Nova enquete: você é a favor da reeleição para cargos executivos?

Nova enquete: você é a favor da reeleição para cargos executivos? Imagem: domínio público

O líder do PMDB no Senado, Renan Calheiros (AL), um dos baluartes da “base aliada” do governo Dilma, votou nesta segunda contra o fim da reeleição na Comissão de Constituição e Justiça do Senado.

A emenda constitucional que instituiu a reeleição para os cargos executivos em todos os níveis, aprovado em 1997 durante o primeiro mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso, foi combatida e criticada com ferocidade pelo PT.

O partido de Lula, entretanto, se beneficiou alegremente da emenda em 2006 e o voto de Renan está certamente voltado em sua utilidade para a própria presidente Dilma Rousseff em 2014.

Diante disso, queremos saber: depois de já ter passado pela experiência de dois presidentes eleitos e reeleitos, sem contar governadores e prefeitos, você é a favor da reeleição para cargos executivos? Sim ou não?

Vote no local apropriado, à direita desta coluna.

Se quiser, comente aqui.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

17 − quinze =

Nenhum comentário

  • Eraldo

    Já não deveria ter nem a primeira vez,quanto reeleição!

  • Sérgio Leonardo Teixeira

    Sou totalmente a favor de reeleições para cargos do executivo em todos os níveis,a reeleição nada mais é do aprovação popular de uma administração, não traço nenhum paralelo da reeleição como algo nocivo, que realmente é prejudicial para democracia é: a letargia da população brasileira com os abusos cometido com o dinheiro público, com o tráfico de influência,com eleições de tiriricas, Romários e etc.

  • Marco

    Sou contra a reeleição do legislativo.

  • Jotavê

    Eu sou favorável, Setti. Sem a reeleição, o presidente (governador ou prefeito) não tem chance de concluir projetos de fôlego mais longo. Além disso, o ocupante de cargo executivo fica tremendamente enfraquecido a partir do terceiro ano, quando começa a corrida sucessória. Finalmente, é fundamental que a população possa avaliar o seu representante, e a ocasião é essa.
    Quanto ao PT dos anos 90, é um dos poucos casos de “Perda Total” em política. Até o Collor tem muitas coisas positivas a serem lembradas de seu mandato. O PT da década de 90 não deixou absolutamente nada. Demagogia barata do começo ao fim. Era contra a reeleição para complicar a vida do Fernando Henrique, só isso. Não fosse pela reeleição de FHC, Lula teria vencido e afundado o país. Ele próprio sabe disso. Deu tudo certo. Tivemos sorte.

  • SergioD

    Ricardo, o instituto da reeleição é válido pois o mandato de quatro anos, mesmo o de cinco, e muito curto para um bom governante. No entanto, muito longos para os ruins. Como não estamos num regime parlamentarista, onde um voto de desconfiança do parlamento pode tirar um governo mesmo com um ano de mandato, imagine a crise caso tivéssemos eleito um péssimo governante e ter de aturá-lo até o fim do mandato. Sim, porque não é sempre que se poderia impetrar um ipeachment.
    No meu entendimento, aqui, assim como nos EUA, o mandato do presidente é oito anos, com uma eleição de confirmação, um plebiscito mesmo, no meio do mandato. Agora querem acabar com ele por que? Mesmo para eleger um sucessor se pode utilizar a máquina administrativa. Lembra daquele governante de São Paulo que soltou a seguinte pérola: fali o BANESPA mas elegi meu sucessor. Pois é, isso pode ocorrer a qualquer tempo. Vamos continuar testando a reeleição por mais algum tempo. Nossa experiência com ela é muito curta.
    Outra coisa. Que me lembre o PT não era contra o instituto da reeleição. Era contra se permitir que FHC, em pleno exercício do mandato, pudesse se aproveitar da reeleição. Também acho que o correto seria permitir que somente o seu sucessor, assim como o dos prefeitos e governadores estaduais da época, pudesse se reeleger. Mas não foi esse o entendimento do Congresso da época. Fazer o que. Sobrou para o PT espernear.
    Grande abraço.

  • Marcos

    Sou a favor. Não vejo motivo para que não haja uma reeleição. Dizer que o político fica se preocupando com a próxima eleição em vez de se preocupar com o país é falsear a verdade. Se não for com ele mesmo, a preocupação será para eleger o colega dele de partido.

  • Marcelo Meireles

    Sou a favor de uma reeleição apenas, em todos os níveis e tanto no Executivo como no Legislativo.

    Essa história de reeleições infinitas pra Senado e Câmara eu não concordo. Seria uma bela maneira de diminuir o poder dos caciques partidários.

    E acho ainda que a escolha dos membros do Judiciário deveria ser reavaliada. Penso ainda que o Judiciário deveria ter mandatos de 8 anos, como no Senado, mas sem reeleição.

    Fala-se muito sobre uma suposta força exagerada do Executivo no Brasil. Não concordo. Quem tem demonstrado ter força exagerada, e de quebra seguindo INTOCÁVEL, é o Judiciário. Justamente o poder que não passa pelo crivo da população.

  • Rodrigo Moreira

    Caro Setti. Sou a favor da reeleição. Acho que o nosso sistema está muito bom: uma recondução e ponto. Se assim nao for, correr-se o risco de um sujeito ficar 20 anos no poder. Apesar de ser eleitor do Lula, acho bom ele ter saído. É importante que a condução da máquina pública se renove.

    por outro lado, acho que 4 anos sao muito pouco. Nao dá para implementar projetos e reformas e dá azo a aventuras – já que o sujeito só pode ficar lá 4 anos, para que se preocupar com medidas duradouras?
    Enfim, sou a favor da reeleição.

    Inclusive, acho que o sistema do executivo poderia ser adotado pelo legisativo: uma recondução e vá com Deus.

    Mas isso é impossível. O PMDB acaba se isso acontecer.

  • alberto santo andre

    em um pais como o nosso ,com uma populacao na sua maioria beirando o analfabetismo pleno ,e com politicos, que qualquer pessoa honesta e inteligente, nao confiaria em deixar sua carteira proxima a eles nem para levantar-se para cumprimentar um conhecido ,a reeleicao ou mesmo o uso da maquina politica ,sem preconceitos ou regras minimas de decencia e democracia ,como foi a campanha do pt e da mula arriada pelo rabo ,nao so nao deveria ter reeleicao, mas tambem cadeia para os desrespeitadores das instituicoes democraticas ,que infelismente so proliferam onde o povo e totalmente alfabetizado literalmente e politicamente ,coisas que nem em sonhos temos ou teremos em um futuro proximo no brasil,visto que o muarismo esta enraigado no povo brasileiro,em sua grande maioria.

  • Alexandre

    Ah, não !!!
    Tanta coisa pra fazer, de novo o debate de um assunto já resolvido.Não tinha feito um plebiscito tempo atrás?
    Santa paciência…

  • Paulo Bento Bandarra

    O impedimento ou desfavorecimento da reeleição visa justamente a evitar o que Lula fez, com o uso da máquina pública, o aparelhamento do estado pelo partido fascista, a mentira constante e descarada, a quebra constante do decoro e da ética fazendo discursos eleitorais. Acho que foi uma experiência que mostra a virtude de impedir a continuidade, principalmente da corrupção e do assalto ao estado.

  • Antonio Carlos

    Prezado Ricardo Setti, Boa noite!
    Não sou a favor da reeleição, não só do executivo, como também do legislativo. Política não deveria ser profissão e sim serviço ao país. Quanto aos tribunais, também deveria haver eleição para os juízes e ministros e com um único mandato. Penso que só assim a corrupção diminuiria, além de sobrar oportunidade para outras pessoas, de bem, ocuparem postos na administração das cidades, dos estados e do país, livrando a nação dos currais eleitorais e do atraso que verificamos em muitos lugares desse nosso Brasil. Um abraço.

  • José Geraldo Coelho

    Sou a favor da reeleição para executivos: presidente, governadores e prefeitos.
    O que me incomoda é essa mania de re-reeleição como pretende o Lula e vários ex-govenadores e prefeitos.
    Outra coisa extremamente xata é a insistência de alguns nanicos que são eternos candidatos na base do “dessa vez vamos” muito comum no Brasil.
    Candidatos que não se elegem devem se recolher à sua insignificância.