Mano Menezes tem o pior balanço entre os 5 últimos técnicos da Seleção

 

balanco-indigesto

Um balanço indigesto: clique na imagem para vê-la maior (Fonte: “Placar”

Tendo como pano de fundo a chocha vitória de 1 a 0 contra Gana, em Londres, na segunda-feira, 5, na qual a única atração foi a volta de Ronaldinho Gaúcho ao time, reproduzimos aqui o gráfico comparativo do aproveitamento — em seu primeiro ano de trabalho — dos últimos 5 técnicos da Seleção Brasileira. O material foi originalmente publicado com o título “Balanço indigesto”, pela edição de Placar de setembro de 2011, que ainda está nas bancas.

O jogo com Gana não está computado nos índices de Mano Menezes.

. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .

Balanço indigesto

O primeiro ano de Mano Menezes na seleção só não é pior que o de Parreira. A diferença é que o técnico tetracampeão se manteve no cargo até chegar à Copa de 2006. Será que o gaúcho também aguenta até lá?

Mano Menezes (de 10/8/2010 até 10/8/2011) 13 jogos, 6 vitórias, 4 empates, 3 derrotas, 56,4% de aproveitamento. Balanço: reformular o grupo não tem sido fácil. Tivemos derrotas para Argentina, França e Alemanha e empate com a Holanda. Fora a decepcionante eliminação nas quartas de final da Copa América para o Paraguai. Resultados complicados.

Dunga (de 16/8/2006 até 15/7/2007) 17 jogos, 11 vitórias, 4 empates, 2 derrotas e 72,5% de aproveitamento. Balanço: o melhor momento do primeiro ano de Dunga foi a bela vitória contra a Argentina por 3 x 0 na final da Copa América (2007). A derrota para Portugal por 2 x 0 foi o que mais preocupou a seleção de Dunga naquele tempo.

Parreira (de 12/2/2003 até 19/11/2003) 12 jogos, 5 vitórias, 5 empates, 2 derrotas e 55,5% de aproveitamento. Balanço: após perder para Camarões e empatar com a Turquia, a seleção foi eliminada na primeira fase da Copa das Confederações (2003). Durante o período, o Brasil sub-23 foi vice da Copa Ouro (2003), mas comandado por Ricardo Gomes.

Felipão (de 1/7/2001 até 30/6/2002) 24 jogos, 18 vitórias, 1 empate, 5 derrotas, 76,4% de aproveitamento. Balanço: apesar de cair nas quartas de final na Copa América (2001) contra a modesta Honduras e acabar as Eliminatórias para a Copa de 2002 em terceiro lugar, a “família Scolari” fecharia seu primeiro ano com o penta na bagagem. Ótimo aproveitamento.

Zagallo (de 23/12/1994 até 20/12/1995) 19 jogos, 16 vitórias, 3 empates, 0 derrotas, 89,5% de aproveitamento. Balanço: ganhou a Copa Umbro (1994) na Inglaterra, com uma virada de 3 x 1 sobre os anfitriões. Foi vice da Copa América (1995) na disputa por pênaltis contra o Uruguai, que jogava em casa. Invicto, o aproveitamento esteve próximo do espantoso no primeiro ano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 − dezesseis =

5 Comentários

  • Marco

    Amigo Setti: Parabéns a Placar pelo belo trabalho, ainda acho q futebol é sim uma Ciência Exata. Já q tu pode observar q o aproveitamento de um treinador de time grande não pode baixar de 60 %. E d Seleção no mínimo 80 %. Quem é do meio sabe q treinador de futebol 15 % é esquema tático e 85 % é liderança. O Mano está mostrando q é treinador de clube. O Zagallo o contrário. O Parreira um grande teórico. O Felipão é o melhor deles tanto em clube como seleção, olha o q ele está fazendo no Palmeiras q não tem time. O Dunga já te disse q era só administrador de Campo.
    Abs.

  • Marcondes Witt

    O defenestrado Dunga, portanto, não era tão ruim assim. Não fez milagres, assim como o Mano não está conseguindo fazer.

  • Marco

    Amigo Setti: Meu critério de observação do trabalho de um treinador: Se o time está equilibrado se os jogadores escalados são do ramo e tem funções determinadas para o Jogo. E o fundamental se sabe ler o jogo quanto as substituições, isso é fundamental o dedo do treinador. Quer saber se o treinador é bom, é só analisar as substituições.
    Abs.
    Ps; Seria tbm interessante a Placar ver o aproveitamento com o Fenômeno ou sem junto a esses treinadores.

  • carlos nascimento

    O atual momento da Seleção brasileira é reflexo da somatória de absurdos que ocorrem nessa década de mediocridade, vejamos:-

    – Quem é o atual gestor do futebol brasileiro ? Quais as suas virtudes ? Qual o beneficio que sua gestão proporciona aos CLUBES brasileiros ? Como está o seu prontuário ou folha corrida ? Quem são os seus parceiros ?

    – De que maneira são feitas as escolhas dos treinadores, jogadores, planejamento das competições, desenvolvimento dos trabalhos das categorias de base, divisão das receitas, contratos de patrocinio, etc ?

    – O Brasil era, eu disse “era” o melhor futebol praticado no planeta – PENTA CAMPEÃO, tinha, eu disse “tinha” um dos maiores Times do planeta – SANTOS -, tinha, eu disse “tinha” novamente, o melhor jogador do planeta – Pelé -hoje, quem são os melhores ?

    – Mano Menezes é de fato o melhor técnico do País ? Quais foram os títulos de expressão conquistado ? Tem autonomia plena para fazer suas escolhas ? Está convocando os melhores ou vem sofrendo pressão dos empresários, lobistas, Dirigentes ?

    – O Brasil até 1970 foi superior, conquistou o Tri, a partir de então: ganhou em 1994 (tenho até vergonha em falar), ganhou em 2002 (com a maioria dos atletas jogando no exterior) portanto, com formação e experiência adquiridas no velho continente, 90% dos jogadores tinham intercâmbio com o futebol praticado na Europa, nosso País – vergonhosamente – nunca ganhou uma medalha de ouro Olímpica, justamente no esporte em que se diz superior, logo, quem seria o culpado pela incompetência ?

    – Temos os dois maiores times populares do planeta, salvo engano – Flamengo e Corinthians – financeiramente estão quebrados, não possuem estádios próprios e nem CT digno, o primeiro já faz algum tempo não revela grandes craques,o segundo nunca ganhou um título intercontinental, logo, fica evidente que estamos DECADENTES, tornando-se necessário uma ampla REFORMULAÇÃO.

    Tentem responder algumas dessas questões, o problema não é sómente trocarmos os treinadores, o grande problema chama-se ricardo teixeira, tirem essa ave de rapina, qualquer outro fará o País respirar novos rumos.

    Mestre Confúcio dizia que o tempo sempre resolve os problemas e as soluções surgem, no caso do futebol brasileiro já passou da hora, estão esperando acontecer outra tragédia, como a de 1950, para que o vampiro seja atirado ao sol do meio dia.
    A tragédia está anunciada, o povo com neurônio retardado só acredita quando 07/2014 chegar.

  • J.B.CRUZ

    O MELHOR TÉCNICO DA SELEÇÃO BRASILEIRA EM TODOS OS TEMPOS……….MÁRIO JORGE LOBO ZAGALLO!!!!!!