Na eleição em SP, qualquer coerência política terá sido mera coincidência

lambanca-eleitoral-sp

Haddad, do PT, poderá ver migrar para o católico Chalita, do PMDB, o apoio dos comunistas do B de Renato Rabelo. E o tucano José Serra vai cooptando em São Paulo partidos que, em Brasília, estão com Dilma

Sei que não poucos leitores do blog me consideram ingênuo por, entre muitas outras coisas, insistir em que nossos políticos e seus partidos guardem — até por decoro — um mínimo de coerência política ou, vá lá, ideológica.

Mas não adianta, vou bater nessa tecla sempre que os fatos me incomodarem.

É o caso da salada mista que está em andamento em São Paulo, com o olho comprido de políticos e partidos na possibilidade de governar a maior e mais rica cidade do país.

Seria cômico, por exemplo, se não fosse um sintoma de esculhambação geral, que os comunistas do PC do B, por exemplo, que sempre andaram dependurados no cangote do PT para conseguir se eleger para qualquer coisa, agora, por não terem pleitos atendidos lá em Brasília — cargos na máquina federal, entre outras reivindicações –, ameacem se bandear para… Gabriel Chalita, do PMDB.

Comunistas podem apoiar um catolicão

Não posso imaginar nada mais distante dos comunistas do B do que Chalita, católico de origem ortodoxa fervoroso. Estou seguro, porém, de que ele vai a-do-rar se os minguados votos do PC do B e, principalmente, seu tempo na TV se bandearem para o PMDB, após as conversas que o presidente licenciado do partido, e vice da República, Michel Temer, vem mantendo com o presidente dos comunistas, Renato Rabelo.

A coisa não pára aí. O tucano José Serra, teoricamente de um partido de oposição, está prestes a receber o apoio — é claro que em troca de cargos se for eleito — do PDT brizolista, que apoia em Brasília o governo Dilma. O PSB, que também faz parte da bagunça geral denominada “base aliada de apoio ao governo no Congresso”, em São Paulo, por ora, está com o PSDB, tanto é que seu principal dirigente, o ex-prefeito de São Vicente Márcio França, é secretário do Turismo do governador Geraldo Alckmin.

A situação do PSB está provocando a intervenção pessoal do presidente nacional do partido, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos — mas sabe-se lá.

A desarrumação nas hostes governistas, que em São Paulo são oposição, é atribuída à falta da articulação pessoal do ex-presidente Lula, que se recupera de um câncer na laringe e, mais recentemente, de uma pneumonia.

O fato, porém, é que qualquer coerência política ou ideológica que ocorrer na eleição de 7 de outubro próximo em São Paulo terá sido mera coincidência.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quinze − dez =

Nenhum comentário

  • Mari Labbate *44 Milhões*

    SETTI: já pensou que maravilhoso? Os comunistas, aos poucos, transformando-se em cristãos? Essa é a orientação do Terceiro Milênio! Paulatinamente, os políticos vão testando novas tendências e conquistando mais discernimento, porque tudo é muito relativo, no Universo! Já imaginou, se as mães oferecessem apenas leite aos filhos pequenos, impedindo-os de provarem novos sabores? É o mesmo princípio: a experimentação de novos conhecimentos, através da sadia-contaminação!

  • Angelo Losguardi

    Setti, que católico fervoroso é esse que apoia as práticas diabólicas do pt? Que alivia e fornece “álibis” forjados pro partido, tais como o cristianismo da dilma (essa é pra rir) e finge que o partido não tem obsessão pela prática demoníaca do aborto?

  • Nós

    O Chalita é tão católico quanto o PT é ético.

  • Eduardo Marinho

    Não há coerência políticas desde quando o PSDB uniu-se ao PFL para eleger FHC.PSDB de figuras históricas do antigo MDB unir-se a ACM e outros advindos da Arena… Hoje o PCdo B está no governo de Kassab,que criou o partido nem de esquerda,nem direita,nem centro,resta a ré.PDT é governo federal,mas em SO tem Paulinho da Força,que faz aliança com quem der dinheiro…ou seja…coerência política ou ideológica já nao existe desde o começo da redemocratização.

  • Eduardo Marinho

    E o Serra só apoia candidatos do PSD, contra qualquer candidatura tucana de fato…coerente ele?

    E onde é que você leu neste blog eu dizer que o Serra é “coerente”? E o que é que eu tenho que ver com o Serra? Você acha que eu não me lembro de que ele apoiou o Kassab contra o Alckmin para prefeito?

  • Eduardo Marinho

    Há muito tempo não há coerência política ou ideológica.em 1994 o PSDB ,oriundo do MDB ,oposição ao regime militar,aliou-se ao PFL/Arena/DEM de ACM…Lula aliou-se a Renan Calheiros,que já foi do PSDB e Sarney,que está com os governos dele,de Itamar,Collor,FHC,Lulla e Dilma…O PC do B tem csecretário na prefeitura Kassab, que fundou o PSD que não é de direita ,nem esquerda,nem de centro…muito pelo contrário!!!!

  • Luis R N Ferreira

    Não é só em SP que ocorre o fenômeno e a determinante é o famigerado horário político dito gratuito. E a praga dos marqueteiros que saíram de suas atividades cotidianas de vender dentifrício e entraram na seara política reinando naquele espaço e orientando o rumo das campanhas.
    O ideal seria o descrito por Roberto Pompeu de Toledo em sua última coluna na Veja onde descreve o que seria uma campanha política ideal. Somente debates temáticos mediados pelos tribunais eleitorais, onde as idéias ficariam evidenciadas. Com as idéias indo para o primeiro plano, a conseqüência seria o fortalecimento das ideologias e, pela lógica, de maior coerência nos discursos partidários.

  • Jonas

    Me informe por favor, quem nunca foi candidato a nada no governo anteriormente e que agora pretende concorrer ao pleito, por favor, é neste que eu quero votar é esse que todos devem votar. Talvez haja luz no fim do túnel.
    Votar em um candidato, vamos dizer veterano,vemos que no que se refere as alianças, estamos trocando as moscas para voar em cima da mesma coisa, sem contar que tem moscas voando já com a asa quebrada e a culpa é do povo.
    Tchau e bença, to fora.