Amigos, a esta altura vocês já sabem pelo Jornal Nacional e outros meios, mas o primeiro-ministro Silvio Berlusconi (leia post anterior de hoje) levou uma surra em regra nas eleições regionais e municipais realizadas em parte da Itália — e perdeu seu grande baluarte, Milão, a capital econômica do país, sua terra natal, sede de seus negócios e e berço do “berlusconismo”. Giuliano Pisapia, o advogado de 62 anos candidato do Partido Democrático, de centro-esquerda, ganhou por 11 pontos de vantagem da atual prefeita Letizia Moratti, pondo fim a quase duas décadas de governos de direita.

A rejeição ao primeiro-ministro, envolvido numa nuvem de acusações de corrupção e de escândalos sexuais, foi pior do que previam os cálculos mais pessimistas de seus partidários, indo de norte a sul do país, embora as eleições tenham sido parciais (em 6 das 109 províncias e em 90 cidades, várias delas importantes).

Os candidatos do Povo da Liberdade (PDL) de Berlusconi perderam em Trieste, no Sul, espetacularamente em Nápoles, a grande cidade do Sul e terceira maior do país — o ex-magistrado Luigi De Magistri, do novo partido Itália dos Valores, segundo colocado no primeiro turno (15-16 de maio), disparou 30 pontos à frente do berlusconista Gianni Lettieri –, e ainda em Cagliari, na Sardenha. No primeiro turno haviam sido derrotados em centros como Bolonha e Turim.

O laranja, cor da campanha de Pisapia em Milão, cobriu a cidade. “Libertamos Milão”, disse o novo prefeito.

As eleições representam um inegável enfraquecimento de Berlusconi que, porém, ainda dispõe de 2 anos de mandato como primeiro-ministro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

15 − sete =

5 Comentários

Lís em 02 de junho de 2011

Caro Sr. Setti, lendo os comentários abaixo, escreveu que está na Pequeña Cataluña, o que me faz lembrar de um comentário seu de que estaria estes dias em Lisboa (onde moro). Sempre veio? Ou já partiu? Se não for de férias, mas de cunho laboral - palestra, workshop...- diga, por favor onde posso informar-me. Admiro seu trabalho, sinceramente. E especialmente as actualizações que você e sua equipe fazem no site - e ainda por cima respondem os comentários!!!. Fantástico! Prezada Lis, sim, ainda estou em Barcelona, mas prestes a voltar ao Brasil. Minha passagem por Portugal ficou adiada, não tive possibilidade devido ao trabalho e a outros compromissos aqui. Obrigado pelas palavras sobre o blog e minha pessoa. Muito obrigado mesmo. Um abraço

Kitty em 31 de maio de 2011

Caro Ricardo, ( Bella reggione La Toscana!!!!) Os políticos são como as ondas do mar, ora sobem, ora descem. Triste ocaso de um homem que acreditou que a sua boa estrela brilharia para sempre e, apesar de detentor de poder e riqueza, não soube reter o que um homem tem de mais precioso que é a sua integridade moral. Enfraquecido pelos seus envolvimentos em julgamentos de corrupção, sua incorrigível concupiscência, dificuldades econômicas, fins das poupanças e de jovens que não encontram trabalho deram um claro sinal da desilusão dos eleitores. O tempo do encantamento acabou!! Analistas políticos italianos comentaram que esses resultados tornam as eleições antecipadas mais prováveis, possivelmente o próximo ano. Ricardo, você pensa que S.B. perde a pose? Após perder em forma fragorosa, ainda diz: “marcaram um gol, mas a partida não terminou.” Abraços/Kitty

Mercy em 31 de maio de 2011

Isso que dá ficar fazendo "Buga Buga" por aí...kkkkkk

Jesus em 30 de maio de 2011

Meu Deus! Cada província com Legislativo, Executivo e Judiciário? Haja dinheiro! Na Escandinávia eu até acreditaria no bom funcionamento disso. Mas na Itália, o Brasil da Europa, com aqueles políticos... Não, as províncias têm governos simples, sem essa parafernpália toda.

Jesus em 30 de maio de 2011

109 províncias? Sim, caro Jesus. Não confundir com as "reggione". A Região Toscana, por exemplo -- terra de meus antepassados --, tem 10 províncias, como Arezzo, Livorno, Florença, Lucca etc. A Região da Sicília tem 9 províncias. E assim por diante. São 109 no total. Os países europeus são muito retalhados. A Espanha, que cabe mais de 20 vezes no Brasil, tem 17 Comunidades Autônomas, duas cidades autônomas no território do Marrocos, 50 províncias e mais de 8 mil cidades. O Brasil tem 5.564 cidades. Se não me falha a memória, a pequena Catalunha, onde me encontro, tem 800 cidades... Abraços

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI