Não falta coragem a Julia Gillard, primeira mulher a governar a Austrália.

Ela tinha diante de si um enorme desafio em junho passado quando foi eleita para substituir o mais popular primeiro-ministro da história do país, o trabalhista Kevin Rudd (2007-2010), que chegou ao poder derrubando 11 anos consecutivos de governos conservadores e alcançou, durante o mandato, índices de aprovação roçando em 80%.

Não bastasse a sombra do antecessor, Gillard não nasceu na Austrália, mas no País de Gales, e, num país de hábitos conservadores, vive – em casas separadas – com um parceiro sem ser casada.

Mas ela assumiu, tem bons índices de popularidade e, agora, ela está enfrentando terríveis pressões da oposição, de setores da indústria e de outras áreas do empresariado diante da proposta de lei que apresentou ao Parlamento, instituindo uma “taxa sobre emissão de carbono” sobre todos os veículos, máquinas e equipamentos que queimam combustível derivado de petróleo ou carvão, na base de 26 dólares por tonelada emitida.

“Vai haver uma rebelião popular” contra o tributo, vociferou na Câmara de Representantes o líder da oposição, o deputado conservador Tony Abbott, que ameaçou:

— Combateremos essa taxa cada segundo de cada minuto de cada dia de cada mês.

Gilliard respondeu:

— Estou firmemente determinada a taxar as emissões de carbono. Nada me demoverá deste objetivo.

Ah, esqueci de dizer: o companheiro da primeira-ministra, Timothy Mathieson, é cabeleireiro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

três × 2 =

12 Comentários

rafaella em 26 de janeiro de 2012

o companheiro dela não é um empresário do ramo imobiliário?? Sim, Timothy Mathieson, conforme já informei em um dos posts sobre a primeira-ministra Julia Gillard. Você está por dentro! Abraços

danir em 03 de março de 2011

As vezes coragem e "Bullshit" andam juntos. Se por um lado é muito louvável que se policie as emissões de gases na atmosfera, enfiar a mão no bolso dos outros a pretesto de cuidar do meio ambiente, não é uma boa política. Não acredito muito em salvadores da humanidade. Apesar de que não a conheço o suficiente para fazer um juizo imparcial a respeito. Mudando de assunto tambem acho que elas foram separadas na maternidade, uma se voltando para as artes e a outra para a política.

Lapeno R em 01 de março de 2011

Pois e Ricardo, a minha xara ai nao e mole nao. Vamos ver como ela vai se sair nessa batalha pelo Carbon Tax, pois o KRudd foi decepado do posto quando virou a arma contra as mineradoras (maiores empresas e recolhedoras de imposto na Australia), e propos um ''super Profit tax scheme'', ou seja, tributar as empresas de recursos minerais que estao fazendo lucros exorbitantes (no Brasil e o caso da Vale e PTbras). O Krudd nao aguentou o rojao e teve que sair, ai a Julia oportunamente sentou na cadeira. Ainda terao mtas rodadas o assunto... Abracao!

Paulo Bento Bandarra em 01 de março de 2011

Quando vi a foto ao lado pensei que era a Jodie Foster! Nesta foto ao lado dá os ares dela!

sinisorsa em 01 de março de 2011

Mês passado, escutando a Rádio Austrália, ouvi uma entrevista super interessante. A "jornalista" fez várias prguntas a um advogado a respeito da taxação de emissões de dióxido de carbono. O interesante não foi realmente ouvir as respostas verdes verdíssimas do entrevistado, mas sim conhecer o seu título: Climate Change Lawyer. Oh yeah, baby, os australianos tem um batalhão desses Climate Change Lawyers, o que me faz supor que também haja um significativo número de Climate Change Doctors, Climate Change Cooks, Climate Change Athlets, Climate Change Hairdressers, Climate Change Farmers and so on. Todo mundo embarcou no verde messiânico do greenpiss, cujo maior objetivo é suprimir a inteligência em nome do "bem-estar das gerações futuras", além de providenciar títulos exdrúxulos prum bando de marmanjos fanfarrões que idealizam um planeta com emissões zero de dióxido de carbono. Claro que, para atingir tal objetivo, alguém teria que morrer, e é aí que reside a ironia da coisa. Ms Gillard, do you understand the meaning of the phrases “empirical science” and “hypothesis testing”? I guess not. E esse desconhecimento se chama "coragem", right??

Ismael Paulista do ABC em 28 de fevereiro de 2011

Ricardo, não dá idéia. Por vavor...um novo imposto? E aqui os impostos são bem aplicados? Não pretendi isso, e sou totalmente contra, caro Ismarel. Abração

Pedro Luiz Moreira Lima em 28 de fevereiro de 2011

Sebastião Bezerra da Silva é assassinado em Tocantins Foi assassinado neste domingo (27 de fevereiro,) em Gurupi, no Estado de Tocantins, Sebastião Bezerra da Silva, coordenador do Centro de Direitos Humanos de Cristalândia (TO) e secretário do Regional Centro-Oeste do Movimento Nacional de Direitos Humanos (MNDH). As primeiras informações indicam que Sebastião Bezerra da Silva foi torturado antes de ser morto e que o assassino ou os assassinos tentaram enterra apressadamente o seu corpo. O Secretário do Regional Centro-Oeste do MNDH deverá ser sepultado no município de Araguaçu, onde moram seus familiares, assim que o corpo for liberado pelo Instituto Médico Legal (IML).

jonas /RS em 28 de fevereiro de 2011

Se trocar a foto e o fato dela ter o cabelereiro,né Natã? Também notei certa semelhança...

Natã em 28 de fevereiro de 2011

Se trocar a foto, você estará falando de DILMA.

maisvalia em 28 de fevereiro de 2011

Isso não é coragem, não. Ou é burrice ecochata ou é maquiavelismo puro.

jonas /RS em 28 de fevereiro de 2011

Essa merece o prêmio de macha do ano. ter como companheiro um cabelereiro já daria motivos de sobra pra isso,e ainda vai comprar uma briga dessas com toda a classe produtiva...Benza Deus!!! É macheza de fazer inveja a muito barbado.

Vera Scheidemann em 28 de fevereiro de 2011

Pois é, Ricardo, eu gostei muito dela quando a vi no programa da Oprah. Pareceu ser uma pessoa bem positiva, simples e honesta e ainda anda com os cabelos sempre arrumados. rsrsrs Vera

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI