2004 — “Maldição e Glória: a vida e o mundo do escritor Marcos Rey” (de Carlos Maranhão)

2004 — “Maldição e Glória: a vida e o mundo do escritor Marcos Rey” (de Carlos Maranhão)

ORELHA DO LIVRO

A extraordinária história de Marcos Rey contida neste livro vai lhe proporcionar muito prazer, caro leitor.

Mas também, já no primeiro capítulo, um soco no estômago: ali você ficará sabendo de um segredo terrível, conhecido por pouquíssimas pessoas, capaz de marcar para sempre a vida do escritor e que ele guardou da infância à morte, em 1999, aos 74 anos.

Isso não impediu o autor de Memórias de um Gigolô e O Enterro da Cafetina de ter uma trajetória tão aventurosa e rica quanto boa parte dos enredos que escreveu – quarenta livros, vários com traduções mundo afora, dos Estados Unidos à Finlândia, oito novelas de televisão, cinco peças de teatro, 32 roteiros de pornochanchadas e centenas de programas de rádio e crônicas, 175 delas publicadas, entre 1992 e 1999, na última página da revista Veja São Paulo.

Essa última atividade aproximou Marcos do autor, o jornalista Carlos Maranhão, diretor da redação da Vejinha.

Ninguém mais indicado para investigar o que havia por trás da aparência jovial do homem pequeno e desajeitado, de óculos enormes de lentes grossas, que encerrava um universo de surpresas: tímido, conheceu como ninguém a noite paulistana – boêmios românticos, prostitutas, malandros, cafetões, viciados.

Intelectual, foi capaz de molecagens como, certa vez, planejar roubar a cabeça do cangaceiro Lampião, então exposta num museu da Bahia.

Maranhão, de legendária elegância no texto, é também repórter de faro apurado, inclusive para detalhes preciosos, como o cardápio completo do almoço durante o qual Edmundo Donato – nome verdadeiro e pouco conhecido de Marcos Rey – apresentou à família sua futura mulher, no longínquo ano de 1958.

A tais virtudes, Maranhão alia outra, ainda mais rara: a delicadeza de trato com as fontes. Ela lhe propiciou obter de Palma Bevilacqua, ao longo de 39 anos “motorista, babá, cozinheira, secretária, agente literária, assessora de imprensa, amiga, mãe e mulher” de Marcos, um outro segredo, muito íntimo e dela própria, do qual provavelmente apenas o marido compartilhava.

Agora, leitor, ao mergulhar vida adentro do personagem fascinante que foi Marcos Rey, você vai verificar que ele encontrou um biógrafo à sua altura.

Ricardo Setti