MENSALÃO: Cometi erros ao escrever sobre o defensor de Delúbio Soares no processo do mensalão. Neste post, retifico os erros e peço desculpas ao advogado Arnaldo Malheiros Filho e aos leitores

O advogado Arnaldo Malheiros Filho, vestindo a toga regimental, faz exposição oral no plenário do Supremo Tribunal Federal  (Foto: José Cruz / Agência Brasil)

O advogado Arnaldo Malheiros Filho, vestindo a toga regimental, faz exposição oral no plenário do Supremo Tribunal Federal (Foto: José Cruz / Agência Brasil)

Amigas e amigos do blog, os leitores mais frequentes deste espaço sabem que não hesito em corrigir erros que cometo nos posts — já publiquei mais de 4 mil, e mesmo que tivessem sido menos, erros, por mais esforço que o jornalista faça, são inevitáveis.

Publiquei informações incorretas sobre o advogado Arnaldo Malheiros Filho em post anterior sobre os principais defensores dos réus do processo do mensalão. Malheiros, no processo, defende perante o Supremo Tribunal Federal o ex-tesoureiro do PT Delúbio Soares.

Em respeito a Malheiros, aos leitores e à verdade, preciso, então, esclarecer alguns pontos:

1. É incorreta a afirmação que publiquei segundo a qual o ex-ministro Márcio Thomaz Bastos foi o “criador” da tese de que o dinheiro do mensalão seria oriundo de caixa 2 para gastos de campanha. Na verdade, desde o primeiro encontro do advogado Malheiros com Delúbio, o ex-tesoureiro do PT já dizia que esse dinheiro se destinava ao pagamento de contas de campanhas eleitorais, no prosseguimento de um acordo bem sucedido por ocasião da estruturação da chapa Lula-José Alencar, em 2002.

2. Diferentemente do que informei, Malheiros — ele próprio filho de um grande advogado — não pode ser considerado “discípulo” de Márcio Thomaz Bastos. “Quem me ensinou a profissão – como digo em todas as oportunidades em que falo sobre o assunto – foi José Carlos Dias”, explicou Malheiros, a meu pedido. E prosseguiu: “Dele sou discípulo. Sou amigo do Márcio há quase 40 anos, sem ter tido essa relação”.

3. Não foi Márcio Thomaz Bastos quem indicou Malheiros para Delúbio Soares.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Nenhum comentário

  • Samuel

    Parabéns!

  • zilda mara

    Parabéns!2

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    Amigo Setti:
    Você não foi o unico a cometer este erro,Quero Ser Mico de Circo se outros terão a mesma atitude e caráter como você.
    Deuses jornalista não cometem ERROS – são sempre VERDEIROS mesmo VERDADEIROS ERRÁTICOS.
    Como bem disse o colega de opinião de coluna Samuel – “Parabéns!!!” e acrescento Parabéns Humano Jornalista e não deus com letra minúscula mesmo.
    Pedro Luiz

  • Reynaldo-BH

    Setti,
    seu erro também foi meu.
    Acreditei – e que me desculpe o dr. Malheiros, continuo acreditando – que a tese do “caixa 2” foi criada sim pelo então Ministro da Justiça. Dr. Malheiros não tina a ascendência que “God” tinha à época. EM uníssono TODO o governo passou a entoar o mantra do “caixa 2”, como se o crime de subornar o guarda (que alguns defendem como “normal”) não fosse crime. A tática eterna do “fiz, mas quem não fez?” e do “sou, mas quem não é?”.
    Daria uma centena de exemplos históricos que NUNCA foram como os outros. Nem fizeram o que os outros fizeram. Em homenagem (sem nenhuma ironia) ao Pedro Luiz, cito o capitão Sérgio Macaco. Ele não fez. Ela não considerou normal que outros fizessem.
    Em que preze o saber jurídico do dr. Malheiros, esta declaração se encaixa na estratégia global de defesa. Seria indefensável admitir o que até as pedras de Brasília sabem: MTB foi chamado SIM à casa de José Dirceu. E à saída, tinha-se a tese do caixa 2. Que Lula, então em Paris, repetiu em entrevista a uma jornalista (a famosa quem , de quem jamais voltou-se a saber!) divulgada como justificativa. Só para refrescar a memória do dr. Malheiros: foi ANTES de Delúbio admitir (em entrevista à Globo) que havia recebido dinheiro de Valério.
    Recordar é viver…
    Abraços a todos!
    PS: Não impede que eu elogie seu comportamento de um gentleman. Eu não sou… (segundo meu amigão Pedro, sou uma mula empacada! E ele sabe que me elogiou como só os amigos sabem elogiar!).

    Amigo Reynaldo, a única declaração que o dr Malheiros fez, e a meu pedido, foi a referência ao advogado José Carlos Dias.

    A iniciativa de corrigir o post foi minha. Ele não me pediu nada.

    As correções do post correm por minha conta.

    Abração!

    (E vocÊ sabe que é um grande gentleman)

  • Hélio

    É em momentos como este em se distinguem os grandes jornalistas dos jornalistas medíocres. Parabéns Setti! Abs!

    Não fiz mais do que minha obrigação, caro Hélio.

    Mas muito obrigado por sua manifestação.

    Um abração!

  • Tuco

    … o quão deplorável …

  • Tcheves

    Parabéns Setti. Realmente vc destoa da imprensa cega. Hoje foi um dia que o STF honrou a constituição e a justiça. Ministro Lewandowski mostou que é possível condenar, absolver e fazer justiça baseado em provas. Foi um alívio ouvir um voto tão bem embasado.

    Muito obrigado por sua manifestação, Tcheves, mas não fiz mais do que minha obrigação.

    Um grande abraço e… volte sempre!

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    PÔ Reynaldo:
    Explica direito a moçada pq brinquei contigo quando o chamei de “mula empacada,” se não vai chover de caras brigando comigo!!!Help!
    Quanto ao mensalão para mim é simples – na realidade certeza absoluta com reservas: se o tivesse feito e o outro talvez quem sabe pudesse ter pegado todavia entretanto porém aquele acolá não tão longe e nem muito perto que pudesse ter visto mesmo cego mas com faro e nariz entupido testemunhasse e ouvido apesar da surdez absoluta.
    Entenderam?Pô! querem que eu desenhe,duro dialogar com um povinho tão despreparado como o do Setti.
    Sherlock daqui.
    Pedro Luiz

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    É tudo tãp simples???!!!
    .O desconhecimento da Justiça sobre o mercado publicitário
    Por Celso_51

    O voto de Lewandovski na acusação de peculato

    No voto sobre peculato de Marcos Valério, o Min Lewandovski começou bem falando sobre o tal BV, dizendo que não foi apropriação indébita da agência do Valério. Na argumentação sobre o saldo do dinheiro de quase 2 milhões e picos, ele viajou na maionese. Este valor nada mais é que comissão de agência sobre serviços contratados de terceiros, para a produção de um comercial (gráfica, agendas de brinde personalizadas, designers, etc.) O BB não tem nada a ver com estes valores. Isto posto, verifica-se que tanto a defesa, orgãos de auditoria, perícias e juízes, não entendem nada de serviços de agências de publicidade, acusando o réu por pura ignorância, de um crime de peculato que não exitiu.

    No restante do seu voto, realmente o bicho pegou. Muita coisa nebulosa aconteceu que a defesa não conseguiu derrubar.

    2 X 0 contra o réu !!

    É como afirmei na nota abaixo!
    Pedro Luiz

  • Ricardo

    Setti,pra mim não necessitava pedir desculpas,pois advogado que defende essa corja a meu ver nem deve ser citado,certo ou erradamente.Seria de bom tamanho não nominá-los.O ideal seria apenas:o advogado de fulano,ou de beltrano,só!

    Caro xará,

    Discordo in-tei-ra-men-te de você! Não poderia discordar mais.

    Todos os cidadãos, sejam quais forem suas características ou antecedentes, têm direito à defesa por um advogado. Este é um princípio fundamental do Estado de Direito.

    É um absurdo fazer como você — confundir os advogados com os réus que eles defendem. Esta é uma atitude totalitária e antidemocrática.

    Além do mais, tenho grande respeito pelo advogado Arnaldo Malheiros Filho, por sua competência e integridade pessoal — ele já defendeu muita gente “do outro lado”, também, caso você não saiba.

    Finalmente, discordo de você quanto ao fato de admitir erros, corrigi-los e pedir desculpas a pessoas citadas em meus posts, quando erros ocorrem.

    Não é demonstração de cavalheirismo de minha parte, nem nada: é OBRIGAÇÃO de jornalista decente.

    Abraços

  • Tuco

    .

    Mais uma incursão minha
    podada de teu espaço,
    GRande RSetti?


    .

    Você sabe que era ofensiva, não é, Tuco? Então foi, sim.

    Lamento, mas tem que ser assim.

    Abração

  • Tuco

    .

    Aguardo novo comentário do sr.
    Tcheves – 22/08/2012 às 23:03,
    manifestando-se acerca do
    escatológico voto proferido
    hoje pelo chicanovski.
    Quem sabe, com mais alguns
    votos, e para gáudio do doutor
    Malheiros (e amigos), cheguemos
    à conclusão que o que houve mesmo
    foi apenas um singelo caixa dois…


    .

  • Pedro Luiz Moreira Lima

    A todos:
    Quando coloquei “Entenderam?Pô! querem que eu desenhe,duro dialogar com um povinho tão despreparado como o do Setti.” foi uma simples brincadeira – escrevi algo totalmente nonsense – num processo totalmente confuso como este no STF,se feri a sensibilidade de alguém – quis apenas usar o humor e nunca diminuir alguém.
    Minhas desculpas
    Pedro Luiz

  • Joao Campos

    Com esse linguajar cafajeste, não posso publicar seu comentário, João. Tente de novo, em linguagem mais respeitosa, tá?

  • ANTHONY KUDSI RODRIGUES

    Parabéns Setti, através do reconhecimento do erro, dentre outras coisas, que os nossos ancestrais hominídeos se diferenciaram dos demais seres de sua época, sendo esta observação ferramenta fundamental para a nossa evolução.
    Abração.
    AKR

    Obrigado, caro Anthony. Acho que não fiz mais do que minha obrigação.

    Mesmo assim, agradeço.

    Um abração

  • Kitty

    Caro amigo Ricardo,
    Sempre, desde que comecei a frequentar o seu blog há quase dois anos, data que se cumprirá agora no
    dia 13/09/2010, elogie a sua grande capacidade e talento na escrita, a sua finesse,a sua gentileza com os seus leitores, dentro dos quais me incluo. De todas as suas virtudes uma é uma constante: O seu caráter e fidalguia de reconhecer um erro. Sempre o vi fazendo isso, você assume a responsabilidade de ter errado e o publica sem nenhuma reticência. Partindo da premissa que errar é humano e se desculpar pelo erro cometido sem más intenções, é divino! Então meu caro Ricardo, além de admirá-lo como um excelente jornalista-escritor, agora lhe admiro muito mais por este belo gesto de humildade!
    Um abraço especialíssimo desta sua cativa e assídua leitora.///Kitty

  • Kitty

    Ricardo desculpe errei na data, na realidade quis dizer 2012. O ano 2010 foi o começo do seu trabalho no Blog!//abs