Image
Barack Obama e Mitt Romney:  (Fotos: Jewel Samad/AFP e Brian Snyder/Reuters)

Amigos, o ex-governador republicano de Massachusetts Mitt Romney é, como muita gente sabe, o candidato adversário mais temido pela campanha pró-reeleição do presidente dos Estados Unidos, o democrata Barack Obama.

Como todo candidato em qualquer lugar do mundo, Romney tem trunfos e apresenta pontos fracos. Seu principal trunfo é ser, entre os postulantes republicanos, o mais moderado — o que significa o mais capaz de captar votos entre o segmento do eleitorado americano que sempre decide a parada, os eleitores independentes, que não são filiados a nenhum dos dois grandes partidos.

Igualmente na coluna positiva está sua gestão como governador de Massachusetts, entre 2003 e 2007: em ordem deixou as finanças do rico, mas à época mal das pernas Estado, e instituiu um programa gratuito de assistência pública de saúde considerado mais avançado do que o que o presidente Obama conseguiu arrancar do Congresso no começo de 2010. Além disso, é bom orador e, bem apessoado, aos 63 anos, ostenta invejável forma física.

O outro lado da história é que Romney, empresário multimilionário e principal acionista de uma empresa de investimentos, paga menos imposto de renda do que deveria — e isso, para os americanos, é pecado grave. Além de haver restrições ao fato de ser integrante de proa da Igreja Mórmon, que muitos americanos protestantes e católicos não consideram cristã.

Agora, com a divulgação de que é, de longe, o candidato que mais tem recebido contribuições de bancos e de Wall Street em geral para sua campanha, o provável vencedor da corrida republicana para a candidatura à Casa Branca está oferecendo aos estrategistas de Obama mais um argumento para encurralá-lo num canto como “o candidato dos ricos”.

Numa época de lenta recuperação da crise econômica e de índices de desemprego ainda muito altos, como a que vivem os Estados Unidos, o rótulo pode ser fatal a Romney.

DEIXE UM COMENTÁRIO

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

quatro × 1 =

Nenhum comentário

Estevam Cortez em 07 de fevereiro de 2012

Seu comentário é grosseiro, ofensivo, asqueroso e revelador de quem você é. E só um louco de corrente pode achar que Obama e sobretudo Mitt Romney são comunistas. Suma daqui.

Rafael Kafka em 06 de fevereiro de 2012

Romney paga exatamente o que deve. Americanos admiram a riqueza e não tem esse complexo de vira-latas brasileiro de externar inveja de quem é bem sucedido. Obama perde nos swing states. Feio. O desemprego estrutural, dos que sequer podem procurar emprego, está na casa dos 10%, maior do que na grande depressão. Obama certamente perderá para Romney porque fez uma administração desastrosa destruindo a economia e somando mais débito que todos os presidentes da história somados.

brasileiro preocupado em 05 de fevereiro de 2012

Não li nada a respeito dos 80 brasileiros assassinados na BAHIA, talvez não mereçam a nossa atenção ou os meus valores estão fora da realidade.abs

Vera Scheidemann em 05 de fevereiro de 2012

Eu continuo torcendo pelo Obama. Considerando o que ele herdou do Bush, é justo que tenha uma segunda chance. Vera

Augusto Nacarini em 05 de fevereiro de 2012

Ricardo,so uma correcao:ele nao pagou menos imposto do que deveria.Como a maior parte de seus rendimentos sao ganhos de capital, a aliquota maxima e de 15% e foi o que ele pagou de acordo com a legislacao vigente.O que se questiona e se e justo esse tratamento tributario dos ganhos de capital vis a vis o que e recolhido de outros rendimentos, como salario que pode chegar a 30% Muito obrigado, caro Augusto, pelo toque. Na verdade o imposto na fonte, segundo sei, pode ser muito superior a 30%, dependendo do Estado. Um abração e volte sempre.

Paulo Bomfim em 04 de fevereiro de 2012

Olá, Setti. Voltei aqui. Não entendo bulhufas das eleições americanas e ainda não procurei entender bem esse sistema eleitoral que elege para cargo majoritário, às vezes, o que foi menos votado. Mas posso usar essa pra aprender. A do Obama foi meio boba porque ele só usou a popularidade ridícula do Bush pra se eleger e uma coisa que eu odeio: a ideia de que ter um primeiro presidente negro é, em si, algo bom - como se um branco de olhos azuis fosse um dos elementos que por sua cor fosse um dos que levaram os EUA aos buraco em que estão. Estou acompanhando a campanha eleitoral americana com binóculos ruins. Por enquanto, me parece que o Tea Party só conseguiu lotar a Câmara dos Representantes, não tendo força suficiente para conseguir colocar um presidente na Casa Branca. E só. Digo isso por causa da falta da candidatos dos Republicanos. Outra coisa que vem me estranhando: começariam agora os americanos a dar bola pra essa coisa bem brasileira: "o candidato dos ricos"? Será mesmo que esse seria um golpe fatal na candidatura de Romney? Não sei - e nem tenho como saber. O fato: essa campanha está estranha, de novo. E eu, sobre o Obama, digo o que sempre disse: ele o mais próximo que os EUA conseguem chegar de Lula - por exemplo, quando se refere ao Congresso como "os políticos", como se ele fosse, sei lá, uma grande messias. Tomara para os norte americanos que eles não tenham uma azar de ter um solapador de instituições como o Lula. E aí, Setti? Como fica? Grande abraço! Caro Paulo, é difícil dizer como fica. Nâo vou me arriscar. Mas estar do lado "dos ricos" sempre é um problema nos ricos EUA, porque a imensa maioria da população, de classe média, em geral considera, entre outros pontos, que os ricos -- aqui falo de ricos de verdade -- pagam muito menos impostos do que deveriam, em virtude de uma série de brechas e de benefícios nas leis. Nos EUA, isso não tem nada a ver com ser de "esquerda". Também pesa muito o fator Washington. Ser "contra Washington" -- contra o que a grande maioria considera ser a politicagem, a burocracia, as combinações sigilosas, uma administração "gorda" e grande demais, um Estado que se mete demais na vida das pessoas conforme o presidente, governos distanciados das pessoas comuns etc -- dá muito voto. Ronald Reagan, entre outros, se elegeu em 1980 com uma forte campanha "anti-Washington", que é o que pregam agora praticamente todos os aspirantes republicanos, sendo que o Newt Gingrich pretende ser o que mais encarna este espírito. Abração

Dr Evil em 04 de fevereiro de 2012

Romney e o concorrente dos sonhos dos democratas. A indicacao dele pelo partido republicano sera a garantia de vitoria de Obama.Ele parece aqueles candidatos demagogos brasileiros: para cada plateia tem um discurso sob medida.E de seus discursos sairao as melhores propagandas dos democratas. Essa semana mesmo ele disse que nao se preocupava com os pobres. (o contexto era outro, mas ele falou e sera usado contra ele).

VER + COMENTÁRIOS
TWITTER DO SETTI