Sempre foi comum a presença de políticos, empresários, pessoal do meio artístico, esportistas e diplomatas estrangeiros em visitas à Editora Abril. Presidentes, nem tanto.

No dia 23 de maio de 1980, o então general-presidente João Baptista Figueiredo, quinto e último do ciclo militar, realizou uma longa visita à empresa, cuja sede, na época, era na Avenida Marginal do Rio Tietê, onde mais tarde se concentrariam apenas a gráfica, os depósitos de papel e dependências administrativas.

Acompanhado de vários ministros, Figueiredo percorreu algumas dependências da empresa (não esteve na redação de VEJA) e almoçou no restaurante destinado a receber visitas, o Roof Abril, situado na cobertura do edifício principal, com o então presidente do Grupo Abril, Victor Civita, seu filho, Roberto Civita, diretor-superintendente, e mais um pequeno grupo que incluiu o diretor de Redação de VEJA, José Roberto Guzzo, e seu adjunto, Elio Gaspari.

A empresa quis dar uma demonstração de agilidade e, realmente, o fez: enquanto se dava a visita e o almoço, repórteres e fotógrafos registraram os principais momentos e, ao deixar a Abril horas depois, o presidente e comitiva receberam uma edição especial de VEJA com a cobertura do que havia ocorrido, saída ainda quente da gráfica.

Eu era, na época, apenas um subeditor da seção Internacional da revista e acabei integrando o grupo de curiosos que, para ver Figueiredo e acompanhantes, se aglomerou na entrada da Redação — situada no 7º andar –, em cujo saguão desembarcavam obrigatoriamente os visitantes para acessar o Roof por escada.

Na foto, que presumo ter sido feita por Darci Trigo, apareço de bigodão, com a mão sobre a boca, à esquerda.

Em primeiro plano, meu colega de Internacional Sérgio de Oliveira, que mais tarde trabalharia por vários anos na sede da rede de TV norte-americana CNN, em Atlanta.

À direita de Sérgio, aparece o rosto de Regina Echeverria, então editora-assistente de Artes e Espetáculos, e futura escritora de sucesso. O barbudo à direita de Regina é o inesquecível Jorge Escosteguy, baúcho bravo da fronteira mas um amigo fiel e um excelente jornalista, prematuramente falecido.Ele integrava o timaço da editoria de política de VEJA, oficialmente chamada “Brasil”.

Entre outras atividades, Scotch, como o chamavam os amigos, seria durante um longo período um ótimo apresentador do programa Roda Viva, da TV Cultura.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

cinco × 5 =

1 comentário

ROBERTO WEISS DE ALBUQUERQUE MARANHAO em 21 de agosto de 2020

Nesta época eu servia no 2o Batalhão de Polícia do Exército, no Pelotão de Escolta e Guarda e fizemos a escolta do Presidente Figueiredo nesta visita, tive o prazer de escoltá-lo de Harley Davidson 1200 e de poder contar isso agora 40 anos depois!

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI