Num mundo em que o espetáculo prevalece, tinha que acontecer.

De heróis, como de fato são, os 33 mineiros resgatados da mina de cobre San José, no norte do Chile, após mais de dois meses presos a 700 metros de profundidade (veja parte deles na foto, com o presidente chileno Sebastián Piñera), passaram à condição de possíveis garotos-propaganda de dezenas de empresas e diversas organizações que querem contratar seus serviços. Estão se associando para em conjunto criar a marca “33” e, surfando na audiência de mais de 1 bilhão de telespectadores que assistiram ao resgate, provavelmente ficarão ricos.

Tudo se comercializa, como vemos. Na Rússia, uma fabricante de motoserras arriscou e colocou um sósia perfeito do presidente Dmitri Medvedev anunciando seu produto em outdoors. Tomou, porém, o cuidado de não mencionar o nome do presidente, cujo sósia aparece como “o senhor dos instrumentos”. O garoto-propaganda, Mikhail Fomin, modesto vigia de uma cidade do interior, tornou-se famoso pela semelhança impressionante com o presidente e agora passou a imitar-lhe tudo, do corte de cabelo aos gestos, para ganhar a vida.

Image
A vodka Putinka, e o primeiro-ministro russo Vladimir Putin

ATÉ A KGB — Isso, porém, não é nada comparado ao que se passa com o ex-presidente, atual primeiro-ministro e permanente homem forte do país, Vladimir Putin. Pouca gente sabe fora da Rússia, mas lá existe toda uma “linha Putin” de produtos que, diante de sua popularidade, adquirem um tom “patriótico” tradicionalmente muito caro aos russos, e fazem enorme sucesso.

Image
O símbolo da sinistra KGB virou grife

Putin, matreiro por detrás da máscara de homem de aço, poderia processar quem lança mão de seu nome comercialmente, mas deixa andar porque para ele também é uma forma de propaganda.

Há uma vodca muito popular, e de boa qualidade, que se chama Putinka. Apareceram produtos de perfumaria e alimentos que, além do nome do presidente, levam a espada e o escudo que eram símbolos da KGB, a sinistra polícia secreta soviética, de cuja cúpula Putin participou. Em nome do marketing, esquecem-se do horrendo papel desempenhado pela sigla durante décadas de comunismo.

O DITADOR CEAUSESCU VIRA GRIFE — Nessa linha do horror, até o sanguinário ex-ditador da Romênia, Nicolae Ceausescu, pode virar grife. O único filho vivo dos três que teve Ceausescu com sua mulher, Elena — ambos fuzilados após julgamento sumário em dezembro de 1989 –, Valentin, e o genro, Mircea Oprean, registraram seu nome como marca.

Ceausescu governou a Romênia por 32 anos, inicialmente como um dirigente comunista independente de Moscou. Aos poucos, entrou num delírio de poder que o levou a desatinos como remover populações inteiras de uma parte a outra do país, destruindo antigas aldeias em nome de uma modernidade que nunca chegou.

Image
O sanguinário ex-ditador romeno Nicolae Ceausescue e a mulher, Elena:  agora, marca registrada

Construiu para si próprio um gigantesco e horrendo “Palácio do Povo”, o maior edifício do mundo depois do Pentágono, enquanto a corrupção grassava e a temida polícia política, a Securitate, se livrava dos adversários do regime. Quando enfim foi fuzilado após uma rebelião popular, a Romênia estava economicamente exaurida e moralmente esfacelada.

Agora, à medida que os romenos vão se esquecendo do passado e chegam as novas gerações, se tornará, quem sabe, nome de um vinho, de um clube noturno, de um sorvete…

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

7 + 3 =

14 Comentários

Robert em 18 de outubro de 2010

'Não somos heróis, somos vítimas', diz mineiro Franklin Lobos http://www.estadao.com.br/noticias/internacional,nao-somos-herois--somos-vitimas--diz-mineiro-franklin-lobos,626319,0.htm

Isabel em 17 de outubro de 2010

O santo súbito Dom Luis Ll, está guardando suas marcas registradas para a posteridade. O Irmão em Castro está preparando a causa de Betoficação. Belo par com o cumpãiêro Ceausescue.

Almir Bohana em 17 de outubro de 2010

Se o drama dos mineiros tivesse ocorrido no Brasil, muitas pessoas ficariam célebres. Lula, em um primeiro momento diria: eu não sabia. Depois, participando de um sorteio de um garrafa de pinga no Planalto diria: vamos ajudar. Depois do resgate: nunca antes na história da huma- nidade, a.c. e d.c. ´(será que ele sabe o que sig- nifica?) e sómente no Brasil e eu como Presidente poderia haver um resgate dessa importancia. Marta Ssuplicy ao saber que todos os mineiros esta- vam vivos:relaxem e gozem. Dilma Rousseff, ao saber: eu não tenho nada a ver com isso. Depois: vou pedir a Policia Federal para apurar. Mais adiante: é ilação, é factóide, estão tergiversando. Israel Guerra: 20% de comissão sobre o total dos custo se o resgate for bem sucedido. Erenice Guerra: meu filho precisa trabalhar, eu não posso ficar sustentando pelo resto da vida. É o retrato do Brasil de Lula indecente.

Chico Lima em 16 de outubro de 2010

Setti. Transformar um facínora como Nicolae Ceausescu em grife é o fim da picada. É difícil crer que os romenos tenham esquecido os horrores causados pela tirania de Ceausescu, ainda que tenham se passado quase 21 anos de sua queda. Poucos tiranos atingiram o nível de Ceausescu em matéria de divulgação de mentiras (chegou até a forjar diploma de Química para sua esposa que não sabia a diferença entre um tubo de ensaio e uma xícara). Esta notícia me faz temer o que poderá acontecer no Brasil se Lula conseguir se propagar no poder pelas décadas que deseja. Lamentável!

Joe em 16 de outubro de 2010

Caro Setti, estava fora do país quando do resgate dos mineiros e pude ver o massivo acompanhamento das imprensa internacional, com algumas emissoras transmitindo ao vivo e outras com flashes a todo momento. Acima de tudo, o que me impressionou foi o "espetáculo midiático" e a exacerbação do nacionalismo pelo Chile, país que admiro bastante. Políticos fizeram de tudo para transformar o desastre em uma vitória, como se fosse uma final de copa do mundo. Independentemente da competência técnica demonstrada, sendo que nisso os chilenos foram ajudados por outros países, o que, por si, não deslustra o mérito, e do estoicismo demonstrado pelos mineiros, é inegável que eles trabalhavam sem as mínimas condições de segurança. O governo chileno não cumpriu com o dever básico de fiscalizar as condições de trabalho na mais importante atividade econômica do país, deixando seus trabalhadores sob imenso risco de vida (alguns preferem "de morte") e depois lançou mão de toda a sorte de truques de mídia para figurar como vencedor. Acho que já vi essa prestidigitação um pouco mais para o leste da América do Sul...

RitaZ em 16 de outubro de 2010

Setti, tomara que eles ganhem o suficiênte para nunca mais terem que voltar ao interior de uma mina... Acho que "Lula Lá" seria um bom nome para uma cachaça com uns 60°de teor alcoólico, pelo menos uma justa homenagem, à propósito, existe alguma vodka chamada Boris Iéltsin?rs abs, Rita PS:Cadê a continuação da matéria sobre JK? Está aquí no blog? Não consigo achar! Você prometeu para o final de semana! Oi, Rita, tudo bem? A continuação entra amanhã, domingo. Vai estar na home page e também no seu lugar natural, a seção "Bytes de Memória". Ficará fáci de achar porque estará de manhã no alto da home page. Obrigado por lembrar dessa matéria, me é muito cara inclusive por ter sido uma das muitas experiências inesquecíveis que vivi ao lado de meu Pai e acabou sendo também uma forma de lembrá-lo e mencioná-lo no blog. Abração

carlos petista em 16 de outubro de 2010

sera que acabou ??

Abreu em 16 de outubro de 2010

Ricardo, Se os comentários abaixo não se tratarem de gozação, além de Você estar tendo uma má audiência, temo por estar em más companhias... Saudações,

Regina em 16 de outubro de 2010

Parabéns pra eles, sofreram tanto, que aproveitem bem. Essas são as vantagens de sair vivo do buraco.

carlos petista em 16 de outubro de 2010

QUE SAUDADE DA EX URSS QUE PENA QUE O COMUNISMO ACABOU !! MAS O SOCIALISMO NÂO ACABOU !!

CARLOS COMUNISTA em 16 de outubro de 2010

viva o comunismo com certeza a melhor opçao para corrigir as injustiças sociais.. (CONCORDA RICARDO SETTI) Se for uma pergunta, meu caro (faltou o ponto de interrogação), claro que não concordo. O comunismo, na prática, foi uma tragédia absoluta: repressão às liberdades públicas, atraso econômico, massacres, genocídios, privilégios para a nomenklatura dominante. Felizmente essa praga acabou.

Marco em 16 de outubro de 2010

Caro R. Setti: Como os homens de Estado provocam paixões públicas. Os revolucionários dominantes então com seu egoismo superior de grande homem de massa ( principe e Deus ), é como time de futebol. Não deixa de ser um nicho ou uma marca de fidelidade ! Abs.

Robert em 16 de outubro de 2010

Por que são heróis? Mais de dois meses apertados num buraco a 700 metros de profundidade, no escuro, sem cometer desatinos, enfrentando com dignidade e coragem essa situação-limite, que levaria a maioria dos homens à loucura ou à auto-eliminação... Bem, Robert, você é inteligente o suficiente para saber julgar, nem preciso me estender mais.

Frederico Hochreiter/BH em 16 de outubro de 2010

Um belo texto sobre o "business as usual" que é a marca registrada do mundo de hoje, Ricardo. Os coitados dos mineiros pouco vão ver do dinheiro da marca. Putinka pode até soar bem em russo mas aqui não venderia cachaça de segunda. Quanto à Romenia você comenta que ela está se esquecendo do passado. Pelo menos no que se refere a cinema, acho que não. Vale a pena conhecer o que o cinema romeno tem feito com as memórias da ditadura, sempre com um humor de primeira, quase, como no clichê, "britânico". Recomendo como introdução dois filmes modestos, sem grandes cenários e custos, mas excelentes: A Leste de Bucareste e Casamento Silencioso. Se gostarem, vejam também o já um pouco mais velho Trem da Vida. Sim, sei disso, caro Frederico. Felizmente há muita gente que se lembra, e bem, do terror de Ceausescu. Muito obrigado pelas dicas dos filmes. Abração.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI