Image
A pianista de formação clássica faz fusão inédita de flamenco, jazz e música erudita

Assisti a um de seus shows há não muito tempo. E, amigos, acreditem: ela conseguiu deixar em segundo plano o mitológico McCoy Tyner, ex-pianista do quarteto de John Coltrane, num festival de piano em que apresentou seu Bach por Flamenco no L’Auditori de Barcelona.

Ela é a espanhola de Sevilha Miriam Méndez, um colosso de mulher, bonita e sensual, e isso quase faz esquecer que se trata de uma novidade extraordinária no panorama musical europeu. Miriam mistura música clássica com flamenco e jazz, numa combinação inédita e surpreendente.

Miriam Méndez tem, justamente por isso, pago um preço: tal como ocorreu na Argentina durante boa parte da carreira do grande inovador do tango Astor Piazzola, ela é menos aceita na Espanha do que seu talento merecia. Os aplausos recebidos em seu país não se equiparam ao sucesso que faz no exterior, seja na Alemanha, na Noruega, na Finlândia ou na Turquia.

Não é para menos. Com a cabeleira negra solta, vestido longo rodado e descalça diante de um Steinway de cauda (não percam o finzinho do vídeo abaixo), enquanto toca ela rege, freqüentemente em pé, um singular grupo de músicos: de um lado, o típico conjunto flamenco, com duas cantaoras, um guitarrista (guitarra espanhola) e um ou dois percussionistas; de outro, três instrumentistas clássicos tocando violino, cello e clarineta.

Volta e meia, em meio a prelúdios de Bach adaptados para sevillanas ou bulerías, essa pianista clássica formada nos conservatórios de Sevilha e de Barcelona, que se aperfeiçoou na Itália, Bélgica, Holanda e Suíça, bate palmas e grita ¡olé!, para, no fecho do show, abandonar o piano e, na frente do palco, arrebatar de vez o público dançando.

Seu show Bach por Flamenco virou um CD. No finzinho de 2008, foi a vez de Mozart por Flamenco. Agora, enquanto dá uma pausa nos tours porque está negociando com uma nova agência de management, Miriam está gravando sua parte em Miles Español. um disco na maior parte contendo temas do gênio do trompete Miles Davis tratados com enfoque latino e de que participarão grandes nomes do jazz, americanos ou não, ainda não divulgados.

O produtor musical e saxofonista e norte-americano Bob Belden pediu a ela uma versão de Riot, do pianista Herbie Hancock, e uma composição própria.

Tal como ocorre com seus dois CDs anteriores, vocês vão precisar se virar em sites do exterior para ter em casa o novo trabalho dessa grande artista. Não há CDs de Miriam Méndez à venda no Brasil.

Infelizmente.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

14 − 4 =

14 Comentários

Dulce Toledo / BH em 20 de setembro de 2010

Caro Setti, esta moça é simplesmente espetacular! Que delícia aos olhos e aos ouvidos! E, complementando um comentarista abaixo, Maia, acrescento que não temos aqui trabalhos de Julio Pereira, bandolinista portugues da melhor qualidade e o grande Kepa Junquera, galego de boa cepa, fantástico instrumentista que vale a pena ouvir. Não temos nada dele por aqui, mas já gravou até com o Wander Lee, mineiro que escreve fácil de canções lindas e líricas. Kepa é fenomenal. Tenho todos os seus trabalhos pela mão de amigos que moram na Espanha e sabem que aprecio suas músicas, senão nem o conheceria. Mas não há gente boa e desconhecida só lá fora. Aqui no Brasi l, aos montes, há talentos desconhecidos e que deveríamos divulgar quando descobrimos. Grande abraço, obrigada por esta preciosíssima dica. Dulce Quem agradece pelo comentário tão completo e sobretudo tão simpático sou eu, cara Dulce. E não há dúvida sobre o que você diz a respeito dos talentos musicais no Brasil. Volte sempre. Será um prazer! Um abraço do Ricardo Setti

Luzia Lacerda em 15 de setembro de 2010

Setti, querido, Você arrasou na estreia. Parabéns e que bom tê-lo de volta. Gostei de tudo, mas da Miriam Méndez, adorei. Concha Buika e Lila Downs já fazem parte da minha vida. Agora, quero a espanhola. Beijos e sucesso, como sempre. Querida amiga Luzia, Que honra receber seu email! Muito obrigado pelos bons votos. Que bom que você gostou do post sobre a Miriam Méndez. Ela é fantástica. É incrível que uma artista desse porte não seja conhecida no Brasil, não venda discos aqui etc. Na própria Espanha não é fácil encontrar CDs dela. Afinal, mexeu com uma tradição profunda, o flamenco. e o pessoal do flamenco é meio conservador. E é incrível: ela ainda não gravou nenhum DVD! Por ora, o jeitok, infelizmente, é ver o Youtube. Um grande abraço do Ricardo Setti

Marco em 14 de setembro de 2010

Caro Setti: Acabei de escutar no You Tube um argentino q se chama Paolo Martini ele interpretou El Padrino- Brucia La Terra- The Godfather. Fica a dica.Gostei do show em Homenagem aos Italos-Argentinos. Será q os Italos Brasileiros vão gostar ? Valeu, Marco. Estou atolado de trabalho, mas vou procurar pelo Paolo Martini. Abração do SETTI

Maia em 14 de setembro de 2010

Infelizmente vivemos num país onde pouco sabemos do que acontece - em termos culturais - na Europa e até mesmo na Ámérica Latina. Os produtores e agentes preferem artistas americanos e/ou que estão "no mercado" devido ao retorno fácil. Eu - por questões culturais - vivo com olhos e ouvidos do outro lado do Atlântico e, portanto, Miriam Méndez não é novidade. Sugiro outros nomes para quem quiser conhecer o que está acontecendo com a música em terras européias: Na Espanha: Carmen París, Martirio, Luar na Lubre, Kepa Junkera, Diego El Cigala, Carlos Cano, Rosa Cedrón, Eliseo Parra (para citar uns poucos, já que A Espanha é atualmente o país mais criativo em termos musicais). Na França - Bratsch, Amelie Les Crayons. Portugal - Cristina Branco, Dazkarieh. México - Lila Downs. Caro Maia, Que bacana você passar dicas tão boas para os leitores! E pra mim mesmo: não conheço todos os que você menciona. Vou acrescentar pelo menos duas cantoras mais: a incrível Concha Buíka, mallorquina (e, portanto, espanhola) de origem africana e a revelação do fado português Joana Amendoeira. Apareça sempre, Maia. Um abraço do Ricardo Setti São apenas alguns nomes que me surgem sem pensar muito. Pena que no Brasil tenhamos que conviver com mediocridades e mau gosto.

Armenio em 14 de setembro de 2010

Caro Setti, adorei sua dica. Sou admirador do flamenco. Como sei que vc morou na Espanha - vi na ótima entrevista com o Nunes- vc teria mais dicas de flamenco para nos dar? Abs Armenio Caro Armenio, Também gosto muito de flamenco, mas não sou um especialista. De toda maneira, vamos lá: além de grandes damas do flamenco, dançarinas que progressivamente passam a trabalhar apenas como coreógrafas, devido à idade, mencionaria duas sensacionais em plena atiividade a que assisti na Espanha: Maria Pagés e Sara Baras. Elas costumam excursionar pelo mundo e certamente há vídeos de ambas no Youtube e/ou no MySpace. Quanto a cantores, devo mencionar pelo menos dois gênios: Diego "El Cigala", grande cantor cigano, o maior cantor de flamenco vivo, e o mitológico Camarón de la Isla, morto prematuramente em 1992, aos 42 anos. Para finalizar, entre muitos, o grande guitarrista (guitarra espanhola) Paco de Lucía. Um abraço do Ricardo Setti

Wanda Nestlehner em 14 de setembro de 2010

Setti, caríssimo, parabéns pela estreia! Adorei saber que passeará também por outros assuntos, além da política. Bárbara esta dica. Vou ver se consigo outras gravações na internet. Grande abraço, Wanda Obrigado, querida Wanda. Sem dúvida procurarei ter assuntos variados no blog. Política é importante, mas só política cansa... De fato a Miriam Méndez é uma artista espetacular. Há vários vídeos dela no Youtube e sobretudo no MySpace. Um abração do Ricardo Setti

Sepp Schmidt em 14 de setembro de 2010

Muito interessante seu blog, Ricardo Setti não imaginava essa variedade de assuntos. Meus cumprimentos, é bom ler coisas agradáveis num país em que a imprensa produz tanta notícia ruim -- culpa só do Brasil ou também da nossa imprensa? Não sei, mas gosto dessa mistura do seu blog. Cordiais saudações.Sepp

Gastão Roriz Fleury em 14 de setembro de 2010

E como diz o Ricardo Setti, alem de tudo é mesmo um mulherão. Gostei...

Claudia Dias Rosselló em 14 de setembro de 2010

Muito interessante. Que pena que não tenham discos dela no Brasil. Valeu pela dica.

José Carlos Merhy Maluf em 14 de setembro de 2010

Que maravilha,gostei muito.

Carlos Humberto Tiessi em 14 de setembro de 2010

Grande dica, Ricardo Setti. Obrigado. Muito legal mesmo. Parabéns Que bom que gostou, meu caro. Um abraço

J Augusto em 14 de setembro de 2010

Excelente! Agradeço a dica.

Octavio Sixto em 13 de setembro de 2010

Caro Ricardo, ótima dica. Procurei vídeos de Miriam Méndez no youtube e achei sensacional. Um abraço. Octavio Fico satisfeito, caro Octavio. Procurarei ter sempre novidades na seção "Tema Livre". Um grande abraço do Ricardo Setti

Camila Suzuki em 13 de setembro de 2010

Fiquei maravilhada com o vídeo. Apesar de minhas raízes orientais, gosto do flamenco e nunca tinha ouvido falar dessa artista. Muito interessante sua descrição. Será que ela vem para o Brasil? Prezada Camila, Essa artista é realmente do primeiro time. Tenho parte da família em Barcelona, de forma que sempre que posso vou para lá. E foi lá que assisti ao show. Uma das melhores coisas que já vi sobre um palco. Sei que no momento ela interrompeu turnês para se dedicar a esse disco a que me refiro no post. E, que eu saiba, ela nunca veio ao Brasil, mas tem planos de tornar conhecido seu trabalho na América Latina. Obrigado pela leitura. Um abraço do SETTI

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI