Lula não desconvidou Amorim para a reunião do G-20, porque ele não deveria, mesmo, estar presente

Lula não desconvidou Amorim para a reunião do G-20, porque ele não deveria, mesmo, estar presente A sede do G-20 2010, em Seul (Foto: New York Times)

Comentei em recente post matéria do colega Clóvis Rossi, da Folha de S. Paulo, segundo o qual o presidente Lula supostamente desconvidou em cima da hora o chanceler Celso Amorim para a reunião do G-20 – as 20 maiores economias do mundo desenvolvido e dos países emergentes –, em Seul, encerrada na quinta-feira, 12, o que significaria a sua fritura como candidato a permanecer no cargo no governo da presidente Dilma Rousseff.

Depois disso, porém, conversando com um expert brasileiro em reuniões do G-20, descobri que não existia a premissa segundo a qual seria de se esperar a presença do chanceler no encontro. Informou-se que Amorim chegou até a mandar fazer reserva em um hotel de Seul antes de saber que não viajaria no Aerolula para a Coréia do Sul. Pode até ser, devido ao apego que Amorim adquiriu ao cargo e à sua, digamos, devoção pessoal ao presidente, que certa vez chamou de “Nosso Guia”.

O fato, porém, é que o G-20 nasceu no âmbito financeiro. O chanceler pretendeu desde o início meter-se na coreografia e foi barrado pelo ministro da Fazenda, Guido Mantega, sob o argumento de que esse foro é de ministro de Financas e equivalentes, o que é verdade.

A surpresa, portanto, seria o presidente haver convidado o chanceler, e não o contrário.

Minha fonte não se recorda de ter visto chanceleres de outros países em quaisquer das quatro cúpulas do G-20, tirante o próprio Amorim, que esteve na primeira, em Washington.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 2 =

Nenhum comentário

  • Jayme Portugal

    Saudades do Celso Lafer.

  • Jefferson

    Esse cargo de ministro é muita areia para o caminhãozinho do Celso Amorim. Desde o governo FHC Amorim faz um trabalho passivo, ele não tem proatividade, ao invés dele aconselhar os presidentes em questões diplomáticas delicadas, acontece o contrário. Nunca o vi tomar uma decisão de peso na REAL defesa dos interesses do Brasil, apenas ficar andando de avião pra lá e pra cá com o presidente. Amorim é o típico funcionário “puxa-saco” que, diante dos problemas, foge de suas responsabilidades, e apenas espera o seu chefe tomar a decisão primeiro, para depois defendê-lo.

  • Reynaldo-BH

    Setti, sua notícia torna ainda mais bisonha a atuação do Megalonanico Amoral. O fato que é comum às duas visões (sua e do Rossi) é que Celso Amoral efetivamente reservou hotel em Seul. Se foi por própria iniciativa, tanto pior. Se usou indevidamente o cargo para tentar estar presente no “último ato do Nosso Guia”, ainda mais abjeto. Se antes esteve em reunião onde a presença não era necessária, só expõe a baixeza moral deste que passará para a história do Itamaraty, como um bufão que se orgulhou de ser o bobo da corte.
    Pelo que entendi, Lula não desconvidou por não ter convidado. O que é óbvio.
    Mas também pelo que entendi, foi ainda mais intenso Proibiu a presença do esparro que se julga diplomata.
    Ao menos este episódio serviu para ser a chave de ouro do maior exemplo de venda de consciência, servilismo, repugnante adoração a ídolos de pés de barro e absoluto desrespeito à própria biografia e ao país que dizia servir!
    Se diminuiu a humilhação do desconvite, cresceu a exposição da verdadeira face de um espécime que sempre cito como exemplo para minha filha: do que não se deve ser na vida, em nome da própria decência e vergonha na cara!

  • Markito-Pi

    Vamos falar MUITO sério, Setti?
    Nem Luis **** tinha de estar lá. Sendo o ***** que é, ainda levou a **** russevesca para a figuração.
    Ganhara retratinhos de coluna social.

    Grande Markito, olhe a linguagem….

    Obrigado pela presença constante.

    Um abração e… você me deve informações a seu respeito para eu repassar ao seu amigo Moa. Aquelas do comentário anterior, como eu disse, perdi por incompetência informática.

  • Lilian

    Setti,
    Eu lí em outro site:
    “(…) o mais importante encontro entre líderes mundiais não teve a presença do ministro das Relações Exteriores, Celso Amorim, que foi expurgado para o Congo. Sexta-feira, Novembro 12, 2010.”
    Setti,
    tentar entender a cabeça “deles” só com bola de cristal.
    Dilma, nem precisava ter citado Churchill no G20 o que ela diz hoje – amanhã já é diferente!
    Abraços!

  • celsoJ

    Ele poderia ter ido como carregador de malas de sua alteza…