Não, o mundo não acabou para Obama. E continuo achando que é uma bênção tê-lo na Casa Branca

Amigos, vocês devem estar estranhando o fato de eu não ter postado nada sobre as eleições americanas de ontem, cujas apurações vararam a madrugada de hoje — assisti a tudo pela CNN.

Sabem por que não escrevi? Porque meu amigo e colega Caio Blinder disse praticamente tudo o que eu gostaria de dizer no texto que postou, que começa assim:

“No, he can’t.  Foi uma humilhação para ele.  Mas não é apocalypse now para o presidente Barack Obama e muito menos para o país.

Na terça-feira, os eleitores americanos determinaram uma correção de curso e removeram o Partido Democrata do comando da Câmara dos Deputados. Os republicanos tiveram avanços significativos, mas não conseguiram conquistar o Senado.

Não existe como dourar a pilula. Será mais difícil para o presidente sorrir, mais há muito chão pela frente até 2012. O republicano Ronald Reagan e o democrata Bill Clinton sobreviveram ao desastre legislativo no primeiro mandato e foram reeleitos de forma confortável.”

De minha parte, digo que Obama foi ambicioso demais, teve pressa demais — mas continuo saudando como uma bênção sua presença, e a de sua agenda generosa, no comando do país mais poderoso do mundo. É só ver o trogloditismo espantoso de boa parte seus adversários republicanos, que se esbaldam de satisfação na rede de TV Fox News, e o primarismo reacionário, preconceituoso e burro da grande estrela da direita conservadora americana, a ex-governadora do Alaska e ex-candidata a vice-presidente republicana Sarah Palin.

Não deixem de ler o texto equilibrado, sereno e bem informado de Caio Blinder aqui.

Deixe uma resposta para Expedito Cancelar resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezesseis − 3 =

18 Comentários

  • Expedito

    Interessante, meu caro jornalista! Antigamente havia um chavão que dizia: “‘O que é bom para os Estados Unidos é bom para o Brasil! Hoje, não. O contexto é outro, diz a maioria dos jornalistas ou cientistas políticos. Será? Discordo.
    A afirmação do jornalista Caio Blinder “FOI UM VOTO DE CASTIGO, UM DOLORIDO PUXÃO DE ORELHAS PARA UM PRESIDENTE AMBICIONA DEMAIS(menos do que o presidente do Brasil, LULA) E UM PARTIDO QUE EXORBITOU”. Essa afirmação tem tudo a ver com o momento político brasileiro atual.
    NÃO, PRESIDENTE LULA, O SR.NÃO PODE TUDO!, -digo eu.

  • Carol

    Muito bom o texto do Caio, obrigada pela dica!
    Espero sinceramente que esse revés não impeça os avanços do governo Obama, nem prejudique sua reforma no sistema de saúde, que os republicanos ainda tentam derrubar.
    Aliás, é bom lembrar que, por mais precário que seja, o Brasil tem o SUS que (em tese) permite a toda a população ter acesso ao atendimento médico.

    Os republicanos agora falam abertamente em “derrubar” o sistema público de saúde que Obama conseguiu aprovar. O presidente vai ter que usar todo o seu carisma para manter o barco à tona.

    Abração e obrigado pela visita.

  • Em que mundo imaginário ter um radical de esquerda no comando do líder do mundo livre é bom? Em que mundo imaginário ver o déficit explodir em trilhões de dólares e crianças nascerem devendo 30 mil dólares é bom? O que o Caio chama de trogloditas são as pessoas do povo que voltaram ao poder. Pena o saudoso Francis não estar mais vivo para por Blinder no devido lugar que esquerdistas merecem.

    Quem chamou os extremistas republicanos de troglodia fui eu, caroa Rafael. Leia por favor a íntegra do post, excelente, do Caio.

    Não acho o Obama um “radical” de esquerda, nem de longe, e sou inteiramente a favor da agenda dele. Então, democraticamente, discordamos, não é mesmo, Rafael?

    Abraços

  • Oliveira

    Ola Setti

    Na minha opinião, que moro na Am do Norte, é que perder a maioria na câmara foi o melhor presente que Obama podia ter. Creio que ele até conseguirá sua reeleição graças ao resultado de ontem.
    Antes ele tinha a faca e o queijo na mão, e se ele não fazia era entendido como incompetência; agora não, ele pode propor todos os sonhos que ele “vendeu” na campanha e que são impossíveis ( ou muito difíceis) de realizar. Vai bater na câmara e ser rejeitado. Quem será o culpado? Obama ou os republicanos?
    Infelizmente Obama, que cada dia tende mais ao populismo, é um dos aprendizes da escola onde Lula é professor.
    Um abraço

  • Pois é, Ricardo, ser um radical de esquerda é, essencialmente, explodir o tamanho do estado como Obama fez. Isso escraviza gerações futuras. Crianças nascerem devendo 30 mil dólares?

    A agenda dele é aumentar o tamanho do estado e a dependência das pessoas do estado. Isso é péssimo. É o que a esquerda sempre fez.

    Abraços!

  • alvaro

    Governar os EUA deve ser uma pedreira. Para aprovar o seu programa de saúde, Obama deu centenas de entrevistas e compareceu dezenas de vezes ao congresso para discutir com os parlamentares. Aqui bastaria o presidente assinar uma MP e ponto. O programa de recuperação econômico dos EUA é muito bom e tem funcionado a contento. Os EUA não precisam crescer 3%, 4% ou 5% ao ano. O país está pronto em matéria de infra-estrutura. O governo de Obama é bastante razoável. O presidente americano defende os direitos humanos, age de forma civilizada com a oposição, respeita as instituições, não achincalha o judiciário, aceita críticas da imprensa, não abraça ditadores, respeita o contraditório e não usou a máquina pública nas eleições. Obama é o cara.

  • Carlo Germani

    Caro Setti,
    Em um mundo onde a desinformação é marca das tragédias anunciadas,dizer que o queniano Barck
    Obama,”eleito” presidente dos EUA,é uma benção para os EUA,é faltar com a verdade.

    Obama,até 4 anos atrás,era um inexpressivo político,ligado a escória esquerdista internacional,foi produzido e patrocinado pelo governo oculto mundial (dinastias de mega banqueiros internacionais- Illuminati)para candidato à presidência dos EUA.

    Obama é o fantoche dos Illuminati para consolidar o projeto satânico da Nova Ordem (desordem) Mundial, e para isso tem como missão destruir
    os EUA.Em poucos meses,com o fim do Dólar (desmonetarização pelo FED-Federal Reserve [entidade ilegal],o mundo terá o maior calote da história econômica-financeira.No lugar do Dólar,a
    nova moeda AMERO,valendo 10 centavos de Dólar.Ou seja:um calote de 90%.Para registro e consequência imediata disso, dois exemplos:O Brasil tem investidos em títulos do “tesouro” americano US$ 180 bilhões e a China US$ 3 trilhões,que vão virar
    pó.Por quê a grande imprensa americana e mundial nada diz do que está para acontecer? Com o fim do
    Dólar os efeitos são:falências generalizadas (indústria,comércio,bancos,financeiras,…),crash na bolsa de valores,desabastecimento,desemprego em massa,caos social,decretação da lei marcial,campos de concentração (prontos em todo o território americano) fim das liberdades individuais e coletivas.
    Será o fim da democracia americana.Os EUA terão um governo ditatorial e fascista.Será a morte da águia.Obama,o farsante,está no “poder” para promover tudo isso.

    PS: Os EUA tem um PIB de US$ 13 trilhões.A dívida
    interna ultrapassa os US$ 16 trilhões.Quem ainda segura a situação,financiando os EUA é a China.
    Hoje,o FED vai injetar mais US$ 600 bilhões de dinheiro falso e sem lastro para dinamizar a economia.Mais um crime de lesa-pátria.Mais dívida
    para o contribuinte americano pagar.
    A farsa política,econômica-financeira é mundial.

  • Rodrigo

    O grande crítico de Obama é Ron Paul, Ricardo. Palin só faz mal à direita conservadora. E, sim, eu gostei da derrota de Obama, não consigo fingir. Lembro-me de que em 2008 qualquer crítica que se fizesse a ele era considerada raivosa, xiita etc. Ele se transformou em mito, o que só faz mal à política. E os conservadores não são apenas as figuras deploráveis como Palin, aliás, as únicas que a nossa imprensa dá a conhecer. Uma revista como a American Conservative Magazine é de bom nível intelectual; também é muito boa a National Review, do falecido William Buckley Jr. Não acho que precisemos de mitos em política. Obama só é elogiado por ser uma novidade, mas suas idéias não são nem um pouco novas.

  • Seilon

    Estou muito feliz de os “trogloditas” republicanos derrotarem o “generoso” Obama.

  • André Costa

    Caro Ricardo,
    Já tinha lido o texto do Blinder e, acredito, quem conhece um pouco da história política recente dos EUA sabe que ele tem razão. A vitória republicana faz parte do pêndulo de poder que a população americana sabe manejar como nenhuma outra. Agora, me parece que o Obama não sabia disso. Aliás, ele me parece em muitos aspectos bem amador. Sobre os republicanos raivosos, eles existem sim, of course, mas são minoria. Sobre Sarah Palin, você certamente tem mais informação do que eu, mas pelo que acompanho pela tv e internet ela nunca me pareceu burra ou preconceituosa. Talvez esteja um pouco deslumbrada pelo sucesso, o que é normal. Na minha humilde (e completamente sem importância) opinião, Palin está muito mais próxima dos interesses e desejos dos americanos do que Obama. Ele ainda nem sabe direito o que quer fazer e os americanos estão descobrindo isso e, pior, estão descobrindo que o pouco que decidiu não é bem o que eles querem (a maioria do povo, é claro).

    Caro André, acho que você nunca deveria se referir a sua opinião como “humilde” e “sem importância”. Pelo menos aqui no blog. Publico aqui sua opinião, democraticamente, embora pelo visto seu julgamento sobre o presidente Obama é muito mais negativo do que o meu.

    Um abração

  • Marco

    Obama sempre foi o candidato preferido da totalidade dos líderes anti-americanos mundo afora.
    Creio q isso já nos dá algumas pistas. Aliás, se a eleição fosse para “presidente do mundo” ele faria mais de 90% dos votos; nos EUA, a diferença foi de +/- 55 a 45%. Obama escreveu duas autobiografias antes dos 50. Churchill só uma, depois de ser mandado para casa pelas urnas.

  • Francisco Campos

    O que acho engraçado é que houve quem dissesse que os republicanos iriam levar anos para se reerguerem. No entanto, em minhas discussões com os colegas de trabalho, eu dizia que a montanha iria parir um rato. Dito e feito. Mas a democracia americana continua pujante. Os brasileiros devíamos mirar no seu exemplo…

  • Natal Santana

    É justamente por entender os princípios da democracia e saber conviver bem com adversários (e não inimigos!) políticos que as esquerdas, especialmente a brasileira, detesta tanto os americanos. Basta ver os discursos de Obama e Lula após a eleição: quanta civilidade do americano! Já Lula, preferiu continuar demonizando a oposição num sinal claro que não sabe perder e muito menos, ganhar!

  • carlos nascimento

    Caro Ricardo,

    Confesso não dominar inteiramente à politica americana, aliás, acho estranho uma DEMOCRACIA com apenas dois partidos – Democratas + Republicanos -diante do tamanho de suas múltiplas diversidades, seja de pensamentos, seja economico, seja militar, enfim, talvez os problemas atuais do USA passem pela necessidade de reformas emergenciais, uma delas, creio, seja a politica.
    Como sei que vc domina bem as coisas daquele Império, já trabalhou por lá, gostaria de ler várias outros temas que nos auxiliassem a entender um pouco do processo Institucional, economico e de cidadania americana.
    Algns ensaios que tenho lido ultimamente, apontam um desfecho trágico para à economia americana, a imoralidade de seu déficit público o levará ao debacle, como de fato já está acontecendo, sua indústria perdeu competitividade, o chamado padrão americano tem um custo elevado demais, me parecendo que o “mundo” cansou de sustentar essa inércia, fico pensando o que iria acontecer se de uma hora para outra os doláres guardados nos colchões fossem trocados nos bancos e fosse exigidos sua liquidação de valores absolutos, tenho certeza qe a “ÁGUIA” iria chorar.
    Que tal aproveitarmos à ressaca das eleições brasileira e divagarmos sobre outros temas.
    Abraços
    Carlos Nascimento.

    Você tem razão, caro Carlos, quanto à necessidade de aproveitar a ressaca das eleições e tratar de outros temas, inclusive esse, importantíssimo, sobre a situação dos Estados Unidos. Vou procurar corresponder à sua expectativa.
    Abraço

  • Felipe

    Pessoas enganadas pela mídia e que se voltam contra os próprios direitos de acesso econômico e social também existem nos Estados Unidos.

  • carmen regina dias

    Gostei da matéria.
    Vou seguir o seu fio para Obama.
    Mas, … com todo respeito, digo que ele não teve
    a sorte e o fairplay do Presidente Lula.
    Pelo menos, não até agora.
    Seus opositores comem pelas beiradas.
    Espero que ele consiga corresponder ao “jovem” sonho americano” depositado nas urnas. Sonhos de um mundo inteiro, pelo que vimos à época.

  • caioblinder

    Grande Setti, yes, you could. Você poderia ter escrito algo sobre a eleição, obrigado pela canja, abs, Caio

    Amigo Caio, já estive mais por dentro dos meandros da política americana do que estou hoje. Considerei melhor serviço ao leitor passar a palavra a você. Juro que não foi apenas pela admiração que tenho por você, nem por vagabundagem…

    O que fiz, depois, foi algo pessoal: dizer que ainda considero bom para todo mundo que Obama esteja na Casa Branca, digam o que disserem.

    Abração

  • Isabel

    Faço parte da minoria que não foi seduzida.
    BHO não corresponderá as expectativas. Ser presidente dos USA exige mais do que um diploma em Harvard.
    Não acho normal ver o mundo extasiado diante de um homem políticamente imaturo para o cargo mais poderoso do planeta.
    Sua linguagem corporal (correndo, fazendo charme, impostando a voz) mostra/esconde claramente sua insegurança.