A Israel custou suor, lágrimas e sangue — muitas lágrimas e muito sangue — a soltura dessa primeira leva de 477 prisioneiros palestinos em troca da libertação do soldado Gilad Shalit, sequestrado pelos terroristas do Hamas em junho de 2006 e deste então mantido em cativeiro. Não é por acaso que o primeiro-ministro Benyamin Netahyahu, sempre tão arrogante e autossuficiente, tenha se derramado em demoradas explicações sobre o acordo feito, por meio da intermediação do Egito, com o Hamas.

Image
Amina, a que fez o garoto israelense se apaixonar pela internet para ser morto a tiros, quando era levada ao tribunal que a condenou à prisão perpétua (Foto: “An Nahar”)

Para exemplificar o que escrevi acima, vou deixar de lado a enumeração dos assassinos frios, dos terroristas impenitentes e de tantos outros ciminosos que deixaram o duro cárcere israelense em troca do pálido, frágil Shalit, que parece tudo — estudante de filosofia, professor de matemática –, menos soldado, para fixar o foco em duas histórias:

História número um: armadilha mortal do amor

Janeiro de 2001. Ophir Rachum, um garoto tímido de 16 anos de idade de Ashkelon, cidade litorânea 50 quilômetros ao sul de Tel Aviv, desses viciados em internet e que quase não saem de casa, encontra uma parceira num chat. É uma judia recém-emigrada do Marrocos. Trocam mensagens cada vez mais quentes, até que combinam um encontro em Jerusalém. A garota ainda lembra: que ele não se esqueça de trazer camisinhas.

Encontraram-se na principal estação de ônibus de Jerusalém. Pegaram um táxi em direção a Ramallah, a capital da Autoridade Palestina. Perto da cidade, a garota disse que uma amiga os esperava em seu carro. Ophir, feliz da vida, dirigiu-se ao veículo – e lá estavam dois terroristas da milícia Tanzim, que o mataram a tiros.

A “garota marroquina” era na verdade a jornalista palestina Amina Joudah Manssi, de 21 anos, ou Amina Mouna, Amina Mona, Amina Muna, Amana Gouad ou mais meia dúzia de diferentes pseudônimos de que lançava mão na clandestinidade.

Três dias depois, foi presa. Levada a um tribunal, foi condenada à prisão perpétua.

“Estou orgulhosa do que fiz”, dizia, sorrindo, diante do tribunal.

A última mensagem de Ophir encontrada em seu computador dizia:

— Eu te amo.

O pai de Ophir, Shalom, não se conforma até hoje:

— Massacracam meu menino! Foram 28 tiros à queima-roupa! Ela é uma assassina asquerosa. Quando esses animais estiverem de volta às ruas, o terrorismo vai voltar.

Image
Ahlam: rosto angelical, 15 mortos, 140 feridos e nenhum arrependimento. Agora, da prisão perpétua para a liberdade

História número dois: a criminosa de rosto angelical

Agosto de 2001. Ahlam Tamimi, uma jovem palestina de 20 anos, sorriso claro e rosto angelical, estava assistindo a uma palestra em Jerusalém quando recebeu um telefonema. Era de um “chefe de comando” do Hamas que a conhecia e sabia de seu ódio a Israel. Convidou-a para um encontro, porque iria encarregá-la de uma “missão”.

Ahlam deixou a palestra pela metade e foi avistar-se com o homem, que estava acompanhado de um estudante de Jenin, na Cisjordânia – região sob controle da Autoridade Palestina . Chamava-se Izz al-Masri, era filho de um próspero dono de restaurante mas se candidatara a ser “mártir da revolução” e a “encontrar-se com Alá”.

A jovem prontificou-se a cumprir sua parte na “missão”: vestir-se com roupas características de uma israelense, esconder com ela 10 quilos de dinamite e levar al-Masri a um determinado ponto da cidade.

Pouco depois, a “missão” chegava a seu término: numa pizzaria do centro de Jerusalém, repleta de clientes, al-Masri explodiu o próprio corpo, matando 15 pessoas e ferindo 140. Entre os mortos, uma senhora brasileira: Giora Balash, 60 anos, de São Paulo.

Logo detida, julgada e condenada à prisão perpétua, Ahlam repetiu o refrão dos fanáticos palestinos: “Por que tenho que me arrepender? Não fiz nada errado. Não me arrependo”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =

Nenhum comentário

Jalmo. em 27 de outubro de 2011

Infelizmente , tamanha bestialidade se encontra dos dois lados , quem tem razão ...?? Fica duvida . Acredito que nenhum dos lados , são irmãos matando irmãos . Agora convenhamos o primeiro caso , é de dar calafrios , usar o amor para executar uma vingança , é trrivel . Fria e sanguinária independente dos motivos , simplesmente lamentável.

Pedro Luiz Moreira Lima em 26 de outubro de 2011

Mario Alone : Direito Religioso e Direito Histórico - não são e nunca serão argumentos para a não criação de um Estado Palestino - Deus por Deus - é um debate que só tem dado MORTE - tirar Deus do negócio e usar o bom senso - foi ou acho que é a principal razão da criação do homem na Terra.

Mario Arone em 26 de outubro de 2011

Alguns bons motivos para refletir, há muita gente escrevendo que Israel ocupa um país que nunca existiu. Desculpe o tamanho do texto Ricardo, mas acho necessário. 1- Israel com sua capital Jerusalém, tornou-se um país soberano 2000 anos antes do surgimento do Islam. Jamais houve um govêrno árabe em Israel. O nome "Palestina" foi criado pelos romanos para indicar que aquela era a terra dos filisteus e descaracterizá-la como estado Hebreu por volta do ano 70 da E.C. 2- Os refugiados árabes em Israel começaram a identificar-se como parte de um povo palestino em 1921, 30 anos depois que chegaram a Israel cerca de 85.000 judeus. Muitos foram trazidos da Península Arábica por Lawrence, um oficial inglês, para servirem de instrumento político e economico nas mãos da Inglaterra. Os países árabes poderiam ter dado aos árabes de Israel, que se auto-denominaram palestinos quinhões bastante razoaveis de terra, bem mais vantajosos do que em Israel, caso o problema fosse realmente onde morar e do que trabalhar. Nenhum povo aceitaria viver na miséria somente para o mal de outro. 3- Desde a conquista do território por parte dos judeus há 3272 anos atrás, os judeus vem possuindo o domínio sobre a terra com uma presença continuada durante os 3300 últimos anos. 4- A presença árabe data desde a conquista no ano 640 da era comum, conquista que se manteve até o ano de 1072. No entanto, sem jamais formar um govêrno soberano. 5- Por mais de 3000 anos Jerusalém tem sido a capital judia. Jerusalém nunca foi a capital de nenhuma entidade árabe ou muçulmana. Mesmo quando Jerusalém foi ocupada pela Jordânia, nunca trataram de fazer ali sua capital e, os líderes árabes nunca a visitaram. 6- Jerusalém é mencionada mais de 850 vezes na Torá (Bíblia Hebraica). No Corão, Jerusalém não é mencionada nenhuma vez. nota de J.B. - nas bençãos que fazem sobre os alimentos, em nas três orações diárias e nos casamentos judaicos, menciona-se e ora por Jerusalém. 7- O Rei David fundou a cidade de Jerusalém. Maomé nunca foi a Jerusalém e somente uma lenda diz que foi ali que subiu ao céu. O Patriarca Jacob esteve no Monte do Templo e foi lá que teve seu famoso sonho. 8- Os judeus rezam olhando para Jerusalém. Os muçulmanos rezam de costas a ela e olhando para Meca. 9- Em 1948 os refugiados árabes foram animados pelos líderes de seu povo para saírem de Israel, com a promessa de liberar a terra dos judeus. 68% deles se foram sem haverem visto jamais um soldado Israelense. A ONU proclamou um estado palestino ao lado de um estado judeu em 1948, entretando os países arabes se engajaram numa guerra de extermínio do povo judeu, que recém passava pelo holocausto. 10- Os judeus do mundo árabe, em sua maior parte, foram forçados a fugir de terras árabes devido a brutalidade, perseguição e progroms dos mesmos árabes. 11- O número de refugiados árabes que deixaram Israel em 1948 se estima em 630.000. O número de refugiados judeus que sairam de terras árabes se estima em meio milhão. 12- Os refugiados árabes não foram absorvidos ou integrados INTENCIONALMENTE nas terras dos países árabes dos quais fugiram apesar de seu vasto território. Dentre 100 milhões de refugiados que tiveram desde a segunda guerra mundial, o grupo de refugiados árabes é o único que nunca absorveu integralmente sua própria gente. Os refugiados judeus que chegaram a Israel foram completamente absorvidos em um território não maior que o Estado de New Jersey nos EUA. 13- Os árabes estão representados por 21 estados, não incluindo os palestinos. Existe um só estado judeu. As nações árabes iniciaram as 5 guerras e perderam. Israel se defendeu cada vez e venceu. 14- A Carta da OLP fala na destruição do Estado de Israel. 15- Sob o governo da Jordânia os lugares sagrados judeus foram maculados e lhes foi negado o acesso aos lugares de oração.Sob o governo Israelita todos os lugares santos muçulmanos, cristãos e judeus tem sido preservados e estado acessíveis a gente de todos os credos. 16- Das 175 resoluções do Conselho de Segurança das Nações Unidas aprovadas antes de 1990, 97 foram contra Israel. Ou seja, quase 70%! 17- Das 690 resoluções da Assembléia Geral, votadas antes de 1990, 429 foram dirigidas contra Israel. Ou seja, quase 60%! 18- As Nações Unidas se mantiveram em silêncio, enquanto 35 sinagogas em Jerusalém foram destruídas pela Jordânia. 19- As Nações Unidas se mantiveram em silêncio enquanto a Jordânia sistematicamente profanava o antigo cemitério judeu no Monte das Oliveiras. 20- As Nações Unidas se mantiveram em silêncio enquanto a Jordânia impôs uma política do tipo "apartheid" para impedir a visita de dos judeus ao Templo do Monte e ao Muro Ocidental. 21- Estes são tempos inacreditáveis. Devemos perguntar-nos qual deve ser nossa herança?.Que diremos a nossos filhos e netos, sobre o que fez nossa geração quando houve um ponto de inflexão novamente no destino dos judeus, havendo tido oportunidade para mudar isto? Queremos paz, mas primeiro o direito à vida.

Mario Arone em 26 de outubro de 2011

Israel fez uma escolha sim, muito dolorosa. O pensamento judaico é pela vida, o inverso do pensamento árabe-palestino, quanto à estas que sorriem, e dizem nada ter feito, a hora delas chegará em breve, mas muito breve. Não há santos do lado israelense, eu reconheço, mas temos o nosso direito à vida, não reconhecido por esse lixo humano que nos cerca, e as condições de todos acabam por se tornar insuportáveis. A pergunta é: Israel deseja a paz? Sim, desde que ela venha acompanhada do direito de existirmos como nação em ambiente seguro. Os Árabes desejam a paz? Sim, desde que todos os judeus sejam expulsos, da Samaria e da Judeia, ou mortos como prega os persas, essa é a única paz aceita por eles, então vivamos assim sem segurança, com terroristas, e incursões com mortes muitas vezes de inocentes, e outras, não tão inocentes.

Alexandre A. C. Resende em 25 de outubro de 2011

Assim como esses exemplos, podem ser achados exemplos de palestinos brutalizados por israelenses. Bosnios x Croatas, Turcos x Alabaneses e por aí vai. No fim só quer dizer que há uma região de conflito onde o ódio impera, de lado a lado.

Corinthians em 25 de outubro de 2011

Realmente estes terroristas vão causar mais mortes. E só vão aprofundar o problema deles mesmos. Estão mais preocupados em culpar os israelenses (ou sionistas) do que realmente enxergar que eles próprios causam a maior parte de seu sofrimento. Por isso são usados tão facilmente como massa de manobra, bucha de canhão... A Veja desta semana traz um resumo interessante do assunto - a parte mais interessante é quando mostra que o Hamas, que controla a Faixa de Gaza, inundada com doações mensais de governos estrangeiros, vai dar uma boa grana pra cada um destes "heróis" (eu chamo de assassinos mesmo) e permitirá os que quiserem a morar no hotel mais luxuoso (que tem vista para o Mar Mediterrâneo). Afinal os terroristas tem que manter o estado de pobreza da população e manter mitos, senão fracassa. É mais fácil mandar os tontos ignorantes se matar na esperança de "virgens" no céu do que realmente organizar alguma coisa... até por que a última coisa organizada foi em 67 e deu no que deu... Os assassinos também foram entregues bem alimentados, enquanto que o único soldado israelense voltou bem magro e sem os óculos. E muito difícil, mas acho que Israel não devia ter negociado. Também acho que as "comparações" de Israel com o Nazismo, além de ridículas, são levianas e uma grave ofensa - e isso por que nem sou judeu nem descendente...

Jane Araújo em 25 de outubro de 2011

Todos os tolos que se imolam, matam inocentes e morrem por uma causa político-religiosa não deveriam nem ter nascido. Êta povo besta! Os podres donos do poder devem morrer de rir a cada atentado dessas criaturas de inteligência curta.

Alberto Porém Júnior em 25 de outubro de 2011

Vamos a um segundo estágio, como você veria os movimentos partisans de resistência na Europa da 2ª Guerra, já que os métodos utilizados para fustigar o inimigo nazi eram os mesmos? Cabe lembrar que para os nazis, os partisans eram terroristas e por não estarem submetidos as leis de guerra eram executados sumariamente.

Pedro Luiz Moreira Lima em 24 de outubro de 2011

tico-tico: Amigos meus indignados com atitudes de terrorismo de estado cometidos pelo ultimos governos de direita de Israel,digo governos e não o Estado de Israel e seu Povo.Substituem a Estrela de David pela suástica,discordo dessa comparação veementemente. Na Segunda Guerra Mundial - soldados SS alemães foram vítimas de um atentado a bomba pela Reistencia Italiana - morreram por volta de 33 SSs.Foi dada a ordem ao Exercito de ocupação da Alemanha de " cada soldado morto alemão,10 civis teriam de serem mortos" e assim foi feito.Um crime contra a humanidade. Voce não foi o unico aqui ao afirmar "um de Israel valem mil do outro lado" - nenhuma vida vale mais que uma outra - não vamos voltar aos tempos da barbarie - uma vida de Israel é gerado pelo amor e leva 9 meses para nascer,uma vida palestina é gerada pelo amor e leva 9 semanas para nascer,o mesmo de uma vida africana,brasileira,americana,argentina,canadense ....o AMOR é a característica da VIDA e quando voce e infelizmente não esta solitário diz "uma vida de Israel vale mais de mil do outro lado" estão negando o AMOR e glorificando a MORTE - pensem na barbaridade que estão escrevendo.

tico tico em 23 de outubro de 2011

Os palestinos dariam mil prisioneiros israelenses por um dos seus? Israel beneficiou-se, um dos seus vale mais que mil

Betty Martins em 23 de outubro de 2011

Por favor, cuidado com o que e' reportado. Os Palestinos vivem em meio a uma repressao moral, politica e geografica muito grande. Nao gostei dessa reportagem: pela forma (representacao da foto) em que a mulher chamada de terrorista e' retratada. Por favor, a questao la e' bem mais complexa. Claro que é muito complexa, prezada Betty. Sei disso muito bem, porque lido com temas do Oriente Médio há muitísimos anos -- e, a propósito, já visitei campos de refugiados palestinos em vários países árabes e conversei e entrevistei vários dirigentes. Abração

Pedro Luiz Moreira Lima em 21 de outubro de 2011

Amigo Michel: Não entendi bem sua observação - não sei se foi critica a Israel ou ao lado palestino. Desculpa a minha duvida. Pedro Luiz

michel em 21 de outubro de 2011

acho que quem nao mora aqui em israel e nao tem ideia do que e morar aqui nao tem o direito de abrir a boca pra falar nada.convido a todos a virem visitar tanto o lado israelense tanto o lado "palestino" e depois digam qual foi a sensacao.

Pedro Luiz Moreira Lima em 21 de outubro de 2011

Grande Carlos Soares: De total acordo com voce,daí - Terroristas são sempre os outros. Grande abraço

Carlos Soares em 21 de outubro de 2011

Amigo, Pedro Luiz Moreira Lima, será que o MESMO TERRORISMO PROMOVIDO PELOS JUDEUS CONTRA OS PALESTINOS COM TODO RESPALDO DOS EUA,É DIFERENTE DA LUTA DE LIBERTAÇÃO DOS PALESTINOS DE 63 ANOS DE TIRANIA DE OPRESSÃO E REPRESSÃO,SÓ OS PALESTINOS QUE SÃO BANDIDOS.

Pedro Luiz Moreira Lima em 20 de outubro de 2011

Amigo Carlos Soares: Terroristas são sempre os outros. Abraços,

Saulo em 20 de outubro de 2011

Ahlam tem o rosto angelical das lendárias sereias que atraiam os marujos para o fundo do mar. Esse é o rosto das ideologias que se dizem salvadoras da humanidade. Ahlam e Fidel, Che, Stalin compartilham desse mesmo ar angelical, são os Justos de deus que vieram salvar a humanidade explodindo literalmente todos aqueles que são contra as suas santidades. Lamantável e horrorizante ao mesmo tempo. O olhar de Ahlam chega a dar calafrios.

Carlos Soares em 20 de outubro de 2011

Engraçado tem TOLO, que chama PALESTINOS DE TERRORISTA, mas ISRAEL, obteve sua INDEPENDÊNCIA em CIMA DE PURO TERRORISMO, será que os de FRACAS MEMÓRIA, ou sem CONHECIMENTO de CAUSA, não sabem que STERN, HAGANAH, IRGUN e outras, foram verdadeiras Celúlas TERRORISTAS, acusadas de milhares de ASSASSINATOS, de velhos, mulheres e crianças PALESTINAS.

Carlos Soares em 20 de outubro de 2011

Agora que a Primavera Arabé, está passando o RÔDO nos DITADORES, está na HORA de ISRAEL, sair de FININHO da PALESTINA OCUPADA de 63 anos de OPRESSÃO e REPRESSÃO, VIVA O POVO PALESTINO, VIVA O ESTADO DA PALESTINA.

diana pietros em 20 de outubro de 2011

ECONTRAR-SE COM ALÁ. ESSES CACHORROS VÃO SE ENCONTRAR COM O CAPETA NO INFERNO DE CABEÇA PARA BAIXO. BANDO DE FANÁTICOS.

João Lavador. em 19 de outubro de 2011

No meu entendimento:1-O islã foi inspirado pelo recalque de um mercador que não se conformava com a especialidade do povo israelita.2-os inquisidores cartólicos e puritanistas anglo-americanos tambem haverão de responder por suas barbaridades. por que não! Agora querer justificar o terror islamita por causa do que "aprontaram' católicos e evangélicos de antigamente, da liçença!É muito simplista!Pra vosso governo, antes da chegada dos espanhóis,tanto incas como maias como astecas sacrificavam crianças , jovens e adultos só para agradecerem pela boa colheita.Então! Qual o certo a fazer continuar ou sair desse círculo louco de justificações injustas!

Gerson Barbosa em 19 de outubro de 2011

Israel pode estar simplesmente dizendo aos extremistas: "Um único dos nossos vale mais de mil dos de vocês". Pena que o soldado parece ter adquirido a Síndrome de Estocolmo. Espero que passe logo.

patricia m. em 19 de outubro de 2011

Jeremias no deserto: leia o Jihad Watch. Todos os dias noticias escabrosas envolvendo os fieis da "religiao da paz"...

patricia m. em 19 de outubro de 2011

Humanista: os ateus russos mataram mais de 20 milhoes, os ateus chineses outros tantos... Sao grandessissimos humanistas, os ateus. Certo.

O Humanista em 19 de outubro de 2011

O Think tank está corretíssimo, veja só um exemplo: A malvada inquisição espanhola mandou para a fogueira 30 mil em 400 anos , já os humanistas iluminados da revolução francesa mandou 40 mil pra guilhotina em pouco mais de um ano. Humanistas do mundo, uni-vos!

Jeremias-no-deserto em 19 de outubro de 2011

O bloá-blá -blá de alguns por aqui sugere que todas as religiões são a mesma coisa e todas têm cometido assassinatos históricos. Mas nada se iguala ao terror que o fundamentalismo islâmico tem imposto aos infieis, não sómente aos judeus, seus maiores inimigos.Auto imolar-se na tradição muçulmana é um ato de redenção e de perenidade, além do lucro, para os homens, de serem presenteados com sete virgens por Alá!Faz parte desse fanatismo matar inocentes com prazer como se estivessem cometendo um ato sagrado; os judeus são suas víti,as prediletas, mas poderiam ser qualquer outra comunidade não islâmica que estivesse incrustrada na região, cristãos, budistas,etc.Faz parte de sua doutrinação a violência contra si e contra o próximo. E é preocupante que essa religião esteja crescendo tão assustadoramente no mundo.

Think tank em 19 de outubro de 2011

Olá Patrícia, confesso que nunca vi um cristão se explodindo, pois a doutrinação é outra, leia Deuteronômio, Levítico, a doutrinação manda explodir os outros, não para se explodir junto aos outros. Explique ao chefe dos Incas a razão de após ser obrigado a aceitar o Cristo no fio da espada a razão de ainda ter sido jogado na fogueira, ou veja as ruínas em Guatemala o que estes missionários de deus andaram fazendo com os registros Maias, ou se quer fatos atuais vá até Filipinas ou Timor e veja ilha de desigualdade, ignorância, atraso, mesmo numa região que hoje mais avança. O fato é que se no passado a igreja cometia todo tipo de atrocidades impunemente, hoje já sofre derrotas bilionárias nos tribunais pelos estupros sexuais praticados, o mundo muda e a abrangência dos tribunais também, quem tem conteúdo como estes grafados tanto no Velho como no Novo Testamento ficaria extremamente preocupado com futuros processos, processos por praticas de estupros mentais, cedo ou tarde chegará apesar dos lobbyist das igrejas. Patrícia você parece ser mais uma vitima desta doutrinação, eu não tenho teoria ateísta nem enunciado, e muito menos revelações, pouco importa se você aceita ou não aceita, ou se acha a minha exposição furadíssima, a minha percepção vem dum ponto bem distante e mais ampla que a de quem está dentro desta briga de foice no escuro, coincidentemente entre os órfãos do Abraão. Antes de rotular muçulmanos de qualquer coisa veja de onde vieram os números com sistema decimal que você utiliza hoje. Com certeza um ET diria: As near as I can tell, they’re killing each other to prove which Abrahamic religions are the most peaceful!

Ismael em 19 de outubro de 2011

Quantos judeus moram na faixa de gaza? nenhum. Quantos árabes moram em Israel? muitos. O impedimento para a criação de um Estado Palestino na Cisjordânea é justamente a intolerância que se seguirá à independência. Agora, a religião não é a causadora do radicalsimo, posto que na história do islamismo houve mais tolerância que intolerância. Credito esse fanatismo a uma deturpação ideológica com nítido viés esquerdista e anti capitalista, que enxerga na criação de Israel, sobre o escombro do império turco, um ato "de fora", como se Israel não tivesse sempre sido habitado pelos judeus, tanto quanto por árabes também.

Kaos em 19 de outubro de 2011

patricia m.-19/10/2011 às 0:32 escreveu ..."tamanha a ignorancia, o atraso, a pobreza intelectual dessa gente." Patricia, esta sua frase se aplica a QUALQUER povo que não entende que estamos no século XXI e que já está mais do que provado que não existem deuses, almas, espirito, e todas as outras invencionices religiosas que sustentam as igrejas. É só estudar sobre evolução das espécies, genética, neurociências, mas NÃO é qualquer pessoa que tem capacidade intelectual para tais aprendizados!!!

Medeyer em 19 de outubro de 2011

é verdade tudo q vc disse, amigo Setti. Mas não se esqueça de um pekeno detalhe: a imunidade física da qual gozavam Ismayil Haniya, Muhammad A-Za'har, Muhammad Jabri e Mancha, entre outros, está revogada desde o momento em que Gilad estava em mãos israelenses. Está reaberta a Temporada de Caça!

Julian Matos em 19 de outubro de 2011

Caro Ricardo: Esta troca nos levar a analisar nossos limites éticos. É possível fazer uma conta matemática? Vale mais uma vida em troca de 10, 100 ou mil vidas? É bastante difícil entender a decisão do governo israelense. Certamente isso terá conseqüências para a segurança de Israel, fortalecer o Hamas não é exatamente uma medida de autodefesa. Mas se trata de uma questão de princípios, não se deve abandonar nenhum soldado no campo de batalha. Todo jovem israelense, homem e mulher, deve servir ao exercito por três anos e depois deve atender a treinamentos periódicos. Neste contexto, Shalit poderia ser o filho de qualquer um em Israel. Ainda assim, acho que a perspectiva de paz fica mais distante. Um abraço, Julian

Rodrigo em 19 de outubro de 2011

Pedro Luiz, Não vou nem comentar a equivalência moral bizonha e o fato de você equiparar assassinatos premeditados de civis (adorados pelos palestinos e seus 'brimos') com erros em guerra (como o dos americanos no Iraque que você cita). Já mostra sua real intenção. Só te digo que estás por fora dos protestos organizados em Israel. São todos movimentos de extrema-esquerda financiados com dinheiro de movimentos esquerdistas internacionais como a fundação Ford. São minúsculos e não representam em nada a população, que os repudia - foi só o movimento das 'tendas' defender um boicote contra produtos feitos em áreas em disputa que eles bateram récordes de venda... Israel é um dos países que mais cresce atualmente e tem uma economia sólida. Comentar a situação econômica de um país é mais que olhar protestos organizados por militantes movidos por interesses políticos...

Pedro Luiz Moreira Lima em 19 de outubro de 2011

Reynaldo BH. Náo e o POVO,náo e a religiao - a luta IMPERIALISTA por mais TERRA,MAIS RIQUEZA,MAIS PODER. O direito de reacáo - e reconhecido por todos os compendios juricos e religiosos - e a cada acáo de odio,vem uma reacáo de odio. Qual seria sua reacáo em ver o Brasil invadido? eu sei vc REAGIRIA!qual seria sua reacáo se a invasáo destrusisse tudo aquilo que ama? - uma REACÁO táo violenta quanto os que destruiram. O erro e náo enxergar - nos temos o dom da fala e de nos fazer entender - nenhuma vida vale mais que uma vida do outro. A visáo de quem recebe uma bomba - sera de dor,sofrimento e odio - TERRORISTAS sáo sempre os OUTROS e NUNCA NOS. No dia que JUDEUS e PALESTINOS sentarem para negociarem e sem condicóes previas,náo precisam se amarem apenas negociar que futuras geracóes possam se amar - se achar que isso nunca ocorrera pq os Palestinos náo permitiráo - dara razáo aos outros acharem que isto náo ocorrera pq os Judeus nunca permitiráo. PAZ AGORA!

patricia m. em 19 de outubro de 2011

Think Tank: voce ja viu algum cristao se explodindo (e aos outros) por ai? Essa sua teoria de ateista de que a religiao eh a responsavel por tudo eh simplesmente furadissima. Os unicos terroristas sao muculmanos. E eu nao aceito o argumento das perseguicoes da Igreja na Idade Media, estamos falando de tempos atuais, a nao ser que voce considere que os muculmanos ficaram estagnados no seculo 9 - o que eh bem provavel, tamanha a ignorancia, o atraso, a pobreza intelectual dessa gente.

Pedro Luiz Moreira Lima em 19 de outubro de 2011

Rodrigo: Lamento me achar desumano - realmente não vejo diferença entre POVOS - o sangue é vermelho,respiram o mesmo ar que todos respiram,amam suas familias como todos amam - não vejo diferença da dor da perda de uma mãe judia,brasileira,americana,palestina,turca,alemã,arabe,argentina,boliviana,etíope,africana,zambiana, cigana,holandesa,mexicana... A necessidade de um recem nascido do leite materno - seja judeu,brasileiro,palestina,americana,africana... Náo vejo a diferen;a na felicidade de um judeu,de um brasileiro,de um palestino,de um africano, de um holandes... Se precisar de sangue pode ser de um judeu,brasileiro,palestino,africano,holandes..., em nenhum deles me sentirei contaminado apenas agradecido pelo sangue recebido. Náo li o Caio Blinder - se ele consegue ver a diferenca náo e unanime - conheco outros judeus que estáo comigo - PAZ AGORA!

patricia m. em 19 de outubro de 2011

Ja que os terroristas liberados agora nao sao mais presos (ou seja, tinham direitos e agora nao tem mais), espero sinceramente que o Mossad os elimine, um a um. Avante Mossad! Viva Israel! A UJNICA democracia do Oriente Medio merece TODO O MEU APOIO. Quem confunde terrorismo com exercito merece TODO O MEU DESPREZO.

Think tank em 18 de outubro de 2011

Ao invés de ficar focando os comentários apenas nas conseqüências, qual a razão de não escancarar a fonte geradora destas carnificinas provocada pela doutrinação teológica que é estupro mental? Todos sabem que tanto judaísmo, como cristianismo, como islamismo, são todos filhotes do mitológico Abraão, ou seja crenças cujo o conteúdo é extremamente violento, seria de se estranhar se o resultado fosse o contrário, paz e harmonia entre eles. Portanto tudo que assistimos não passa de carnificina entre irmãos, ou seria primos? No link poderá ver o que passa na TV Israelense sobre Jesus ou Maria. http://www.youtube.com/watch?=JA6vRC1xW_c&feature=related http://www.youtube.com/watch?=qtVpHUjwQSA&feature=related

Reynaldo-BH em 18 de outubro de 2011

Pedro, concordo contigo. Nesta guerra não hpa "mocinhos e bandidos". Mas ainda prefiro, mesmo com um anti-militarismo de que ainda não me curei, um soldado a 1.000 presos por terroristas. Você mesmo se mostrou entristecido com as duas guerrilheiras que riem do que fizeram. Era isso o que queria dizer. Um dos lados - e pode se dar a classificação que se queira! - não propõe a exterminação do outro, como condição inicial de negociação. E isso não é razoável. E as moças que estão livres após matarem um jovem de 16 anos que se acreditava apaixonado? E que ri do resultado? Que não seja p mesmo riso de quem hoje, comemorou a volta de 1027 terroristas. E concordo: não tem solução! Quando o ódio separa definitivamente as pessoas entre "nós e eles" o resultado é este! Seja na Palestina, Balcãs ou Ruanda. Não é derivação intelectual. É só leitura histórica. Grande abraço!

wilson em 18 de outubro de 2011

È obvio que estes libertos voltarão a atacar, e o problema continua, alguém falou a um tempo quanto de $$$$$ já foi dado aos palestinos? e só usaram para armas, pois caso utilização for para escola, hospital e urbanizar, os clérigos iriam cantar em outra antifada, não é objetivo deles a civilização e prosperidade.

Rodrigo em 18 de outubro de 2011

Pra quem diz que não vê diferença entre os palestinos soltos e o soldado israelense libertado ou entre a comemoração dos israelenses por ele e dos palestinos por seus monstros, recomendo o (curto e direto) texto do Caio Blinder aqui na Veja. Se mesmo assim você não consegue ver "diferença entre os riso judeu e o riso palestino" então teu problema não é só equivalência moral, é falta de qualquer noção de humanidade.

Rodrigo em 18 de outubro de 2011

As histórias são realmente tristes, mas o que sempre me chama a atenção é que os nomes de alguns terroristas 'palestinos' dizem mais sobre os seus reais motivos do que qualquer texto. Quem lê o que você escreveu pode até achar que esses atos foram motivados por nacionalismo, anti-colonialismo ou qualquer um desses "ismos" tolos que movem os remelentos das nossas faculdades, mas o nome do animal mostra seus reais motivos pra matar civis: 'Izz al-Masri' - Em árabe, o sobrenome "al-masri" é traduzido como "o egípcio". Por que alguém que sabe que é tão nativo da Palestina/Israel quanto um russo ou um etíope daria a vida pra matar gente inocente? Que "ocupação" é tão repugnante e inaceitável que faria um não-nativo pensar em tirar a própria vida só pra matar alguns outros? A única coisa que explica é a religião do terrorista e o fato das vítimas serem judias (ou não-muçulmanas).

Pedro Luiz Moreira Lima em 18 de outubro de 2011

Amigos: Israel esta sendo governado por dois partidos um de extrema direita e outro de extrema extrema direita, o povo de Israel nas ruas protestanto pelo alto custo de vida e queda de padrão,os EUA os dois partidos Democratas e Republicano de costas para o povo americano,dominados pelo Mercado Finaceiro,na Europa todos os paises envolvidos sob o julgo do Mercado Financeiro e com a velha cínica máxima - "Não existe almoço de graça!"lógico a BANCA, recebe o café da manhã,almoço,lanche e jantar tudo de GRAÇA, tem os POVOS para pagar as suas contas de falcatruas,roubos e crimes. O culpado de tudo são os Palestinos - escolheram o Hamas como representante. Quando do terrivel ataque as Duas Torres e a declaração de guerra ao Iraque ,ARMAS de DE$TRUIÇÃO EM MASSA(ainda cinicamente afirmam isso). Mostraram os POVOS ARABES festejando o atentado.INCIVILIZADOS!BÁRBAROS! Nos bombadeios a Bagdá por foguetes e aviões - um bunker para defesa da populçaõ civil atingido diretamente por um poderoso foguete dos EUA,resultado?quase 400 mortos e todos civis,mulheres e crianças apenas 3 sobreviveram - nos EUA ao saber do ataque a população americana COMEMOROU!CIVILIZADOS?aos gritos USA!USA!USA!não era pelo esporte o pior: saudando a MORTE! Não é possível que não vejam isso - É uma Marcha para Insensatez e voces caminham nessa Marcha. Não adianta - terão sempre um argumento qualquer e sempre em exaltação ao ódio,mesmo que eu diga PAZ AGORA.

Cristiano Flyer em 18 de outubro de 2011

TODO REVOLUCIONÁRIO É UM SATANISTA . PARA UMA REVOLUÇÃO, PRECISA-SE DE ASSASSINO. . QUEM TEM DEUS NO CORAÇÃO NEM ENTRA NUMA REVOLUÇÃO NEM É ADMITIDO PELOS ASSASSINOS, PORQUE É GENTE DO """""BEM"""".

Fernanda em 18 de outubro de 2011

O engracado eh que a Amina Mona hoje de manha se recusou a entrar em Gaza quando saiu da prisao. Ela sabia que nao ia sobrar nada dela ali, pois em quanto estava na prisao tratou mal prisioneiras do Hammas, que reclamaram a organizacao. Fora isso em gaza ela nao poderia usar calca jeans e andar sem veu como estava acostumada na cisjordania. No final das contas implorou pros egipcios a aceitarem, o que funcionou.

Otaviano Brir em 18 de outubro de 2011

De difícil compreensão essa troca, a princípio desproporcional. Tocante o valor a uma única vida, por parte de Israel. Lamentável, asquerosa, as declarações dos assassinos palestinos. Longe de querer julgar um dos lados, mas é insuportável (para não dizer covarde!) essa tendência pro-palestina das ditas esquerdas, da maioria dos profissionais da comunicação. Matar palestinos é sempre crime; defender-se desses criminosos também é. Vai entender...

MARCELO TUCHMAN em 18 de outubro de 2011

ISRAEL É O ESTADO MAIS SEGURO DO MUNDO. NÃO FARIA ESSA TROCA SEM ESTUDAR TODOS OS SEUS EFEITOS. ACORDO QUE JÁ DEVERIA TER SIDO FEITO HÁ CINCO ANOS. ELE FOI O ÚNICO SOLDADO SEQUESTRADO EM DÉCADAS, O EXÉRCITO NÃO ABANDONA SEUS HOMENS. SE FOSSE MEU FILHO, ACEITARIA TROCAR POR MIL PRISIONEIROS.

Raquel em 18 de outubro de 2011

Rone - há um engano no teu comentário. Israel não está em busca de mais terras. Só quer preservar as suas. Há vários países muçulmanos espalhados pelo mundo, mas só um Estado judeu, bem pequeno e com poucos recursos naturais (água, por exemplo). Outro engano: o Hamas não esconde de ninguém que o seu principal objetivo é "varrer Israel do mapa", portanto tome bastante cuidado ao usar a palavra "terrorista" para se referir a um Estado que só visa proteger seu povo dos que querem sua destruição.

Pedro Luiz Moreira Lima em 18 de outubro de 2011

Reynaldo BH: Voce é uma pessoa centrada - é um confronto de anos,de terras e não sendo solucionados. Não coloque o debate como uma luta entre de Mocinhos e Bandidos, de Civilizados e Incivilizados.São dois povos em confronto por terras - o ódio é gerador de atos abominaveis e dos dois lados,não é unilateral. A luta pela obtenção de TERRAS é tão violenta por aqueles que defendem suas TERRAS e o pior quando entra MOTIVOS RELIGIOSOS. Amigo ReynaldoBH,sim sou e sempre serei RADICAL na busca da JUSTIÇA - sua visão política antigoverno -está restringindo ao antigo HUMANISTA Reynaldo BH. "Pedro,não empunha a ESPADA - quem a usar MORRERÀ por ela" Os dois povos estão empunhando a ESPADA e morrendo por ela. A alegria de Israel em receber seu filho é a mesma dos Palestinos em receber os seus.Não vi a diferença do riso judeu para o riso palestino - e isso me fez RIR. PAZ AGORA!

J.r. Pereira em 18 de outubro de 2011

Tomar partido por qualquer um dos lados nessa contenda, é a certeza de estar errado. Nenhum dos dois está certo, nenhum dos dois é justo e nenhum dos dois tem Deus ao seu lado. Pobre daquele que for pego no meio dessa guerra sem fim. Certamente será arrastado para essa sórdida destruição descabida.

toninho em 18 de outubro de 2011

Como é possivel aceitar historias como essas, esses que agora são libertados, farão tudo de novo, agora de maneira profissional, que Deus tenha piedade dos inocentes que serão vítima do terror.

sergio collinett em 18 de outubro de 2011

Seu comentário grosseiro e asqueroso não será publicado por falta de um mínimo de educação de sua parte.

sergio collinett em 18 de outubro de 2011

Seu comentário, agressivo e asqueroso, foi deletado por violar não apenas as normas do blog, mas as mais elementares normas de civilidade, boa educação e respeito.

Elizabeth the best em 18 de outubro de 2011

Embora pareça extranho,talvez por que não sou judia, um menino trocado por mil assassinos empedernidos, tenho que tirar o meu chapéu para Israel. Que valor extraordinário é dado à vida. Qualquer vida. Uma vida. Shalom.

Rone em 18 de outubro de 2011

A libertação desse soldado se deve as midias sociais que se pronunciaram mundo afora se fosse pelos politicos israelences estaria morto ou ficaria mais alguns anos preso! todos com um pouco de bom censo sabem que o verdadeiro terrorista nesse lugar é o estado de israel com sua politica expancionista por terras, se recusando a fazer a paz e dar o pouco das terras que restam aos palestinos!

Mariazinha em 18 de outubro de 2011

Logo, logo, essas malucas voltarão a praticar os mesmos atos pelos quais foram presas antes. Pergunto: algum clérigo islâmico se oferece para ser mártir de Alá? Resposta: Não, eles preferem induzir pessoas problemáticas a se matar em nome da causa. É doentio.

Reynaldo-BH em 18 de outubro de 2011

Este é o espírito do Hamas. Da facção-seita recebida em Brasília como digna de ser "oficial". Não negocia. Exige. Não tem propostas. Aliás, só uma: a destruição de outro Estado, país, nação e povo. Não tem defensores. Tem fundamentalistas que não sentem remorsos pelo que fizeram. Aliás, entendem e divulgam como atos heroicos. Um soldado - ou uma vida , qualquer uma - vale mais que mil terroristas. Resta saber se estes mesmos libertados serão responsáveis por outras tantas mortes. Temo que de centenas. E Israel terá que arcar com estas mortes previstas e anunciadas. O mundo hoje está um pouco menos seguro que ontem.

sidon em 18 de outubro de 2011

O Governo Israelense, lastreado pela população, fez bem em negociar. Emoção, aqui, não vale! senão não há diálogo. Só choradeira. Hoje é dia de alegria para esses países. Vamos acreditar no ser humano.

Pedro Luiz Moreira Lima em 18 de outubro de 2011

Setti: Um caso horrível e trágico - do do lado de Israel encontraremos outros semelhantes. O ódio é dos dois lados - só eles que poderão resolver as divergencias.Não existem mocinhos e nem bandidos na história,nem civilizados e nem incivilizados - são dois povos em confronto e ódio.Num momento terão que sentar e negociar e lembrar e sem condições.

selminha em 18 de outubro de 2011

Setti, por mais que eu tenha pena do soldado sequestrado há 5 anos pelo Hamas, tenho dificuldade em concordar com esta atitude do governo de Israel, de libertar terroristas com as mão sujas de sangue. Será a deixa para novos sequestros acontecerem, com mais israelenses servindo de moeda de troca. Além disto, ceder aos chantagistas é uma viagem sem volta. Sei que é uma situação espinhosa, e não queria estar na pele do Netaniahu.Mais uma vez eu repito, nesta questão do Oriente Médio: como dialogar com quem quer nos matar? De qualquer modo, espero que os dois casos citados por você na matéria sirvam para esclarecer as pessoas sobre a situação deste pequeno e valoroso país. Parabéns!

Natal em 18 de outubro de 2011

História que aterrorizam, mas pensando bem... destruindo moralmente os "inimigos", é exatamente o que faz hoje o PT no Brasil contra aqueles que não estão de seu lado!

Noah Shuster em 18 de outubro de 2011

Horripilante a frieza dessas criminosos.

JB/RJ em 18 de outubro de 2011

Se um dia esses vagabundos se livrarem de Israel, continuarão a se matar uns aos outros.

Léo Veimrober em 18 de outubro de 2011

O mundo inteiro se cala ante ao terror covarde perpetrado contra inocentes em Israel, mas quando o Estado Judeu reage para defender seu povo, todos caem de pau, demostrando um peso, duas medidas!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI