Novo disco de Gal Costa foi produzido e composto por Caetano Veloso; relembre primeira parceria em estúdio da dupla, de 44 anos atrás

Caetano-Gal-Domingo

A capa do disco “Domingo”, de 1967; último ensaio antes do início das carreiras solo de Caetano e Gal

Por Daniel Setti

Sai oficialmente na próxima terça-feira Recanto, novo álbum de Gal Costa, 66, cujo repertório foi inteiramente composto especialmente por Caetano Veloso, 69, que também assina a produção e concepção artística do trabalho.

Gal-Costa

A capa do novo álbum de Gal

Marcado pela experimentações com arranjos eletrônicos e com uma sonoridade pop atualizada, o projeto serve para apertar o laço artístico entre os dois baianos, iniciado em junho de 1964, quando colaboraram no espetáculo Nós, por exemplo, no Teatro Vila Velha, em Salvador, ao lado de Gilberto Gil, Maria Bethânia e Tom Zé.

(Abaixo, trecho de “Neguinho”, uma das canções de Recanto:)

De lá para cá, atuaram juntos em dezenas de ocasiões, incluindo em álbuns coletivos históricos como Tropicália ou Panis et Circenses (1968) ou Doces Bárbaros (1976). Mas o único disco em que compartiram os créditos até hoje, sem a ajuda de outros vocalistas – e isto não inclui Recanto, no qual Caetano não canta -, foi Domingo, lançado no longínquo 1967, quando nem um dos dois ainda havia estreado carreira solo. Caetano debutaria no mesmo ano com o revolucionário Caetano Veloso, também conhecido como Tropicália, e Gal em 1969 com o igualmente psicodélico Gal Costa.

Bossa nova contida

Há várias curiosidades em Domingo, além do fato de ter sido o trampolim para os lançamentos das trajetórias individuais da dupla. A começar por ser bastante contido, tímido, até, muito mais alinhado com a bossa nova – a primeira grande influência de ambos – do que com o rock amalucado dos Beatles fase Sgt. Peppers Lonely Hearts Club Band, que daria a tônica dos anos tropicalistas que se sucederiam.

Caetano explicaria isso em entrevista concedida em 1991 a Mariz Cezimbra, do Jornal do Brasil: “Foi uma documentação do que eu já tinha feito e que não correspondia ao que eu fazia na época. Já estava com o germe do tropicalismo na cabeça”. De fato, no próprio encarte da bolacha, o astro de Santo Amaro já admitia a mudança de ares. “Minha inspiração agora está tendendo para caminhos muito diferentes do que segui até aqui”, escreveu.

Um Caetano inseguro

Outra particularidade do álbum é a presença do Caetano cantor em segundo plano. Até então o músico se sentia muito mais à vontade no papel de compositor do que no de intérprete, pelo qual ele também se destacaria, e muito, ao longo das décadas seguintes. “Eu gosto muito de cantar. Mas jamais consegui gostar muito de cantar as minhas composições”, expressava no mesmo encarte, que trazia ainda a informação de que oito das 12 composições do repertório eram suas.

“Uma música que eu mesmo tenha inventado me aparece informe pela proximidade, e eu desconfio de tudo que escrevi. Neste disco estou enfrentando uma experiência nova: ouço essas coisas que fiz transformadas em música por Dori [Caymmi], [Roberto] Menescal e Francis [Hime, co-produtores do disco] e procuro amá-las despreocupadamente, tento aceitá-las como prontas (não há mais como compô-las): cantar as músicas que eles me devolveram, não aquilo que eu lhes dei”.

Abaixo, Caetano e Gal cantam Coração Vagabundo, a balada “joaogilbertiana” composta por ele e que abre Domingo. Um dos raros momentos do LP, diga-se, em que eles de fato dividem os vocais (na maioria das faixas, é um ou outro quem assume o protagonismo).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dois × 3 =

3 Comentários

  • Tuco

    .

    E aí, caro Daniel, conta pra gente!
    Rolou um polpudo jaba patrocinado
    pelo nosso dinheiro, via Lei Rouanet?
    Tudo bem que teu interesse é artístico,
    mas não custa nadinha rasgar o verbo…


    Tuco, se rolou, não sei. O tema do post é o fato dos dois lançarem discos juntos há tento tempo.
    Um abraço,
    Daniel

  • Reynaldo-BH

    Daniel e Ricardo.
    BOA SEMANA!
    Segue Jo Hamilton (gosto muito).
    Abraços.
    http://www.youtube.com/watch?v=QhfngzjqrEs
    Bacana, Reynaldo! Gostei da lesma (?) atravessando a estrada.
    Valeu.
    Um abraço,
    Daniel

  • jader pereira

    Obrigado pelo comentário e os vídeos::’gole de água fresca pra gargantas ressequidas pelo pó proporcionado pelo mau gosto musical atualmente reinante’.

    Valeu, Jader. Obrigado em nome de meu filho Daniel Setti.
    Abração