Num país em que uma “boquinha” no governo, qualquer boquinha, não tem preço, merece aplausos a posição firme e digna que vem assumindo, em conversas, o presidente do Banco Central, Henrique Meirelles, em nome da credibilidade que adquiriu nos mercados brasileiro e internacional.

Meirelles, segundo o Estadão, está decidido a só aceitar um convite para continuar pilotando o BC caso a presidente eleita Dilma Rousseff lhe garanta o mesmo grau de autonomia de ação de que pôde desfrutar ao longo dos 8 anos de governo do presidente Lula.

Ele temeria interferências no trabalho técnico do BC durante o governo Dilma diante das reiterações da presidente de que quer a taxa real de juros (descontada a inflação) a 2% anuais até o final de seu mandato, em 2014 (hoje, arredondando, está em 5%, descontada a inflação).

O presidente do BC também não estaria disposto a aceitar uma ideia que Lula passou a Dilma — sempre jurando que não vai se imiscuir no governo da sucessora: a manutenção do presidente do BC durante um período de transição, que poderia ser de três a seis meses, antes de designar outro nome para tocar a tarefa de defender a moeda.

Segundo suas palavras a interlocutores, não quer “mandato-tampão”.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

sete − três =

Nenhum comentário

carlos nascimento em 22 de novembro de 2010

Os pilares econômicos estão em xeque, Meirelles era o último dos moicanos da era FHC, é do ramo, conseguiu controlar os ímpetos dos petralhas, aliás, o molusco por não entender nada de finanças, teve uma das raras decisões acertadas, lavou às mãos e deu carta branca ao BC, dessa forma conseguiu atravessar os dois mandatos à salvo dos terremotos. A turma dos porquinhos, mau-mau e do renúncia revogada, estão azucrinando a cabeça da Anta, afirmando que o modelo está errado e que é necessário alavancar a base monetária, o País precisa crescer a qualquer custo, mesmo que tenhamos que conviver com o aumento da inflação, o periodo de Copa, Olimpiadas,etc.., requer investimentos maciços, hora de rodar a roleta - imprimir moeda - Meirelles que não é bobo, está SAINDO FORA. Vamos dar um salto no escuro, todo mundo está avisando, a ecnomia global está vivenciado momentos dificeis, é hora de controles fiscais rigidos, os EUA com a politica do dólar desvalorizado vai quebrar várias bancas, nossa Indústria está no limbo, estamos com superavit em função dos juros - mamãe eu quero essa boquinha -explodindo a divida pública, os petralhas precisam entender uma coisa, com CÂMBIO não se brinca, quando não mata, fica aleijado, portanto, muito CUIDADO,já conhecemos o filme, êle atrasou o nosso País décadas. Mantega é gastador, Meirelles segurou o que pode, como não obteve "carta branca" está SAINDO.

jefferson em 22 de novembro de 2010

Oh meu Deus o mundo acabou o insubstituivel Meirelles saira e junto com ele toda a sapiencia do BC!

Fernanda em 21 de novembro de 2010

Por isso que eu falo...os poucos dignos que ainda auxiliam ou auxiliaram o governo atual da Era da Mediocridade estão todos "pedindo o boné", como se diz...Meirelles era ainda um dos poucos homens centrados e sensatos de Lula...com sua saída, quem nos restará? Ah, sim...os três porquinhos, além, é claro, do pateta e do lobo-mau! Estamos bem arranjados...

Kitty em 20 de novembro de 2010

Boa noite Ricardo.Nós todos estamos neste navío chamado Brasil,e estou sinceramente torcendo para que navegue em águas tranqüilas, e de ser possible em céu de brigadeiro.Mas infelizmente,a econômia não se sustenta com boas intenções mas com fatos reais.Se no exterior as perspectivas não são boas,imagine aquí que o superávit fiscal está já comprometido ao ponto que molecagems contábeis trataram de enganar os credores externos, que já perceberam a manobra,e o que mas assusta é a impágavel dívida pública que ultrapassa um trilhão de reais. Percebe-se que a gastança foi gigantesca.O Ministro Mantega é um desenvolvimentista convicto,bem a favor de tocar obras,o que leva a gastar muito.Sem o devido controle a temida inflação estaría batendo a nossa porta.Por isso sou a favor da permanência do Mereilles á frente do Banco Central.Mas a guerra entre Mantega e o Meirelles será de foice. Quem ganhará a queda de braços? O tempo ........

jefferson em 19 de novembro de 2010

Já vai tarde! Talves ele possa virar colunista ou blogueiro da Veja.

Umberto Boihagian em 19 de novembro de 2010

Amigo Ricardo,tendo convivido mais de 30 anos no mercado financeiro, e bancário em particular,posso emitir a minha opinião quanto às gestões de Meirelles.À frente do Bank of Boston foi brilhante,pois evitou o pior durante anos,preparando aquele banco medíocre para a venda.Á frente do BC foi o sustentáculo da política econômica durante todo o governo Lula,conduzindo a política monetária e não permitindo a "farra do boi".Corremos agora o risco dessa festa, pois se Dilma assumir o comando da economia, tende a "pagar a conta"dos compromissos e promessas de campanha.Como não a conhecemos,fica a sensação de que o piloto de uma aeronave passa o comando para um leigo durante o vôo. Caro Umberto, também compartilho de seus temores, especialmente porque a presidente apregoa que quer atingir uma determinada meta de juros até o final do mandato e sabemos que, tecnicamente, não basta querer para ter a taxa de juros desejada por um governo -- a menos que, com isso, se prejudique, entre outros objetivos, a luta contra a inflação. Abração

Corinthians em 19 de novembro de 2010

Muito bom, mas vamos ficar atentos. Não vamos esquecer que o Bank of Boston no Brasil era presidido por Meirelles quando teve seus piores anos, até ser comprado pelo Itaú. De qualquer maneira, ninguém pode reclamar nada de sua passagem no Banco Central - segurou as rédeas quando o PT ameaçou tirar o país do piloto automático. Espero que esta posição se confirme, mesmo eu achando ser uma grande perda no governo. Até por que para mim a Dillma é uma mistura de Maluf com Lulla, onde o que menos a preocupa é a responsabilidade com contas públicas. Já temos a continuação do nosso Ministro gastão da Fazenda.... Fico pensando, se Meirelles sair, quem vai segurar o ímpeto gastador do governo ?

Marcelo em 19 de novembro de 2010

Penso de outra forma. Ele já sentiu o cheiro de queimado, de que não há espaço para ele no comando do BC com esse papo de "desenvolvimentismo" e tratou de criar uma saída honrosa: não fiquei pq não aceitaram minhas condições. Não esqueçamos a não-pequena ambição do Meirelles. Se o bicho pegar no governo Dilma e ele estiver fora da esplanada, ficará mais à vontade para eventualmente disputar o Planalto ou Goiás em 2014...

Jefferson em 19 de novembro de 2010

Foi Meirelles, do PSDB, quem alfabetizou o PT, em se tratando de política econômica responsável. Se resolverem tirá-lo do BC, é porque querem realmente acabar com a autonomia daquela instituição. Se isso acontecer nosso timão econômico será quebrado, e o navio Brasil estará novamente à deriva no mar da inflação.

Markito-Pi em 19 de novembro de 2010

Colega Sidney e amigo Setti. Não ha esperança não. Meirelles já dançou. O "discurso" da **** alabaneza hoje no convescote petista em São Paulo, já deixou claro que os gastadores iressponsáveis mandarão no governo.

gaúcha indignada em 19 de novembro de 2010

O Meirelles obedece sempre. Cumpriu com rigor as normas determinadas por FHC.

Sidnei em 19 de novembro de 2010

Inacreditável! Ainda há esperança na política...

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI