Este vídeo de novembro de 2013 retrata uma das grandes explosões de indignação a que o plenário do Supremo Tribunal Federal assistiu, quando, durante o julgamento que decidiria sobre a prisão ou não dos mensaleiros que ainda tinham embargos infringentes a serem decididos, interveio o ministro Gilmar Mendes. Os embargos infringentes poderiam livrar 11 condenados do crime de formação de quadrilha.

Irritado com as sucessivas manobras protelatórias de advogados, com repercussão em alguns colegas, e aparentemente referindo-se aos ministros Ricardo Lewandowski e Teori Zavascki, o ministro, nas entrelinhas, chegou a levantar a grave hipótese de haver conluio entre magistrados e os interesses do comando petista.

Suas palavras:

— Esse processo não anda para frente, ele anda em círculos. Tivemos uma enorme dificuldade de iniciar o julgamento, começado em 2007. Dois colegas saíram do julgamento, em meio ao julgamento, porque o julgamento se alongou demais, e agora vêm com o argumento de cabimento de embargos infringentes porque o tribunal estava incompleto. [Referindo-se à tese do ministro Teori Zavascki, segundo o qual, embora o Regimento Interno do Supremo determine que é preciso haver quatro votos divergentes em uma decisão para que o réu interponha embargos infringentes, nas ocasiões em que o Supremo não está com seus 11 ministros presentes deve-se deixar de lado a regra.] Que tamanha ousadia! Que tamanha ousadia!

— Dizer agora, podemos decidir uma matéria penal com seis votos [o Regimento Interno permite que o tribunal decida sobre questões criminais se estiverem presentes seis dos 11 ministros], mas aí, mas aí por quê? Por que faltaram, não estavam colegas presentes?  “Mas então o quórum estava incompleto, desse jeito não dá quatro votos”.

— Veja a que ponto nós estamos chegando! A que ponto nós estamos chegando… Um referencial de erro é o ridículo, e nós passamos ao ridículo ao falarmos disso. Há, dez, nove [ministros presentes], e por quê? Por que deliberadamente se conduziu para que [o ministro Cezar] Peluso e [o ministro Carlos] Ayres Brito saíssem do julgamento [ambos se aposentaram por atingir o limite de idade devido à demora do processo.]

— Isso é um princípio… é preciso ser dito para a História, e agora cabem embargos infringentes, por quê?

— É terrível, vamos dizer com toda a clareza: manipulou-se o plenário para depois continuar manipulando. Ora… é preciso encerrar esse tipo de cena…

(…)

— Vamos ser sinceros, que tipo de manipulação, que coisa constrangedora para todos, e aí agora vamos entrar com embargos infringentes com efeito de impedir o trânsito em julgado [situação em que o processo se encerra em definitivo] quando não tiver sequer um voto [em favor do réu, dos quatro exigidos pelo Regimento]! Porque ainda não foi objeto de admissibilidade!

O ministro Gilmar tem alguns desafetos no próprio Supremo, e muitos fora dele — o governo e o PT, por exemplo, o detestam.

Mas, como na inesquecível frase do técnico Zagallo, Gilmar pode dizer, se quiser:

— Vocês vão ter que me engolir!

Dentre todos os 11 ministros do Supremo, e embora esteja na Corte há já pouco mais de 11 anos, Gilmar é um dos mais jovens. Por aposentadoria compulsória, que se dá quando o ministro atinge 70 anos, só deixará o Supremo em dezembro do longínquo ano de 2025 — muito depois de Celso de Mello (que talvez se aposente ainda este ano, mas que precisa sair em novembro de 2015), do que Marco Aurélio (julho de 2016), do que Ricardo Lewandowski (maio de 2018), do que Teori Zavascki (agosto de 2018), do que Rosa Weber (outubro de 2018), do que Luiz Fux (outubro de 2023) e mesmo do que Cármen Lúcia (abril de 2024) e do presidente Joaquim Barbosa (outubro de 2024).

Se a natureza permitir, e se eles desejarem, só permanecerão no Supremo após a saída compulsória de Gilmar Mendes os ministros Luís Roberto Barroso (março de 2028) e o caçula Dias Toffoli (novembro de 2037).

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dez − sete =

25 Comentários

Guerra em 21 de novembro de 2013

Vejam a demora do processo do Maluf. Gostaria de ver uma certidão do trâmite desse processo, impulso por impulso, desde a denúncia.

Zizi Cat em 19 de novembro de 2013

Nena aí abaixo expressou tudo. Concordo. Com tido que disse .

Edgard em 18 de novembro de 2013

Tudo isso é mais uma prova de quanto é grotesco e mediocre o partido que dirige o país há 11 anos. No ano que vem, temos que comparecer em massa, nada de abstenção, e tira-lo do poder.

tunico em 17 de novembro de 2013

Só lamento esta fala não ter repercutido na grande imprensa. Nem na VEJA ela foi tratada como deveria. Só você ressaltou.

nena em 17 de novembro de 2013

Durante todo o processo Gilmar Mendes foi de uma coerência impecável, começando quando corajosamente denunciou a tentativa de manipulação e chantagem vinda do mensaleiro-mor. E durante todo o julgamento estava na posição que assumiu, sem tergiversar nunca. Assim como o moleiro de Sans Souci sempre confiei que ele seria um verdadeiro juiz de Berlim. Precisamos não só de juízes, mas também de mais cidadãos assim.

Rose em 17 de novembro de 2013

Ter um ministro do Supremo como Toffoli que nem passou em concurso para juiz, até 2037 (!) nem o Brasil merece!

Rose em 17 de novembro de 2013

Ter um ministro do Supremo como Toffoli que nem passou em concurso para juiz até 2037, nem o Brasil merece!

razumikhin em 17 de novembro de 2013

A chantagem que Lula fez a Gilmar Mendes, denunciada por este, terá sido um dos atos mais torpes - entretanto, ordinários - que o **** pode produzir.

Dulce Regina em 16 de novembro de 2013

Gilmar Mendes falou indignado, tudo aquilo que já víamos. Fale mais Ministro, estaremos do vosso lado.

CerradoemChamas em 16 de novembro de 2013

Pergunta que não quer calar. Qual é a do Teori???

Renato Guilherme Lebrão Nunes em 16 de novembro de 2013

A fala do Gilmar Mendes teve endereço certo,ou melhor, endereços certos. Os safadinhos porém ouviram tudo bem quietinhos, se fingindo de mortos. Haja vergonha e falta de caráter! E o ministro Joaquim tem que contar agora o que sabe. O Brasil não pode esperar! Se houver tempo essa cambada de petistas vai acabar com o que ainda resta de bom.

AMAURI em 16 de novembro de 2013

É preciso as vezes coragem a nossos magistrados. Pois processos andamento em círculo são milhares no nosso judiciário.

diogo em 16 de novembro de 2013

Faltou falar do lula.Será que ninguém falará desse *****,só porque ele é um ex-presidente da república?

joao alberto das neves silva em 16 de novembro de 2013

falar o que, todos sabem que esse dois ultimos ministros que foram nomeados,pelo governo. foi carta marcada,......caramba os caras estudam a vida toda se formam. e depois se vendem.e o pior, se venderam , para uma corja de corruptos, cujo lider é analfabeto.

santos em 15 de novembro de 2013

da-lhe gilmar,o pais precisa de homens de coragem p respeitar o principio da igualdade ,todos sao iguais perante a lei, assim abaixo o aparelhamento do STF, dos tribunais e dos tuiuius,na procuradoria,pois ja que o congresso ta na baes alugada desde o mensalao ,que a nao acabou ,entrega-se ministerios de porta fechada ,ate na fazenda tem roubo e nimguem sabe nada , a faxineira ta de ferias ,e o a ditadura de esquerda ta ai p quem quiser ver,poucos JB ,Fucks Gilmar , salvam-nos da degratante compra geral da naçao

Selma Coelho Eugenio de Souza em 15 de novembro de 2013

Desde o início sabíamos de que lado estava cada Membro do Supremo. A grande decepçao ficou por conta do ministro Celso de Melo, que proporcionou um dos mais belos e depois, o mais chocante momento da votaçao. Sobre Gilmar Mendes, nao sei se foi sempre odiado pelo PT, imagino que ele tenha se sentido um rato de esgoto qd foi intimado pelo Lula a ir a SP fazer uma negociata, ou seja, votar pela absolviçao dos mensaleiros. Ficou visivelmente indignado.

Santos em 15 de novembro de 2013

Assisti a manifestação de Gilmar mendes e ele tem razão , pois do jeito que tá os mensaleiros não precisam de advogados, pois diversos ministros já fazem as defesas dos criminosos, já condenados. Obs: Quando vão cobrar a grana que os mensaleiros desviaram tentando e aprovando projetos do governo Lula ?

AlexRio em 15 de novembro de 2013

Na minha opinião Gilmar Mendes ainda deve ao país uma explicação do porque deu dois habeas corpus em 24 horas para Daniel Dantas. É só.

Kitty em 15 de novembro de 2013

Caro Ricardo, a que ponto nós chegamos..desde o começo do julgamento a gente suportou com indignação a demora proposital do ministro amigo da família Da Silva, debochou na demora na entrega da revisão perguntando "por que a pressa?",e acabou entregando-o porque não tinha como seguir protelando essa vergonhosa demora,e assim, foi o julgamento até ontem, de chicana em chicana; o deboche dos petulantes advogados de defesa dando gargalhadas na saída da Corte porque sabiam de antemão de todas as armadilhas que aprontariam durante o processo dando como favas contadas o fracasso do relator e depois presidente do STF, ministro Joaquim Barbosa..todos nós acompanhamos desde a própria Corte ou nos debates de VEJA todos os meandros desse longo julgamento. Vimos com apreensão a triste posição do ministro Dias Tóffoli, que continuou no julgamento sabendo que o seu voto era parcial, pela sua incontestável amizade com um dos réus, José Dirceu. Do ministro Lewandowsky não vale a pena falar porque a sua atuação foi simplesmente vergonhosa que parecia mais o advogado da defesa do que um ministro do STF, só faltava colocar uma estrela vermelha na testa. E dos novatos sabíamos que o governo petista os escolheria a dedo para não levar uma desilusão como foi a escolha do ministro Luís Fux. Estas são apenas uma pequena amostra das tantas tentativas de desmoralizar o STF. Parece que levaram um tombo no final das contas, claro, sabemos que teremos que engolir mais alguns sapos antes que estes corruptos estejam no lugar que merecem estar: Na Papuda..todos, sem distinção..! O desabafo do ministro Gilmar Mendes me emocionou e lavou a minha alma..o resto do julgamento pertence ao futuro, difícil prever os resultados dos infringentes, a última cantada dos inescrupulosos ministros amigos do poder..fica para nós o sabor deste triunfo, pequeno se analisarmos a gravidade das acusações, mas, pelo menos eles não ganharam como pensavam os mensaleiros desde o ano 2005, que um dos corruptos propalou aos quatros ventos que o mensalão seria um piada de salão..o tempo demostrou para todos nós que eles sim viraram uma degradante piada não de salão, mas sim de prisão..Infelizmente, ainda o caminho é longo para cantar Vitória, mas o gostinho desta prévia foi sensacional!!!///Um abração-Kitty

Vera Scheidemann em 15 de novembro de 2013

Como já comentei em post anterior, foi um dos melhores momentos da última sessão do Supremo. E, como você bem ressaltou no debate promovido pela VEJA sobre o Mensalão, também a mim causou espécie que tal manifestação de indignação tenha passado quase que desapercebida na imprensa no dia seguinte. Ou a imprensa não notou a importância das palavras de Gilmar Mendes ou, tendo notado, não lhe deu a devida relevância. Ambas as hipóteses são muito preocupantes. Vera

Luiz em 15 de novembro de 2013

Setti, tendo sido o desabafo de um integrante da mais alta corte e, cara a cara com seus pares,deve sim ficar registrado no plenário para que seus colegas que se curvam ao governo do PT,sejam lembrados diariamente de que lá estão para fazer justiça. O alinhamento ideológico não pode se vestir de toga!

José Manoel em 15 de novembro de 2013

Será o que T Selasqui e os demais entenderam? Tão nem aí.

Roberto Souza em 15 de novembro de 2013

Setti, Foi mesmo um pronunciamento de lavar a alma dos brasileiros decentes. O Ministro usou palavras como: manipulação, ousadia, ridículo. Não é todo dia que um dos mais respeitados ministros do STF diz as coisas como devem ser ditas e as chamam pelos seu verdadeiros nomes. Memorável.

adir maria leite em 15 de novembro de 2013

Acho que tá na hora de ser revisto todo o c´digo penal brasileiro. O que está acontecendo com este julgamento é uma piada de mal gosto com a justiça brasileira. Tá na hora de mudar textos congecturais de nossa constituição onde prevé julgamento do julgamento, ou seja, o condenado pode ficar duvidando do julgamento quanto tempo quiser e, procurando encontrar brechas onde não tem. Dando espaço a manobras políticas.

toninho Malvadeza em 15 de novembro de 2013

SENSACIONAL,a fala de Gilmar Mendes ! O Brasil ouviu dele ontem,o que queria se dizer a muito tempo,manipulação descarada,sem vergonha e ridícula à favor de mensaleiros. Detalhe: Já é o TERCEIRO Procurador-Geral no caso que não termina nunca...

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI