O que o amigo do blog acha de existir um romance entre uma alta figura da magistratura brasileira, integrante de um dos tribunais superiores em Brasília, e outra alta figura, mas ligada, e como lobista, a um grande e poderoso conglomerado privado, com causas de centenas de milhões de dólares tramitando em altas cortes da capital do país?

Esta situação potencialmente explosiva existe, é real e ainda pode dar o que falar.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

1 × quatro =

Nenhum comentário

Luara em 08 de novembro de 2010

Imagino que está falando de algo que ainda não se sabe, que não é ainda do domínio público. Mas já posso prever: a corda vai arrebentar pro lado do mais fraco. Ou seja, quem vai pagar o pato é o povo. Ou estarei enganada?

José Américo C Medeiros em 08 de novembro de 2010

Caro amigo José Américo, Li e esse boato já havia sido difundido por um conhecido blogueiro. A fonte que você me passou não é confiável. Não confio em uma palavra do que ele publica. Em todo caso, obrigado. E, conforme combinado, não publico seu comentário. Escrevo apenas para saber que eu o li. Abraços

noelia em 08 de novembro de 2010

Setti, Voltei. Na resposta a SergioD, você fala claramente em "filhos de ministros"..."recém formados" ..."ganham fortunas".. "nem precisam assinar petição" etc. Que eu saiba, isto sempre foi e sempre será assim.. só me resta perguntar: serão todos filhos de Erenice? Cadê a midia e a PF? Cara Noélia, A mídia tem apontado com frequência casos de conflitos de interesses envolvendo filhos de ministros. E agora, felizmente, o Conselho Nacional de Justiça começou a fiscalizar isso também. O problema é quando os filhos são sócios ocultos dos escritórios. É a velha malandragem brasileira... Abraços

Marco em 08 de novembro de 2010

A moça namoradeira, pelo histórico recente, parece ser de identificação relativamente fácil, mas qto ao lobista precisamos de mais pistas para seguirmos a trama. Afinal, são tantos rondando Brasília...

noelia em 08 de novembro de 2010

Depois de ler o blog do Tio Rei, sobre nordestinos e paulista (denso ) foi bom vir para o seu blog e me deparar com esta matéria leve, sobre romances... Que pena que sou da raia miuda e estou voando...fiquei morrendo de curiosidade sobre o lobista.. quanto a ela... é a bonitona? Brincadeiras á parte ... é a vida...quando pinta o clima ... ou grandes interesses... não adianta...ninguém segura... Bem, Noélia, por ser UMA lobista e UM ministro também, não? Abraços

José Américo C Medeiros em 08 de novembro de 2010

Caro José Américo, Você é muito antenado mesmo. Perdoe-me se não publico o comentário. Entenda minhas razões, tá? Abração

Yvone em 08 de novembro de 2010

Mandem a Monica Bergamo da Folha especular. Ela adora uma fofoca.Assim que souber, sai na Folha.

José Américo C Medeiros em 08 de novembro de 2010

Como leitor, portanto não sujeito à ética jornalística, posso dizer quem seria (quem seriam), prezado Setti? Ou guardo a notícia? Se você sabe, pode, sim. Não sei se vou poder publicar, porque aí eu terei mediado informações que não posso comprovar. Quer arriscar? Um abraço, comandante.

Valdo Elias Veloso em 08 de novembro de 2010

Essas notinhas sem nome me lembram fofoquinhas de celebridades. Todo mundo ou quase todo mundo sabe quem são os personagens. Por que não dar os nomes? Porque não tenho como provar que existe o relacionamento.

Augusto em 08 de novembro de 2010

Este ainda está na fase namoro. E os casos em que o pessoal já até casou e por aí vai ? rsrsrs. Infeliz o povo que tem olhos e não quer ver.

Lmendes Mendes em 08 de novembro de 2010

E adianta achar alguma coisa nesse país em que o próprio presidente não respeita a constituição?

SergioD em 08 de novembro de 2010

Ricardo, como fica a minha curiosidade agora? Não estou sabendo de nada sobre isso, daí ter ficado surpreso com a sua notícia. Concordo que se for como você expõe, é um assunto intrigante. Daqueles em que a fronteira entre o público e o privado está por um triz de ser rompida. Não bastaria e alta figura da magistratura se definir como incompetente nos casos em que os interesses de seu parceiro estiverem sendo julgados? Pessoas como essa não teriam direito a uma vida pessoal normal? Cabe a nós, público, levantar e questionar o romance caso nada de errado tenha sido apurado? Tenho muitas dúvidas a esse respeito. Um abraço Imagino a sua curiosidade, caro SergioD. O problema é que eu sei que os fatos são verdadeiros mas não posso, por falta de, digamos, "provas" do namoro, dizer os nomes. Normalmente, magistrados se declaram impedidos quando há algum tipo de relação com as partes. Mas, como temos visto até no próprio Supremo Tribunal, há o problema, para ficar em um só, dos filhos de ministros que, mesmo recém-formados ou com pouca experiência, ganham fortunas como advogados integrando empresas de advocacia, tendo como grande item do currículo os laços familiares. Eles nunca assinam petiçõe nem nada, e às vezes não são formalmente sócios dos escritórios, de forma que não é raro que magistrados, em diferentes níveis, decidam em causas nas quais de alguma forma há parentes diretamente interessados. Relações sentimentais também já interferiram em casos conhecidos, sem que se pudesse provar a existência delas. Felizmente o Conselho Nacional de Justiça tem fiscalizado várias irregularidades, e esta também. JFoi uma boa novidade no plano institucional brasileiro. E no CNJ ninguém é bobo, para falar português claro. Abraço

Reynaldo-BH em 08 de novembro de 2010

Primeiro um jornalista que nunca foi conhecido pela integridade ética. Depois um breve namorico com um senador. Agora um lobbista. Seria revanche por não ter sido indicada para uma corte internacional? Se sim, nós (os brasileiros!) é que pagamos o pato pelas derrotas (100%) das indicações de Marco Aurélio Top-Top Gracia e Celso Amoral??? O STF tinha um ministro que se notabilizou por amar tanto a Europa que foi incorporado ao nome, como apelido. Outro, que trabalha pouco,mas está sempre em bares. Ainda um que inclui parecer e decisão contrário à votada pelo plenário, em voto que foi o responsável pela redação. Mais um que tem um genro que vende o impedimento do ministro. E todos odeiam-se mutuamente. E pior: são vitalícios e irremovíveis. Vamos conviver. E rezar!

Celinha/Marília-SP em 08 de novembro de 2010

Caro Setti, é nitroglicerina pura. Por mais éticos que sejam, os pombinhos dificilmente vão conseguir separar o pessoal do profissional. Como manter um relacionamento verdadeiro, baseado na confiança mútua,se há temas "proibidos" de serem abordados na alcova? É esperar para ver os próximos capítulos. Pois é... Coisas do Brasil.

Camada von Ozonio em 08 de novembro de 2010

ALGUÉM TEM QUE SE DIZER IMPEDIDO.

Expedito em 08 de novembro de 2010

Caro jornalista, Sinceramente, não acho nada. Até porque achar repugnante,inaceitável ou quaisquer outros adjetivos (des)qualitativo não adiantaria coisa nenhuma. É de pouca ou quase nehuma valia a indignação de parcela da população acerca dos desmando do governo PeTralha, não importanto do tipo de delito. Afinal, tal como na alegoria nos filmes do personagem James Bond, os dois zeros (007) significam licença total para matar sem escrúpulos e sem consequência moral ou jurídica, a maioria dos eleitores brasileiros deu, nas últimas eleições, licença com carta-branca ao governo lulo-petista para fazer o que bem quiser no trato da administração pública. Como bem se manifestou a elite intelectualóide, artística e da impremesa influente, o chamado governo pode chafurdar na m.........e não tem importância. Assim, no caso noticiado, acho que se lambuzar em sêmen é mais asséptico, pelo menos. Estamos no começo ou melhor, ainda nem começou o terceiro mandado do Lula. É bom prepararmos o saco de filó pois temos pela frente Copa do Mundo de Futebol, Jogos Olímpicos e Internacionais Militares.

ALICE MELL em 08 de novembro de 2010

Concordo com suas palavras... a vida pessoal acaba influindo no laod profissional nesse s casos, especialment eno Brasil, em que o tráfico de influências e exploraçãod e prestígio é vergonhoso.

Marco em 08 de novembro de 2010

Caro R. Setti: Boa pergunta, como se diz na Filosofia : Interesseira ou Interessada ???????? Abs.

Esron Vieira em 08 de novembro de 2010

Eu como leitor, acho que é uma realidade bem preocupante. Principalmente no caso das indicações de ministros, serem feitas pela presidencia da republica e sabatinados pelo senado (todos politicos com certos interesses em decisões do supremo). Não sou cientista politico, mais deveria haver alguma fórmula de escolher reais exelencias ocupantes da mais alta corte. Se no executivo e legislativo, a população pode teoricamente promover mudanças ou limpeza; porque no judiciário não pode existir a tal de democracia? O que vemos é a chance de ocupação vitalícia de um possível corrupto na majistratura. Até mesmo os majistrados ilibados ficam com ferramentas limitadas pra fazer o auto-expurgo nos tribunais (o velho corporativismo reinando). Todos sabemos que este tipo de romançe existe, pode dar o que falar, sabemos o que resulta e ficamos impotentes só resmungando.

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI