Image
Jens Stoltenberg, primeiro-ministro e líder dos Trabalhistas, vota: seu partido foi um dos que saíram fortalecidos (foto: AP)

Muito se especulou sobre quais seriam as reações da sociedade norueguesa, no âmbito político, ao terrível massacre cometido por Anders Behring Breivik em 22 de julho. Afinal, o responsável por matar 77 pessoas e ferir outras 151 em um duplo ataque – a explosão de uma bomba no centro da capital Oslo e o fuzilamento de pessoas na ilha vizinha de Utoeya – alegou ter motivações políticas para a matança, misturando em seu discurso doentio pilhas de ideias racistas, xenófobas, tirânicas e ultracristãs sem pé nem cabeça.

As vítimas de Utoeya, em sua grande maioria jovens, participavam de um encontro de uma das formações norueguesas de centro, o Partido Trabalhista. Para Breivik, que chegou a militar pelo Partido do Progresso, de extrema direita, tanto os trabalhistas quanto os partidos de esquerda representam tudo o que há de pior, sobretudo por promoverem o multiculturalismo e a tolerância religiosa.

Pois, como informa esta reportagem do site de VEJA, a primeira resposta dos escandinavos nas urnas foi dada nas eleições regionais ocorridas no domingo e na segunda-feira, nas quais se escolheram os representantes políticos de 429 municípios e 18 condados. Mesmo com o fato de, logo após a tragédia, o Partido do Progresso ter se apressado em condenar os atentados cometidos por seu ex-membro, os noruegueses deixaram bem claro que as soluções para o país não devem passar pelo filtro radical direitista ou pela xenofobia. A porcentagem de votos destinados ao partido antiimigrantes despencou dos 17,5% conquistados nas eleições de 2007 para 11,4%. Uma queda de cerca de um terço, portanto.

O pleito ainda confirmou a alta dos partidos considerados mais moderados. O Partido Trabalhista saiu reforçado com 31,6%, dois pontos percentuais a mais do que conseguira na votação de 2007, enquanto o Partido Socialista caiu de 6,2% para 4%; o Partido Conservador – a quem muitos ex-eleitores “progressistas” passaram a recorrer após a tragédia – teve o maior salto (de 19,3% a 28%).

Notícias animadoras, portanto, vindas lá do norte da Europa.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − um =

7 Comentários

Corinthians em 14 de setembro de 2011

Pois é. No final das contas, isso só prova que em países civilizados os malucos acabam mais prejudicando suas "causas" do que ajudando. Infelizmente foi só mais um maluco a prejudicar muitas vidas - enquanto que o partido, tenha a opinião que for, tenha o projeto que for, segue a constituição do país e as instituições democráticas, o que este maluco não o fez. Extrema "direita" ou extrema "esquerda" - no fim ambos são iguais.

Esron Vieira em 14 de setembro de 2011

Ultracristans não seria uma boa colocação para radicalismo religioso. Ultaprotestante ou Ultracatólico pegando em armas e matando seus semelhantes já ví falar. Pra ser ultacristão teria de ser um cordeiro bem mansinho dando a outra façe cada vez que fosse agredido.

Wagner Ferraz em 14 de setembro de 2011

Mais que correto! Fim de papo!

Paulo Bento Bandarra em 14 de setembro de 2011

Você trata as coisas com dois pesos e duas medidas. Quando Bin Ladem e seus seguidores cometem atentado terrorista, você defende que não é o islã. Quando este demente comete sozinho um ato de demente, como o nosso "ilsâmico" do realengo, Wellington Menezes de Oliveira, a culpa é do partido?!?! Paulo, você entendeu mal. Embora rejeite radicalismos como o dos tais "Progressistas" noruegueses, não afirmei que foi deles a culpa. Isso seria uma grande irresponsabilidade minha, para dizer o mínimo. Apenas comentei a respeito da baixa popularidade das ideias deste partido entre os noruegueses. Com certeza o eleitorado associa a figura do assassino à versão radical de alguns dos preceitos dos Progressistas.

Marco em 14 de setembro de 2011

Amigo Setti: Graças a Deus q lá eles não consideram assassinatos (políticos ) como legal. Abs.

elizabeth the best em 14 de setembro de 2011

Quantos o PT vai precisar exterminar até que o povo tome consciência de que extremismos são o MAL? Celso Daniel, Toninho do PT e agora a prefeita petista manda assassinar concorrente. Quantos mais eles vão mandar matar até que a luz se faça?

*Mari Labbate*44milhões em 14 de setembro de 2011

Enquanto a Noruega rejeita a extrema-direita, os brasileiros rejeitam a extrema-esquerda! Afinal, os dois extremos são detestáveis! CONTINUO em campanha, para a criação de um belíssimo partido de CENTRO-DIREITA! Já defini até o nome! O Brasil não pode ficar mais SEM OPOSIÇÃO. Os políticos que interessarem-se, por gentileza, procurem-me!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI