O escritor peruano Mario Vargas Llosa, ganhador do Prêmio Nobel de Literatura de 2010, fala sobre seu novo livro O Sonho do Celta, sua viagem ao Congo como parte do trabalho de escrevê-lo, o horror que presenciou lá, seus próximos projetos e a experiência de atuar no teatro.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

2 × 3 =

5 Comentários

Mário Gerson em 18 de outubro de 2010

Foi muito justa a escolha de Vargas Llosa para o Prêmio Nobel. Também achei a entrevista primorosa, muito boa. Parabéns. Obrigado pela parte que me toca, caro Mário Gerson.

Frederico Hochreiter/BH em 18 de outubro de 2010

Acompanhei as entrevistas como admirador de Vargas Llosa e suas idéias. Faço ressalvas ao som, às interrupções publicitárias e ao fato de que parece que ela foi editada, cortando alguns trechos. A entrevista publicada na Veja é primorosa. No âmbito literario concordo com você: a Festa do Bode é muito interessante como História mas um tanto pobre como literatura. Chego até a achar, caso raro, que o filme que fizeram saiu um pouco melhor que o livro. Mas, voltando à sua entrevista, alguém de boa vontade não conseguiria transcrevê-la e brindar os leitores da Veja com um encarte? Caro Frederico, obrigado por sua atenção de sempre. Encartes custam uma fábula. Imagine um encarte de 20 páginas, digamos, inserido em uma tiragem de 1,3 milhão de exemplares. Seria necessário anunciantes, e anunciantes não acreditam muito em literatura... Também acho que o apelo para a maioria dos leitores seria menor do que o apelo que teria para os leitores interessados em literatura, como você e eu. Mas você tem razão sobre a qualidade do que publicamos. É que houve problemas de má captação do som. Vou obter a íntegra da entrevista e, posteriormente, publicá-la em capítulos, sem cortes, no blog. Infelizmente a qualidade do meu áudio, do áudio do entrevistador, não ficou boa. Um abração, volte sempre.

Isabel em 17 de outubro de 2010

Inspiração para uma trilogia d' A Guerra do Fim do Mundo é o que não falta. Quê inspiração Jules Verne teria hoje com o (atual) casal real de Malécarlie? O país que já teve Pedro ll, não merece o que está tendo!

SergioD em 16 de outubro de 2010

Ricardo, o que admiro em Vargas Llosa é que ele, em determinada época, não seguiu a moda do realismo fantástico que muitos escritores latino americanos adotaram depois do sucesso de Gabriel Garcia Marquez. Seu livros sempre foram sóbrios, sem apelar para a estilos mais "ousados", sem deixar de relatar com raro senso esté tico a realidade latino americana. Não li todos os livros de MVL, mas nos que li sempre tive essa percepção. Se encontrasse com ele gostaria muito de saber a sua opinião sobre o fabuloso escritor argentino Julio Cortazar.

Matarael em 15 de outubro de 2010

A edição da entrevista me pareceu meio truncada, MVL deve estar se referindo ao livro "No Coração das Trevas", certo? Se não me engano esse livro inspirou o filme "Apocalipse Now" de Francis Ford Coppola. Mas mudando de assunto o que achaste de "A Festa do Bode", estimado Setti? Vou adquirir os livros que recomendaste, abraços. Infelizmente houve problemas na captação do som. Por isso a edição. Ele referiu-se longamente à feitura de seu novo livro, "O Sonho do Celta", que o levou ao Congo, onde viu horrores dignos de Joseph Conrad, que ele descreveu com muita dramaticidade. Infelizmente esta parte do vídeo não está com qualidade suficiente. Nós, aqui do blog, vamos tentar editar o trecho para colocar no ar em breve. A edição da entrevista foi feita pela equipe da VEJA on-line, que é independente dos blogueiros. "A Festa do Bode" é muito interessante, ainda mais porque calcada na vida real do tenebroso ex-ditador da República Dominicana, Rafael Leónidas Trujillo. Então, tem informação histórica, drama, suspense etc. Mas, literariamente, não é a meu ver das melhores obras dele. Se quiser outras recomendações mais tarde, pode me consultar. Abraços

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI