Meu obrigado ao Reinaldo Azevedo

Meu obrigado ao Reinaldo Azevedo Ilustração: domínio público

Amigos, o Reinaldo Azevedo escreveu um post gentilíssimo a respeito de minha atitude de publicar, desejando que eu o tivesse escrito, um texto dele a respeito da campanha sórdida em curso contra VEJA.

No final do texto, que me daria muito gosto se vocês lessem, ele me deixa um abraço.

Quero, aqui, retribuir com outro.

E chamar a atenção de vocês para algo em que sempre insisto, nas respostas a comentários de leitores, e sobre o que o Reinaldo diz as palavras certas: aqui, no site de VEJA, os colunistas convivem não raro na divergência — mas sempre fraternalmente –, e nunca recebendo orientação sobre o que escrever, ou como.

Aqui existe uma coisa chamada li-ber-da-de.

Valeu, Reinaldo!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

treze + três =

Nenhum comentário

  • toninho malvadeza

    Setti vcs dois são craques !! Sou fã de ambos.O Brasil decente agradece.

    Quem agradece sou eu, caro Toninho.
    Abração

  • Marco

    Dom Setti: Vou até tratar por Reinaldo Azevedo, o Reinaldo, “falou alto”, hoje no Blog,q não queria palavras pomposas, ou fineza de beleza. A respeito dos seus pontos de vista. Q os adversários não precisavam esse cuidado, digamos menos franco, em em não provar nada nas suspeitas de querer manchar a revista. E q ele não precisava dessas simpatias de defeito, como moderação prudente no seu Blog.
    Reinaldo Azevedo é Leonino!
    Abs.

  • RONALDE

    Ricardo,Reinaldo,Augusto,três paladinos da imprensa livre. Ler seus artigos é certeza de aprendizado e desalienação.

  • jefff

    Pare de provocar, Jefff.

  • jefff

    Se vc acha que fatos são provocações azar o seu.

  • Jeremias-no-deserto

    Não se poderia esperar outra conduta do Reinaldo Azevedo.Junto com você e o grande jornalista Augusto Nunes, verdadeiras vozes da decência e da ética jornalista.Longa vida a vocês, esse país precisa muito de vocês.

    Muito obrigado, Jeremias. Quer dizer, então, que não estou clamando no deserto…

    Abração