Image
Rússia e do Japão: nações não têm amigos, têm interesses

Amigos, as relações entre os países surpreendem. Nações, diz a frase famosa, não têm amigos, têm interesses.

E é isso mesmo. Vejam o caso da Rússia e do Japão.

Os dois países estiveram envolvidos numa selvagem guerra entre 1904 e 1905. Mais de 100 mil soldados dos dois lados morreram. A Rússia foi derrotada pelo então Império japonês e este acabou sendo o primeiro de vários golpes que, amargurando o povo russo e abalando o regime absolutista do czar, levariam à Revolução Bolchevique de 1917.

Na II Guerra Mundial, o maior conflito militar da história, estiveram em campos opostos.

Até hoje, Moscou e Tóquio se estranham. Entre outros problemas, mantêm uma antiquíssima disputa sobre duas das 52 Ilhas Kurilas – um filete de ilhas finas e compridas com 15 mil quilômetros quadrados no total que se estende desde a geladíssima península de Kamchatka, encostada à Sibéria, até o norte de Hokkaido, uma das quatro principais ilhas que constituem o Japão.

Pois bem, um dos efeitos da multitragédia que assolou o Japão – terremoto, tsunami e acidente nuclear – foi a queda na produção de energia. Com isso, o país viu-se obrigado a aumentar em 200 mil barris diários suas já colossais importações de petróleo, que superam 5 milhões de barris/dia.

E de onde vem esse petróleo extra, tão necessário?

Acertaram: da Rússia. Que – muita gente não sabe – é o maior produtor de petróleo do mundo, com 9,6 milhões de barris por dia, mais do que o maior exportador mundial, a Arábia Saudita, que extrai de suas areias 8,4 milhões de barris diários.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete + dois =

3 Comentários

Kitty em 17 de abril de 2011

Bom dia!!!! Caro Ricardo, O Japão está passando por um momento muito difícil e a Russia prestou solidariedade a pesar das diferenças que houve no pasado . Mas também é muito claro, que por tras desse gesto, tem havido uma enorme movida comercial. Os intereses sempre acabam falando mai salto. Senão como você explica, por exemplo, o discurso anti-imperialista de Chávez, falando mal dos " yanquis", mas nos Estados Unidos têm um monte de postos de petróleo venezuelano. Abraços

Jefferson Fernando Araujo em 17 de abril de 2011

Eu tenho uma vontade danada de conhecer a Rússia. São Petesburgo é maravilhosa, Moscou nem se fala. Só que os Russos são muito xenófobos, talvez eu não vote vivo de lá.

Tito em 16 de abril de 2011

Caro Tito, já eliminei o comentário, conforme você pediu. Abraço

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI