Image
“Irmã de Chápeu Vermelho”, da obra de Pierre Auguste Renoir, Two Sisters on the Terrace, é uma das mulheres do vídeo

O dia intenacional da mulher, comemorado hoje, torna oportuna a publicação um belo vídeo que mostra, em sequência de imagens que se fundem umas às outras, 90 mulheres pintadas por artistas dos séculos XII ao XIX. Entre eles, Leonardo da Vinci, Botticelli, El Greco, Renoir, Matisse, Salvador Dali, Modigliani e Picasso.

O vídeo foi criado pelo artista digital Philip Scott Johnson, de St. Louis, Missouri, Estados Unidos, e é muito acessado na Web.

A trilha sonora da obra, “Sarabanda”, da Suite para solo para cello número 1, de Bach, interpretada pelo ótimo violoncelista clássico franco-americano de origem chinesa  Yo-Yo Ma, é um espetáculo à parte.

Confira:

Para ver a lista completa das obras e dos artistas retratados no vídeo de Scott Johnson, acesse o site Maysstuff.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + 20 =

20 Comentários

Mari Labbate *44 Milhões* em 14 de março de 2012

GRAZIE TANTE! Querido, com toda sua sensibilidade, experimente assistir a esse vídeo, ouvindo a música "LUNA" de Alessandro Safina, em italiano. É a expressão de minha gratidão! Conte-me, depois, se conseguiu levitar... Abbraccio!

jeremias-no-deserto em 13 de março de 2012

Como não amar essas criaturas absolutamente deslumbrantes, magistralmente retratadas aqui pelos maiores gênios da pintura do bizantino e barroco ao moderno cubismo.Lindas, divinas, uma ode ao amor e à beleza que há nesses seres superiores que são as mulheres. Mais uma vez, você acerta em cheio, amigo Setti. Obrigado, caro Jeremias. É o que tento fazer sempre, em benefício dos leitores. Abração

Berta Reel em 10 de março de 2012

Amei o vídeo. Lindo.

Mauro Pereira em 09 de março de 2012

Caro Ricardo Setti, boa noite. Um ótimo final de semana para você, sua família e aos excelentes comentaristas da Coluna. Há mais de trinta anos tenho defendido a tese quase suicida de que a partir do momento em que, na média, o salário das mulheres ultrapassasse para menos a fronteira dos 15% em relação ao dos homens, boa parte delas iniciariam o caminho de volta às atividades domésticas. E não vai aqui nenhum ranço machista, pois a mãe que tive e as esposa e filhas que tenho me desautorizam a ter esse tipo de chilique. Somente a covardia o justificaria e eu não sou covarde. É só uma constatação. Vou tentar explicar. Tudo corria dentro da normalidade (da possível) em mais um dia monótono do verão de 1973 e eu estava envolvido no tecladiar de uma linotipo original Modelo 31, sobrecarregado pela aposentadoria de um colega de serviço e à espera da contratação de um profissional que viesse substituí-lo e aliviar o meu fardo, quando quase caí da cadeira ao ver uma loira alta e esguia, na casa dos 35 anos, assumir o comando da máquina ociosa. Não me lembro do nome dela pois em seguida me transferi para outra empresa, mas tenho certeza de que ela era a primeira mulher linotipista do Brasil! Passado o estupor, pude verificar que ela era tão competente quanto eu. Nem mais, nem menos. Curioso, quis saber do chefe da oficina o significado daquela novidade. E a resposta dele me fez perceber que já se mostrava adiantado o alvorecer de uma nova era. A da feminilização do relacionamento com as profissões. “Prepara-te para os novos tempos. E não tem volta”, vaticinou o senhor Armando, um português baixinho na estatura, mas gigante na arte de puxar o saco do patrão. Quando ele me contou o salário da nova linotipista vi que minha carreira profissional estava com os dias contados. Acredito que, atualizado, o meu soldo seria R$ 2.000,00. Ela foi contratada pelo equivalente a R$ 1.600,00. Tornou-se óbvio que restariam apenas duas alternativas: ou submeter-me aos novos padrões salariais ou mudar de atividade. Entretanto, o advento da internet me poupou dessa decisão exterminando a profissão de linotipista. Até hoje ainda carrego a dúvida se me submeteria àquela nova realidade ou não. Mas, deixando de lado minhas frustrações profissionais, eu pude testemunhar de perto a performance irreversível da mais fenomenal e selvagem engenharia capitalista em andamento, que antevia naquela transformação a forma perfeita de auferir lucros fantásticos com o barateamento da mão de obra sem que se perdesse a qualidade. E nesse cenário da mais pura manipulação de interesses financeiros, agravado pela insaciável sanha arrecadatória do governo, saíram perdedores tanto homens como mulheres. Eles por terem seus salários achatados e a diminuição de oportunidades de empregos. Elas por serem achacadas pelo sistema que sempre lhes negou o salário justo e as encurralaram no beco sem saída da dupla jornada de trabalho: na empresa e no lar. Esse preâmbulo um tanto quanto saudosista serve como preparação para ao menos tentar justificar minha opinião sem deixar transparecer qualquer indício de preconceito. Desfilando pela obscura avenida do oportunismo político, o deputado federal Marçal Filho, do PMDB, e o senador Paulo Paim, do PT, resolveram liderar uma cruzada moralizadora se fantasiando de verdugos do capitalismo e chancelam um projeto de lei que obriga o empregador a pagar salários iguais a trabalhadores e trabalhadoras que exerçam a mesma função. Até aí, ótimo. Voltando à minha afirmação um tanto quanto temerária, reconheço, de que a maioria das mulheres iniciariam o caminho de volta assim que a diferença salarial fosse menor do que 15%, eu acredito que se a aventura dos dois valentes congressistas prosperar e for aprovada, a mesma roda que há quase 50 anos fez girar a engenharia capitalista irá se mover novamente, só que desta vez no sentido contrário. Estar errado é uma condicionante que jamais deixei de considerar. Embora tente demonstrar alguma modernidade e tenha até permitido a inclusão de algum vestígio de humanização, o sistema ainda é o mesmo daquela época, rebelde a leis que o desafie, frio e calculista na sua composição e opera fundamentado na redução de custos para não perder a competitividade e na obtenção do lucro, que é a essência de sua concepção. Nessa equação desprovida de sensibilidade, a composição do salário não é tratada como mera variante, mas como resultado concreto. E ele, o sistema, será inexorável e irá considerar todas possibilidades. Tangido pela impessoalidade, uma das principais a ser considerada será a da gravidez, com certeza. Vagando pelas veredas da suposição, imaginemos que uma funcionária tenha uma gestação problemática que requeira cuidados especiais e a obrigue a licenciar-se por seis meses. Acrescente-se mais seis meses de licença-maternidade e ela estaria afastada de suas funções por um ano o que forçaria a empresa a contratar outra pessoa para substituí-la nesse período. Isso geraria custos adicionais e não deixaria de ser avaliado, acionando automaticamente os dispositivos de defesa contra os efeitos dos novos parâmetros legais. Até mesmo a gravidez normal não seria subestimada pelo crivo materialista. Soa desumano, mas é uma realidade bastante plausível. Pelo menos é a que eu prevejo. O mais lamentável nisso tudo é que, considerando que minhas previsões estejam corretas e realmente ocorra essa mudança no mercado de trabalho, restará apenas a perda de espaço da mão de obra feminina, sem o menor reflexo na recuperação das perdas salariais. Não a curto prazo, pelo menos. Descartando-se a instalação de um regime político diferenciado, somente o sistema, agente desse impasse injusto, será capaz de solucionar o problema que ele próprio gerou, e o solucionará, não por imposição legal como sonham os Quixotes de gabinete, mas por exigência do próprio mercado que não estará disposto a abrir mão da testada e comprovada competência feminina. Isso é tão certo como é, também, a certeza de não admitir em sua seara a incursão de plantonistas contumazes em busca de oportunidades. Caro Mauro, Desejo os mesmos bons votos pra você e família e agradeço sua volta, sempre lúcida e cortante, aos comentários no blog. Abração

Paulo Augusto Magalhães Galliza em 09 de março de 2012

Algumas tristes, outras com um sorriso discreto e gostoso, mas, todas muito bonitas. Lindas mulheres. Maravilhoso trabalho de compilação e execução. Parabéns,

LENA BARCESSAT em 08 de março de 2012

Fantástico!

Odaísia Freire Bellido em 08 de março de 2012

Liiindo! Obrigada pela homenagem!

Teresinha em 08 de março de 2012

Que preciosidade! Grata pela sensibilidade de nos oferecer este conjunto de arte/música da mais alta qualidade. Sou eu quem agradece, cara Teresinha. E acabo de publicar um post sobre trabalhar com mulheres.

ceresdonatodos santos em 08 de março de 2012

Simplesmente lindo! Lindíssimo! adorei! Uma sacada super inteligente da inteligencia de outrem. Parabéns!

jardineiro em 08 de março de 2012

Uaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaal

Rodnei Vecchia em 08 de março de 2012

Fabulosa metamorfose da beleza intuitiva. De onde todos nós viemos!

vilma em 08 de março de 2012

Fiquei encantada com o vídeo..quanta beleza !

Cassia de Lourdes em 08 de março de 2012

Quanto sou pequena e insignificante diante de tanta beleza e genialidade! Muito lindo o vídeo!

Reynaldo-BH em 08 de março de 2012

Parabéns. Este dia é especial. Mais do que os outros festivos e comerciais. Este dia foi fruto da LUTA diária, persistente, forte, decidida e ainda incompleta. Não se troca presentes hoje. Não é preciso. Mulheres estão acima e além de tudo o que a vida pode dar. São o princípio e o fim das coisas. De tudo. A nós, amigos, resta aprender o caminho que mulheres conhecem e trilham. Quando não conhecem, inventam. Quando não inventam, intuem. As vitórias das mulheres são as mais intensas e verdadeiras. Em uma sociedade que nada dá e tudo cobra, desafios fazem parte - desde cedo - do dia-a-dia das mulheres. Que homens saibam aprender, respeitar e estar ao lado de MULHERES de verdade. Como são todas vocês. Não dou parabéns. Digo obrigado. A cada uma e a todas. Minha ex-esposa, minha filha, minha namorada. E a minha mãe, esteja onde estiver. Um imenso beijo. E que NUNCA, JAMAIS, nos esqueçamos do por que o dia 8 de março é o Dia Internacional das Mulheres. Foram necessários 53 anos para que um mínimo de reconhecimento da LUTA das mulheres fosse citado. E mais 65 anos para que a ONU reconhecesse o que cada homem já deveria saber. No total, são 118 anos (!!!) entre a covardia (um dos maiores crimes já cometidos pela humanidade!) e o reconhecimento. Tardiamente vergonhoso. E ainda incompleto... Até quando? .................. História do 8 de março No Dia 8 de março de 1857, operárias de uma fábrica de tecidos, situada na cidade norte americana de Nova Iorque, fizeram uma grande greve. Ocuparam a fábrica e começaram a reivindicar melhores condições de trabalho, tais como, redução na carga diária de trabalho para dez horas (as fábricas exigiam 16 horas de trabalho diário), equiparação de salários com os homens (as mulheres chegavam a receber até um terço do salário de um homem, para executar o mesmo tipo de trabalho) e tratamento digno dentro do ambiente de trabalho. A manifestação foi reprimida com total violência. As mulheres foram trancadas dentro da fábrica, que foi incendiada. Aproximadamente 130 tecelãs morreram carbonizadas, num ato totalmente desumano. Porém, somente no ano de 1910, durante uma conferência na Dinamarca, ficou decidido que o 8 de março passaria a ser o "Dia Internacional da Mulher", em homenagem as mulheres que morreram na fábrica em 1857. Mas somente no ano de 1975, através de um decreto, a data foi oficializada pela ONU (Organização das Nações Unidas). .......... Setti, beijos em todas as mulheres de sua vida! E desculpe a extensão do post. Corações mais cansados precisam falar mais alto. Enquanto há tempo.. rsrsrs.

ELIZABETH CORREA em 08 de março de 2012

Caro Ricardo, Só você para nos presentear com tamanho bom gosto.Estou honrada. Belíssimo vídeo! Obrigada querido.

Alex Ribeiro em 02 de julho de 2011

Olá Ricardo, parabéns por seu Blog! Gostaria de lhe convidar a conhecer um Blog que criei para divulgar parte das pesquisas e análises que estão sendo feitas sobre obras inéditas de Modigliani, de minha propriedade. O Blog é este www.amedeomodigliani.blogspot.com Espero que goste... Forte abraço Alex Ribeiro

Cláudia Cristine em 12 de março de 2011

Obrigada! Você, como sempre, sensível. Tenho aprendido muito por aqui. Um abraço fraterno. Obrigado e um abraço pra você também.

sandovalsader em 11 de março de 2011

Belo Post. Depois dos porta-avioes americanos, este aviao frances e o nosso Sao Paulo. Parabens e otimo fim de semana. Obrigado, caro Sandoval. Um bom fim de semana para você também. Abraços

Alex em 11 de março de 2011

Espetacular. Já compartilhei no FB, com o devido crédito.

Siará Grande em 11 de março de 2011

Excelente.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI