Image
Marcelo disputa uma bola com Jimmy Briand, do Olympique Lyon: o brasileiro está jogando uma barbaridade

Amigos do blog, não sei quantos de vocês terão tido a oportunidade de assistir, nesta noite passada, à partida de futebol pela Liga dos Campeões da Europa em que o Real Madrid massacrou o Olympique de Lyon por 4 gols a 0 — sem contar dois gols anulados do Real, um pênalti claro não marcado contra os franceses e uma boa meia dúzia de situações agudas criadas pelos espanhóis.

E, mais uma vez, o brasileiro Marcelo, ala esquerda do Real Madrid, jogou uma barbaridade. Se ele tivesse conseguido transformar em gol uma espetacular tabelinha que fez, de calcanhar, com o atacante português Cristiano Ronaldo — a bola passou rente à trave –, era o caso de colocar uma placa no Estádio Santiago Bernabéu, em Madri.

Com apenas 23 anos, mas já quatro de experiência no time considerado pela FIFA o melhor do século XX, o que mais gasta dinheiro em contratações no rico futebol espanhol e o mais pressionado do mundo para ganhar títulos, que insistem em não vir, o garoto que começou no Fluminense está cada vez mais desenvolto e seguro de si.

Sua fragilidade, até há pouco, era defender bem, o que está sendo corrigido pelo ultrapolêmico técnico português José Mourinho. Mas Marcelo parece o sujeito da velha piada, que bate escanteio e logo está na área para cabecear.

Em forma física esplêndida, ele ataca pela esquerda, dribla bem, cruza muitas bolas perigosas para a área e volta e meia se incursiona pelo centro, driblando e tabelando, no rumo da meta adversária. Nos contra-ataques adversários, lá está ele dando carrinho, lutando pela bola, trombando com atacantes.

Se continuar assim, Marcelo vai brigar ali na pequena área da FIFA na escolha dos melhores jogadores do mundo. Nunca disputando, é claro, o primeiro lugar, que muito dificilmente escapará de ser atribuído ao argentino Messi, do Barcelona.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × um =

4 Comentários

Marco em 24 de outubro de 2011

Amigo Setti: O Caio como treinador de futebol ficaria rico, mas seu eu fosse o Diretor de futebol dele, diria só duas coisas, o goleiro e o centrovante deixa q eu escalo, o resto tu pode escalar. Abs.

Rodrigo em 21 de outubro de 2011

JOga muito mesmo. Saudades dele jogando pelo meu Fluzão, onde fez uma grande duupla com o veterano Petkovic.

Caio Frascino Cassaro em 19 de outubro de 2011

Prezado Ricardo: Vi o segundo tempo do jogo de ontem e o cara está jogando demais! Fiquei muito feliz também com a forma do Kaká. Disputou cerca de 25 minutos com uma tremenda fome de bola. É um ótimo jogador - jamais achei que ele fosse um dos melhores do mundo, mesmo em sua grande fase - e é indispensável na seleção brasileira. Com ele e Ronaldinho a fim de jogo, o time brasileiro fica bastante encorpado, bastando ao técnico ter tempo para montar uma equipe que seria altamente competitiva. Vai aí meu time: Deola, Maikon, Tiago Silva, Lúcio e Marcelo; Lucas , Hernanes, Ronaldinho e Kaká; Neimar e Fred. É ou não é time para encarar qualquer seleção? Um abraço Sua escalação é boa, sim. No me gusta mucho o Fred, mas... Eu teria que pensar um pouco para ter uma escalação. Ainda não formulei pra mim mesmo. Quanto ao Kaká, ele está jogando cada vez mais. Assisto a todas as partidas do Real Madrid e, nas duas anteriores, esse insuportável técnico José Mourinho o escalou para começar jogando -- e foi aí que ele realmente começou a pegar ritmo. Mas já na partida que comentamos, o Kaká só teve 25 minutos para mostrar serviço. É dura a vida até dos supercraques, não? Minha impressão é de que o Mourinho não vai com a cara dele, por alguma razão (Inter x Milan, no passado?) Vamos ver o que se passa... Abraços

Reynaldo-BH em 19 de outubro de 2011

Só assisto jogos do Barça... Hehehe...

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI