Image
Carros híbridos, que produzem a própria eletricidade com que são movidos: quando, afinal, os teremos feitos no Brasil?

Por razões de família, estou trabalhando por uns dias em Barcelona.

Espanha, país em crise, escasso de petróleo, com energia elétrica que custa caro.

O que se vê, por toda parte? Dos 10.400 táxis que rodam na cidade, já chega perto de 3.000 o número de veículos Toyota Prius, híbridos — carros movidos por motores a gasolina e a eletricidade, de alto desempenho, cujos movimentos e freadas carregam as baterias elétricas.

Passa um Honda Civic na rua, confiro com cuidado — é híbrido. Um esfuziante, potente Porsche Cayenne — é híbrido.

Aparece um outoor com os modelos pequenos da Toyota — são híbridos.

Vejo uma revendedora Ford — e o destaque são os híbridos.

Agora, a Volvo sueca está lançando, aqui, o modelo V-60 Plug-in híbrido, que chega a fazer 55 quilômetros com um litro de gasolina, enquanto carrega as baterias.

Repito: 55 quilômetros por litro!

O panorama não é diferente para quem viaja pelo Reino Unido, pela Bélgica, pela Holanda, pelos países escandinavos…

A Noruega foi além, e já tem a maior frota de carros exclusivamente elétricos do mundo — o que no Brasil seria inviável porque, como sabemos, os governos lulopetistas pisaram na bola nesse terreno e nós, brasileiros, dispondo das maiores bacias hidrográficas do planeta, estamos tendo desde setembro do ano passado, para driblar apagões, de nos valer de usinas termelétricas, que consomem carvão, petróleo ou gás — e poluem, e produzem energia cara.

Então, em relação aos híbridos — que consumem MUITO menos gasolina (que hoje é problemática e se tornará caríssima no Brasil), e produzem, eles próprios, a energia que impulsiona seus motores elétricos — eu pergunto: o que faz o governo da “gerentona” que não negocia com a indústria automobilística a produção desses carros no Brasil?

Não custa lembrar: sabem quando é que os japoneses da Toyota lançaram, lá, o Prius, o primeiro híbrido, em escala comercial?

Em 1997. Há 17 anos, portanto.

Enquanto isso, “neztepaiz”…

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

16 − nove =

13 Comentários

Jayme Guedes em 07 de abril de 2014

E daí? O Japão é penta? Não temos híbridos mas somos penta. Nossas aspirações não vão além de vencer a Copa, vencer o brasileirão e vencer o desfile do carnaval. Nosso negócio é com o pé, o ponto extremo do corpo mais distante do cérebro. Decididamente, inteligência não é coisa nossa.

Sergio em 07 de abril de 2014

A coisa é explicável com a maior simplicidade. Energia elétrica pode ser produzida em casa com placas solares. E daí de onde tirar os 52% de impostos incidentes sobre os combustíveis, haveria enorme perda de poder $$$$.Faltaria para comprar votos, fazer propaganda e viagens etc. Pois é, Sergio. Há algum tempo, tive oportunidade de viajar de carro pelo interior da Turquia -- andei, com outras pessoas, uns 700 quilômetros entre Istambul e a Capadócia. E, ao longo do trajeto, em dezenas de pequenas cidades e de aldeias, praticamente TODAS as casas tinham, no teto, um aquecedor de água com energia solar. Isso na Turquia, que aqui no Brasil nós nem consideramos Primeiro Mundo, não é mesmo? É espantoso e escandaloso que num país com o grau de insolação que tem o Brasil estejamos na Idade da Pedra em matéria de energia proveniente da luz solar. Ah, mas tem o pré-sal, não é mesmo? E somos "autossuficientes" em petróleo... Eu havia me esquecido. Tão autossuficientes que "só" gastamos 20 BILHÕES de dólares importante petróleo no ano passado. Mas o Lula ronca grosso e ainda diz, com sua finesse conhecida: "Se me encherem muito o saco, eu volto em 2018". Como se estivesse tudo dominado. E parece que está. Abraço

Berlatto em 07 de abril de 2014

Enquanto isso neztepaíz? A vaca foi pro brejo, meu caro...

brasileiro em 07 de abril de 2014

Mesmo os carros convencionais ai na Europa são mais econômicos, Peugeot 207, Renault, Citroen, Opel, os (sub)compactos fazem 20 a 25 km e aqui so 10km por litro. A gasolina aqui é ruim e o motor é ruim para gastar mais mesmo. Hibrido aqui é coisa de burguês.

Trovão em 07 de abril de 2014

Setti, não podemos esquecer que os "políticos" "deztepaíz" trabalham contra o país e contra o povo "deztepaís", mas tem bilhões de dollares para entregar para a ditadura da ilha presídio, para entregar para a ditadura da miserável venezuela, etc.

Meia verdade em 07 de abril de 2014

E uma pena Graca Foster pertencer a esse partido, pois vem demonstrando boa gestao.

Aloisio Silva em 07 de abril de 2014

Setti, só de curiosidade, quanto custa um carro desses por aí? Um Toyota Prius vale a partir de 23 mil euros. Um Auris, 18.900. Um Yaris, 14.990. Veja você mesmo no link http://www.toyota.es/campaigns/promotions.tmex E tente comprar no Brasil um Prius zero por menos de 120/130 mil reais... Abraços

Cidadão Quem em 07 de abril de 2014

Caro Setti, vamos um pouco mais longe... Esses carros híbridos de agora têm um propósito muito específico: ajudar no desenvolvimento de baterias de alta capacidade de armazenagem de energia, sendo, ao mesmo tempo, leves e de reduzido volume. Basicamente, é para isso que servem os veículos híbridos. Para o futuro próximo, o novo paradigma automotivo prevê a geração de energia a partir de células de combustível, as denominadas "fuel cells". Esses novos motores já se encontram em franco desenvolvimento, havendo algumas montadoras prontas para lançar seus veículos, movidos a fuel cells, nos próximos cinco anos. Na Alemanha, por exemplo, país ao qual se nega o direito de desenvolver tecnologia nuclear no campo militar, encontram-se operacionais quatro ou cinco submarinos de ataque movidos a células de combustível. As células, tal qual um motor nuclear, são silenciosas e eficientes, principalmente em motores estacionários, com a vantagem de gerar, como subproduto na produção de energia, água. Quer dizer: estamos um pouco mais atrasados do que se imagina.

santana em 07 de abril de 2014

A resposta é uma só sr Setti...é que por aqui, ao invés de gerir um país, eles só pensam em roubar,roubar e roubar, estão muito ocupados para pensar em outra coisa!

Eduardo Esteves em 07 de abril de 2014

Caro Setti Aposto que na Europa não inventaram um Ministro de Minas e Energia com carteira da OAB ou uma fazenda de geradores eólicos interligados ao nada. E falir a maior empresa da AL em 36 meses, a apoteose. Dilma realmente na vanguarda energética mundial. Excelente artigo!

cidadão em 07 de abril de 2014

Os morcegões BARBASTELLAs estão investindo dinheiro do BNDES, milhões na fabricação de balões, o mensalão baloeiro! Balões não deram certo no mundo devido a acidentes fatais, mais como os petralhas recebem o mensalão voador adiantado, dane-se o sofrido povo brasileiro.

rodolfo em 07 de abril de 2014

Perfeito Ricardo, sempre me perguntei o mesmo até ver nosso setor elétrico de joelhos. Imaginou metade da frota da grande SP se plugando em nosso sistema? O país parava a cada 10 minutos. Infelizmente, como tudo no Brasil, estamos mais próximos da carroça e em alguns casos próximos da Idade da Pedra Lascada...

Rodrigo Santos em 07 de abril de 2014

Aqui no Brasil não é interessante para o Governo fazer o que é ecologicamente certo. Muito menos baixar os impostos sobre veículos, que são um dos mais caros do mundo. Vou sentar por anos até ver carros híbridos aqui. Meu sonho era um Nissa Leaf, dá uma pesquisada Ricardo.... mas eu vou abastecer ele como aqui no Brasil?

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI