Mais uma vergonha do lulopetismo: Secretaria dos Direitos Humanos, que deveria ter posto de honra no governo, serve como moeda de troca — para dar emprego a “companheiros”

ideli-luiz-sergio-pepe-440x174

Ideli Salvatti, Luiz Sergio, Pepe Vargas: ocupando uma secretaria nobre para quebrar um galho (Fotos: ABr :: Pedro Ladeira/Folhapress :: Marcelo Brandt/Câmara dos Deputados)

Cogitações imaginárias — na verdade, não imaginárias assim — do que passa pela cabeça da presidente Dilma e de seus conselheiros mais próximos:

A Ideli não consegue se eleger lá em Santa Catarina? Então, sabe de uma coisa? De repente ela pode ser ministra da Pesca. Ah, tá bom? Então botamos ela lá. Beleza.

Passa-se um tempo e…

Mas acho que o Luiz Sergio não está dando muito certo como ministro das Relações Institucionais. Ninguém conhece o camarada, ninguém dá bola para ele, virou “garçom” lá no Congresso, como ocorreu com antecessores — só leva pedidos de parlamentares ao Planalto e volta com respostas, ou sem elas.

Não articula nada. Acho que não dá, não.

E que tal trazer a Ideli pro lugar do Luiz Sergio? Afinal, ela já foi senadora, conhece o pessoal…  E aí mandamos o Luiz Sergio, que não pode ficar desempregado, pro lugar da Ideli.

Se ele entende de pesca? Acho que não, porque afinal ele era metalúrgico. Mas, de repente, tendo sido prefeito de Angra dos Reis, que fica à beira-mar… E depois, será que tem mesmo que entender? O bispo Crivella, da Igreja Universal, já não foi ministro da Pesca também? — e, pra dizer a verdade, nunca perguntei a ele se já viu antes, na vida, um anzol.

Mais algum tempo e…

O diabo é que a Ideli não está funcionando nessa tal coordenação política das Relações Institucionais. A gente achou que daria certo, só que…

Então não é melhor a gente trazer o Ricardo Berzoini? Ele é durão, tentou criar na marra o Conselho Federal de Jornalismo, lembra?

O tempo passa mais um pouco, e então…

Agora, porém, temos um mandato novo. Foi por pouco, né? Bem, estamos aqui e vamos precisar do Berzoini nas Comunicações, ministério grande, cheio de dinheiro.

Só que… santo Deus, e a Ideli? O que é que a gente vai fazer com ela? Deixar na chuva é que não dá.

Ah, tem os Direitos Humanos. Vamos colocá-la ali. A Maria do Rosário não precisa mais, foi reeleita deputada lá no Rio Grande do Sul. Mais do que nomear a Ideli, vamos fazer mais ainda: confirmar que ela continuará nos Direitos Humanos durante todo o segundo mandato.

Tá tudo muito bom, tá tudo muito bem, só que tem uma coisa: essa ideia de colocar o Pepe Vargas nas Relações Institucionais não tá funcionando, gente. Ele também virou garçom.

Precisamos de alguém melhor pro lugar dele. Quebramos a cabeça e achamos que, diante do tamanho da encrenca em que estamos metidos, a solução realmente é trazer o Temer — afinal, o cara é vice-presidente da República e presidente do PMDB. Se ele não resolver a coordenação política com os cupinchas Eduardo Cunha e o Renan, quem haverá de?

E o Pepe Vargas, minha gente? Sujeito bom, companheiro antigo lá do Rio Grande, foi prefeito de Caxias. Jogá-l0 na rua? Acho que não… Sabe de uma coisa? Tira a Ideli lá daqueles Direitos Humanos e bota o Pepe Vargas.

Chii… E agora, a Ideli, minha Nossa Senhora? Ela não tem voto em Santa Catarina, não se candidatou a nada no ano passado, confiou nos cumpanhêro. Temos que dar um jeito na situação.

Sabe de uma coisa: vamos mandá-la comandar os Correios. Ela é física de formação, foi professora, militou muitos anos como sindicalista. Não sabe nada de administrar um negócio enorme como os Correios, mas pelo menos não fica sem emprego.

E os Correios? Sei lá… A Ideli acaba dando um jeito.

josé-gregori-o-globo-300x180

José Gregori: um que honrou o cargo (Foto: O Globo)

PS — E pensar que o primeiro ocupante da Secretaria dos Direitos Humanos, no governo do presidente Fernando Henrique Cardoso, ainda não subordinada diretamente à Presidência, foi um homem do porte do jurista José Gregori.

Ex-presidente da Comissão de Justiça e Paz da Arquidiocese de São Paulo, trabalhou, com discrição mas firmeza e coragem, durante a ditadura militar, ao lado do cardeal-arcebispo Dom Paulo Evaristo Arns.

Ele foi secretário dos Direitos Humanos de 1997 a 2000, sob FHC, e honrou o posto que ocupou. Entre outras coisas, foi o autor do projeto de lei que FHC enviou ao Congresso, sendo aprovado, que reconhecia a responsabilidade do Estado brasileiro pelos mortos e desaparecidos durante a ditadura. (Leiam mais aqui.)

Deixou a secretaria para ser ministro da Justiça.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 Comentários

  • Rogério Paranhos

    tem um errinho de revisão o 2o paragrafo, 2a linha – ‘ ministra da da Pesca” (não publique o comentário né)

    • setti

      Não tenho problema em publicar e mostrar os erros que cometo, caro Rogério. Estou corrigindo graças a você. Abração.

  • Maria Elisa Alves de Lima

    Vou sentir saudades do sr. nos encontros com Joice .
    Espero que seja muito feliz em Barcelona,que adoro. Vou anualmente a Espanha e acho sua escolha perfeita.
    Descanse, e muito vinho,,jamon&queijos de cabra com baixa gordura! Quando estou aí,faço ponto,todos os fins de tarde,no Boqueria,onde tem a casa de vinho com os lançamentos da região e já levo o meu queijo e pão que compro no mercado. Tenho 73 anos,e aproveito o máximo da vida que me resta,batendo pernas pelo mundo de maio a outubro.
    Seja Feliz! Enjoy it! Take Care!
    Marilisa

    • setti

      Muito obrigado, cara Marilisa. Nada má sua ideia de programa em BCN.
      Obrigado por visitar o site.
      Abração!

  • Mauro Pereira

    Caro Ricardo Setti, boa noite.
    Caro amigo, mais do que perder meu tempo dando atenção a pessoas que desprezo, prefiro parabenizá-lo pelo lançamento do site.
    Tive o prazer de acompanhá-lo desde o primeiro dia do seu blog na Veja.com e continuarei a aprimorar meus valores éticos e morais e a aprender cada vez mais sobre política e democracia aqui no ricardosetti.com.
    Desejar-lhe sucesso é redundância. Tô nem aí. Não tenho o menor incômodo em ser redundante.
    Muda o endereço. Permanece a excelência do conteúdo.

  • Kitty

    Hoje entrei no Blog e li o seu Adeus e o comentários desativados, senti novamente aquele aperto no coração..agora, pensei, é pra valer..Setti encerrou sua atividade no site de VEJA. Estou aqui tratando de entender o novo enfoque do seu site pessoal e com funciona. ///São as montanhas que estão fixas, as pessoas se mobilizam. E você caro amigo procurou novos horizontes como um dia eu também os procurei. Muitas felicidades lhe desejo em Barça juntinho à família querida. O importante é saber que a tecnologia nos mantêm juntos e conhecendo um pouco mais da vida do jornalista e seu fecundo trabalho no mundo jornalístico. Seja muito feliz e nos encontramos neste novo espaço…hasta la vista ou até o próximo comentário..deixei dois comments sobre as perguntas das enquetes…Um forte abraço-Kitty

  • Mauro

    O pior eh que isso não eh exceção e sim a REGRA!!