Marta Suplicy cassa a palavra do ex-marido quando ele defendia o ex-terrorista Cesare Battisti. Bem feito

Cortar o som do microfone do próprio ex-marido, senador Eduardo Suplicy (PT-SP), conhecido pelos discursos intermináveis, foi a principal façanha da nova senadora Marta Suplicy (PT-SP), recém-eleita 1ª vice-presidente do Senado, em sua estréia na presidência dos trabalhos do Senado durante parte da sessão de hoje, por deferência do eterno presidente José Sarney (PMDB-AP).

Marta procurou manter os senadores dentro do tempo previsto para suas intervenções, mas perdeu a calma com o ex-marido e lhe cassando a palavra.

Suplicy, na ocasião, discursava em favor da permanência no Brasil do ex-terrorista italiano Cesare Battisti.

Bem feito.

Leia nota de Lauro Jardim sobre o episódio.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

um × cinco =

Nenhum comentário

  • Lilian

    Setti, boa noite!
    Ex-esposa é pior que partido de oposição. A história confirma este fato!
    Abraços!

    Hahahahah, e vejam que é uma mulher que está dizendo isso…

    Abraços

  • Lima

    Suplicy não é o senador dos meus sonhos, precisavamos de um senador mais atuante por SP. Ele esta totalmente equivocado em defender um bandido como Cesare Battisti, mas foi um cavalheiro em relação como sua mulher Marta Suplicy acabou com o casamento de muito anos. *** *** *** *** ***

    Caro Lima, tive que cortar as referências pessoais, que não cabem aqui no blog, tá?

    Abração

  • Altamiro Martins

    Aqueles discursos soporíferos, erráticos, intermináveis do Supla Pai, realmente… O cara pode ser até um “boa praça” (creio que venha daí a tolerância à sua chatice antológica), mas tudo tem limite… Eu mesmo tento ser tolerante, mas logo após o primeiro minuto de fala a experiência começa a ficar aflitiva e rumo ao desespero.

    Caro Altamiro,

    Não concordo com a maioria das ideias do Suplicy, mas ele sem dúvida é boa praça. Conheço-o há muitos anos, fomos colegas de Redação na antiga revista “Visão”. Na época, bonitão, ele era motoqueiro. Ia trabalhar em plena rua 7 de Abril, no centro de São Paulo, em uma poderosa moto.

    Abraços

  • gaúcha indignada

    É um coitado.

  • SergioD

    Ricardo, gostaria de saber da Senadora Marta se ela cassou-lhe a palavra somente pelo uso excessivo do tempo ou por não concordar com as idéias do nobre Senador sobre o caso Cesare Batisti. Como eu gostaria que fosse por esse último motivo.
    Um abraço

    Ela cassou a palavra por ter ultrapassado o tempo previsto no regimento, caro SergioD. E, como você sabe, os senadores têm absoluta liberdade de opinião e ninguém pode cassar a palavra de ninguém por dizer o que pensa — mesmo que seja esse absurdo que o Suplicy defende.

    Abração

  • Jose Fernando

    Com ese jeitao de sonso dele, o suplicy vai comendo pelas beiradas. ja sao 20 anos vida boa..dando cartao vermelho aqui, cantando uma musiquinha ali, declamando um poeminha acolá, e até, como agora, delirantemente defendendo bandido. com tudo isso só nos resta pedir a São Romário e São Tiririca que nos protejam.

  • Bem feito mesmo. Pediu, levou!

  • Foi um CALA BOCA BATTISTI?

    Muito boa essa, Daniela, hahahaha. Mas, infelizmente, não. O senador só estava estourando seu tempo de falar. E a senadora Marta provavelmente é a favor do Battisti, sendo do PT.

    Abração

  • Karla

    Pouca coisa é mais tediosa do que ouvir a fala de um “ex”.
    E mais agradável do que ter o controle absoluto da situação em um único botão ao alcance da mão.

  • Ururau Irado

    Restará, indelével, nos anais (com duplo sentido, por favor) a inacreditável interpretação do Senador da República (eleito e reeleito pelo pujante Estado de São Paulo) para “Blowing in the Wind”, composição do Bob Dylan. Só assim SP pode ser perdoado por nos impor os discursos monótonos e ininteligíveis do Suplicy. Ou vocês preferem Tiririca (outra contribuição bandeirante) interpretando “Clementina” no plenário da Câmara?

    Os eleitores de São Paulo também elegeram o senador Aloysio Nunes Ferreira. Não foi “São Paulo” quem elegeu Suplicy, mas parte do eleitorado do Estado. Quanto ao Tiririca, outros Estados também elegeram os seus. Agnaldo Timóteo, deputado brizolista pelo Rio que depois aderiu a Maluf, que o diga, só para ficar num exemplo.

  • cleide bragliollo

    Êta casalzinho!
    Não deveriam ter se separado. Nasceram um para o outro.
    Ela, mal educada e prepotente, deve ter adorado expor o ex diante dos demais senadores, logo na sua primeira sessão.
    Ele, um eterno sonso, fica insistindo na defesa e pregando a libertação de um assassino, enquanto tantas causas importantes permanecem engavetadas no senado.
    Aliás, ele ocupa há tanto tempo uma das cadeiras por São Paulo, sem ter feito nada pelo estado – a não ser se expor ao ridículo a toda hora – que só lamento não haver um tipo de “avaliação periódica”, que nos permitisse pô-lo a correr.
    É o que eu digo. Se merecem. Não deviam ter se separado.

  • Ururau Irado

    Sei disso, meu caro Setti. Foi apenas um comentário irônico quanto aos “dotes” vocais do Senador e, de viés, quanto à sua efetiva contribuição em tantas legislaturas. Pretendi, sim, ser provocativo, mas não para acerbar bairrismos, e sim para enfatizar que mandatários, atualmente (graças à Democracia e ao Estado de Direito), ao contrário do que ocorria em nosso passado muito recente, não ocupam assentos desde aterrissagem via paraquedas: são eleitos, por SP e demais unidades da Federação. E, portanto, uma tentativa (frustada) de desmascarar a perigosa e hipócrita tendência de demonização dos políticos.

    Peço desculpas pelo mal-entendido.

    Não há de que, carao Ururau. Um abração.

  • elizio

    Caro Setti:
    pergunto-me, você anda desocupado?
    Como conseguiu arrumar uma matéria desse tipo aqui, pequena que só e, abrindo enormes horizontes?
    Votar por votar, lembrei do Cacareco. Era honesto, não sabia ler, nem escrever, nem tinha outros interesses; E o motivo de ser honesto? Não sabia ler, nem escrever e não tinha outros interesses.
    Pequena lembrança que guardo (não sumiu junto com minha caderneta de poupança), aquilo que o Chico Anísio (casado e separado um punhado de vezes) falou: a maior curva de rio que já enfrentei na vida, foi tornar-me marido da Zéllia; e ele é vivido e vívido! Por Santa Edwiges…
    Mas Setti, se continuar nesta toada (alguma coisa assim era o sinal para iniciar o desembarque do dia D na Normandia…(com seu soar monótono, ou algo que o valha, feito nas radio-transmissões), se continuar guardando pedras dos lugares que conheceu, falar da 2ª Guerra, caso ficar falando de moto (já fui motoqueiro, daqueles de sair de Campo Grande as 4 da manhã e entrar na Argentina às 3 da tarde – digo motoqueiro, uma vez que os harleiros dizem que são motociclistas – nunca tive e nunca quererei (agora em dilmês perfeito) ser dono de uma daquelas; moto para eu, tem que sair e chegar, sem desmanchar pelo caminho (nada contra, cada um com o tamanho do seu dinheiro e com seu gosto), mas como médico de uma dessas UPA’s, que a nossa presidentA vai construir mais umas 1.000, ao ver tanta desgraça no dia à dia, hoje simplesmente não subo mais nem EM uma Bizz.
    Nosso sangue bate!
    Abração do elizio –
    De Campo Grande – MS – no meio do mato, Mato Grosso do Sul, mas em alerta!

    Caro Elizio, uma delícia, seu comentário. Nâo, Deus sabe que não ando desocupado. E estou querendo ter muitas notas curtinhas no blog, junto com os posts mais extensos.

    Ainda vou fazer um post contando relíquias que recolhi mundo afora. Só não quero parecer pretensioso.

    E que legal esse seu passado de motoqueiro. Taí algo que não fiz. Agora, já não tenho vontade.

    O trecho, belíssimo, do poema de Verlaine que deu o sinal para o desembarque dos Aliados na Normandia — a maior operação militar da História — é o seguinte: “Les sanglots longs/ des violons/ de l’automne blessent mon cœur? d’une langueur/ monotone.”

  • elizio

    Caro Setti:
    no meu comentário das 03:16 afirmei que nosso sangue bate. Pequena ressalva, vou continuar a oposição em algumas de suas idéias e estou preparado para receber algum puxão de orelha.
    Combinado?
    Um abraço, com meu maior reconhecimento.

    Outro pra você, caro Elizio.

  • Vítor

    refira-se ao battisti como ele mereça ser chamado: ex-ativista, tenha respeito Ricardo.
    Chama-lo de terrorista expressa uma opinião desleixada, nem ao menos tem-se provas contra o sujeito.
    É totalmente desrespeitoso, por mais que o sr. pense assim e até seja verdade. Do mesmo modo, eu penso que o sr. não deva ser classificado como blogueiro Ricardo, mas sim como Preconceito Ricardo mas nem por isso eu saio dizendo isso por aí ( exceto agora! )..

    Chamei-o de ex-terrorista, e não de terrorista. E como é que você tem a petulância de me chamar de preconceituoso e dizer que “nem ao menos tem-se (sic) provas contra o sujeiro”? Ele foi condenado em três diferentes instâncias pela Justiça de um país democrático, a Itália, portanto É CULPADO, SIM, É CRIMINOSO CONDENADO.

    Desrespeitoso é ele, responsável por quatro assassinatos e outros crimes, ainda ficar palpitando sobre a política interna do Brasil.

  • Almir Bohana

    Estava assistindo televisão ontem a tarde quando, sem querer, estava na TV SENADO.
    O Brasil não merecia ver o que eu vi. MARTA SUPLICY
    (RELAXA E GOZE) presidindo e sessão e fazendo o seu
    discurso a senadora MARINOR BRITO, sobre o papel da
    mulher na politica.
    Nojo puro. Será que não teria algo melhor?

  • Jota

    Mas que decadência, hein senador Suplicy? Depois de tantos anos, já em fim de carreira, defendendo um assassino na tribuna do Senado da República. E ainda toma uma cortada pública da ex-mulher… tsc tsc tsc triste…

  • Natal Santana

    Ao longo da vida, toda pessoa tem o direito de acertar, pelo menos uma vez. Marta acertou uma e isso é motivo de clac, clac, clac…

  • Carlos Costa

    Eu sou Paulista,nunca votei nessa ameba do suplicío,nunca votei em petista,…agora cabe uma pergunta:
    O que posso fazer,para mandar os dois para casa,cuidar das galinhas?…A saber; eu pago os salários dessas ” autoridades “?…Não me venha com essa do voto…Todos sabemos, que por essa via nunca será possível.

    Ué, caro Carlos: se não é pela via do voto, será como? Luta armada? Golpe de estado? Deus me livre…

  • Sam Spade

    Marta deve ter pensado: Pô, já aguentei esse enfadonho durante mais de 30 anos, agora chega né!!!!

  • Marco

    Caro R. Setti: Aí temos um caso d um lado o amor q deseja e do outro o temor q evita. O 1 reconhece e respeita o poder,isto é,o teme, ou melhor um temor respeitoso. A 2 reconhece um poder q separe,distinga, estabeleça superioridade e inferioridade q não respeita. Esse tipo de pessoa ambiciosa sente repugnância contra o fato de serem amados.
    Abs.

  • João Augusto

    A lamentar apenas, é quem deveria cassar a palavra desse cidadão seriam seus eleitores. A democracia tem dessas coisas. Elege-se políticos para falar bobagens e outros tantos para ouvi-las.
    Minha sugestão ao Suplicy é que leve o terrorista para morar junto com ele.

  • Paulo Bento Bandarra

    Pena que o eleitorado paulista não faça o mesmo.

    Pelo menos o Netinho de Paula não chegou lá…

  • Daniel

    Hahaha… essa novela está ótima! Para mim o vilão saiu do papel principal e está disfarçado de vítima (Battisti) e, como era de se esperar de todo impostor astuto, Lula saiu pela porta da frente, do jeito que entrou. O casal, que parece estar empacado na década passada roubando a cena, encoberta tudo!

  • jeff

    Jajá os eleitores paulistas descobriram que o senador Aloysio Nunes é de fato do Zé Dirceu do PSDB. È uma questão de tempo. E antes de terminar desejo que mandem esse Batisti da volta para Itália.

  • jeff

    Deliciosos foi o comentario do Senador Sarney que pensando que estava com microfone desligado disse.
    ‘Essa senadora é bonitinha’.
    Acredito que ele estava falando da Gleise Hoffmam.

  • Lu.Moraes

    Ate agora não entende porque se perde tanto tempo falando desse Batisti.Bem feito mesmo.

  • fpenin

    Com a sua proverbial agilidade de raciocínio,Suplicy enche até saco plástico furado. Agora, essa senadora Marta merece um lugar no céu, apesar dos seus chutes para fora. Aguentar um mala como Suplicy durante tantos anos é dose, dose prá leão.

  • fpenin

    Caro Setti,
    Não recebi procuração para defender-te, no entanto custa-me calar diante das baboseiras que esse Vítor assacou contra ti. Num país em que um processo contra os bandidos do mensalão arrasta-se há tanto tempo, em que tantas falcatruas foram solenemente jogadas para baixo do tapete,em que uma eleição foi fortemente influenciada pela intervenção criminosa dos que teriam de zelar por sua realização,em que o presidente do Senado, carimbado por mil denúncias, paira sobre o ambiente com ares de salvador da pátria, em que toda e qualquer bandalheira é encarada como simples equívoco, em que abutres disputam cargos como carniça,em que as Erenices da vida são obsequiadas com o perdão-sem-mais-nem-menos, eu diria , num país como esse como pode alguém querer comparar-se com a pujança que a democracia italiana exibe ? Só para lembrar, Berlusconi já está com o pescoço sob a lâmina da guilhotina. E aqui no Brasil, algum petista bandido tem ao menos o dedo mindinho ameaçado ? Para com isso, Vítor. Lembra-te, se for de teu interesse, que em outras cabeças também existem cérebros, com dois hemisférios. E, melhor, funcionando…

  • joao alberto bueno de abreu

    Ricardo, tenho lido com interesse os seus textos e pude observar que vç. demonstra mais atençao com seus leitores que outros blogueiros da Veja. Nao acredito que seja pouco caso dos mesmos, apenas, uma questao de estilo. Por causa disto atrevo-me em fazer-lhe uma pergunta que nao tem relaçao com o tema acima, mas eu nao tenho como me informar mehor e nao vi ninguem esmiuçando o assunto: porque os gastos com os cartoes corporativos do Lulla e Famiglia transformaram-se em Segredo de Estado e de capazes de afetar a segurança nacional. Talvez vç. possa dedicar o seu tempo sobre este assunto. Grato. (perdoe a falta de alguns acentos e interrogaçao, porque ainda nao domino o teclado como gostaria).

    Obrigado por sua visita e por seu interesse, caro João Alberto.

    O tema dos cartões corporativos é importante. Não me considero, no momento, suficientemente munido de informações além do que a mídia já publicou para esclarecer você neste comentário. Vou, sim, procurar dedicar tempo a isso para um futuro post. Obrigado pela sugestão.

    E volte sempre, tá?

    Um abraço

  • Ricardo

    Marta,Suplicy e Supla.Esse trio ainda acabará num sanatório.Azar dos loucos internados juntos com essa turma,ficarão mais loucos ainda.

  • Lilian

    Vítor – 04/02/2011 às 4:11
    Veja:
    Olavo de Carvalho comenta o caso Cesare Battisti
    http://www.youtube.com/watch?v=39LNB-sekyY

  • julio

    Caro Ricardo, tem cada vitor na vida que até parece piada.
    Pena é que existem muitos e o lulismo é sustentado por eles.