Bússola (leiam também o pensamento de um Nobel!!!): Paul Krugman 20/05/2011 - 10h24 Produzindo coisas nos Estados Unidos Alguns anos atrás, um dos meus vizinhos, um engenheiro vindo da Rússia (antigamente URSS), fez uma observação sobre seu país adotivo: "Os Estados Unidos parecem ricos", disse, "mas nunca vejo uma pessoa de fato produzindo alguma coisa". Foi uma afirmação um tanto injusta, mas não de todo -e com a passagem do tempo, tornou-se mais e mais precisa. Por volta da metade da década passada, eu costumava brincar que os norte-americanos ganhavam a vida vendendo casas uns aos outros, com dinheiro tomado de empréstimo na China

Homem Sábio em 20 de maio de 2011

Caro amigo, este é um espaço democrático, mas, por uma questão ética, não publico críticas a colegas blogueiros na coluna. Críticas a blogueiros devem ser dirigidas a eles próprios, não a mim. Sei que você entende isso. Um grande abraço

Jotavê em 20 de maio de 2011

Não tem jeito. A conta da crise está chegando, e não poderá ser paga com velhos horizontes. As velhas questões da social-domocracia voltam a ganhar atualidade. (i) Liberdades formais não significam nada caso não venham acompanhadas de um mínimo de igualdade. (ii) A política tem que se reinventar. Enquanto for dependente do poder econômico como é hoje não estará credenciada à representação democrática do conjunto da sociedade. (iii) O poder econômico tem que ser controlado pela sociedade através de regulações estabelecidas por governos democraticamente eleitos. O mercado não é uma espécie de elixir paregórico, capaz de curar desde gripe até tuberculose. Funciona às vezes, até certo ponto e dentro de determinados limites.

Roberto Sterling em 20 de maio de 2011

Enquanto isto, em Banânia reina a mais absoluta paz, todos assistindo BBB, Domingão, etc... e os políticos enchendo as burras... Viva o Brasil, logo logo seremos um republiqueta africana no sentido latu sensu !

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI